No Campus com Helder Coelho

Ser um cientista

A cooperação (e colaboração) científica apoia-se sempre em ensinar e aprender (dar e receber), num registo de amizade e humildade, de motivação e de empolgamento

Ciências

Helder Coelho

“O falhanço é educativo. A pessoa que realmente pensa, aprende completamente, tanto com os seus erros do que com os seus êxitos.”
John Dewey

Na revista Science de 24 de novembro de 2017, um cientista da Allena Pharmaceuticals (EUA), Aditi Deshpande, escreveu sobre como alguém se pode tornar um mentor (aconselhador) de estudantes de graduação, enquanto era estudante de doutoramento (no 2º ano). É um estudo de caso, que se inicia através de dificuldades, erros e faltas de habilidade no relacionamento. Algo normal, para os que passaram por períodos a aprender a ser cientistas, começando em laboratórios do Estado, grupos de projetos, que tiveram mentores, tutores e orientadores (supervisores), e que graças a um trabalho em várias frentes não esqueceram o treino a que foram submetidos, nem a oferta de tempo que lhes foi dada, e que mais tarde a devolveram aos seus próprios alunos. Este fluxo (caudal), que passa de um para o outro, constitui o elo que ergue qualquer edifício de conhecimento.

O autor deste artigo declara logo que estava interessado em desenvolver capacidades, para aconselhar outros estudantes, ou seja começar a passagem de uma herança, desdobrando a sua própria aprendizagem. É aquilo que se designa por motivação primária, e sem essa força de vontade o que se segue pode ser um desastre. Neste caso, foi o seu orientador de doutoramento que o encorajou, pois havia a justificação de ser algo que se podia transmitir, como a aptidão de técnicas laboratoriais.

A experiência não deu certo, embora fosse tentada com vários estudantes e de seguida. Na primeira tentativa, que deu errado, o estudante exigia disciplina e monitorização apertada, algo habitual e que implica paciência, calma e insistência, em suma tempo e disposição (e retorno). O mentor percebeu logo que a colaboração não funcionava, por falta de motivos do aprendiz, e repetiu com outros alunos em situações análogas, ganhando com isso alguns anticorpos. Felizmente, depois de várias falsas partidas, surgiu uma estudante que se ajustou e fez o que o mentor já imaginava impossível de alguma vez ocorrer. Esta nova experiência fez esquecer o que se passara antes, contribuindo para justificar as suas expectativas de uma relação com recompensas para os dois lados. As características que lhes faltavam (aos dois), no início, eram simples de praticar: empenho em aprender, colocar perguntas certas e encaixar-se numa cooperação lenta. E, ousar sempre saber.

Em geral, as experiências passadas (e os erros) trazem grandes ensinamentos e obrigam os participantes a esperar coisas mais suaves, pois as falhas ajudam a constituir o quadro futuro, as esperanças são mais realistas e a abertura torna-se mais fácil. É como alguém que envelhecesse um pouco, e tornasse menos apressado. O mentor aprendeu um conjunto de coisas, que passou à aluna, tais como: 1) conhecer a grande situação (o contexto alargado) e focar no essencial, 2) pegar nas referências bibliográficas acertadas, 3) oferecer autoria e responsabilidade (e, em troca, obter empenho), e 4) permitir que os colaboradores saltem para o estrado de uma sala de aula e falem do seu trabalho (desenvolver narrativas claras e curtas).

A cooperação (e colaboração) científica apoia-se sempre em ensinar e aprender (dar e receber), num registo de amizade e humildade, de motivação e de empolgamento. A paridade é fundamental, tal como o “foco e simplicidade”, a relevância e a utilidade (Steve Jobs). Existir um objetivo que tem de ser alcançado envolve os dois lados, tem de ser realista e possível de atingir num tempo restrito. O acesso à literatura, à história dos conceitos e ideias, permite compreender que só se avança com suor e lágrimas, e que há sempre algo que foi ensaiado antes. Devagar, mas com confiança. E, isso permite perceber que a independência é uma joia rara de um par, que sabe que o desenlace é natural no fim. Há sempre um começo, um meio, e um fim, que pode recomeçar, com diferenças e partilhas, e quase sempre de outro modo. Ao longo, existe o treino da escrita, da fala (apresentação), da pesquisa, da defesa (argumentação), das perguntas e das respostas, do tempo que se usou, e das constrições que foram impostas.

Olhar para um trabalho de investigação (veja-se o artigo de Zhang et al. sobre a medida do impacto científico dos investigadores, a qual tem hoje em dia uma importância significativa, pois esta medida serve como indicação de valor para a progressão na carreira, justificação para aplicações, prémios e ainda para a iluminação das futuras direções de pesquisa), escolher as vistas, os ângulos, o que necessita de maior atenção, e do que virá a seguir (áreas, temas, problemas, mecanismos). Sobretudo perceber que o importante é realizar e concluir, mantendo o espírito de dar passos pequenos e seguros, ou seja manter uma continuidade. Em síntese, aproveitando uma citação de Richard Branson: “Não se aprende a andar, seguindo regras. Aprende-se fazendo, caindo muito e levantando-se em seguida.”

Referências:
Deshpande, A. Learning to be a mentor, Science, Vol. 358, Issue 6366, pp. 1098, November 24, 2017.
Zhang, J., Ning, Z., Kong, X., Zhou, J. e Xia, F. Exploring time factors in measuring the scientific impact of scholars, Scientometrics, Vol. 112, Issue 3, pp. 1301-1321, September 2017.

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas