No Campus com Helder Coelho

Emprego na Informática

Helder Coelho

Sabemos que o emprego dos informáticos está de novo em alta, mas com salários mais baixos. Não sabemos por quanto tempo, pois a incerteza tem pairado sobre o planeta como uma sombra ameaçadora [caso do Médio Oriente, mudanças na China, e nos países emergentes (Brasil, Angola, Rússia), em dificuldades por causa do preço do petróleo]. Ao mergulharmos nesta nova (quarta) revolução industrial, caraterizada pela fusão de tecnologias vindas das esferas física, digital e biológica, e também pelas assimetrias com a quantidade de riqueza produzida, o que está em discussão (veja-se o Forum de Davos) é a sua distribuição justa e isso tem a ver com a natureza do trabalho e as competências dos trabalhadores.

Nos últimos anos a saída de quadros superiores seniores e de cientistas, de Portugal, acompanhou uma grande vaga de emigração, sobretudo para a Europa (Reino Unido, Alemanha e Luxemburgo, mas também Noruega e França). Ao mesmo tempo o sector das startups, nas TIC, ganhou espaço em toda a parte (veja-se a revista Wired UK), e também em Portugal, e alguns exemplos são já promissores: Talkdesk, Muzzley, Uniplaces, Farfetch, Veniam, Seedrs, Feedzai, Mobizy, Musikki, ou Zaask. Algumas foram adquiridas ou deslocadas para fora do país (MobiComp de Carlos Oliveira adquirida em 2008 pela Microsoft, Mint de Paulo Rodrigues em Barcelona), e outras desapareceram (Ydreams de António Câmara) por causa de dificuldades financeiras.

Cinco zonas, ao longo da costa atlântica, têm-se destacado (Braga, Porto, Aveiro, Coimbra e Lisboa), com as universidades a assumirem um papel na incubação de ideias (por exemplo no Tec Labs da FCUL, UniNova no Monte da Caparica), no acolhimento de grupos e no amparo inicial de projetos. Algumas empresas como a SISCOG, Novabase, Altitude e Critical (de Gonçalo Quadros) ganharam espaço e cresceram internacionalmente (o grupo Critical incluiu a Critical Manufacturing, a Watchful Software, a Critical Links, a Critical Health, a Critical Materials, a iTGrow e a Oncaring). Outras estabilizaram, organizaram-se melhor, fortaleceram-se e preparam-se para novos alvos.

A COTEC (o programa COHiTEC apoiou 151 projetos e gerou 26 startups de base tecnológica que atraíram 35 milhões de euros em investimentos) tem acompanhado este processo, estimulando a inovação. A FCT, após um trabalho meritório, durante a governação da Ciência pelo professor Mariano Gago, perdeu cerca de 20% do orçamento e reduziu a fatia do PIB de 1.6% para 1.3% nos últimos quatro anos, levando à quase destruição da massa crítica de muitos grupos e a um desânimo geral de toda a comunidade de TIC (a administração da FCT desinvestiu na Informática e investiu fortemente no sector da saúde). Essa mudança na política da ciência deve ser analisada com cuidado.

Como se faz uma empresa? Não existe nenhuma fórmula milagrosa, mas os casos de estudo apontam para a experimentação na universidade, nas unidades curriculares (pequenos projetos), nos trabalhos de mestrado ou mesmo de doutoramento como propícios para um estudante, ou um grupo, arriscar a montar as suas ideias como se fosse numa fase de pré-incubação, eventualmente, nas unidades de I&DE como o Lasige e o LabMAg (agora BioIsi grupo MAS).

Vejamos um exemplo norte-americano do MIT. Todd Zion, engenheiro químico abandonou o seu emprego na Eastman Kodak em 1999 e inscreveu-se no programa de doutoramento do MIT com a ideia de fazer um remédio inteligente (insulina autorregulável) para a diabetes. Em vez de seguir o velho processo do desenvolvimento orientado por objetivos, escolheu um método clássico, da Inteligência Artificial, conhecido por tentativa e erro e obteve melhores resultados. Adotou a engenharia molecular (nanoescala), e, ao fim de quatro anos, a sua insulina inteligente permitiu criar uma empresa SmartCells, e, através da persistência e do controle dos efeitos colaterais, foi descoberto pela gigante farmacêutica Merck, em 2010, que a comprou. No fim de 2014, o remédio estava a ser analisado do ponto de vista animal, fase prévia à sua aprovação nos EUA e consequente à entrada no circuito comercial.

Na FCUL alguns casos têm sido acarinhados como a Vectr Labs e a Science4You. Outros casos têm tido um progresso autónomo, como a GameWhizzes (de Alexandre Ribeiro e responsável pelo jogo Fangz, que esteve no top 1 da lista da Loja Apple), a etNos (de Henrique Vaz) e a Unbabel (de Vasco Pedro).

