No Campus com Helder Coelho

Como pensamos?

Helder Coelho

“O meu destino já não é um lugar, mas sim uma nova forma de ver.”
Marcel Proust

Recentemente, dois estudos sobre como pensamos, um do Instituto Max Planck (para a História da Ciência, Alemanha) e outro da Escola de Medicina de Harvard (EUA), de maio de 2017 (revista NeuroImage, de Elinor Amit e Evelina Fedorenko), clarificaram as diferenças que nós temos quando refletimos sobre alguma matéria, fazemos coisas, ou emulamos a realidade. Basicamente, existem dois modos, um que recorre às imagens (visual) e outro que adota as palavras (verbal). O primeiro é muito mais antigo, está instalado no cérebro desde o nosso nascimento e evoluiu ao longo do tempo, e o segundo, mais moderno, intromete-se amiúde com o primeiro.

Diz-se que um artista (por exemplo, um pintor) costuma conceber com imagens, mas Einstein (veja-se a série "Genius" de dez episódios, para a Televisão por Cabo, do canal National Geographic, lançada em 2017), imaginava e via as suas ideias que intuía sobre a Física. Diz-se que recorremos às imagens quando referimos coisas que estão muito perto de nós (aqui e agora, temporalmente, socialmente, ou geograficamente) e às palavras (discurso interior, abstração) quando as coisas (lugares, tempos, outras pessoas) estão longe de nós.

Os nossos cérebros, que estão envolvidos com o movimento, a intencionalidade, e a previsão, têm muitas coisas já lá metidas (inatas) e a razão é evolucionária, porque nunca fomos sempre falantes, com palavras (a linguagem veio depois). Durante muito tempo, entendemos o mundo de modo visual, e comunicávamos com desenhos (vejam-se as grutas de Foz Coa ou de Altamira).

A inteligência espacial é a capacidade de pensar visualmente, em termos de formas, observando os objetos de ângulos diferentes e o espaço, reconhecendo cenas ou tomando mesmo nota de detalhes pequenos. Frequentemente resolvemos problemas espaciais de navegação (andar na cidade), julgamos o que nos rodeia, enfrentamos quebra-cabeças e vemos recorrendo aos nossos olhos.

Einstein, numa conversa com Jacques Hadamard, sobre o seu modo de anotar os problemas, com imagens, achava que as palavras não eram, para si, tão importantes. As intuições seguiam sinais, e as imagens podiam ser manipuladas e combinadas. Mais tarde, clarificava essas imagens com equações matemáticas (no filme “O Homem que Viu o Infinito”, o matemático indiano Srinivasa Ramanujan (1887-1920), traduzia muitas das suas ideias por fórmulas).

Bachelard dizia que o espaço chamava a ação, e antes desta a imaginação trabalhava. O mundo dos nossos dias é povoado e entendido por imagens, e uma das explicações é a predominância da televisão (cinema, vídeo) sobre a rádio. Diz-se que o tempo muda as pessoas, embora não altere as imagens que guardamos delas.

Por exemplo, examinemos as imagens de um espaço como uma casa. E, que acontecerá em seguida se começarmos a pensar com essas imagens? Eventualmente, imaginaremos muitas outras, e faremos ligações e relações. E, se agora quisermos organizar o espaço global, com a ajuda de outros desenhos? Passamos da arquitetura daquela casa para os modos de a inserir numa rua, e depois num bairro. Este exercício chama-se urbanização, e muitas cidades não se desenvolveram nem com planos, nem seguindo estratégias de povoamento. Algumas causas são a desatenção das autarquias, a falta de leis e regulamentos, ou mesmo a ganância, a usura. A consequência são “bairros de lata”, falta de estradas, casas encavalitadas umas nas outras, um caos no trânsito (engarrafamentos), que nos faz fugir desses sítios.

Um arquiteto, um urbanista, imaginam espaços, e organizam com inteligência formas para se articularem, se ligarem, e sem confusão. Estabelecem diálogos, sobre a intimidade, dialéticas do grande e do pequeno, do interior e do exterior, do aberto e do fechado, ou mesmo da poética do espaço.

