Opinião

O paradigma da qualidade no ensino superior

No dia 27 de Novembro próximo, irá decorrer, sob a égide da Reitoria, o seminário “Práticas de Qualidade: Resultados no Ensino Superior” que, na sequência de outros com esta temática, é o primeiro organizado no contexto da recém-formada ULisboa, dando, assim, um pontapé de saída à integração das duas estruturas nestes processos de garantia da qualidade.

Para quem a divulgação deste evento passou ao lado, o seminário visa promover a discussão sobre as dificuldades identificadas no processo de implementação das práticas de qualidade, os efeitos na qualidade do ensino e propostas de melhoria neste contexto. Feita esta nota introdutória, devo acrescentar que, isto da política de Garantia da Qualidade, é, tão só e simplesmente, aquilo que todos nós reivindicamos em relação a tudo, uma constante melhoria e valorização de produtos e serviços, neste caso, do ensino superior.

Consumidores ou prestadores, jovens, encarregados de educação, professores, sociedade, País, todos querem ter a garantia do serviço, a garantia do futuro, a garantia do top, a garantia da qualidade. E, numa perspectiva global, é uma inevitabilidade, se queremos o reconhecimento nacional e internacional. A garantia da qualidade no ensino superior é um dos pilares do processo de Bolonha. ENQA, EUA, EURASH e mais umas tantas organizações europeias estabelecem quadros de referência globais e com os quais estamos assumidamente comprometidos. Em 2006 foi constituído o Grupo de Trabalho para a Garantia de Qualidade da UL com representantes de todas as unidades orgânicas e o apoio do Gabinete de Garantia da Qualidade da UL. Este grupo foi a raiz do Conselho da Garantia de Qualidade da UL. Paralelamente foram criadas, nas várias unidades orgânicas, comissões de garantia da qualidade que, ao longo destes anos, e em processos muito heterogéneos, vêm sendo preenchidas com mais ou menos pessoas e com mais ou menos competências explícitas.

Bases, estruturas, gabinetes, agências… na realidade há uma efervescência de processos, workshops, avaliações, acreditações, SWOT. A qualidade no ensino superior está bem instituída e assegurada ou em vias disso. Sem dúvida.

E a qualidade do ensino superior? Não é só semântica… Podem estes processos e actores garantir, efectivamente, a qualidade do ensino superior? Esta perspectiva do todo já é mais controversa e, pelo menos, mais difícil de quantificar. E agora?

A qualidade não deve ser imposta, tem que ser sentida como uma necessidade por cada um de nós. E pode ser só isto. Mas, se queremos que ela seja reconhecida pelos outros, tem que ser visível. Tanto mais visível quanto maior a escala e maior a complexidade. Quero com isto dizer que, não basta ser bom, há que parecer e aparecer! É quase fruto dos tempos e será fatal se assim não for, nesta época de feroz competição e, não menos feroz, marketing.
Sem título
Fonte: stock.xchmg
Legenda: O seminário “Práticas de Qualidade: Resultados no Ensino Superior” acontece a 27 de Novembro e é o primeiro organizado no contexto da recém-formada ULisboa

Aquando da divulgação deste seminário foram solicitados resumos com vista a pequenas comunicações. Muitas contribuições foram enviadas de várias instituições de ensino superior. Exemplo: universidades do Minho, Aveiro, Porto, Nova de Lisboa, de diversas unidades orgânicas como o IST, ISEG, FLUL, etc., até da A3ES. Nenhuma da Faculdade de Ciências.

Não é uma crítica. Também me incluo no pacote. Pretende ser uma informação e um “case study”. Comentário imediato - “estamos sobrecarregados de trabalho”. Sem dúvida, e essa situação contrapõe-se a quaisquer padrões de qualidade. Este poderia então ser um bom tema. Mas também me ocorre uma frase de Benjamin Franklin de que eu gosto particularmente - “Se você deseja um trabalho bem feito, escolha um homem ocupado, os outros não têm tempo”. É preciso agora um trabalho bem feito.

