No Campus com Helder Coelho

O programa da aula

Helder Coelho

Ao ensinarmos um conhecimento repetimos com frequência certas palavras (as noções e os conceitos) com o intuito de vincar uma ideia necessária mais à frente, ou um sentido, capaz de marcar um espaço essencial para a compreensão do que explicamos. Quase sempre pretendemos simplificar o que dissemos, e juntar as peças do quebra-cabeças que sintetiza um pensamento. Por isso um MOOC (Massive Open Online Course) estrutura-se com pequenos componentes, curtos (cerca de oito minutos), que montamos com paciência em módulos e depois em capítulos (vejam-se alguns exemplos no YouTube), para dar uma continuidade ao fluxo do nosso discurso (todos sabemos que a atenção de um estudante mantem-se até ao minuto 20, e não mais). No exercício de dar uma aula sem slides e qualquer tecnologia, como no antigamente, recorrendo ao giz, quadro preto e à representação oral, era importante organizar na mente um discurso, estruturado com quebras e apartes para distender o auditório. Agora para fazer uma palestra curta TED (vejam-se exemplos na Internet) temos também de fazer uma organização mental que seja agradável e mobilizadora, para atrair a atenção da assistência e captar os visitantes do sítio TED.com.

“Usem as novas tecnologias nas aulas, que é o que nos mantém atentos.”
Marta Martins, 20 anos, Público, 2016.04.25

Ao visarmos reduzir a complexidade dos conceitos usamos frequentemente intuições (visões simples e imediatas), um método habitual em Filosofia (vejam-se as Lições de Henri Bergson). O seu propósito era comunicar plenamente, de formulação em formulação, deslocando-nos do simples para o complicado (e, em geral, apoiando-se na abstração), sem o receio de alterar o que não estava ainda claro (alguns sítios da Internet como o brasileiro Geekie, de Claudio Sassaki, tentam inventar a aprendizagem pessoal recorrendo a uma plataforma adaptativa, abordando o processo de ensino e aprendizagem por meio de tecnologias criativas – a partir do diagnóstico de que os estudantes de uma mesma aula não aprendem todos do mesmo modo). A IBM e a Samsung apostam, presentemente, na investigação em Educação para compreenderem como a tecnologia deve apoiar a aprendizagem.

Diz-se que nem sempre pensamos por linhas direitas, quase sempre seguimos por curvas, em ziguezagues, corrigindo o que estava confuso, unindo e simplificando, recorrendo a imagens e metáforas, para ajudar os outros a capturarem a essência das coisas. Tal como no futebol, o jogador avança, para a baliza do adversário, fintando e guinando. Recorrer a pares de contrários (dualismos) é outro modo de explicar o pensamento, como complicação e facilidade, superficialidade e profundidade, conjunto (de elementos) e organismo, exterioridade e interioridade, composição e evolução, inteligência e intuição, ensino e aprendizagem.

Machine teaching versus machine learning

Quando nos aproximamos de um conhecimento (e.g. doutrina, matéria de uma disciplina, conjunto de tópicos) é bom ficarmos logo a saber as suas partes (os Vários) e como eles se interpenetram e relacionam (recorre-se à Dialética, a ciência das relações), como se pertencessem a um corpo (Um). Em seguida, os estudantes gostariam de apanhar a imagem mediadora desse mesmo conhecimento, e para isso o professor terá de ir desenhando uma imagem, à medida que avança na matéria, aula a aula. A imagem (visual, auditiva) que entra (pela percepção) na cabeça do estudante é o que estava no pensamento do professor, mas agora sujeito à interpretação/tradução do próprio ouvinte. O sucesso dessa transferência depende, em parte da habilidade do professor (intuição, criatividade) e da atenção, curiosidade e trabalho (ímpeto, motivação) do estudante (por isso, a frequência às aulas dos estudantes e a preparação prévia, que devem fazer, são uma ajuda vital para aumentarmos a taxa de aprovação). Para além das palavras (frases), resta ainda o sentido que ficou no pensamento do aluno e que será objeto do seu trabalho posterior, ora nos exercícios práticos ou no trabalho para casa. O êxito desta operação de transferência será mediado posteriormente no exame, e dependerá da vontade do aluno em trabalhar (aprender), ora preparando as próximas aulas ou revisitando o conhecimento através de horas de estudo (a experiência auxiliada pelo raciocínio e pensamento crítico).

