Inovação e Empreendedorismo

Regulamento da Política de Valorização de Conhecimento (PVC) da FCUL (2017)

Valorização económica do conhecimento

A ligação da Faculdade de Ciências às políticas de Inovação e Empreendedorismo tem sido pontuada através de iniciativas que visam:

  • Facilitar a criação de spin-offs empresariais por parte dos seus docentes, investigadores e ex-alunos;
  • Dinamizar todas as formas de investigação sob contrato com empresas e outras entidades do "sistema de inovação";
  • Intervir institucionalmente, designadamente através da Fundação da FCUL, em iniciativas desta natureza;
  • Sensibilizar os estudantes para as atitudes que valorizem o empreendedorismo e a criação de valor com base em conhecimento;
  • Desenvolvimento de soft skills nos estudantes e corpo docente.

Os instrumentos fundamentais deste processo são:

  • A criação e articulação com o Tec Labs, no campus da Faculdade de Ciências;
  • O reforço da posição institucional da FCUL na LISPOLIS;
  • A atividade própria da Fundação da FCUL no âmbito dos serviços que beneficiam da base de conhecimentos da FCUL;
  • Através do Tec Labs, incubadora de empresas de base tecnológica, o envolvimento institucional no AUDAX - Centro de Empreendedorismo do ISCTE;
  • O reforço da coerência do sistema constituído pela FCUL, FFCUL, ICAT, LISPOLIS e AUDAX, bem como a ligação a atividades afins da cidade de Lisboa;
  • O protocolo com a Share no âmbito dos soft skills;
  • A introdução de disciplinas de empreendedorismo, inovação ou de gestão de tecnologia nos cursos de formação avançada dos programas doutorais;
  • A colaboração docente com o ISCTE-IUL no âmbito das disciplinas relativas à gestão ou empreendedorismo.

Os principais factos relativos à interação entre a FCUL e o Tec Labs, a LISPOLIS ou a FFCUL estão incluídos nos relatórios anuais de atividade da FCUL.

A Inovação e o Empreendedorismo assumiram papel de destaque no programa do XIX Governo Constitucional, com a aprovação do Programa Estratégico para o Empreendedorismo e a Inovação [+E+I] (RCM n.º 54/2011, de 16 de dezembro), um programa aberto, em boa medida a executar e a dinamizar pela sociedade civil e que assenta em quatro pilares:

  • Alargamento das competências da população, incluindo a população jovem e a socialmente desprotegida, das empresas e da Administração Pública;
  • Dinamização da inovação, designadamente ao nível de produto, processos e tecnologia, por forma a promover a competitividade das empresas portuguesas;
  • Estímulo ao empreendedorismo, promovendo um contexto favorável ao surgimento de projetos empreendedores e ao seu sucesso;
  • Promoção destes objetivos através de adequados instrumentos de financiamento, com uma repartição justa dos fundos disponíveis pelas iniciativas de excelência.

Neste contexto, foi ainda instituído o Conselho Nacional para o Empreendedorismo e a Inovação (CNEI), tutelado pela área da economia e presidido pelo Primeiro-Ministro, e que deve funcionar de forma articulada com o Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia.