No campus com Helder Coelho

Espaços da interdisciplinaridade

Helder Coelho

Porque é que a Informática gosta das outras disciplinas com as quais colabora assiduamente? Fala-se muito dos diálogos e dos impactos interdisciplinares, ou mesmo de fusões por motivos ainda mais fortes. Os casos da Neurofilosofia, Neuropsicologia, Bioinformática, Biomedicina, ou Robótica Cognitiva traduzem necessidades de médio prazo. Nos anos 50, quando a Tradução Automática estava quente, a Linguística Computacional (LC), a Inteligência Artificial (IA) e a Interação Homem/Computador (IHC) viviam em grande harmonia. Depois afastaram-se.

Os sistemas recentes Google Translate, RelateIQ e Facebook Graph colocaram na ordem do dia, quase 60 anos depois, os diálogos passados por causa da exigência de interfaces intuitivas e da complexidade de grandes sistemas inteligentes, como o Watson da IBM virado para os cuidados de saúde. Aparentemente, o processamento da língua natural está na origem desta aproximação, assim como os avanços recentes da tradução automatizada e interativa, e a necessidade da disseminação e assimilação.

Hoje, parece consensual que não haja tradução automática de qualidade, nem o homem (editor) possa ser colocado de fora da cadeia de processamento. Depois, na era digital, a complexidade e a enorme quantidade de dados estão presentes durante ainda muito tempo, e por isso a necessidade de interfaces intuitivas irá perdurar. Finalmente, a alta qualidade da tradução, com senso comum, parece ainda estar por assegurar.

A edição de textos é uma atividade típica da IHC, sendo a interação rápida, e tendo virado uma extensão inconsciente do utilizador. Anos atrás, essa já era a convicção de Alan Kay e de Yehoshua Bar-Hillel. O trabalho recente do grupo de Eric Horvitz, na Microsoft Research, em torno dos 12 princípios de projeto com iniciativa mista, parecem assegurar algum êxito na orientação do desenvolvimento dos próximos sistemas. Um desses princípios diz que os sistemas devem aprender observando os utilizadores, o que provocou menor edição e maior qualidade do produto final. A Predictive Translation Memory (PTM), de 2014, foi o grande passo em frente, assim como as inovações do processamento da língua natural (procura rápida, aprendizagem de parâmetros em direto), ou seja a melhoria da interface com o utilizador, um sonho eterno da Informática.

Os sistemas de tradução com iniciativa mista apareceram em 1952, mas nesse momento ainda a IA não tinha sido criada (só no verão de 1956). Seis décadas depois, graças aos seus recentes avanços, já garantimos traduções de melhor qualidade e os agentes inteligentes são capazes de complementarem as atividades humanas.

Olhemos agora para o lado da Economia. Em 1978, quando um dos pioneiros e fundadores da IA e prémio Turing, Herbert Simon, fez o discurso pela aceitação do prémio Nobel (sobre a escolha e a tomada de decisão) lamentou a inclusão crescente dessa disciplina na Matemática. Para Simon, essa situação dificultava a colaboração interdisciplinar (muito mais rica, segundo ele) entre a Psicologia, a Ciência das Organizações e a IA com a Economia.

Em 2011, o psicólogo Daniel Kahneman ganhava o prémio Nobel em Economia, porque durante anos se esforçara por ver a potência e a energia vital do trabalho interdisciplinar. Estes dois investigadores não foram os únicos a compreender que um novo campo científico, o da Ciência da Sociedade, se abria em torno do bem-estar das populações, e focado na sua felicidade (wellbeing).

A OCDE lançou em 2011 o projeto Better Life Initiative que permitiu que em 2013 fossem publicadas as orientações para a medição do bem-estar (algo subjetivo), apoiado em 11 domínios, cobrindo desde o rendimento, o trabalho, a saúde, as aptidões, a educação, a habitação, a segurança social, o empenhamento cívico ou o ambiente. Deste modo, a ideia de bem-estar inclui aspetos comportamentais, biológicos, psicológicos, ambientais e sociais.

A racionalidade (homem racional) é inalcançável, porque a escolha ótima (identificada a maior parte das vezes com a utilidade máxima individual) é demasiado perfeita. Em vez disso, a maior parte dos homens (agentes económicos) adota um programa interdisciplinar dirigido para a “inteligência”, e frequentemente apoiado em decisões feitas à pressa, com informação contraditória, incompleta ou em excesso, e, também, rodeada por turbulências sociais, financeiras e políticas. No entanto, no tempo de Simon, foram os modelos econométricos e matemáticos que levaram a melhor!

