No Campus com Helder Coelho

Ciência e Cinema

Helder Coelho

O filme “O Primeiro Encontro” (“Arrival”) de Dennis Villeneuve (2016) aborda a hipótese de Sapir-Whorf, de 1939, que diz que “a linguagem pode influenciar os nossos pensamentos”. Hoje em dia, a validade desta ideia está assegurada, graças às neurociências, e é possível afirmar que aprender uma língua permite estabelecer imensas ligações no cérebro, alterando a sua estrutura, e influenciando o modo de olhar para o mundo, e ainda moldando a personalidade.

O filme segue um conto curto do livro “Story of Your Life and Others”, com esse nome, de Ted Chiang de 1998 (Vintage, 2016), o qual aborda a chegada de 12 naves alienígenas à Terra e com o objetivo de pedir ajuda para algo que irá ocorrer um milhar de anos no futuro. A história do filme explora além daquela hipótese do professor Edward Sapir, e do seu aluno Benjamin Lee Whorf, mais quatro temas, a saber o determinismo, a linguagem (comunicação), a cultura e o tempo.

Será que podemos conhecer e prever o futuro, da mesma forma que conhecemos o passado, com a ajuda da memória (relembrando)? O filme afirma que sim, que isso é possível, graças à ferramenta da linguagem (das linguagens) que exploramos diariamente para comunicarmos uns com os outros, nas nossas relações sociais, e que nos fornece a aptidão para pensarmos.

Experimentar o futuro (viajar para a frente) não é tão habitual como experimentar o passado (viajar para trás, como nos sonhos), embora saibamos que algumas pessoas (bruxos, mães/pais de santo, feiticeiros, espíritas) afirmem que isso é possível, façam revelações e, nalguns casos, elas se verifiquem. Não existe nenhuma teoria científica capaz de nos explicar o porquê, porque a nossa compreensão do tempo está estropiada e as nossas mentes são incapazes de operar sobre algo que parece constante.

A história (“Story of Your Life”) é estruturada pela hipótese de Sapir-Whorf, de que quaisquer que sejam as linguagens que consigamos falar, elas serão capazes de alterar a nossa cognição e o modo como vemos o mundo que nos rodeia. Sabemos hoje que a linguagem ajudou a civilização, fez evoluir os nossos cérebros, e expandiu as nossas capacidades. Mas, será que alterou a nossa experiência do tempo até um grau em que possamos experimentar (lembrar) o futuro de forma semelhante à que fazemos com o passado? Embora tal ideia nos pareça duvidosa, o que se passa é que o passado, no modo como o percebemos nas nossas mentes, não é uma coisa fixa. E, as nossas memórias são profundamente irregulares (e deterioradas).

No conto de Chiang apresenta-se o conceito de percecionar o futuro apoiado na ideia de que as mudanças da cognição são ativadas pela linguagem. Albert Einstein acreditava que o futuro estava fixo, enquanto o tempo era uma ilusão (manteve uma discussão com Henri Bergson em 6 de abril de 1922, em Paris), e estas noções faziam parte do seu pensamento sobre o tempo que então defendeu, e convenceu todos (obtendo em seguida o prémio Nobel).

Independentemente da discussão sobre o verdadeiro significado do tempo (passado, presente, e futuro), o que importa realçar no filme são os modos como questionamos e confrontamos o que conhecemos acerca de nós próprios e como fazemos as escolhas, no que sabemos sobre os nossos passados e futuros. Na história, esta discussão/oposição de teses traduz-se no relacionamento de um casal, entre a linguista e o físico, e a sua separação (divórcio) ocorre naturalmente por causa da oposição das duas posições sobre a verdade.

Sabemos que somos limitados pelo tempo, e a ordem que a nossa mente constrói à nossa volta assegura só uma estabilidade relativa, e eventualmente necessária para a nossa vida fluir.

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Centro Cultural de Montargil, Ponte de Sor

O Centro Ciência Viva do Lousal (CCVL) – Mina de Ciência recebeu o prémio Melhor Projeto Público 2017. A Faculdade é membro associado e fundador da Associação CCVL garantindo a atualização e o rigor dos conteúdos comunicados.

Marta Aido junto ao globo terrestre

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de junho é com Marta Aido, que trabalha no Instituto Dom Luiz.

Novos mapas de risco de incêndios florestais para 2018 resultam de um trabalho conjunto entre engenheiros florestais, estatísticos e climatólogos.

Fotografia do setup experimental

O professor do Departamento de Biologia Vegetal e membro da COST Action FA1306, que chegou agora ao fim, faz um balanço da rede transeuropeia e dá-nos a conhecer o projeto INTERPHENO e que poderá ser o primeiro passo para a constituição de uma rede nacional de fenotipagem.

Torre de pedras

"Associada à ideia de perfeccionismo surge a luta por objetivos elevados e irrealistas". Mais uma rubrica da psicóloga Andreia Santos.