Que perfil deve ter um profissional no momento atual (e futuro), caraterizados pela falta de certeza nas mudanças e pelo trabalho globalizado e sujeito a pressões várias? Que vantagens competitivas podem construir? As competências digitais mais procuradas [Expresso Emprego de 16 de janeiro 2016: barómetro do momento (2015), segundo a Linkedin, das tendências de contratação] são: cloud and distributed computing, análise estatística e data mining, integração de software, mobile development, segurança de redes e de informação, gestão de sistemas de armazenamento, arquitetura web e desenvolvimento de redes, user interfaces design, e design de algoritmos. Mas será que um profissional se deve apenas preocupar com as formações tradicionais, baseadas em competências técnicas adquiridas nos cursos universitários? É claro que não, e as universidades vêm desde há algum tempo alertando os estudantes para as capacidades de agilidade intelectual, as competências emocionais e criativas (não existe inovação sem criatividade), que vejam as coisas de outros ângulos (pensar diferente, fora da caixa) e que fujam às rotinas.

Certos caça-talentos vão ainda mais longe e aconselham a feitura de um plano de marketing pessoal (criar uma imagem de si próprio), uma rede de contactos, e, ainda, ser estratégico (construir a carreira com marcas que sejam boas para, mais à frente, poderem ajudar e beneficiar o candidato a ter êxito). Isto quer dizer que o espaço universitário precisa de agentes mais interventores. Pensem um pouco sobre o que isto quer dizer.

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática de Ciências
Um grupo de investigadores da ULisboa está cada vez mais perto de conseguir criar um processo economicamente viável de reciclagem do dióxido de carbono responsável pelo efeito de estufa

Um grupo de investigadores da ULisboa está cada vez mais perto de conseguir criar um processo economicamente viável de reciclagem do dióxido de carbono responsável pelo efeito de estufa. ​Paulo N. Martinho, investigador de Ciências ULisboa, coordenou este trabalho, que dada a relevância dos resultados obtidos foi capa recentemente de uma das edições da conceituada revista Chemistry – A European Journal.

Rebecca Bell

Rebecca Bell, professora do Imperial College London, no Reino Unido, é a oradora da palestra do distinguished lecturer programme do European Consortium for Ocean Research Drilling (ECORD), coorganizada pelo Instituto Dom Luiz Ciências ULisboa. A especialista em Tectónica irá falar sobre um novo tipo de sismos, os chamados sismos lentos.

João Ricardo Silva, Deyi Xiong, António Branco, Changjian Hu, diretor do Grupo de Linguagem Natural da Lenovo, Rodrigo Santos e João Rodrigues

Um grupo de investigadores do Grupo de Fala e Linguagem Natural (NLX) do Departamento de Informática de Ciências ULisboa visitou, em julho passado, o Laboratório de Inteligência Artificial da Lenovo, no âmbito de um projeto de intercâmbio científico, coordenado por António Branco, professor do DI e coordenador do NLX.

Siluro marcado na albufeira da Barragem de Belver por investigadores do projeto FRISK

FRISK visa descobrir as rotas predominantes de chegada dos novos peixes não indígenas através da utilização integrada de ferramentas moleculares, modelação espacial, seguimento dos movimentos dos peixes e ciência cidadã. Leia a crónica de Filipe Ribeiro, investigador principal do projeto e do polo de Ciências ULisboa do MARE.

Campus Ciências ULisboa

Ciências ULisboa continua a ser uma referência no ensino superior, preenchendo a totalidade das vagas na 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso ao ensino superior. Leia o artigo de Pedro Almeida, subdiretor da Faculdade.

Samsung Galaxy

A maior conferência Android do mundo, com 11 anos de existência e presente em mais de 25 cidades por todo o mundo, - Droidcon Lisboa 2019 - realiza-se pela primeira vez em Portugal nos dias 9 e 10 de setembro, no campus de Ciências ULisboa.

LxUs

A equipa LxUs integra alunos das faculdades de Ciências e de Farmácia da ULisboa  e é a primeira a representar Portugal no SenSus. Os estudantes desenvolveram biossensores para medição dum fármaco biológico, utilizado para tratar doenças como a artrite reumatoide. Grande parte da equipa é da área da Engenharia Biomédica e Biofísica.

Marissa Verhoeven na HortaFCUL

“O meu estágio foi muito desafiante”, conta Marissa Verhoeven, estudante de Biologia Aplicada na Holanda, após a experiência no projeto de permacultura experimental da HortaFCUL. Na crónica sobre esta experiência partilha os resultados da sua investigação sobre a produção e o uso do vermicomposto, bem como um livro infantil sobre a importância das abelhas.