A FCUL tem um historial de excelência a vários níveis e sempre foi sensível aos processos de qualidade. Temos sido pioneiros de muito boas práticas no ensino superior. Uma excelente escola e nós, que cá estamos, sabemos isso. E os alunos também. Os que cá estão e os que já cá estiveram. Mas hoje não chega. Temos que saber responder aos desafios e temos que exportar as nossas mais-valias. Modéstia à parte. Porque agora não se trata de um caso de modéstia, trata-se de rankings, trata-se de competitividade, trata-se, no mínimo, de ter alunos.

A importância do carimbo! Ocorre-me sempre o carimbo que os ovos devem levar para certificação da sua qualidade e entrarem no circuito comercial. É reconhecida a sua importância como garantia da nossa saúde. O que parece contra-senso é a afanosa busca de ovos da quinta da vizinha ou lá da terra, postos sei lá onde e ao arrepio de qualquer análise! Porquê? A explicação é fácil. A fiscalização não incide no todo. Só avalia, por obrigação legal, uma componente. Porque tenho a certeza que, se a certificação respeitasse um referencial adequado, todos escolheríamos o carimbo.

Trata-se de perceber que faz diferença o modo como encaramos o paradigma da qualidade no ensino superior. Saber o que se pode fazer e, principalmente, o que não se deve fazer.

É disso que se trata. E como eu disse, é preciso agora um trabalho bem feito. Procura-se um adequado referencial global para a qualidade real do ensino superior e sabemos bem que, entre uma introdução teórica e os resultados, há muito trabalho árduo e repetido. Seminários como este são imprescindíveis e são o que nós fizermos deles, principalmente porque, no aperto de muitas respostas, se podem fazer muitas perguntas. É um espaço para respirar ideias. Para comparar estratégias, avaliar os resultados e evoluir para práticas no dia-a-dia consistentes com a majoração do bem-estar de docentes, alunos e funcionários, entendido como a realização das expectativas. Uma obra tem que ser discutida por todos os interessados, escolhidos os materiais, amado o design, avaliados os espaços e calculados os riscos pois só assim, como já uma vez disse, se podem construir degraus sólidos e subir ao telhado de uma forma mais estável e segura. É da responsabilidade de todos e é este o objectivo mais importante do seminário.

Nota da redação: Por decisão pessoal, a autora do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico.

Manuela Rocha, professora do DQB-FCUL e membro da CAICQ-FCUL
Banner Prémio de Doutoramento em Ecologia - Fundação Amadeu Dias

Já são conhecidos os vencedores da edição 2024 do Prémio de Doutoramento em Ecologia - Fundação Amadeu Dias, organizado pela Sociedade Portuguesa de Ecologia (SPECO).

Jorge Buescu, professor do Departamento de Matemática (DM) de CIÊNCIAS, reeleito Vice-Presidente da European Mathematical Society (EMS)

Jorge Buescu, professor do Departamento de Matemática (DM) de CIÊNCIAS, foi reeleito Vice-Presidente da European Mathematical Society (EMS).

Verão na ULisboa em CIÊNCIAS

Foi com um sorriso na cara e com vontade de um dia regressarem, que os estudantes do programa Verão na ULisboa deixaram o campus de CIÊNCIAS, após as cerimónias de entrega de diplomas que decorreram nos dias 5 e 12 de julho.

Assinatura do Protocolo com a REDCORP

No passado dia 9 de julho a Direção de CIÊNCIAS assinou um protocolo de cooperação com a REDCORP, empresa de empreendimentos mineiros responsável pelo Projeto Lagoa Salgada.

CIÊNCIAS assinA um protocolo de colaboração com a Raiz Vertical Farms nas instalações de CIÊNCIAS, tendo sido assinado pelo Diretor da faculdade, Luís Carriço, e pela co-fundadora da startup Rede Vertical Farms, Inês Barros.

CIÊNCIAS assinou um protocolo de colaboração com a Raiz Vertical Farms, com o objetivo de instalar uma horta vertical no campus da faculdade.

