ALISU

Quando os cientistas não se esquecem do valor das algotecas

Coleção de culturas
Ana Amorim

Culturas puras do dinoflagelado Gymnodinium catenatum, isoladas da costa portuguesa por investigadores da Faculdade de Ciências da ULisboa e atualmente mantidas na Algoteca da ULisboa - ALISU -, foram fundamentais para validar a produção de BMAA (b-N-methylamino-l-alanine) em dinoflagelados.

BMAA é uma toxina que tem vindo a ser associada a doenças neurodegenerativas como a esclerose lateral amiotrófica (ALS), parkinson e alzheimer e que foi recentemente detectada em bivalves da nossa costa.

O grupo de investigação do Instituto Português do Mar e da Atmosfera, em colaboração com o Departamento de Botânica da Universidade de Estocolmo, foi responsável por este estudo científico.
Coleção de culturas
Fonte: Ana Amorim
Legenda: Coleção de culturas

Não sendo clara qual a origem da toxina nos bivalves, os investigadores testaram a presença da toxina em culturas de G. catenatum tendo demonstrado, pela primeira vez, que os dinoflagelados produzem a toxina.

BMAA foi descrita pela primeira vez em 1967, na ilha de Guam, depois de isolada a partir de sementes de Cycas circinalis. Posteriormente, detectou-se nas raízes superficiais de cicas tendo sido associada à presença de cianobactérias simbióticas. Em 2005, Cox e colaboradores verificaram que mais de 95% de géneros de cianobactérias produziam BMAA. Estes organismos são importantes produtores primários encontrando-se dispersos em todos os habitats, desde terrestres a aquáticos marinhos e de águas doces, podendo contaminar com BMAA todos os organismos ao longo da cadeia trófica, até ao homem.

Apenas em 2014 se demonstrou que a produção de BMAA não era exclusiva de cianobactérias tendo sido detectada em diatomáceas e agora em dinoflagelados. Através das culturas de Gymnodinium catenatum foi possível comprovar a produção da toxina em concentrações semelhantes às detectadas em cianobactérias. Este foi o resultado padrão que permitiu associar as concentrações de BMAA, presentes em amêijoas colhidas na ria Formosa e ria de Aveiro, com as densidades do dinoflagelado. Urge continuar a monitorização dos valores particularmente para se compreender a dinâmica de acumulação/eliminação desta toxina nos bivalves.

Este é um exemplo de como as coleções biológicas, enquanto infraestruturas científicas, podem ser instrumentais para o avanço da ciência e no potenciar e estreitar de parcerias transversais. Sobretudo, a qualidade científica do material em cultura presente em ALISU demonstra a justeza da sua manutenção e os projetos de futuro alargamento.

Maria Amélia Martins-Loução, Departamento de Biologia Vegetal de Ciências
Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Reitoria da ULisboa

O CWUR 2024 avaliou de entre 20.966 instituições de ensino superior e atribuiu à ULisboa o 211.º lugar (top 1.1%) e a 80.ª posição no panorama europeu.

Páginas