No Campus com Helder Coelho

Discutir a escola: um dever intelectual

Sala de aula

Todo e qualquer avanço do saber produz uma nova e profunda ignorância, mais mistérios, o que não é surpreendente, pois o progresso, com os avanços sistemáticos, tende para o desconhecido

Ciências ULisboa
Helder Coelho
Helder Coelho
Imagem cedida por HC

“Quem aumenta o seu conhecimento aumenta logo a sua ignorância.”
Friedrich Schlegel

Barbara Reis abordou a organização/estrutura de uma universidade (Institute for Advanced Studies, Princeton University, EUA) e Arlindo Oliveira defendeu a necessidade de dar a voz à tecnologia. Ambos no Público. Curiosamente, não vi preocupação alguma pelo cada vez maior estado de degradação do Liceu/Escola Secundária de Luis de Camões (Praça José Fontana, 1050-129 Lisboa), fundada em 1909, ou pela imobilidade da universidade portuguesa (CRUP – Conselho de Reitores) no que respeita à intervenção no país e numa multitude de temas complexos (incêndios, falta de água (desalinização da água do mar, aproveitamento das descargas das barragens), cidades inteligentes, desigualdades (orla marítima versus interior do país, precários, sem abrigos, falta de emprego para os jovens doutores).

Ao longo dos anos tive o prazer de passar por muitas unidades de ensino e investigação, de que destaco a que mais me impressionou ou satisfez (Santa Fe Institute, Novo México, EUA). Claro que falo do espaço interno (arquitetura), do arranjo de facilidades, dos modos de interação (conversas) com alunos e professores/investigadores, do acesso fácil à biblioteca, e da possibilidade de poder trabalhar numa sala sem ser incomodado e com acesso à Internet.

A escola é algo que devemos sempre defender e não perder de vista, seja ela a escola primária ou a universidade. Fui aluno da primária na escolar do Largo do Leão e do Liceu Camões, e não as esqueci. Quanto à universidade, fui aluno e professor (IST, ISEG, FCUL, ISCTE), fiz perguntas, discuti e operei mudanças de disciplinas (IST), de mestrados e de departamentos (ISEG), e de licenciaturas, mestrados e doutoramentos (FCUL, ISCTE). No entanto, não estou descansado. Acho que a interdisciplinaridade ainda não funciona tão bem, como eu gostaria, na Universidade de Lisboa. Existem receios de misturas (talvez um racismo disciplinar) e os alunos têm medo de sair do seu conforto (área de estudos) para abordarem problemas e temas que exigem multidisciplinaridades. Embora o conhecimento esteja em expansão, em todas as áreas, existem boas razões para esperarmos que sejam inevitáveis as relações de proximidade e possibilidade de combinação entre conhecimentos que nunca foram associados.

As ligações podem ser naturais (por proximidade) ou artificiais através de pontes mais ou menos complexas (via mecanismos, novos conhecimentos, já conhecidos ou ainda ignorados, mistérios por descobrir). E, aqui surge uma dificuldade e muitos desafios: a ligação é contrariada pelo atual ensino, que tende a separar, compartimentar ou mesmo isolar (veja-se a tendência de explodirmos o conhecimento, em cada vez mais disciplinas especializadas e autónomas).

Nos últimos 30 anos, Edgar Morin lutou pela articulação dos saberes, uns com os outros, e de os tornar complementares (Morin, 2017), mesmo buscando junções com conhecimentos, fechados no interior de algumas disciplinas. A nível institucional, a dificuldade aparece com a resistência (ou ignorância) à entrada da Biologia, da Informática, da Física, da Matemática ou da Filosofia em algumas faculdades.

Todo e qualquer avanço do saber produz uma nova e profunda ignorância, mais mistérios, o que não é surpreendente, pois o progresso, com os avanços sistemáticos, tende para o desconhecido. E, como articular o binómio aprender-ensinar, de molde que todo um povo possa usufruir e ao mesmo tempo desenvolver a sua capacidade crítica? Não basta assim resolver problemas, é preciso também constituir equipas, dinamizar as vontades, planear, desenvolver estratégias e auscultar o futuro (predizer). A nossa capacidade de I&DE (Ciência com 1.2% do PIB, face aos 3% desejado pela OCDE) é muito fraca, temos poucos investigadores e temos vindo a perder muitos (doutores), desde 2011, para o mundo.

Referências
Feijó, A. M. e Tamen, M. A Universidade como deve ser, Fundação Francisco Manuel dos Santos, 2017.
Morin, E. Connaissance, Ignorance, Mystère, Fayard, 2017.
Oliveira, A. Há petróleo no Beato, Público, Março 9, 2018.