Se por acaso, necessitamos de preparar uma apresentação oral (sobre o nosso trabalho) começamos por pensar com palavras (discurso interior) e as imagens vão entrar, sem que façamos qualquer esforço, para ajudar a tornar aquela conversa mais fluida. Ora, tudo isto se passa em várias áreas do cérebro (córtex visual, córtex sensorial, lobo parietal, córtex pré-frontal e córtex cingulado) capazes de se relacionarem entre si.

Wittgenstein, contemporâneo de Turing, deixou muitas notas (em fichas) sobre o que significa pensar (atividade mental), compreender e expressar, e os seus exercícios sobre os jogos de linguagem. Estes apontamentos permitem-nos entender hoje as dificuldades em compreender e pensar, e ainda como aprendemos a compreender.

Referências
Bachelard, G., La Poétique de l´Espace, PUF, 2015
Wittgenstein, L., Fichas (Zettel), Edições 70, 1989

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
logotipo

Sétima rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a Keep on Care.

Computador

“O período de confinamento pode ser encarado como um primeiro grande teste à integração de renováveis no sistema elétrico, prelúdio do que se prepara com a transição energética global em curso”, escreve o cientista Miguel Centeno Brito.

“Ciências ULisboa tem vindo a aumentar a sua capacidade e a sua intervenção no desenvolvimento científico e tecnológico de alguns dos projetos mais importantes para o avanço da Astrofísica, não só nos próximos anos, mas nas próximas décadas”.

post it

Cristina Luís, investigadora do Departamento de História e Filosofia das Ciências e do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia (CIUHCT), é a responsável em Portugal pelo projeto “Citizen Science as the new paradigm for Science Communication (NEWSERA)”, coordenado por Rosa Arias, fundadora da Science for Change e que visa estudar como a ciência cidadã pode mudar o paradigma da comunicação da ciência.

janela

Entrevista com o cientista Carlos Cordeiro, que lidera o SAFE Coating, um projeto que tem a Biomimetx e o Hospital Curry Cabral como parceiros e que em seis meses procurará implementar uma tecnologia capaz de inativar o SARS-CoV-2 em superfícies, impedindo a sua viabilidade fora do hospedeiro humano e consequentemente, eliminando uma importante via de transmissão viral.

Lusovenator, a nova espécie pertence ao grupo dos carcharodontossáurios - dinossáurios carnívoros, alguns dos maiores predadores do planeta Terra. A sua descoberta mostra que estes dinossáurios estavam presentes no hemisfério norte 20 milhões de anos antes do que indicava o registo conhecido. O estudo foi liderado por Elisabete Malafaia, investigadora do IDL, polo da Ciências ULisboa.

O Roteiro Nacional de Infraestruturas de Investigação de Interesse Estratégico (RNIE) 2020 inclui 56 infraestruturas. Ciências ULisboa coordena a CoastNet, a PORTULAN CLARIN e a RNEM, integrando ainda outras sete infraestruturas.

A fase de implementação da Rede Portuguesa de Monitorização Costeira (CoastNet) terminou recentemente, segundo comunicado de imprensa emitido pela Faculdade recentemente. A apresentação pública da CoastNet coordenada por José Lino Costa, professor do Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa, acontece a 7 de julho, num evento a decorrer por videoconferência.

O projeto MarCODE visa desenvolver uma ferramenta multidisciplinar para potenciar o rastreio e a rotulagem ecológica de espécies marinhas de interesse comercial, segundo comunicado de imprensa emitido pela Faculdade. O estudo iniciado este mês de julho deverá terminar daqui a três anos.

Sexta rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a Nevaro.

Cláudio Pina Fernandes, coordenador do GAPsi Ciências ULisboa, escreve sobre o Princípio da Incerteza e chama a atenção para alguns aspetos.

O mundo de hoje é completamente dominado pela necessidade imperiosa de saber recolher e analisar dados, escrevem os cientistas Tiago A. Marques e Soraia Pereira. Leia o artigo dedicado ao roteiro serológico nacional, uma iniciativa promovida pelo Instituto Gulbenkian de Ciência e que conta com a colaboração do Centro de Estatística e Aplicações da Universidade de Lisboa, da autoria destes investigadores.

