No Campus com Helder Coelho

Altruísmo Eficaz sobre Viver Eticamente

Helder Coelho

Nos últimos anos da troika (2011-2015), a importância da Filosofia foi bastante apreciada, em particular a nível internacional. Este período não foi bom para Portugal, sobretudo porque os jovens licenciados foram colocados de lado e sem trabalho, os sem emprego (ou bolsa), os precários (com vencimento à hora de ocupação, os temporários, sem férias, direitos de saúde...), e os que estavam a mais (e, forçados a emigrar) juntaram a sua indignação e protestaram. Nem sempre com resultados bem visíveis e de pressão real sobre o poder.

Um livro recente de Peter Singer, “O Maior Bem que Podemos Fazer”, que foi posto à venda este ano em Portugal, justifica a necessidade da Filosofia ao abordar o altruísmo (contra o egoísmo) eficaz, o utilitarismo de Jeremy Bentham e John Stuart Mill, e a Ética prática. Peter Singer nasceu na Austrália e ensina nas universidades de Princeton e de Melbourne. O livro das Edições 70 (2016) resultou das Lições Castle, um exercício realizado graças à filantropia, uma atividade muito vulgar em países anglo-saxónicos e não comum em Portugal, e que incentiva as universidades a serem interventoras socialmente.

As neurociências explicam porque fomos evoluindo para cooperar (aliás como outros animais), viver em grupo, e porque nos sentimos melhor quando ajudamos a caridade, sem ganhar nada com isso. A resposta para este quebra-cabeças (fugirmos de estar sós) é o altruísmo ser favorecido pela sorte (ganhar é melhor do que perder), e o nosso cérebro estar já feito para responder ao altruísmo (somos naturalmente  otimistas e dispostos para a empatia). E, com a idade esta inclinação tende a melhorar e a ficar mais forte.

Os seres humanos passam a vida a fazer escolhas, nem todas com bons resultados, embora muitas possam ter consequências, sobretudo para o bem estar dos que estão ao nosso lado. Esqueçamos por uns minutos os outros que fazem o mal (a preferência dos media para ter audiência), e foquemos a nossa atenção neste movimento do altruísmo eficaz.

Duas coisas sobressaem imediatamente, o modo como fazemos as decisões (cálculo, juízo), entre as várias alternativas (preferências), e o que está por detrás delas, as motivações reais. Alguns autores tratam esta temática pelo nome de álgebra moral (racionalização de uma decisão), pois as nossas mentes fazem operações afetadas por pesos, oriundos de necessidades, de respostas emocionais, de interesses (os nossos e os dos outros), e também associadas à ideia do futuro. O cálculo evoca intuições, benefícios, o que se passou atrás, o que está a acontecer, e, finalmente, o que queremos que seja o que vem aí.

Costuma-se dizer que os mercados eficientes são denominados por agentes que maximizam as suas escolhas. Conhece-se hoje que isto não é bem verdade, pois os que têm maior sucesso são precisamente os que não maximizam, nos negócios ou na política. Enfrentar a complexidade, resolver os problemas do dia a dia, com bom senso, implica muitas vezes mais de que uma mente, e é por isso que ouvimos frequentemente as opiniões dos outros e ponderamos depois as nossas próprias escolhas, muitas vezes baseados nas nossas experiências e no que aprendemos com os nossos erros.

Viver eticamente contribui também para uma satisfação interior, e a maior parte das vezes implica usar uma parte substancial dos nossos recursos de sobra para fazermos do mundo um lugar melhor (beneficência). Porém, fazer o bem é uma ideia vaga, reconhece Singer, embora levante muitas questões interessantes. Em primeiro lugar, o que quer isso dizer (veja-se o sítio da Internet GiveWell). Depois, importa saber se os sofrimentos têm o mesmo valor para todos. E, para alguns que benefícios podem daí resultar. No fundo, as boas decisões são sempre um produto de processos ordenados, embora os objetivos sejam quase sempre imprecisos e o cálculo dependa de muitos fatores e variáveis.

De facto, o uso da razão para reorganizar as verdades morais essenciais é exigido durante a análise das situações difíceis e, frequentemente, quando o comportamento humano está muito envolvido. E, como podemos fazer o bem de forma mais eficiente? É possível ser altruísta sempre, ou apenas quando descobrimos alguém a sofrer muito? Será que o grau de empatia depende dessa pessoa ser uma criança, ou então disso ocorrer mais perto de nós e de nos impressionar?

