No Campus com Helder Coelho

Altruísmo Eficaz sobre Viver Eticamente

Helder Coelho

Nos últimos anos da troika (2011-2015), a importância da Filosofia foi bastante apreciada, em particular a nível internacional. Este período não foi bom para Portugal, sobretudo porque os jovens licenciados foram colocados de lado e sem trabalho, os sem emprego (ou bolsa), os precários (com vencimento à hora de ocupação, os temporários, sem férias, direitos de saúde...), e os que estavam a mais (e, forçados a emigrar) juntaram a sua indignação e protestaram. Nem sempre com resultados bem visíveis e de pressão real sobre o poder.

Um livro recente de Peter Singer, “O Maior Bem que Podemos Fazer”, que foi posto à venda este ano em Portugal, justifica a necessidade da Filosofia ao abordar o altruísmo (contra o egoísmo) eficaz, o utilitarismo de Jeremy Bentham e John Stuart Mill, e a Ética prática. Peter Singer nasceu na Austrália e ensina nas universidades de Princeton e de Melbourne. O livro das Edições 70 (2016) resultou das Lições Castle, um exercício realizado graças à filantropia, uma atividade muito vulgar em países anglo-saxónicos e não comum em Portugal, e que incentiva as universidades a serem interventoras socialmente.

As neurociências explicam porque fomos evoluindo para cooperar (aliás como outros animais), viver em grupo, e porque nos sentimos melhor quando ajudamos a caridade, sem ganhar nada com isso. A resposta para este quebra-cabeças (fugirmos de estar sós) é o altruísmo ser favorecido pela sorte (ganhar é melhor do que perder), e o nosso cérebro estar já feito para responder ao altruísmo (somos naturalmente  otimistas e dispostos para a empatia). E, com a idade esta inclinação tende a melhorar e a ficar mais forte.

Os seres humanos passam a vida a fazer escolhas, nem todas com bons resultados, embora muitas possam ter consequências, sobretudo para o bem estar dos que estão ao nosso lado. Esqueçamos por uns minutos os outros que fazem o mal (a preferência dos media para ter audiência), e foquemos a nossa atenção neste movimento do altruísmo eficaz.

Duas coisas sobressaem imediatamente, o modo como fazemos as decisões (cálculo, juízo), entre as várias alternativas (preferências), e o que está por detrás delas, as motivações reais. Alguns autores tratam esta temática pelo nome de álgebra moral (racionalização de uma decisão), pois as nossas mentes fazem operações afetadas por pesos, oriundos de necessidades, de respostas emocionais, de interesses (os nossos e os dos outros), e também associadas à ideia do futuro. O cálculo evoca intuições, benefícios, o que se passou atrás, o que está a acontecer, e, finalmente, o que queremos que seja o que vem aí.

Costuma-se dizer que os mercados eficientes são denominados por agentes que maximizam as suas escolhas. Conhece-se hoje que isto não é bem verdade, pois os que têm maior sucesso são precisamente os que não maximizam, nos negócios ou na política. Enfrentar a complexidade, resolver os problemas do dia a dia, com bom senso, implica muitas vezes mais de que uma mente, e é por isso que ouvimos frequentemente as opiniões dos outros e ponderamos depois as nossas próprias escolhas, muitas vezes baseados nas nossas experiências e no que aprendemos com os nossos erros.

Viver eticamente contribui também para uma satisfação interior, e a maior parte das vezes implica usar uma parte substancial dos nossos recursos de sobra para fazermos do mundo um lugar melhor (beneficência). Porém, fazer o bem é uma ideia vaga, reconhece Singer, embora levante muitas questões interessantes. Em primeiro lugar, o que quer isso dizer (veja-se o sítio da Internet GiveWell). Depois, importa saber se os sofrimentos têm o mesmo valor para todos. E, para alguns que benefícios podem daí resultar. No fundo, as boas decisões são sempre um produto de processos ordenados, embora os objetivos sejam quase sempre imprecisos e o cálculo dependa de muitos fatores e variáveis.