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática de Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

A FCUL, bem como toda a Universidade de Lisboa está sem acesso à Internet desde cerca das 11:45 da manhã.

Professora Olga Pombo, autora do livro "O Círculo dos Saberes"

“Estou convencida que a imagem do círculo constitui um arquétipo, uma determinação conceptual prévia a toda a investigação”, defende Olga Pombo, docente na FCUL e autora do livro “O Círculo dos Saberes”.

Imagem ilustrativa do livro "O Círculo dos Saberes"

“A apresentação do livro seguirá um formato sério e discreto. O professor Shahid Rahman fará uma apresentação e apreciação do livro e eu agradecerei todas as suas palavras, sejam elas elogiosas, sejam críticas", afirma a autora Olga Pombo.

Trial para todos os Membros da b-on.

Pessoas a correr junto ao Marquês de Pombal

A primeira Corrida da Ciência aconteceu o ano passado por ocasião das celebrações dos 100 anos da FCUL. A edição deste ano integra-se na 2.ª Edição do AmbientALL – Universidade em Movimento.

O concurso de programação destina-se a alunos universitários e este ano junta 16 equipas, oriundas de oito instituições universitárias portuguesas. A equipa da FCUL chama-se BigO(1).

Imagem da professora Maria José Boavida

“Colega amiga”, “orientadora empenhada e humanista” e “investigadora solidária”, assim se recorda Maria José Boavida (1948 – 2012).

Desenho do campus da FCUL

As tabelas e notas científicas, assim como as regras elementares de segurança em laboratórios são algumas das mais-valias deste “livro”.

A fim de cumprir com o estabelecido no Regulamento Eleitoral, o Caderno Eleitoral para a eleição do Presidente do Departamento de Estatística e Investigação Operacional está disponível para consulta.

 O projecto CAMPUS UL realizado pelos alunos de mestrado em Engenharia Geográfica no âmbito das disciplinas de Fotogrametria Analítica e de Produção Cartográfica ganhou o segundo prémio no concurso internacional de projectos com fins educativos

lâmpada

"Criar, transferir e valorizar economicamente o conhecimento científico" é a causa primária do renovado centro de inovação, situado no campus da FCUL.

Hoje, quarta-feira, dia 10 de Outubro de 2012, registou-se uma quebra no acesso à Internet pelas 17h00 por cerca de 5 minutos.

A causa foi externa à Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e ainda não fomos informados das suas causas.

Estão abertas três vagas para bolseiros para a Unidade de Informática

Imagem do professor J. Sebastião e Silva

O Departamento de Matemática da FCUL apresenta obras selecionadas de personalidades da nossa história, nomeadamente os Compêndios de Matemática e os respetivos Guias para professores de José Sebastião de Silva, cujos direitos patrimoniais foram cedidos à Faculdade por um período de 30 anos.

Devido a uma avaria no equipamento de Videoconferência, o serviço encontra-se interrompido por tempo indeterminado. Pedimos desculpa pelo incómodo causado.

Alunos aguardam a sua vez na fila para as inscrições

Este ano, durante a 1.ª fase de inscrições, foi realizado um inquérito a 845 estudantes. De acordo com os resultados obtidos, o reconhecimento da competência científica (25%), a localização (22%) e a nota de candidatura (22%), foram determinantes na escolha da FCUL.

Abertura de Concurso para uma posição de substituição de Doutor Ciência na CFNUL na área Física Nuclear – Reações Nucleares, ver anúncio em http://www.eracareers.pt/opportunities/index.aspx?task=global&job

A FCUL dá as boas-vindas aos novos alunos, após o arranque do novo ano letivo, a 17 de setembro.

Filipe Duarte Santos - Professor Catedrático e Jubilado do Departamento de Física e Director do SIM

Imagem de perfil de Maria Filomena Camões, professora do DQB-FCUL

Maria Filomena Camões, professora do Departamento de Química e Bioquímica da FCUL, assina um artigo sobre a criação do Instituto Nacional de Metrologia da Colômbia e a inauguração de um laboratório do qual é madrinha.

Guiomar Evans - Prof. Auxiliar do Departamento de Física e Investigadora do Centro de Física da Matéria Condensada

A missa do 30.º dia em memória de José Manuel Pires dos Santos, professor aposentado do Departamento de Informática da FCUL, realiza-se a 11 de setembro, pelas 19h00, na Igreja da Luz, em Carnide.

Toda a morte, mesmo a anunciada, é uma surpresa. Um misto de espanto e de descrença como se não fosse possível acontecer.

As actividades da Semana Zero do DEGGE têm lugar nos dias 12, 13 e 14 de Setembro.

Páginas