Aprender com os MOOC não é tão fácil, como se pensa. Exige esforço. Que falem os que já tiveram essa experiência de trabalhar com as lições (pelo YouTube ou graças às plataformas Coursera, Udacity ou edX), e sem professor à mão. Do mesmo modo, montar um MOOC e ir para a batalha de o promover na Internet implica esforço, pois impõe um intervalo enquanto ele não começa e é necessário estruturar o grupo diretor, a equipe de apoio aos alunos, a de correção dos trabalhos (de forma automática ou manual). Também é bom não esquecer que estruturar o conhecimento é um magnífico exercício para um professor antes de começar a lecionar. Organizar os módulos e parti-los em bocados, depois juntar os bocados em módulos consistentes exige um guião e vai levar tempo. Mas ajuda a disciplinar o que e como o professor deve dizer as partes, sem esquecer as explicações e as justificações.

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática de Ciências
Imagem com um ponto de interrogação

Andreia Santos, psicóloga no GAPsi Ciências ULisboa, escreve sobre os diálogos internos que se manifestam numa sensação de urgência, insuficiência e falta de controlo, que são reflexo de um sentimento de culpa. Conheça algumas dicas que podem ajudar a lidar com estas dúvidas, que são tão comuns como naturais.

Imagem gráfica da rubrica Radar Tec Labs

Terceira rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a Vawlt Technologies.

Imagem gráfica do projeto "O que faço aqui?"

Rodrigo Amaro e Silva, Patrícia Jordão, Sérgio Chozas, Ana Cristina Pires e Miguel Inácio são os primeiros entrevistados no âmbito do projeto “O que faço aqui?”, lançado recentemente nas redes sociais e no site da Faculdade.

Composição fotográfica alusiva à missão da Faculdade

“Portugal pode por isso estar certo de que, nesta época de crise, toda a comunidade da Ciências Ulisboa beneficia de um ambiente de trabalho seguro e sustentável, que não compromete a qualidade da sua missão”, escreve Pedro Almeida, subdiretor da Faculdade.

Tec Labs - Centro de Inovação Ciências ULisboa

No Tec Labs – Centro de Inovação e incubadora da Ciências ULisboa são várias as empresas, spin-off, proto-company e startups a trabalhar para encontrar soluções que ajudem doentes, profissionais, unidades hospitalares e autoridades governamentais nesta “luta”, que só poderá ser vencida pelo esforço conjunto.

Skype, Zoom e Houseparty são boas apostas para combinar eventos sociais

"Socializar por meio de momentos lúdicos, rir e partilhar ideias sobre novos projetos são excelentes formas de dirigir a nossa atenção para além da preocupação. Ajuda-nos a colocar o foco da nossa energia ao serviço daquilo que nos faz bem e sentirmo-nos ligados", escreve a psicóloga Andreia Santos.

Mapa

O Centro de Física Teórica e Computacional da Ciências ULisboa participa no desenvolvimento do mapa de risco de propagação da COVID-19 por contágio comunitário em Portugal, um projeto coordenado pelas Universitat Rovira i Virgili, em Tarragona, e Universidad de Zaragoza, em Zaragoza, ambas em Espanha e que em Portugal tem como parceiros a NOS, a Data Science Portuguese Association e a Closer Consulting.

Grupo de investigadores do HIT-CF Europe

Cerca de 502 pessoas com mutações raras de fibrose quística (FQ) foram recrutadas pelo projeto inovador HIT-CF Europe, financiado pela União Europeia através do Horizonte 2020 e que conta com a participação de Margarida Amaral, professora do Departamento de Química e Bioquímica da Ciências ULisboa, coordenadora do Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (BioISI) e líder do grupo português neste consórcio.

Medicamentos

Ao longo dos últimos dias, vários colegas da Ciências ULisboa e de outras faculdades entraram em contacto com Manuel Carmo Gomes, professor do Departamento de Biologia Vegetal, manifestando disponibilidade para contribuir com o seu conhecimento e meios no auxílio à análise dos dados, modelação e projeção do futuro da epidemia.

O Conselho Pedagógico da Ciências ULisboa preparou um conjunto de orientações relacionadas com as ferramentas de apoio ao ensino à distância, disponíveis no site da Faculdade e que visam ajudar os professores, investigadores e alunos durante este período de tempo sem aulas presenciais, uma medida implementada no âmbito do Plano de Contingência em Ciências COVID-19.

Imagem gráfica associada ao Plano de Contingência em Ciências COVID-19

A Direção da Ciências ULisboa determinou um conjunto de medidas que pretendem contribuir para a contenção da propagação do novo coronavírus e que vigoram até ao próximo dia 27 de março, podendo ser ajustadas conforme a necessidade e a evolução da situação.

