Jovens cientistas

Tânia S. Morais

Tânia S. Morais a receber o prémio Portuguese Young Chemist Award do Grupo de Químicos Jovens
 Inês M. Valente e Luís M. Gonçalves, membros da direção do Grupo de Químicos Jovens (GQJ) da Sociedade Portuguesa de Química (SPQ), durante a entrega do prémio a Tânia S. Morais
Fonte GQJ-SPQ

Os últimos quatro anos de Tânia S. Morais foram passados em Ciências à volta da tese de doutoramento, sintetizando e avaliando a potencialidade de novos compostos organometálicos de ruténio para a terapia do cancro. Neste momento, estuda uma segunda geração de compostos, que consiga destruir as células cancerígenas poupando as saudáveis.

Em 2014, a cientista de 34 anos foi distinguida com o Portuguese Young Chemists Award (PYCA), pelo trabalho “Novos compostos, grandes desafios” e que resume a tese de doutoramento “Síntese de novos complexos bioorganometálicos de ruténio e avaliação das suas propriedades anti tumorais”, desenvolvida no Grupo de Química Organometálica e Bioorganometálica do Centro de Ciências Moleculares e Materiais da Faculdade de Ciências da ULisboa, sob a orientação da professora Helena Garcia.

No dia em que recebeu a distinção sentiu-se “naturalmente muito feliz” e “muito motivada para continuar a trabalhar”. Tânia S. Morais identificou compostos altamente eficientes contra várias linhas celulares cancerígenas, algumas de grande agressividade, como por exemplo, mama, cólon, próstata, ovário. O trabalho premiado incluiu a realização de testes in vivo, que revelam a eficiência destes compostos no combate ao tumor primário e a grande eficiência contra o desenvolvimento de metástases, ao mesmo tempo que os órgãos principais - coração, pulmões, rins e fígado – apresentam-se saudáveis. “Foi também possível começar a entender/delinear os mecanismos de ação destes compostos”, diz.

Para Tânia S. Morais, o sucesso deste trabalho só foi possível devido à colaboração de uma equipa multidisciplinar, da qual fazem parte pessoas do seu grupo e do Departamento de Química e Bioquímica (DQB) de Ciências, do Instituto Tecnológico e Nuclear, do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa, da Faculdade de Medicina da ULisboa, da Cooperativa de Ensino Superior Egas Moniz e do Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto.

Investigadores de Ciências
Grupo de Química Organometálica e Bioorganometálica
Fonte Cedida por TSM

A coesão e as discussões frutuosas com todas estas pessoas - Helena Garcia, Pedro Florindo, Ana Isabel Tomaz, Fernanda Marques, Lurdes Gano, Paula Robalo, Fátima Piedade, Maria José Brito, Francisco Tortosa, António Matos, Fátima Gärtner e Nuno Mendes - foram decisivas para o sucesso do doutoramento em Química, com especialização em Química Inorgânica, cuja prova foi defendida na ULisboa, em 2013, tendo sido aprovada com distinção e louvor.

Para a orientadora de doutoramento, “o trabalho de investigação de Tânia S. Morais constitui um contributo importante na procura de potenciais metalofármacos, que constituam uma alternativa aos que se encontram em uso clínico, cujos efeitos secundários são extremamente perniciosos”. Helena Garcia explica que “foi sintetizada uma nova família de compostos organometálicos de ruténio que se revelaram altamente eficientes contra várias linhas de células tumorais”, concluindo que “uma das grandes vantagens que estes futuros fármacos poderão apresentar é a sua eficácia contra vários tipos de cancro e em particular contra as metástases”.

A investigação de Tânia S. Morais foca-se no desenvolvimento de síntese química e na caracterização de compostos orgânicos, inorgânicos e organometálicos perspetivados para aplicações na área da saúde, em especial para a terapia do cancro e na avaliação das propriedades dos potenciais fármacos e da sua interação com biomoléculas.

Investigadores de Ciências
Uma sessão de trabalho no laboratório, numa linha de vácuo
Fonte Cedida por TSM

Atualmente, dedica-se ao estudo de uma segunda geração de compostos para quimioterapia dirigida, que destrua as células cancerígenas e poupe as saudáveis, no âmbito do pós-doutoramento que está a realizar em Ciências e no Instituto de Medicina Molecular, sob a orientação de Helena Garcia e Miguel Castanho, antigo aluno e professor do Departamento de Química e Bioquímica de Ciências, atualmente docente e subdiretor da Faculdade de Medicina da ULisboa.

Para a jovem fazer ciência significa empenhar-se ao ponto de descobrir um fármaco que venha a ser útil à sociedade. Até agora tem 15 artigos publicados em revistas de circulação internacional com arbitragem científica, um capítulo de livro e duas patentes.

PYCA 2014

É a primeira vez que um doutorando de Faculdade de Ciências da ULisboa é distinguido com o PYCA. Este ano foi atribuída ainda uma menção honrosa a outro cientista da ULisboa - Tânia Ribeiro - pelo trabalho “Materiais híbridos fluorescentes”. O PYCA, no valor de 1.000€, é atribuído pelo GQJ da SPQ, com o apoio da editora Gradiva. “O trabalho apresentado é colocado num contexto de divulgação científica de forma a demonstrar a capacidade do jovem investigador para comunicar a relevância do seu trabalho à sociedade. Este ano as candidaturas foram avaliadas por Carlos Fiolhais (Universidade de Coimbra e representante da Gradiva), João Paulo André (Universidade do Minho e editor do Boletim da SPQ), Marcela Segundo (Faculdade de Farmácia, Universidade do Porto) e Miguel Jorge (University of Strathclyde, Reino Unido)”, escrevem Luís Gonçalves, Marisa Rocha e Inês Valente, membros da Direção do GQJ da SPQ, cujo último boletim apresenta um artigo assinado por Tânia S. Morais. A entrega do prémio bianual ocorreu no passado dia 1 de maio, durante o “4th Portuguese Young Chemists Meeting”.

