No campus com Helder Coelho

Espaços da interdisciplinaridade

Helder Coelho

Porque é que a Informática gosta das outras disciplinas com as quais colabora assiduamente? Fala-se muito dos diálogos e dos impactos interdisciplinares, ou mesmo de fusões por motivos ainda mais fortes. Os casos da Neurofilosofia, Neuropsicologia, Bioinformática, Biomedicina, ou Robótica Cognitiva traduzem necessidades de médio prazo. Nos anos 50, quando a Tradução Automática estava quente, a Linguística Computacional (LC), a Inteligência Artificial (IA) e a Interação Homem/Computador (IHC) viviam em grande harmonia. Depois afastaram-se.

Os sistemas recentes Google Translate, RelateIQ e Facebook Graph colocaram na ordem do dia, quase 60 anos depois, os diálogos passados por causa da exigência de interfaces intuitivas e da complexidade de grandes sistemas inteligentes, como o Watson da IBM virado para os cuidados de saúde. Aparentemente, o processamento da língua natural está na origem desta aproximação, assim como os avanços recentes da tradução automatizada e interativa, e a necessidade da disseminação e assimilação.

Hoje, parece consensual que não haja tradução automática de qualidade, nem o homem (editor) possa ser colocado de fora da cadeia de processamento. Depois, na era digital, a complexidade e a enorme quantidade de dados estão presentes durante ainda muito tempo, e por isso a necessidade de interfaces intuitivas irá perdurar. Finalmente, a alta qualidade da tradução, com senso comum, parece ainda estar por assegurar.

A edição de textos é uma atividade típica da IHC, sendo a interação rápida, e tendo virado uma extensão inconsciente do utilizador. Anos atrás, essa já era a convicção de Alan Kay e de Yehoshua Bar-Hillel. O trabalho recente do grupo de Eric Horvitz, na Microsoft Research, em torno dos 12 princípios de projeto com iniciativa mista, parecem assegurar algum êxito na orientação do desenvolvimento dos próximos sistemas. Um desses princípios diz que os sistemas devem aprender observando os utilizadores, o que provocou menor edição e maior qualidade do produto final. A Predictive Translation Memory (PTM), de 2014, foi o grande passo em frente, assim como as inovações do processamento da língua natural (procura rápida, aprendizagem de parâmetros em direto), ou seja a melhoria da interface com o utilizador, um sonho eterno da Informática.

Os sistemas de tradução com iniciativa mista apareceram em 1952, mas nesse momento ainda a IA não tinha sido criada (só no verão de 1956). Seis décadas depois, graças aos seus recentes avanços, já garantimos traduções de melhor qualidade e os agentes inteligentes são capazes de complementarem as atividades humanas.

Olhemos agora para o lado da Economia. Em 1978, quando um dos pioneiros e fundadores da IA e prémio Turing, Herbert Simon, fez o discurso pela aceitação do prémio Nobel (sobre a escolha e a tomada de decisão) lamentou a inclusão crescente dessa disciplina na Matemática. Para Simon, essa situação dificultava a colaboração interdisciplinar (muito mais rica, segundo ele) entre a Psicologia, a Ciência das Organizações e a IA com a Economia.

Em 2011, o psicólogo Daniel Kahneman ganhava o prémio Nobel em Economia, porque durante anos se esforçara por ver a potência e a energia vital do trabalho interdisciplinar. Estes dois investigadores não foram os únicos a compreender que um novo campo científico, o da Ciência da Sociedade, se abria em torno do bem-estar das populações, e focado na sua felicidade (wellbeing).

A OCDE lançou em 2011 o projeto Better Life Initiative que permitiu que em 2013 fossem publicadas as orientações para a medição do bem-estar (algo subjetivo), apoiado em 11 domínios, cobrindo desde o rendimento, o trabalho, a saúde, as aptidões, a educação, a habitação, a segurança social, o empenhamento cívico ou o ambiente. Deste modo, a ideia de bem-estar inclui aspetos comportamentais, biológicos, psicológicos, ambientais e sociais.

