No Campus com Helder Coelho

Renovar a educação da universidade

Campus Ciências ULisboa

Não basta um novo curriculum, sempre outras disciplinas, há que interrogar o que ele impõe à arquitetura do curso

Ciências ULisboa

Helder Coelho
Imagem cedida por HC

“A cultura e a sociedade estão a mudar tão rapidamente e a arquitetura é tão lenta quando comparada com a forma como tudo se move hoje em dia...”
Elizabeth Diller, Ipsilon, 9 mar 2018

O mundo está em mudança, por vezes parece desordenada e não sustentável, com cada país puxando pelo seu lado e gritando que está em primeiro lugar. Os factos já não chegam para impor a razão, porque a ansiedade faz explodir frequentemente a análise fina e impecável (Fernandes, 2018).

Alguém gritou lá de fora que precisamos de mais inteligência. E, havia tanto barulho que ninguém escutou. Hoje em dia, ouvimos pouco, talvez menos do que antigamente.

A compreensão do que se passa em nossa volta impõe uma capacidade extra de interpretação, fria quanto baste, objetiva, e uma multitude de pontos de vista. Porquê os ângulos? Sem contraditório não conseguimos observar o todo e cortar a direito para fazer surgir uma verdade. Em geral, há sempre alguém que afirma que tem a verdade, que tem a razão e que vê mais longe do que os outros.

Temos de duvidar, de pensar criticamente, fora da caixa, sem barreiras ou preconceitos, e, sobretudo, olhar para as imagens que captamos ao acaso, como ao passearmos numa cidade, de um lado para o outro. Cada vez mais as imagens nos ajudam a fazer mais sentido ao que pensamos.

E, ao pensar, apanhamos as contradições, e deixamos que elas nos digam que direção tomar.

Se quisermos conhecer agora o que se passa na Ciência da Computação, do ponto de vista científico e tecnológico, devemos consultar, mensalmente, a revista  CACM - Communications of the Association of Computing Machinery, dos EUA.

Os temas são abordados de forma rigorosa e acessível, e submetidos à análise e opinião dos seus leitores (oito secções: Departments, News, Viewpoints, Practice, Contributed Articles, Review Articles, Last Byte, Research Highlights). A simples observação das escolhas dos artigos mostra-nos o que está “mais quente” ou o que interessa mais à comunidade.

Vejamos um exemplo, do número 11, vol. 60, de novembro de 2017, e um artigo de três páginas assinado pelos professores universitários e escoceses, Richard Connor (de Strathclyde), Quintin Cutts (de Glasgow) e July Robertson (de Edinburgh). É sobre a Educação da Computação, desde a escola pré-primária à universitária, e sobre um novo curriculum (http://www.teaches.scot), não só para abordar o mundo natural, como é habitual se fazer, mas também para enfrentar o novo mundo digital, no qual estamos cada vez mais envolvidos. Segundo os três autores, a abordagem profunda da Ciência do computador exige três aspetos que suportam a compreensão dos domínios que podem ser modelados pelos mecanismos computacionais; dos próprios mecanismos computacionais; e como se devem usar os mecanismos computacionais para modelar os aspetos daqueles domínios.

O exercício realizado pelos professores consistiu em pensar bem na educação digital, e a sério, desde o início (três anos) e até ao ensino universitário (17 anos), de forma articulada e coerente.

Na nova universidade, aquela que se renova permanentemente, que se interroga e que repensa as instituições e as convenções do espaço (sim, porque não basta um novo curriculum, sempre outras disciplinas, há que interrogar o que ele impõe à arquitetura do curso) existem várias coisas que importa sublinhar (e não dizer que se deve fazer a interdisciplinaridade, apenas): combinar as coisas que não costumam ser misturadas, juntar partes, contagiar, inocular relações, infetar, e, o que é mais importante, fazer com que os diferentes lados se interessem uns pelos outros. Todas estas coisas exigem interações, discussões, provocações (seguidas de reações) e a rejeição do status quo. Poderíamos afirmar que uma tal renovação é revolucionária, pois não é só verbal (dizer “inter” não é o mesmo que o fazer).  Talvez isto seja aquilo que alguém já chamou “a universidade como deve ser” em movimento (Feijó e Tamen, 2017)

Referências
Fernandes, J. A. Ponto de Vista (70 artigos de política internacional, 2001-2017), Público, Comunicação Social, S. A., 2018.
Feijó, A. M. e Tamen, M. A Universidade como deve ser, Fundação Francisco Manuel dos Santos, 2017.

Helder Coelho, professor doDepartamento de Informática de Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

A cientista Ana Russo, investigadora do Instituto Dom Luiz (IDL), visitou duas escolas básicas do concelho de Sintra no dia 23 de abril para rea

Branca Edmée Marques, cientista alumna de CIÊNCIAS

Branca Edmée Marques, alumna de CIÊNCIAS, será homenageada no dia 20 de junho pelos Museus da Universidade de Lisboa

Margarida Fortes, docente do Departamento de Biologia Vegetal de CIÊNCIAS dá uma aula em frente a um quadro com uma projeção imagética

Margarida Fortes, professora de CIÊNCIAS, visitou a Escola Secundária de Carcavelos para dar uma aula acerca da edição genética.

Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Páginas