Margarida Amaral

Nesta fotolegenda destacamos uma passagem da entrevista com Margarida Amaral, professora do DQB e coordenadora do BioISI e que pode ser ouvida no canal YouTube e na área multimédia deste site.

“The Medieval and Early Modern Nautical Chart: Birth, Evolution and Use”

Joaquim Alves Gaspar, distinguido em 2016 com uma starting grant, a primeira a ser atribuída a um membro de Ciências, volta a “encantar” o Conselho Europeu de Investigação.

Uma mão com enguias

Ciências organiza a primeira reunião do projeto europeu, na qual participam mais de 50 especialistas portugueses, espanhóis e franceses, com o objetivo de debater formas de recuperação da enguia-europeia.

José Avelino Pais Lima de Faria,o proeminente cientista de 92 anos, antigo aluno de Ciências - licenciou-se em Ciências Físico-Químicas em 1950 - volta colaborar com a Faculdade, com um artigo sobre a atividade científica, selecionando para o efeito um conjunto de eminentes personalidades. Dois dias após a publicação deste artigo, J. Lima-de-Faria faleceu. A Faculdade lamenta o triste acontecimento e apresenta as condolências aos familiares, amigos e colegas.

Oradores do Ignite IAstro na Assembleia da República

No âmbito da efeméride ocorreu uma sessão do Ignite IAstro na Assembleia da República. O Dia Nacional dos Cientistas é celebrado desde 2016.

Grande auditório

A nova direção de Ciências para os próximos quatro anos tomou posse a 15 de maio de 2018. Luís Carriço é o novo diretor e a sua equipa conta com cinco subdiretores: Margarida Santos Reis, Fernanda Oliveira, Jorge Maia Alves, Hugo Miranda e Pedro Almeida.

Logotipo

A final nacional da 14.ª edição das Olimpíadas de Química Júnior ocorreu a 12 de maio no Departamento de Química e Bioquímica de Ciências. Os melhores classificados podem vir a integrar a equipa portuguesa que participará na European Science Olympiad, em 2019.

Pint

O Pint of Science traz para bares portugueses e internacionais assuntos científicos de forma descomplicada.

Beatriz Lampreia

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de maio é com Beatriz Lampreia, assistente técnica do Instituto de Biofísica e Engenharia Biomédica.

Marés

Investigadores de Ciências identificaram um novo ciclo global de marés que ocorre ao longo de grandes escalas de tempo geológico.

Sara Silva

Sara Silva, investigadora do Departamento de Informática, do BioISI – Instituto de Biosistemas e Ciências Integrativas e investigadora convidada da Universidade de Coimbra, ganhou o EvoStar Award 2018, um galardão que reconhece a qualidade e o impacto mundial do trabalho desenvolvido ao longo da sua carreira na área da computação evolucionária.

Pedro Castro

Nesta fotolegenda destacamos uma passagem da entrevista com o engenheiro químico Pedro Castro e que pode ser ouvida no canal YouTube e na área multimédia deste site.

Alunos no Campus de Ciências

"É necessário um equilíbrio entre aquilo que eu e o outro precisamos", explica a psicóloga Andreia Santos, na sua rubrica habitual.

CAP

A 8.ª conferência Communicating Astronomy with the Public, ocorrida em março, no Japão, juntou mais de 450 comunicadores de ciência, de 53 países. João Retrê, do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço foi um deles.

relógio solar

“O que é o Planeta Terra?” foi a questão que marcou o início dos workshops “Relógio Solar” e “Robot/Pintor” que decorreram no passado dia 9 de abril na Faculdade de Ciências e que contaram com a participação de 15 alunos do Colégio da Beloura em Sintra com idades entre os 4 e os 5 anos.

Rosto do investigador

O prémio é concedido pelos editores do Journal of Coordination Chemistry a um jovem químico, autor do melhor artigo do ano. Pela primeira vez é atribuído a um português, no âmbito de um trabalho realizado por investigadores da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, nomeadamente no Centro de Química e Bioquímica e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas .

Célia Lee

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de abril é com Célia Lee, que trabalha no suporte à investigação e à prestação de serviços no Instituto Dom Luiz.

 BARCOSOLAR.EU

Sara Freitas, doutoranda de Sistemas Sustentáveis de Energia, colabora no Festival Solar Lisboa, que acontece em maio e inclui muitas atividades gratuitas, tais como passeios num catamarã solar, semelhantes aos que ocorreram em abril no Parque das Nações e que contaram com a presença do grupo Energy Transition do Instituto Dom Luiz.

Erica Sá, bióloga, bolseira e membro da equipa do MARE, faleceu dia 11 de abril, aos 36 anos. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

Centro de Dados da FCUL

"Wittgenstein coloca (em 1934) a pergunta “Pode uma máquina pensar?”, 16 anos antes de Alan Turing (no artigo “Computing Machinery and Intelligence” da revista Mind, novembro, 1950). E, essa especulação feita no campo da Filosofia tem um significado interessante nos dias de hoje, aparecendo como uma previsão significativa (Oliveira, 2017)", escreve Helder Coelho em mais um ensaio.

Páginas