É melhor evitar dar logo uma resposta rápida e fácil. O que costumamos fazer é avaliar bem os nossos recursos secundários e pensar um pouco como eles poderiam ser gastos, em múltiplos fins. Em seguida, executamos um cálculo expedito atribuindo o máximo benefício ao maior número de indivíduos possível (ato de beneficência), associando a obrigação moral de dar à compreensão geral do que acontecerá se realizarmos essa  oferta. Alguns filantropos preferem estar certos de que o que dão irá mesmo ser aplicado e terá uma utilidade precisa. Outros, ficam satisfeitos apenas pelo ato de dar a quem precisa. Esta variedade do oferecer condiciona aquela tipo de cálculo.

Nos últimos anos assistimos ao incremento da obrigação moral de dar, e graças ao aparecimento de vários movimentos sociais predispostos a incentivar o nosso altruísmo natural. No que respeita ao trabalho, isso não se verificou e aumentaram os casos de jovens vivendo em casa dos pais e avós, em regime de grande dependência. O que podemos fazer para melhorar as coisas? Pensem no valor que Portugal está perdendo quando não entra em linha de conta com o investimento que faz com a formação da juventude (capital humano), e que são os outros países que irão aproveitar e tirar vantagem sobre nós.

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática de Ciências
Complexidade da diversidade

"É um erro pensarmos que uma boa equipa de I&DE só deve ser construída com os mais espertos: de facto, é o coletivo, constituído com pessoas que trazem uma gama variável de perspetivas (pontos de vista) para um problema, que obtém os melhores resultados", in no Campus com Helder Coelho.

Chegada à Lua

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço e o Museu da Presidência da República celebram os 50 anos da chegada à Lua.

Campus Ciências ULisboa

Professores de todo o país vão estar reunidos no maior evento de formação acreditada na área do ensino das ciências realizado em Portugal. O VI Encontro Internacional da Casa das Ciências acontece entre os dias 10 e 12 de julho, no campus de Ciências ULisboa.

Logotipo

Tal como sucedeu em edições anteriores, vários professores e investigadores de Ciências ULisboa participam no Ciência 2019 - Encontro com a Ciência e Tecnologia em Portugal, que decorre em Lisboa até 10 de julho.

Mara Gomes, aluna do 2.º ano do mestrado em Ciências do Mar participou no cruzeiro oceanográfico RV Polarstern em junho passado, sob o lema “Changing Oceans – Changing Future”. “Mara Gomes teve a dupla experiência de participar como cientista e de ensinar os alunos do programa POGO”, conta Vanda Brotas, professora do Departamento de Biologia Vegetal e investigadora do polo de Ciências ULisboa do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE).

Ciências ULisboa

As classificações excelente e muito bom destacaram-se na avaliação feita aos centros de investigação afetos a Ciências ULisboa. Para os próximos quatro anos, Ciências ULisboa pretende continuar a sua aposta na investigação de excelência, agora com um pouco mais de fundos (um acréscimo de mais de quatro milhões de euros).

Falecimento

Ermesenda Fernandes, assistente técnica do Gabinete de Orçamento e Prestação de Contas da Área Financeira da Direção Financeira e Patrimonial de Ciências ULisboa, faleceu esta quarta-feira, dia 19 de junho de 2019. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

Laboratórío em Ciências ULisboa

Leonor Côrte-Real, investigadora do polo de Ciências ULisboa CQE, irá representar Portugal no 6th Young Medicinal Chemist Symposium. A jovem doutorada em Química, especialidade em Química Inorgânica por Ciências ULisboa, foi escolhida pela SPQ para representar Portugal neste simpósio e irá apresentar o trabalho desenvolvido durante a sua tese.

Alunos durante um exercício do FCUL Rally Pro

O evento de Ciências ULisboa que convida os estudantes do ensino secundário a programar já vai na 7.ª edição.

Um estudo publicado na revista "Nature" revela novas evidências sobre a ocupação humana da Sibéria desde há 31 mil anos. Vítor Sousa, do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais – cE3c em Ciências ULisboa, é um dos 54 cientistas envolvidos na investigação.

Maria João Verdasca

Maria João Verdasca iniciou em fevereiro de 2017 o programa doutoral em Biodiversidade, Genética e Evolução. A sua investigação foca-se na modelação espacial de espécies invasoras e no estudo dos seus impactos ecológicos e socioeconómicos. Recentemente foi nomeada ao GBIF Young Researchers Award 2019.

Síndrome do impostor

Uma das formas mais eficazes de lidar com o síndrome do impostor é mesmo falar sobre ele, partilhando entre colegas ou amigos com quem sinta um espaço seguro, os desafios que vai sentindo profissionalmente e perceber que não está sozinho naquilo que sente. Estima-se que 70% das pessoas sofrem deste fenómeno psicológico.