A racionalidade (homem racional) é inalcançável, porque a escolha ótima (identificada a maior parte das vezes com a utilidade máxima individual) é demasiado perfeita. Em vez disso, a maior parte dos homens (agentes económicos) adota um programa interdisciplinar dirigido para a “inteligência”, e frequentemente apoiado em decisões feitas à pressa, com informação contraditória, incompleta ou em excesso, e, também, rodeada por turbulências sociais, financeiras e políticas. No entanto, no tempo de Simon, foram os modelos econométricos e matemáticos que levaram a melhor!

Ordenação dos 36 países da OCDE em 2013
1.º Austrália
2.º Suécia
6.º EUA
20.º Espanha
28.º Portugal
33.º Brasil

Em 2014 Portugal piorou e passou para 34.º, com uma satisfação de 5.1 (em 10), cuja média dos 36 países é 6.6. Em 2015 (com 38 países) e quanto ao trabalho, a Islândia ficou em 1.º, o Brasil está em 26º, Portugal em 33.º, a Espanha em 36.º e a Grécia em 38.º. Já no que respeita à satisfação de vida, a Noruega aparece em 1.º, o Brasil em 19.º, a Espanha em 22.º, a Grécia em 34.º e Portugal em 37.º. Dá que pensar. E, se olharmos para os dados do Observatório da Emigração (ISCTE), revistos em maio de 2016, deparamos com 110.000 em 2014 contra 70.000 em 2010 (vejam-se também os dados da Pordata de 2011 a 2015, onde Portugal está em 12.º em emigração a nível mundial).

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática de Ciências

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Reitoria da ULisboa

O CWUR 2024 avaliou de entre 20.966 instituições de ensino superior e atribuiu à ULisboa o 211.º lugar (top 1.1%) e a 80.ª posição no panorama europeu.

Fotografia de participantes na Training School

CLEANFOREST na vanguarda da compreensão dos efeitos dos extremos climáticos e poluição nas florestas Europeias

Participantes no Dia Aberto

O campus ganhou vida, cor e energia proveniente do entusiasmo dos cerca de 2000 alunos de 170 escolas de norte a sul do País.

CIÊNCIAS esteve presente nesta edição, com a participação dos docentes do Departamento de Física: Alexandre Cabral, no painel de abertura “À conversa sobre carreiras espaciais” e

Semana Internacional da Compostagem

Uma das transformações necessárias às entidades que querem progredir pelo caminho da sustentabilidade é fecharem os seus ciclos de materiais, nomeadamente o orgânico.

A VicenTuna - Tuna da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa - completou 30 anos em janeiro de 2024. Para comemorar, realizou no dia 30 de abril de 2024, a Festa da Primavera, um espetáculo de música e divertimento dedicado à comunidade de CIÊNCIAS e ao público em geral.

Celebrações dos 50 anos do 25 de abril de 1974 da Academia das Ciências de Lisboa

A 9 de maio realiza-se a segunda de duas jornadas de debate académico e científico organizadas pela Academia das Ciências de Lisboa, que tem por objetivo ‘analisar e discutir a evolução do panorama científico português de forma prospetiv

Lançamento do projeto Barrocal-Cave marca um novo capítulo na Conservação da Biodiversidade em Portugal

O prestigiado Palácio Gama Lobo foi o cenário escolhido para o lançamento do projeto Barrocal-Cave, financiado pelo Prémio Fundação Belmiro de Azevedo 2023.

No passado dia 10 de abril, tivemos a honra de receber um grupo de estudantes e dois professores da Universidade de Leiden, na Holanda. Com um total de 40 estudantes, todos da área das bio farmacêuticas, a visita prometia ser entusiástica.

Miguel Pinto

No dia 29 de abril, Miguel Pinto visitou a Escola Básica Professora Aida Vieira, no Bairro Padre Cruz em Lisboa, para realizar oficinas de divulgação científica e atividades didáticas.

Fotografia de alguns dos oradores

O que é a sustentabilidade? Como podemos agir a nível local, procurando um impacto global? Estas e muitas outras questões marcaram a segunda edição da Semana da Sustentabilidade CIÊNCIAS, entre 15 e 19 de abril de 2024.

Páginas