De facto, o uso da razão para reorganizar as verdades morais essenciais é exigido durante a análise das situações difíceis e, frequentemente, quando o comportamento humano está muito envolvido. E, como podemos fazer o bem de forma mais eficiente? É possível ser altruísta sempre, ou apenas quando descobrimos alguém a sofrer muito? Será que o grau de empatia depende dessa pessoa ser uma criança, ou então disso ocorrer mais perto de nós e de nos impressionar?

É melhor evitar dar logo uma resposta rápida e fácil. O que costumamos fazer é avaliar bem os nossos recursos secundários e pensar um pouco como eles poderiam ser gastos, em múltiplos fins. Em seguida, executamos um cálculo expedito atribuindo o máximo benefício ao maior número de indivíduos possível (ato de beneficência), associando a obrigação moral de dar à compreensão geral do que acontecerá se realizarmos essa  oferta. Alguns filantropos preferem estar certos de que o que dão irá mesmo ser aplicado e terá uma utilidade precisa. Outros, ficam satisfeitos apenas pelo ato de dar a quem precisa. Esta variedade do oferecer condiciona aquela tipo de cálculo.

Nos últimos anos assistimos ao incremento da obrigação moral de dar, e graças ao aparecimento de vários movimentos sociais predispostos a incentivar o nosso altruísmo natural. No que respeita ao trabalho, isso não se verificou e aumentaram os casos de jovens vivendo em casa dos pais e avós, em regime de grande dependência. O que podemos fazer para melhorar as coisas? Pensem no valor que Portugal está perdendo quando não entra em linha de conta com o investimento que faz com a formação da juventude (capital humano), e que são os outros países que irão aproveitar e tirar vantagem sobre nós.

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática de Ciências
Terreiro do Paço em Lisboa

A primeira iniciativa do ciclo Alterações Climáticas: Impactos Biológicos e Socioeconómicos é organizada por Ciências. O próximo evento desta rede ocorre em julho e está a ser preparado pelo Instituto Superior de Agronomia.

Centro Cultural de Montargil, Ponte de Sor

O Centro Ciência Viva do Lousal (CCVL) – Mina de Ciência recebeu o prémio Melhor Projeto Público 2017. A Faculdade é membro associado e fundador da Associação CCVL garantindo a atualização e o rigor dos conteúdos comunicados.

Marta Aido junto ao globo terrestre

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de junho é com Marta Aido, que trabalha no Instituto Dom Luiz.

Novos mapas de risco de incêndios florestais para 2018 resultam de um trabalho conjunto entre engenheiros florestais, estatísticos e climatólogos.

Fotografia do setup experimental

O professor do Departamento de Biologia Vegetal e membro da COST Action FA1306, que chegou agora ao fim, faz um balanço da rede transeuropeia e dá-nos a conhecer o projeto INTERPHENO e que poderá ser o primeiro passo para a constituição de uma rede nacional de fenotipagem.

Torre de pedras

"Associada à ideia de perfeccionismo surge a luta por objetivos elevados e irrealistas". Mais uma rubrica da psicóloga Andreia Santos.

Margarida Amaral

Nesta fotolegenda destacamos uma passagem da entrevista com Margarida Amaral, professora do DQB e coordenadora do BioISI e que pode ser ouvida no canal YouTube e na área multimédia deste site.

“The Medieval and Early Modern Nautical Chart: Birth, Evolution and Use”

Joaquim Alves Gaspar, distinguido em 2016 com uma starting grant, a primeira a ser atribuída a um membro de Ciências, volta a “encantar” o Conselho Europeu de Investigação.

Uma mão com enguias

Ciências organiza a primeira reunião do projeto europeu, na qual participam mais de 50 especialistas portugueses, espanhóis e franceses, com o objetivo de debater formas de recuperação da enguia-europeia.