Paula Simões

Paula Simões ora leciona e orienta alunos, o que geralmente ocupa grande parte das suas manhãs ou tardes, ora ocupa o restante tempo com outras atividades como é exemplo o projeto “Cigarras de Portugal – Insetos Cantores”, no âmbito do qual os cidadãos são desafiados a estarem atentos aos sons das cigarras!

Tiago Guerreiro

O professor de Ciências ULisboa Tiago Guerreiro é um dos novos editores chefes da Association for Computing Machinery (ACM) Transactions on Accessible Computing (TACCESS).

Planta

Grupo de investigadores e responsáveis de instituições de investigação escreveram uma carta aberta de protesto sobre decisão do Tribunal de Justiça Europeu sobre genoma.

Prémio Doutoramento em Ecologia

Francisco Pina Martins, Adrià López-Baucells e Inês Gomes Teixeira são os vencedores do Prémio de Doutoramento em Ecologia 2019. Os trabalhos galardoados serão apresentados durante o 18.º Encontro Nacional de Ecologia, que se realiza em simultâneo com o 15.º Congresso Europeu de Ecologia, entre 29 de julho e 2 de agosto em Ciências ULisboa.

Complexidade da diversidade

"É um erro pensarmos que uma boa equipa de I&DE só deve ser construída com os mais espertos: de facto, é o coletivo, constituído com pessoas que trazem uma gama variável de perspetivas (pontos de vista) para um problema, que obtém os melhores resultados", in no Campus com Helder Coelho.

Chegada à Lua

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço e o Museu da Presidência da República celebram os 50 anos da chegada à Lua.

Campus Ciências ULisboa

Professores de todo o país vão estar reunidos no maior evento de formação acreditada na área do ensino das ciências realizado em Portugal. O VI Encontro Internacional da Casa das Ciências acontece entre os dias 10 e 12 de julho, no campus de Ciências ULisboa.

Logotipo

Tal como sucedeu em edições anteriores, vários professores e investigadores de Ciências ULisboa participam no Ciência 2019 - Encontro com a Ciência e Tecnologia em Portugal, que decorre em Lisboa até 10 de julho.

Mara Gomes, aluna do 2.º ano do mestrado em Ciências do Mar participou no cruzeiro oceanográfico RV Polarstern em junho passado, sob o lema “Changing Oceans – Changing Future”. “Mara Gomes teve a dupla experiência de participar como cientista e de ensinar os alunos do programa POGO”, conta Vanda Brotas, professora do Departamento de Biologia Vegetal e investigadora do polo de Ciências ULisboa do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE).

Ciências ULisboa

As classificações excelente e muito bom destacaram-se na avaliação feita aos centros de investigação afetos a Ciências ULisboa. Para os próximos quatro anos, Ciências ULisboa pretende continuar a sua aposta na investigação de excelência, agora com um pouco mais de fundos (um acréscimo de mais de quatro milhões de euros).

Falecimento

Ermesenda Fernandes, assistente técnica do Gabinete de Orçamento e Prestação de Contas da Área Financeira da Direção Financeira e Patrimonial de Ciências ULisboa, faleceu esta quarta-feira, dia 19 de junho de 2019. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

Laboratórío em Ciências ULisboa

Leonor Côrte-Real, investigadora do polo de Ciências ULisboa CQE, irá representar Portugal no 6th Young Medicinal Chemist Symposium. A jovem doutorada em Química, especialidade em Química Inorgânica por Ciências ULisboa, foi escolhida pela SPQ para representar Portugal neste simpósio e irá apresentar o trabalho desenvolvido durante a sua tese.

Alunos durante um exercício do FCUL Rally Pro

O evento de Ciências ULisboa que convida os estudantes do ensino secundário a programar já vai na 7.ª edição.

Um estudo publicado na revista "Nature" revela novas evidências sobre a ocupação humana da Sibéria desde há 31 mil anos. Vítor Sousa, do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais – cE3c em Ciências ULisboa, é um dos 54 cientistas envolvidos na investigação.

Maria João Verdasca

Maria João Verdasca iniciou em fevereiro de 2017 o programa doutoral em Biodiversidade, Genética e Evolução. A sua investigação foca-se na modelação espacial de espécies invasoras e no estudo dos seus impactos ecológicos e socioeconómicos. Recentemente foi nomeada ao GBIF Young Researchers Award 2019.

Síndrome do impostor

Uma das formas mais eficazes de lidar com o síndrome do impostor é mesmo falar sobre ele, partilhando entre colegas ou amigos com quem sinta um espaço seguro, os desafios que vai sentindo profissionalmente e perceber que não está sozinho naquilo que sente. Estima-se que 70% das pessoas sofrem deste fenómeno psicológico.

Sala de aula

"Todo e qualquer avanço do saber produz uma nova e profunda ignorância, mais mistérios, o que não é surpreendente, pois o progresso, com os avanços sistemáticos, tende para o desconhecido", in no Campus com Helder Coelho.

Páginas