Equipa do CSD Lab do BioISI

Uma equipa de investigadores do Laboratório de Estrutura e Dinâmica Celular (CSD Lab) do Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (BioIS

Diogo Rodrigues Fernandes

Diogo Rodrigues Fernandes, doutorando de CIÊNCIAS e investigador no Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (

Banner O Planeta Vivo

“Temos este mundo, ou nada. E temos um grande problema se não entendermos o planeta que queremos salvar.” Esta citação de Carl Sagan é o mote do documentário ‘O Planeta Vivo’, que estreou no passado dia 3 de julho na RTP.

Vista Aérea do Observatório do Paranal

O Observatório do Paranal, no deserto do Atacama no Chile, que faz parte do Observatório Europeu do Sul (ESO), vai receber em 2025 um telescópio made in Portugal para observar o Sol.

Nuno Gonçalves e Inês Leite posam com os prémios junto aos restantes investigadores do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA)

Nuno Gonçalves e Inês Leite, estudantes de CIÊNCIAS, foram premiados na SPIE Astronomical Telescopes + Instrumentation, a maior conferência internacional sobre instrumentação para a Astronomia.

Ranking de Leiden: Há três áreas de investigação de CIÊNCIAS em que a ULisboa é líder nacional

A Universidade de Lisboa (ULisboa) está em primeiro lugar a nível nacional em três áreas de produção científica de CIÊNCIAS no reputado CWTS Leiden Ranking: Ciências da Vida e da Terra, Matemáti

Banner Curso PRODIGI

A partir de 2025 a Universidade de Lisboa em parceria com o Instituto Politécnico de Lisboa, vai disponibilizar uma nova formação online em competências digitais.

 

Inês Fragata, Margarida Matos, Sara Magalhães e Cristina Máguas.

CIÊNCIAS inaugura hoje oficialmente a infraestrutura laboratorial de investigação - Unidade de Evolução Experimental.

Imagem alusiva ao Deep Tech Talent Initiative (DTTI), um programa do European Institute of Innovation and Technology (EIT)

O Mestrado em Bioestatística de CIÊNCIAS foi acreditado pela Deep Tech Talent Initiative (DTTI), um programa do European Institute of Innovation and Technology (EIT).

Dois professores de CIÊNCIAS eleitos sócios da Academia das Ciências de Lisboa

Pedro Miguel Duarte e Luís Eduardo Neves Gouveia, professores de CIÊNCIAS, foram eleitos sócios da Academia das Ciências de Lisboa.

O Centro de Congressos da Alfândega do Porto é o palco da edição de 2024 do Encontro Ciência.

Luís Carriço (Diretor de CIÊNCIAS) e Carlos Martins (Presidente da EPAL) junto a um dos novos bebedouros.

A Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa aderiu ao desafio da EPAL - Empresa Portuguesa das Águas Livres de consumir Água da Torneira nas suas áreas comuns, representando mais um compromisso com o Ambiente e com

 Rodrigo Freitas, Francisco Graça e Diogo Ávila no Pódio dos 3000 metros obstáculos no Campeonato Nacional Universitário de Pista ao Ar Livre

Rodrigo Freitas, estudante de CIÊNCIAS, sagrou-se bicampeão no Campeonato Nacional Universitário (CNU) de Atletismo Pista Ar Livre.

Desde ontem que CIÊNCIAS dispõe de um novo espaço: o Lounge C7!

Carolina Margarido, Catarina Lima e Raquel Costa seguram o prémio de primeiro lugar na segunda fase do Future Innovators Program da Unicorn Factory Lisboa

Carolina Margarido, Catarina Lima e Raquel Costa venceram a segunda fase do Future Innovators Program da Unicorn Factory Lisboa

A cientista Ana Russo, investigadora do Instituto Dom Luiz (IDL), visitou duas escolas básicas do concelho de Sintra no dia 23 de abril para rea

Branca Edmée Marques, cientista alumna de CIÊNCIAS

Branca Edmée Marques, alumna de CIÊNCIAS, será homenageada no dia 20 de junho pelos Museus da Universidade de Lisboa

Vanessa Fonseca, Catarina Frazão Santos, Rita Cardoso, Cláudio Gomes, Ana Duarte Rodrigues e Paulo J. Costa posam com os prémios para uma foto numas escadas

A faculdade conseguiu obter o segundo lugar entre as Escolas da Universidade de Lisboa mais galardoadas.

Páginas