Ordenação dos 36 países da OCDE em 2013
1.º Austrália
2.º Suécia
6.º EUA
20.º Espanha
28.º Portugal
33.º Brasil

Em 2014 Portugal piorou e passou para 34.º, com uma satisfação de 5.1 (em 10), cuja média dos 36 países é 6.6. Em 2015 (com 38 países) e quanto ao trabalho, a Islândia ficou em 1.º, o Brasil está em 26º, Portugal em 33.º, a Espanha em 36.º e a Grécia em 38.º. Já no que respeita à satisfação de vida, a Noruega aparece em 1.º, o Brasil em 19.º, a Espanha em 22.º, a Grécia em 34.º e Portugal em 37.º. Dá que pensar. E, se olharmos para os dados do Observatório da Emigração (ISCTE), revistos em maio de 2016, deparamos com 110.000 em 2014 contra 70.000 em 2010 (vejam-se também os dados da Pordata de 2011 a 2015, onde Portugal está em 12.º em emigração a nível mundial).

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática de Ciências
rapariga no laboratorio

Já são conhecidos os resultados do Concurso de Projetos de I&D em Todos os Domínios Científicos de 2022, da FCT. Do total de projetos aprovados para financiamento, 33 contam com a participação da Ciências ULisboa, através da FCiências.ID, dos quais 25 enquanto instituição proponente.

grupo de alunos do programa

"Na Ciências ULisboa temo-nos esforçado ao longo dos anos para desenvolver um programa que trará uma semana inesquecível a estes jovens", escreve Ana Sofia Santos, monitora central do Verão na ULisboa, no artigo de opinião sobre o programa.

rapariga a rir

"A ideia de que o sentido de humor pode facilitar o ajustamento, a gestão e a regulação emocional parece ter bastante fundamento. Mas, como, onde e como entram os limites do humor nesta questão?", escreve Samuel Silva, psicólogo no GAPsi Ciências ULisboa.

Instalações do Quake

Os cientistas Susana Custódio e Luís Matias escrevem sobre o Centro do Terramoto de Lisboa, que nasceu de uma vontade de contar a fascinante história do sismo de 1755. A Faculdade e o IDL Ciências ULisboa são parceiros do Quake. 

mar

Novo artigo científico publicado na Frontiers in Marine Science alerta para a necessidade de uma visão global para o oceano no acordo internacional atualmente em elaboração no quadro das Nações Unidas. Artigo conta com a participação de dois professores e investigadores da Ciências ULisboa.

imagem ilustrativa do prémio

O Prémio DHFC 2021 foi atribuído a Daniele Molinini, investigador do CFCUL, membro do grupo de investigação Filosofia das Ciências Formais, Metodologia e Epistemologia.

Hugo Duminil-Copin

"Hugo Duminil-Copin é um físico-matemático que trabalha em teoria das probabilidades. Um daqueles que, durante os vinte últimos anos, regressou à fonte histórica de inspiração das matemáticas, a física teórica", escreve Jean-Claude Zambrini, professor do DM Ciências ULisboa, no ensaio dedicado ao matemático galardoado com a medalha Fields.

posters afixados

“Jovens investigadores” é o projeto da EBS Alfredo da Silva, no Barreiro, que permite aos alunos estabelecerem uma relação de proximidade com professores e investigadores do ensino superior, nomeadamente da Ciências ULisboa.

Pessoa a trabalhar na FCULresta

Já existem mais três miniflorestas plantadas na AML e muitas outras estão a germinar. “A FCULresta cumpre assim um outro objetivo, o de inspirar e apoiar a plantação de mais florestas urbanas biodiversas”, escrevem David Avelar, António Alexandre e Diogo Mendes.

June Huh

"O que motiva June Huh é a busca da beleza na Matemática, e a descoberta de ligações entre diferentes áreas desta disciplina", escreve Carlos A. A. Florentino, professor do DM Ciências ULisboa, no ensaio dedicado ao matemático galardoado com a medalha Fields.

Alina Shchepetkina com outra investigadora

A expedição South Atlantic Transect II (IODP 393) zarpou a 11 de junho de 2022 da Cidade do Cabo, na África do Sul, e tem uma duração de 61 dias. A equipa a bordo tem cientistas de várias partes do globo na expectativa de obter respostas para algumas questões apaixonantes e relacionadas com alterações nos ambientes da Terra durante os últimos 61 milhões de anos. Uma dessas cientistas é Alina Shchepetkina, investigadora do Instituto Dom Luiz da Ciências ULisboa.

Membros da direção da Faculdade, Conselho de Escola e Reitor da ULisboa

Luís Carriço, professor do Departamento de Informática e investigador do LASIGE, tomou posse como diretor da Ciências ULisboa, esta quarta-feira, dia 20 de julho, numa cerimónia que juntou vários membros da Faculdade e Universidade, na sala de atos, sita no edifício C6. A boa disposição imperou no ato solene, durante o qual os professores Margarida Santos-Reis, Hugo Miranda, Jorge Relvas, Maria João Gouveia e Pedro Almeida foram indigitados subdiretores da Faculdade.

