No Campus com Helder Coelho

A Filosofia perante a Neurobiologia

Ler Filosofia (através de Espinosa) permite olhar o mundo, de forma crítica e pensar em profundidade. Em Ciência, observar e refletir são indispensáveis, para caminharmos, abrindo novas linhas de pesquisa

Pixabay

Helder Coelho

“Os medievais diziam que o ar da cidade torna os homens livres (…) A Universidade era o lugar da liberdade.”
Entrevista a Maria F. Molder, in Público, 10 novembro 2013

Começo por definir Filosofia como o estudo do geral, do global (da sabedoria), enquanto, por exemplo, a História visa o particular. Depois, podemos ser mais precisos e considerar a Filosofia como “a arte de formar, inventar, de fabricar conceitos” (substância de Aristóteles, cogito de Descartes, potência de Schelling, condição de Kant, monada de Leibniz, duração de Bergson, ...), os quais exigem personagens conceptuais que contribuem para a sua descrição. Os conceitos são objetos de reflexão que estão ligados aos vestígios da nossa experiência concreta. A constituição de um conceito toma forma enquanto o pensamento age com a palavra. No De Anima, Aristóteles afirma a sua convicção de que não podemos pensar sem imagens (era o que Einstein também afirmava). E, Kant diria que não podemos pensar sem imaginação (veja-se a evolução da conceção espinosista da imaginação). Damásio apoia estas duas perspetivas.

A Ciência não tem por objeto os conceitos, mas as funções, as quais permitem refletir e comunicar. E, parece não ter qualquer necessidade da Filosofia para as suas tarefas (não ter é bastante discutível, depois de aparecer a neurofilosofia). Pelo contrário, quando um objeto é cientificamente construído por funções, por exemplo um espaço geométrico, há que procurar o conceito filosófico que não é dado na função. Poder-se-á dizer que a Filosofia e a Ciência seguem dois caminhos opostos, porque os conceitos filosóficos abordam os acontecimentos, enquanto as funções científicas têm por referência os estados das coisas e as misturas.

O filósofo inventa, cria e pensa o conceito, reintroduz uma relação com outros, escolhe categorias, faz exercícios sobre o sentido das palavras. Platão achava que era preciso contemplar as ideias, mas hoje em dia a Filosofia já não é contemplação (vistas), nem reflexão e nem comunicação, embora tenha de criar conceitos para as suas próprias ações e agitações (ou movimentos, como desejo, amor, ódio). Toda a criação é singular, e o conceito como criação filosófica é sempre uma singularidade. O primeiro princípio da Filosofia é que os Universais não explicam nada, eles é que devem ser explicados.

Conheça-se a si-mesmo – aprenda a pensar – faça como se nada fosse – espante-se... estas determinações, e muitas outras, constituem atitudes interessantes, embora não sejam uma atividade precisa.

Os filósofos não se ocuparam suficientemente da natureza do conceito como realidade filosófica. Preferiram o considerar como um conhecimento ou uma representação de dados que se explicavam através de faculdades capazes de o formar (abstração ou generalização) ou de fazer uso dele (julgamento).

Ler Filosofia (através de Espinosa) permite olhar o mundo, de forma crítica e pensar em profundidade. Em Ciência, observar e refletir são indispensáveis, para caminharmos, abrindo novas linhas de pesquisa. No caso de Espinosa, voltei a ler o inacabado Tratado da Reforma do Entendimento, em particular a parte relacionada com as paixões (sofrimentos, como admiração, amor, ódio, desejo) por causa do (Damásio, 29017), isto é com a observação dos sentimentos e a compreensão do que somos (condição ou natureza humana). Neste último livro, Damásio, um neurobiólogo, aproveita os novos saberes do homem para um vai e vem constante entre a Filosofia e as Neurociências. Ao lermos somos empurrados para pensar, enquanto o escritor nos ajuda a fazer outras leituras.

A Teoria do Agente Humano, de Espinosa, leva-nos a crer que somos governados por forças inconscientes. Falta-lhe o eu (self) ou seja a primeira pessoa que se encarrega de ir para a frente, de acompanhar a causalidade das ações. Por outro lado, a cognição é agora uma cognição do corpo, o que Damásio explica graças ao sistema nervoso, transformando o binómio mente-cérebro num triângulo mente-cérebro-corpo. No que diz respeito as emoções, em Espinosa, elas estão dirigidas para fora (exterior) e focam (intendem) um objeto, o que não contraria Damásio, capaz de compreender que os sentimentos estão virados para o interior e, apesar da subjetividade, dão bom recado da regulação do bem estar do organismo.

Gilles Deleuze, falando sobre a obra de Michel Foucault, afirmou que “a Filosofia apresenta-se com a arte de dizer o que se transformou em complicado”. Damásio, inspirado por Espinosa, corta e cola, inova e assume que a subjetividade é um processo complicado, o qual depende de dois ingredientes básicos, 1) a criação de uma perspetiva para as imagens na mente e 2) o acompanhamento das imagens por sentimentos. Mais, defende que “as experiências mentais que constituem a consciência dependem da presença de imagens mentais e do processo de subjetividade que faz com que tais imagens sejam nossas”. Mas isto ainda não é tudo.

Falar em mente impõe também referir os estados mentais, sobretudo quando sabemos que os mais fundamentais são os sentimentos com as suas valências (bons, maus, positivos, negativos). Muitos falam de mentes sem perceber que há um caminho longo entre sensação e consciência. E, é bom lembrar que Espinosa deu a mesma importância aos problemas da natureza, da conduta e do destino humano!

Referência:
Damásio, A. A Estranha Ordem das Coisas, A Vida, os Sentimentos e as Culturas Humanas, Temas e Debates, Círculo dos Leitores, 2017.

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Cientista Ana Russo Regressa à Escola

A cientista Ana Russo, investigadora do Instituto Dom Luiz (IDL), visitou duas escolas básicas do concelho de Sintra no dia 23 de abril para rea

Branca Edmée Marques, cientista alumna de CIÊNCIAS

Branca Edmée Marques, alumna de CIÊNCIAS, será homenageada no dia 20 de junho pelos Museus da Universidade de Lisboa

Margarida Fortes, docente do Departamento de Biologia Vegetal de CIÊNCIAS dá uma aula em frente a um quadro com uma projeção imagética

Margarida Fortes, professora de CIÊNCIAS, visitou a Escola Secundária de Carcavelos para dar uma aula acerca da edição genética.

Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Páginas