Tânia S. Morais
alumna de Ciências terminou, em 2007, a licenciatura em Química,  com 15 valores. Um ano mais tarde obteve o grau de mestre em Química, com especialização em Química, Saúde e Nutrição, com a nota final de 17 valores. O ano passado concluiu o doutoramento em Química, com especialização em Química Inorgânica, tendo sido aprovada pela ULisboa com distinção e louvor
Fonte Cedida por TSM

Dificuldades

“As principais dificuldades deste tipo de estudo são as inerentes à síntese de novos compostos. Muitas vezes as reações concebidas não funcionam na direção pretendida e é necessário estabelecer estratégias alternativas. Este processo pode levar vários meses…”

Alegrias

“A obtenção de um composto difícil de sintetizar é umas das maiores alegrias deste tipo de trabalho. Para além disso, os resultados dos testes in vitro e in vivo são sempre um suspense… neste caso têm-nos trazido grandes alegrias mas nem sempre é assim!”

Futuro

“Gostaria de continuar a fazer ciência, a desenvolver trabalho nesta área e ser integrada nos quadros da Faculdade de Ciências da ULisboa. Foi a escola onde sempre estudei e me ajudou a crescer cientificamente e como pessoa. Gosto da liberdade e independência que me é dada para seguir os meus objetivos e da disponibilidade que sempre encontrei por parte dos docentes e dos funcionários, aos quais sou muito grata.”

Ana Subtil Simões, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura
info.ciencias@fc.ul.pt

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Reitoria da ULisboa

O CWUR 2024 avaliou de entre 20.966 instituições de ensino superior e atribuiu à ULisboa o 211.º lugar (top 1.1%) e a 80.ª posição no panorama europeu.

Fotografia de participantes na Training School

CLEANFOREST na vanguarda da compreensão dos efeitos dos extremos climáticos e poluição nas florestas Europeias

Participantes no Dia Aberto

O campus ganhou vida, cor e energia proveniente do entusiasmo dos cerca de 2000 alunos de 170 escolas de norte a sul do País.

CIÊNCIAS esteve presente nesta edição, com a participação dos docentes do Departamento de Física: Alexandre Cabral, no painel de abertura “À conversa sobre carreiras espaciais” e

Semana Internacional da Compostagem

Uma das transformações necessárias às entidades que querem progredir pelo caminho da sustentabilidade é fecharem os seus ciclos de materiais, nomeadamente o orgânico.

A VicenTuna - Tuna da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa - completou 30 anos em janeiro de 2024. Para comemorar, realizou no dia 30 de abril de 2024, a Festa da Primavera, um espetáculo de música e divertimento dedicado à comunidade de CIÊNCIAS e ao público em geral.

Celebrações dos 50 anos do 25 de abril de 1974 da Academia das Ciências de Lisboa

A 9 de maio realiza-se a segunda de duas jornadas de debate académico e científico organizadas pela Academia das Ciências de Lisboa, que tem por objetivo ‘analisar e discutir a evolução do panorama científico português de forma prospetiv

Lançamento do projeto Barrocal-Cave marca um novo capítulo na Conservação da Biodiversidade em Portugal

O prestigiado Palácio Gama Lobo foi o cenário escolhido para o lançamento do projeto Barrocal-Cave, financiado pelo Prémio Fundação Belmiro de Azevedo 2023.

No passado dia 10 de abril, tivemos a honra de receber um grupo de estudantes e dois professores da Universidade de Leiden, na Holanda. Com um total de 40 estudantes, todos da área das bio farmacêuticas, a visita prometia ser entusiástica.

Miguel Pinto

No dia 29 de abril, Miguel Pinto visitou a Escola Básica Professora Aida Vieira, no Bairro Padre Cruz em Lisboa, para realizar oficinas de divulgação científica e atividades didáticas.

Fotografia de alguns dos oradores

O que é a sustentabilidade? Como podemos agir a nível local, procurando um impacto global? Estas e muitas outras questões marcaram a segunda edição da Semana da Sustentabilidade CIÊNCIAS, entre 15 e 19 de abril de 2024.

Grande Auditório durante a celebração do 113.º aniversário de CIÊNCIAS

Mais de 500 pessoas assistiram no Grande Auditório à celebração do 113.º aniversário de CIÊNCIAS, na passada terça-feira, 23 de abril, numa cerimónia marcada por distinções, homenagens e um balanço dos últimos meses, com os olhos postos no futuro. 

Buracos negros Gaia

Um grupo de cientistas descobriu um grande buraco negro, com uma massa quase 33 vezes superior à massa do Sol, escondido na constelação de Aquila, a menos de 2000 anos-luz da Terra, ao analisar a grande quantidade de dados da missão Gaia da ESA.

Alunos com mãoes no ar num sala de aula

É possível brincar com a Matemática e prova disso foram as várias atividades que se realizaram na Faculdade nos dias 13 e 14 de março de 2024. Março foi um mês dedicado a esta ciência, motor da sociedade. Leia a opinião de quem participou nestas atividades e ainda nas Jornadas de Matemática.

Páginas