ímanes moleculares

Nuno A. G. Bandeira, investigador do DQB e do BioISI Ciências ULisboa, escreve sobre um estudo, que constitui um marco na evolução do conhecimento e na busca de melhores materiais para aplicação na spintrónica e computação à escala quântica.

Foto do instrumento NIRPS

O espectrógrafo NIRPS, a sigla inglesa para Near-Infrared high resolution spectrograph, ou espectrógrafo no infravermelho próximo de alta resolução, cujo desenvolvimento e construção contou com a participação do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), observa na banda do infravermelho, no Telescópio ESO de 3,6 metros do Observatório de La Silla, no Chile, complementando assim espectrógrafos como o HARPS e o ESPRESSO. 

fundo marinho

Novo artigo publicado na Nature Ecology and Evolution, por uma equipa de 30 investigadores de todo o mundo, da qual fazem parte dois investigadores portugueses com ligação à Ciências ULisboa, resulta da consulta prévia de cerca de 680 especialistas e outros profissionais ligados ao meio marinho.

Anfiteatro no C8 e paryicipantes do evento

"A Conferência Internacional Hi-Phi teve um sucesso muito para além do expectável e mostrou a vitalidade do diálogo entre a História e a Filosofia das Ciências", escrevem Ana Duarte Rodrigues e João L. Cordovil, coordenadores científicos respetivamente do CIUHCT e do CFCUL, na crónica sobre o importante acontecimento.

3 alunos no labotarório

Dois anos depois de um interregno, “Ser Cientista” está de volta de 25 a 29 de julho e propõe a jovens alunos que experimentem a “vida” de um investigador.

saída de campo da Geologia

A Faculdade tem um novo ciclo de estudos acreditado pela  Agência e Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES), para substituição dos mestrados na área da Geologia com 90 ECTS. O novo mestrado em Geologia tem a duração de dois anos, com 120 ECTS.

Pedreira

O mestrado em Geologia tem como objetivo formar profissionais com uma formação sólida em áreas chave das Ciências da Terra e que possam responder aos desafios da sociedade do século XXI. Artigo de opinião do Departamento de Geologia a propósito deste novo plano de estudos.

Mesa com vários oradores no grande auditório da Faculdade

A sessão de abertura do 30th International Carbohydrate Symposium foi antecipada e presencial, tendo sido gravada em Ciências ULisboa, para ser apresentada internacionalmente a 10 de julho, primeiro dia do simpósio. A cientista Amélia Pilar Rauter, nesta crónica, descreve o que aconteceu nessa sessão, o antes e depois… O simpósio termina a 15 de julho e segundo a presidente da International Carbohydrate Organisation  serão apresentadas as invenções e descobertas mais recentes, muitas delas relevantes para a sociedade.

dois alunos no laboratório

Doze alunos do Clube Ciência Viva da Escola Secundária Padre António Vieira visitaram um dos laboratórios da Faculdade. A visita foi organizada pelo professor Octávio Paulo, orientada por dois alunos da Faculdade.

Imagem do palco do evento com oradores em destaque

“A iniciativa alcançou o sucesso científico desejado, prontamente reconhecido pela maioria dos seus participantes, (...) o que confirma o interesse crescente que os temas dos riscos urbanos têm vindo a suscitar, no seio da comunidade técnica e científica internacional”, escreve Paula Teves-Costa, presidente da Comissão Organizadora da ICUR2022.

evento da ECFS com pormenor para sigla da sociedade

Carlos M. Farinha, professor do Departamento de Química e Bioquímica da Ciências ULisboa e investigador do Grupo de Investigação em Fibrose Quística, incluído no Grupo de Genómica Funcional e Proteostase do BioISI, foi eleito membro do Conselho de Direção da Sociedade Europeia de Fibrose Quística (ECFS sigla em inglês).

Dua jovens observam espécies no campus da Faculdade

"O BioBlitz é uma metodologia para realizar uma avaliação rápida da biodiversidade de um local num determinado período de tempo", escrevem Patrícia Tiago e Sergio Chozas, coordenadores do +Biodiversidade @CIÊNCIAS. Há cerca de um mês dinamizaram um BioBlitz no campus da Faculdade. Leia a crónica dos cientistas sobre o assunto.

Imagem de satélite da erupção do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha'apai

Estudo publicado na Nature e liderado por investigadores do Instituto Dom Luiz da Ciências ULisboa e do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) explica o mecanismo por detrás da geração e propagação do tsunami incomum, ocorrido após a explosão colossal do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha'apai, em Tonga.

Páginas