Reunião de arranque do Colégio POLAR2E

O POLAR2E tem como objetivo criar sinergias em áreas como as ciências da criosfera, a modelação climática, a ecologia de ambientes extremos, a deteção remota, a construção em ambientes extremos, a astrobiologia e a engenharia aeroespacial dentro da Universidade.

Grupo de campus ambassadors da Jerónimo Martins, de diferentes faculdades de todo o país

No ano letivo de 2019/2020, todos os estudantes da Faculdade com interesse e dúvidas quanto aos Young Talent Programmes da Jerónimo Martins (JM) poderão contactar Catarina Bernardo, por email ou via LinkedIn! A aluna finalista de Biologia da Faculdade está disponível para responder a dúvidas sobre as várias oportunidades da JM para jovens universitários.

Imagem gráfica da rubrica Radar Tec Labs

Segunda rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a UpHill.

Na sequência das orientações da Direção-Geral da Saúde e procurando evitar desta forma alarmismos desnecessários, sem descurar uma atuação prudente e responsável, Ciências ULisboa elaborou o Plano de Contingência em Ciências COVID-19.

Primeira reunião do IDEA-FAST

Tiago Guerreiro, professor do DI e investigador do LASIGE Ciências ULisboa, participa no IDEA-FAST, um projeto inovador na área da saúde digital, com um orçamento de 42 milhões de euros.

Estatística

“O CEAUL tem pessoas com uma contribuição notável para a Estatística em Portugal”, escreve o investigador Tiago Marques, a propósito do último congresso da Sociedade Portuguesa de Estatística.

Golfinhos

Que espécies encontrarão os cadetes do NRP Sagres? Que informação se esconde na cor do mar? Estas são algumas das questões a que o CIRCULARES, um projeto de ciência cidadã irá responder durante a viagem de circum-navegação, que deverá terminar em janeiro de 2021.

Ana Rita Carlos

Ana Rita Carlos, investigadora no polo da Faculdade do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c) e antiga aluna da Ciências ULisboa, é uma das quatro jovens cientistas portuguesas premiadas na 16ª edição das Medalhas de Honra L’Oréal Portugal para as Mulheres na Ciência, com um estudo sobre os mecanismos que desencadeiam as distrofias musculares congénitas.

José Cabrita Freitas e João Pinto Coelho integram o grupo de trabalho dedicado ao encandeamento por <i>laser</i> no visível, efeitos e proteção

José Cabrita Freitas e João Pinto Coelho, investigadores do Departamento de Física e do Laboratory of Optics, Lasers and Systems da Ciências ULisboa, foram distinguidos com o Scientific Achievement Award e com o SET Panel Excellence Award, pelo Conselho de Ciência e Tecnologia da NATO.

Encontro Nacional sobre Investigação em Alterações Climáticas

Mais de 500 pessoas inscreveram-se no Encontro Nacional sobre Investigação em Alterações Climáticas, uma iniciativa organizada pela Ciências ULisboa em parceria com o IDL e a CML, no âmbito da Lisboa Capital Verde Europeia 2020. O acontecimento visa debater a melhor investigação em alterações climáticas que é realizada em Portugal. O programa integra oito sessões temáticas e uma sessão de posters, com 47 trabalhos.

Comitiva da Faculdade no “Matchmaking” da EIT Health

Ciências ULisboa participou no “Matchmaking” da EIT Health. “O balanço final é bastante positivo pois foi possível obter a participação da Faculdade em duas summer schools e ainda angariar parceiros para propostas campus e innovation lideradas ou comparticipadas pela Faculdade”, refere Ana Faisca, técnica do GAI da Direção de I&D da Ciências ULisboa.

Primeira prova das OUB

Em Portugal existem atualmente 12 licenciaturas de Bioquímica com um total de 615 vagas. Leia o artigo da autoria do professor Francisco Pinto sobre o importante dinamismo desta comunidade estudantil.

Imagem gráfica da rubrica Radar Tec Labs

A rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade, tem aqui a sua primeira edição, com destaques do mês de janeiro e da spin-off Delox.

Levada Wanderungen, Madeira

Carlos A. Góis-Marques é o primeiro autor deste estudo. O aluno inscrito no doutoramento em Geologia da Ciências ULisboa desenvolve o seu trabalho sob orientação dos professores José Madeira, Miguel Menezes de Sequeira e José M. Fernández-Palácios.

Páginas