No Campus com Helder Coelho

Educação: Medir o que se Aprende

Sala de aulas

Parece razoável inferir que queremos ter estudantes que saibam como aprender e que conheçam como descobrir a informação que precisam a partir de uma variedade de fontes

Ciências
Rosto de Helder Coelho
Helder Coelho

“Não tenho nenhum talento. Sou apenas um apaixonado curioso.”
Albert Einstein

Na Educação (primária, secundária, superior) estamos atentos a conferir se o ensino (transmissão) é bem aproveitado e em medir o que os alunos retêm (interiorizaram, aprenderam) através de exames (testes). Será que o streaming dos professores para os alunos, onde existem grandes perdas (reprovações/rendimento baixo), é efetivo? Por vezes, somos levados a contestar aquele método clássico, virando a pergunta para “o que os estudantes são capazes de fazer com o conhecimento que memorizaram” (Cerf, 2017). O que queremos, de facto, descobrir é o que eles ficaram a saber para a ação (futura vida profissional) e se o esforço de ensinar valeu mesmo a pena.

De facto, no século 21, temos uma multitude de modos para sabermos o que queremos. Porque não ir à procura de informação quando necessitamos mesmo dela? Existem escolas (como a Montessori) que privilegiam a via de aprender por exploração e experimentação, ou seja pelo fazer, outras que estão mais centradas no uso da memória, e ainda as que acham que a autoridade do professor é uma qualidade. Claro, que também podemos aprender com os nossos erros (mais do que com os êxitos). E, este é o caminho que a ciência adota (tentativa e erro).

É interessante lembrar que é costume usarmos a ideia de que podemos chegar aos mesmos resultados recorrendo a diferentes métodos. Ou seja, nem sempre a computação é a única via (muito habitual hoje em dia), e o que é de facto importante é compreendermos a própria natureza da computação. Em Matemática, os estudantes são muitas vezes solicitados a mostrar o seu trabalho, isto é o raciocínio, para determinarmos os modos como absorveram os conceitos básicos da disciplina. Um outro exemplo da avaliação, da profundidade do conhecimento, consiste em perguntar a um aluno se ele é capaz de estimar a grandeza da resposta que está à espera em obter.

Será que é idêntico obter um resultado correto ou compreender como se obterá?

Parece razoável inferir que queremos ter estudantes que saibam como aprender e que conheçam como descobrir a informação que precisam a partir de uma variedade de fontes. Tais estudantes quando forem mais tarde profissionais conseguirão, ao longo de algumas décadas, adaptar-se às mudanças (por exemplo, das tecnologias) sem maiores dificuldades. O mesmo se pode dizer da adaptabilidade de um professor, capaz de passar do ensino cara a cara (presencial) para as situações online (à distância), recorrendo a uma plataforma "a correr" no seu computador, e capaz de aceder a uma espécie de “quadro preto”, onde pode escrever ou colocar os slides. E, tudo isto disponível também nos computadores dos alunos (à distância).

Vários métodos implicam outros erros e nem sempre o que seria o melhor para um certo período da história das nossas sociedades. Por exemplo, testar o conhecimento era a norma preferida no passado, mas isso conduziu ao comportamento como “ensinar para o teste”, o qual dá bons resultados, o que não é o mesmo que uma boa compreensão das matérias através, eventualmente, da sua criação. E, o que de facto desejamos agora no século 21? A resposta é: alunos que saibam como aprender  e como encontrar informação através de uma diversidade de fontes. Isto demonstra ser importante para as crianças que crescem para serem adultos, e que experimentam carreiras de trabalho mais longas, ao longo de décadas. Estes adultos necessitam de aprender novas coisas que permaneçam hábeis, enquanto a tecnologia continua o seu ritmo de evolução. Adaptação à mudança parece ser uma aptidão cada vez mais imprescindível para as carreiras profissionais mais longas dos nossos dias. E, o que fazer com a curiosidade? Obviamente, potenciá-la, pois a inovação e a criatividade vão continuar a ser indispensáveis para termos vantagens competitivas com os nossos concorrentes.

Referência
Cerf, V. G. Six Education, Communications of the ACM, Vol. 60, Nº 10, October, 2017

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Reitoria da ULisboa

O CWUR 2024 avaliou de entre 20.966 instituições de ensino superior e atribuiu à ULisboa o 211.º lugar (top 1.1%) e a 80.ª posição no panorama europeu.

Fotografia de participantes na Training School

CLEANFOREST na vanguarda da compreensão dos efeitos dos extremos climáticos e poluição nas florestas Europeias

Participantes no Dia Aberto

O campus ganhou vida, cor e energia proveniente do entusiasmo dos cerca de 2000 alunos de 170 escolas de norte a sul do País.

CIÊNCIAS esteve presente nesta edição, com a participação dos docentes do Departamento de Física: Alexandre Cabral, no painel de abertura “À conversa sobre carreiras espaciais” e

Semana Internacional da Compostagem

Uma das transformações necessárias às entidades que querem progredir pelo caminho da sustentabilidade é fecharem os seus ciclos de materiais, nomeadamente o orgânico.

A VicenTuna - Tuna da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa - completou 30 anos em janeiro de 2024. Para comemorar, realizou no dia 30 de abril de 2024, a Festa da Primavera, um espetáculo de música e divertimento dedicado à comunidade de CIÊNCIAS e ao público em geral.

Celebrações dos 50 anos do 25 de abril de 1974 da Academia das Ciências de Lisboa

A 9 de maio realiza-se a segunda de duas jornadas de debate académico e científico organizadas pela Academia das Ciências de Lisboa, que tem por objetivo ‘analisar e discutir a evolução do panorama científico português de forma prospetiv

Lançamento do projeto Barrocal-Cave marca um novo capítulo na Conservação da Biodiversidade em Portugal

O prestigiado Palácio Gama Lobo foi o cenário escolhido para o lançamento do projeto Barrocal-Cave, financiado pelo Prémio Fundação Belmiro de Azevedo 2023.

No passado dia 10 de abril, tivemos a honra de receber um grupo de estudantes e dois professores da Universidade de Leiden, na Holanda. Com um total de 40 estudantes, todos da área das bio farmacêuticas, a visita prometia ser entusiástica.

Miguel Pinto

No dia 29 de abril, Miguel Pinto visitou a Escola Básica Professora Aida Vieira, no Bairro Padre Cruz em Lisboa, para realizar oficinas de divulgação científica e atividades didáticas.

Fotografia de alguns dos oradores

O que é a sustentabilidade? Como podemos agir a nível local, procurando um impacto global? Estas e muitas outras questões marcaram a segunda edição da Semana da Sustentabilidade CIÊNCIAS, entre 15 e 19 de abril de 2024.

Páginas