Sala de aula

"Todo e qualquer avanço do saber produz uma nova e profunda ignorância, mais mistérios, o que não é surpreendente, pois o progresso, com os avanços sistemáticos, tende para o desconhecido", in no Campus com Helder Coelho.

Vanézia Rocha

Vanézia Rocha iniciou em setembro de 2018 o mestrado em Biologia dos Recursos Vegetais. Recentemente a jovem cabo-verdiana foi nomeada ao GBIF Young Researchers Award 2019, pelo Conselho Científico das Ciências Naturais e do Ambiente da FCT. Os vencedores serão anunciados antes da 26ª Assembleia Geral do GBIF, que decorrerá na Holanda em outubro de 2019.

Exposição E3

A exposição E3 acompanha os astrónomos britânicos A.S. Eddington, C.R. Davidson e A.C.C. Cromelin e o especialista em relojoaria E.T. Cottingham na sua longa viagem e observações. A 29 de maio de 2019 celebra-se o centenário do eclipse solar total de 1919, observado na ilha do Príncipe e na cidade do Sobral,no Brasil.

João Sousa, investigador no Laboratório de Sistemas Informáticos de Grande Escala, foi distinguido com o prémio DSN 2019 William C. Carter, no âmbito do trabalho desenvolvido na tese de doutoramento "Byzantine state machine replication for the masses", realizada enquanto aluno do Departamento de Informática de Ciências ULisboa.

Pedro Mocho

Pedro Mocho lidera o estudo que identificou uma nova espécie de dinossáurio - Oceanotitan dantasi. Geologia sempre foi a sua paixão. Nos próximos seis anos continuará a estudar a história evolutiva dos dinossáurios saurópodes do Mesozóico Ibérico.

Esqueleto de <i>Oceanotitan dantasi</i> à escala

Uma equipa de paleontólogos identificou uma nova espécie de dinossáurio - Oceanotitan dantasi -, descoberto na Praia de Valmitão, na Lourinhã, em 1996. A identificação da nova espécie confirma a presença de uma grande diversidade de saurópodes no Jurássico Superior de Portugal rivalizando a diversidade já reconhecida nas faunas do Jurássico Superior da América do Norte e de África.

Estudantes a trabalhar

Nuno Silva termina a bolsa Erasmus+ em julho. O programa de mobilidade tem sido na sua opinião uma ótima experiência. Recentemente o aluno de Engenharia Biomédica e Biofísica foi um dos vencedores do Innovation Award da Explore Competition.

Martin O'Halloran, Eoghan Dunne, Nuno Silva e Laura Farina

Nuno Silva, aluno do mestrado integrado em Engenharia Biomédica e Biofísica de Ciências ULisboa a estudar no Translational Medical Device Lab, da National University of Ireland,em Galway, no âmbito de uma bolsa Erasmus+, venceu juntamente com o colega Eoghan Dunne, o Innovation Award da Explore Competition.

João Duarte

Investigadores de Ciências ULisboa propõem um novo mecanismo que permite explicar a existência de uma anomalia tectónica a SW do Cabo de São Vicente.

O neurocientista português Fernando Lopes da Silva nascido em Lisboa a 24 de Janeiro de 1935, faleceu no passado dia 7 de maio, na Holanda, onde vivia há mais de 50 anos. Ciências ULisboa lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos familiares, amigos e colegas de Fernando Lopes da Silva.

Permacultura

A rede europeia ECOLISE publicou este mês um novo relatório sobre a eficácia das ações de sustentabilidade e mudança climática realizadas pelas comunidades locais. O investigador de Ciências ULisboa, Gil Penha-Lopes, líder deste projeto, espera que daqui a dois anos haja um novo relatório e que a plataforma online - wiki.ecolise.eu - suporte uma comunidade ainda mais dinâmica e saudável.

"A presença de um 'devias' é muitas vezes uma barreira à congruência entre o eu real e o eu ideal", escreve a psicóloga do Gapsi, Andreia Santos, na rubrica habitual.

Uma equipa internacional constituída por 121 cientistas reconstruiu a complexa história dos cavalos domésticos. O estudo divulgado este mês na revista Cell inclui a participação de Maria do Mar Oom, investigadora do polo de Ciências do cE3c e de Cristina Luís, investigadora do polo de Ciências do CIUHCT, MUHNAC e CIES-ISCTE-IUL, que coordenou o desenvolvimento do trabalho da equipa portuguesa.

Páginas