No Campus com Helder Coelho

Discutir a escola: um dever intelectual

Sala de aula

Todo e qualquer avanço do saber produz uma nova e profunda ignorância, mais mistérios, o que não é surpreendente, pois o progresso, com os avanços sistemáticos, tende para o desconhecido

Ciências ULisboa
Helder Coelho
Helder Coelho
Imagem cedida por HC

“Quem aumenta o seu conhecimento aumenta logo a sua ignorância.”
Friedrich Schlegel

Barbara Reis abordou a organização/estrutura de uma universidade (Institute for Advanced Studies, Princeton University, EUA) e Arlindo Oliveira defendeu a necessidade de dar a voz à tecnologia. Ambos no Público. Curiosamente, não vi preocupação alguma pelo cada vez maior estado de degradação do Liceu/Escola Secundária de Luis de Camões (Praça José Fontana, 1050-129 Lisboa), fundada em 1909, ou pela imobilidade da universidade portuguesa (CRUP – Conselho de Reitores) no que respeita à intervenção no país e numa multitude de temas complexos (incêndios, falta de água (desalinização da água do mar, aproveitamento das descargas das barragens), cidades inteligentes, desigualdades (orla marítima versus interior do país, precários, sem abrigos, falta de emprego para os jovens doutores).

Ao longo dos anos tive o prazer de passar por muitas unidades de ensino e investigação, de que destaco a que mais me impressionou ou satisfez (Santa Fe Institute, Novo México, EUA). Claro que falo do espaço interno (arquitetura), do arranjo de facilidades, dos modos de interação (conversas) com alunos e professores/investigadores, do acesso fácil à biblioteca, e da possibilidade de poder trabalhar numa sala sem ser incomodado e com acesso à Internet.

A escola é algo que devemos sempre defender e não perder de vista, seja ela a escola primária ou a universidade. Fui aluno da primária na escolar do Largo do Leão e do Liceu Camões, e não as esqueci. Quanto à universidade, fui aluno e professor (IST, ISEG, FCUL, ISCTE), fiz perguntas, discuti e operei mudanças de disciplinas (IST), de mestrados e de departamentos (ISEG), e de licenciaturas, mestrados e doutoramentos (FCUL, ISCTE). No entanto, não estou descansado. Acho que a interdisciplinaridade ainda não funciona tão bem, como eu gostaria, na Universidade de Lisboa. Existem receios de misturas (talvez um racismo disciplinar) e os alunos têm medo de sair do seu conforto (área de estudos) para abordarem problemas e temas que exigem multidisciplinaridades. Embora o conhecimento esteja em expansão, em todas as áreas, existem boas razões para esperarmos que sejam inevitáveis as relações de proximidade e possibilidade de combinação entre conhecimentos que nunca foram associados.

As ligações podem ser naturais (por proximidade) ou artificiais através de pontes mais ou menos complexas (via mecanismos, novos conhecimentos, já conhecidos ou ainda ignorados, mistérios por descobrir). E, aqui surge uma dificuldade e muitos desafios: a ligação é contrariada pelo atual ensino, que tende a separar, compartimentar ou mesmo isolar (veja-se a tendência de explodirmos o conhecimento, em cada vez mais disciplinas especializadas e autónomas).

Nos últimos 30 anos, Edgar Morin lutou pela articulação dos saberes, uns com os outros, e de os tornar complementares (Morin, 2017), mesmo buscando junções com conhecimentos, fechados no interior de algumas disciplinas. A nível institucional, a dificuldade aparece com a resistência (ou ignorância) à entrada da Biologia, da Informática, da Física, da Matemática ou da Filosofia em algumas faculdades.

Todo e qualquer avanço do saber produz uma nova e profunda ignorância, mais mistérios, o que não é surpreendente, pois o progresso, com os avanços sistemáticos, tende para o desconhecido. E, como articular o binómio aprender-ensinar, de molde que todo um povo possa usufruir e ao mesmo tempo desenvolver a sua capacidade crítica? Não basta assim resolver problemas, é preciso também constituir equipas, dinamizar as vontades, planear, desenvolver estratégias e auscultar o futuro (predizer). A nossa capacidade de I&DE (Ciência com 1.2% do PIB, face aos 3% desejado pela OCDE) é muito fraca, temos poucos investigadores e temos vindo a perder muitos (doutores), desde 2011, para o mundo.

Referências
Feijó, A. M. e Tamen, M. A Universidade como deve ser, Fundação Francisco Manuel dos Santos, 2017.
Morin, E. Connaissance, Ignorance, Mystère, Fayard, 2017.
Oliveira, A. Há petróleo no Beato, Público, Março 9, 2018.

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática de Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Reitoria da ULisboa

O CWUR 2024 avaliou de entre 20.966 instituições de ensino superior e atribuiu à ULisboa o 211.º lugar (top 1.1%) e a 80.ª posição no panorama europeu.

Páginas