Ciências ULisboa volta a participar com equipas de estudantes no Global Management Challenge (GMC). No passado dia 16 de junho começou a 1ª fase do GMC 2020, que conta com quatro equipas desta faculdade compostas por alunos dos mestrados integrados em Engenharia Biomédica e Biofísica, em Engenharia da Energia e do Ambiente e em Engenharia Física, assim como alunos das licenciaturas em Matemática Aplicada e Tecnologias de Informação.

teste

Cerca de 194 milhões de aves e 29 milhões de mamíferos podem ser atropelados por ano nas estradas europeias, de acordo com a estimativa de uma equipa internacional de investigadores liderada por Clara Grilo, investigadora do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM), polo da Ciências ULisboa, com sede na Universidade de Aveiro. Os resultados estão publicados na revista científica Frontiers in Ecology and Environment.

“A História do Pi em hipervídeo” está na Internet e pode ser consultada por todos e em toda a parte. O hipervídeo integra de forma estruturada e interativa vídeo e outros tipos de informação, nomeadamente, textos, imagens, áudio e animações. Saiba mais sobre este projeto lendo a entrevista com as professoras Suzana Nápoles e Teresa Chambel.

A dinâmica das epidemias é descrita por sistemas de equações diferenciais. Jorge Buescu, professor do Departamento de Matemática da Ciências ULisboa, apresenta neste artigo o modelo epidemiológico desenvolvido em 1927 por Kermack e McKendrick.

No próximo ano letivo, Ciências ULisboa irá utilizar novos modelos de ensino/aprendizagem, todos com horas de contacto entre docentes e alunos, mas que se diferenciam pela existência e forma da componente presencial, anunciou a Faculdade em comunicado de imprensa.

Um grupo de cientistas da Ciências ULisboa e da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, membros do CENTRA - Centro de Astrofísica e Gravitação participa no desenvolvimento do METIS (Mid-infrared ELT Imager and Spectrograph), um poderoso instrumento que vai equipar o maior telescópio do mundo - o Extremely Large Telescope.

A equipa do projeto Lista Vermelha de Invertebrados Terrestres e Dulçaquícolas de Portugal Continental preparou a campanha de ciência cidadã - “Invertebrados da Lista Vermelha procuram-se” -, cujo lançamento ocorre esta sexta-feira, dia 5 de junho.

Duas pessoa dão as mãos

"A nossa necessidade de conexão e de afeto é singular, no sentido em que precisamos e procuramos o contacto com outros seres humanos", escreve Inês Ventura, psicóloga do GAPsi Ciências ULisboa.

Mulher sentada em banco junto ao rio Tejo

Um grupo multidisciplinar de cientistas propõe a criação de um roteiro nacional para a realização de testes serológicos em Portugal e defende que a avaliação rigorosa e concertada da prevalência da doença COVID-19 é a única forma de conhecer a real vulnerabilidade da população e monitorizar a dinâmica da epidemia.

Logotipo da rubrica Rardar

Quinta rubrica Radar Tec Labs dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a THEREUS.

ETAR de Serzedelo

A primeira etapa do COVIDETECT já está concluída e com sucesso anunciou esta quarta-feira a AdP - Águas de Portugal. Ciências ULisboa assegura a coordenação científica do projeto, financiado através do programa Compete 2020.

Papel e caneta, num ato de estudo

"Estudar em tempos da COVID-19 é novo e exigente. No entanto, temos recursos para tomar as rédeas, mesmo numa situação desta dimensão, e retomar o controlo", escreve Madalena Pintão, estagiária académica do GAPsi Ciências ULisboa. Conheça as suas sugestões...

Médicos e enfermeiros

"Independentemente das soluções adotadas, a crise sanitária da COVID-19 vem inequivocamente demonstrar que a Bioética, para além de uma vertente mais teórica e fundamental, tem uma vertente prática que atua no terreno e dá um contributo importante para a estabilização do funcionamento dos sistemas de saúde." Opinião de Jorge Marques da Silva, professor do Departamento de Biologia Vegetal da Ciências ULisboa e investigador do polo da Faculdade do BioISI. 

Páginas