Astrofísica

“Uma referência para o País”

José Afonso
Cedida por JA

“A Astrofísica [e as ciências espaciais] é uma das áreas de investigação em Portugal com maior impacto internacional, como indicam os últimos levantamentos bibliográficos”, diz José Afonso, diretor do Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL).

O “franco crescimento” dos últimos anos deve-se à adesão de Portugal ao Observatório Europeu do Sul e à Agência Espacial Europeia, factos que têm proporcionado uma maior participação e até liderança de investigadores portugueses em projetos internacionais. Por isso mesmo e apesar da “conjetura nacional não ser brilhante”, José Afonso acredita que a Astrofísica portuguesa continuará a ser nos próximos anos “uma área de referência para o País”.

O investigador da FCUL e dirigente do CAAUL é um dos membros da equipa que anunciou recentemente a descoberta da galáxia IRAS 08572+3915, a mais luminosa do universo local. Esta investigação liderada por Andreas Efstathiou, da Universidade Europeia de Chipre, conta com a participação de 19 cientistas de universidades da Europa e dos EUA.
Galáxia
Fonte: Hubble Space Telescope
Legenda: IRAS 08752, a galáxia mais luminosa do universo local

Segundo o comunicado de imprensa difundido pelo CAAUL, a galáxia IRAS 08572+3915 é a “mais luminosa num raio de dois mil milhões de anos-luz da Terra, com um brilho superior ao de dez biliões de estrelas como o Sol” e já é conhecida há 30 anos, “desde as observações com o telescópio espacial de infravermelhos IRAS”.

A análise detalhada das observações feitas com o telescópio espacial Herschel, juntamente com os dados do telescópio espacial Spitzer, permitiu a recente descoberta. José Afonso explica que só agora “foi possível perceber que uma grande parte da radiação emitida por esta galáxia está na realidade dirigida para longe de nós -acrescentando que -, quando a contabilização da emissão tem em conta este efeito, que explica as observações, descobrimos que esta galáxia é a mais luminosa que conhecemos no universo local”.

Nesta investigação, o astrónomo português tem ajudado a conceber e implementar o programa Herus (“The Herschel ULIRG Survey”) e também tem participado na interpretação das observações. As observações com o telescópio espacial Herschel fazem parte do programa Herus, ao qual foi atribuído, após concurso, cerca de 250 horas para observações de 45 galáxias ultraluminosas no universo local.

O estudo da galáxia IRAS 08572+3915 passará agora pelo uso do novo telescópio ALMA, constituído por 66 antenas, facto que deverá permitir desvendar o segredo da sua enorme luminosidade. Os cientistas vão utilizar o ALMA, entre outros telescópios, para perceber como se conjugam “os processos de formação estelar ‘explosiva’ e de atividade gerada pela presença de um buraco negro supermassivo no seio de uma galáxia”. Paralelamente pretendem servir-se deste conhecimento para perceber como se podem detetar “as primeiras galáxias luminosas do universo após o seu nascimento, algumas centenas de milhões de anos após o Big Bang”.

Curiosidades
O programa Herus procura estudar, no infravermelho longínquo, todas as galáxias ultraluminosas no universo local e desta forma compreender as fases mais extremas da evolução de uma galáxia, que observamos com frequência no universo distante.

Com um espelho principal de 3.5 metros de diâmetro, o Herschel é o maior telescópio de infravermelhos alguma vez construído, sendo operado pela Agência Espacial Europeia. Foi colocado no espaço em 2009 e esteve em funcionamento até se esgotar o seu líquido refrigerante (necessário para observações no infravermelho longínquo), em abril deste ano.

O telescópio espacial Spitzer possui um espelho principal de 0.85 metros e instrumentação para observações no infravermelho próximo, médio e longínquo. Este telescópio construído e operado pela NASA foi lançado para o espaço em 2003, tendo esgotado o seu líquido refrigerante após seis anos de observação. Apesar de não ser possível efetuar observações no infravermelho médio e longínquo, ainda mantém a capacidade de observação no infravermelho próximo, mais de dez anos após o seu lançamento.

Uma análise detalhada consiste na modelação da emissão de radiação no infravermelho médio (Spitzer) e longínquo (Herschel), como sucedeu com a medição da galáxia IRAS 08572+3915. Tal modelação indica a existência de um toro de poeira que rodeia um buraco negro supermassivo no centro desta galáxia, responsável por 90% da sua luminosidade. Os restantes 10% são provenientes de formação estelar “explosiva”.

Fonte: JA

Ana Subtil Simões, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt
Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Reitoria da ULisboa

O CWUR 2024 avaliou de entre 20.966 instituições de ensino superior e atribuiu à ULisboa o 211.º lugar (top 1.1%) e a 80.ª posição no panorama europeu.

Páginas