José Avelino Pais Lima de Faria,o proeminente cientista de 92 anos, antigo aluno de Ciências - licenciou-se em Ciências Físico-Químicas em 1950 - volta colaborar com a Faculdade, com um artigo sobre a atividade científica, selecionando para o efeito um conjunto de eminentes personalidades. Dois dias após a publicação deste artigo, J. Lima-de-Faria faleceu. A Faculdade lamenta o triste acontecimento e apresenta as condolências aos familiares, amigos e colegas.

Oradores do Ignite IAstro na Assembleia da República

No âmbito da efeméride ocorreu uma sessão do Ignite IAstro na Assembleia da República. O Dia Nacional dos Cientistas é celebrado desde 2016.

Grande auditório

A nova direção de Ciências para os próximos quatro anos tomou posse a 15 de maio de 2018. Luís Carriço é o novo diretor e a sua equipa conta com cinco subdiretores: Margarida Santos Reis, Fernanda Oliveira, Jorge Maia Alves, Hugo Miranda e Pedro Almeida.

Logotipo

A final nacional da 14.ª edição das Olimpíadas de Química Júnior ocorreu a 12 de maio no Departamento de Química e Bioquímica de Ciências. Os melhores classificados podem vir a integrar a equipa portuguesa que participará na European Science Olympiad, em 2019.

Pint

O Pint of Science traz para bares portugueses e internacionais assuntos científicos de forma descomplicada.

Beatriz Lampreia

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de maio é com Beatriz Lampreia, assistente técnica do Instituto de Biofísica e Engenharia Biomédica.

Marés

Investigadores de Ciências identificaram um novo ciclo global de marés que ocorre ao longo de grandes escalas de tempo geológico.

Sara Silva

Sara Silva, investigadora do Departamento de Informática, do BioISI – Instituto de Biosistemas e Ciências Integrativas e investigadora convidada da Universidade de Coimbra, ganhou o EvoStar Award 2018, um galardão que reconhece a qualidade e o impacto mundial do trabalho desenvolvido ao longo da sua carreira na área da computação evolucionária.

Pedro Castro

Nesta fotolegenda destacamos uma passagem da entrevista com o engenheiro químico Pedro Castro e que pode ser ouvida no canal YouTube e na área multimédia deste site.

Alunos no Campus de Ciências

"É necessário um equilíbrio entre aquilo que eu e o outro precisamos", explica a psicóloga Andreia Santos, na sua rubrica habitual.

CAP

A 8.ª conferência Communicating Astronomy with the Public, ocorrida em março, no Japão, juntou mais de 450 comunicadores de ciência, de 53 países. João Retrê, do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço foi um deles.

relógio solar

“O que é o Planeta Terra?” foi a questão que marcou o início dos workshops “Relógio Solar” e “Robot/Pintor” que decorreram no passado dia 9 de abril na Faculdade de Ciências e que contaram com a participação de 15 alunos do Colégio da Beloura em Sintra com idades entre os 4 e os 5 anos.

Rosto do investigador

O prémio é concedido pelos editores do Journal of Coordination Chemistry a um jovem químico, autor do melhor artigo do ano. Pela primeira vez é atribuído a um português, no âmbito de um trabalho realizado por investigadores da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, nomeadamente no Centro de Química e Bioquímica e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas .

Célia Lee

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de abril é com Célia Lee, que trabalha no suporte à investigação e à prestação de serviços no Instituto Dom Luiz.

 BARCOSOLAR.EU

Sara Freitas, doutoranda de Sistemas Sustentáveis de Energia, colabora no Festival Solar Lisboa, que acontece em maio e inclui muitas atividades gratuitas, tais como passeios num catamarã solar, semelhantes aos que ocorreram em abril no Parque das Nações e que contaram com a presença do grupo Energy Transition do Instituto Dom Luiz.

Erica Sá, bióloga, bolseira e membro da equipa do MARE, faleceu dia 11 de abril, aos 36 anos. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

Páginas