No Campus com Helder Coelho

Renovar a educação da universidade

Campus Ciências ULisboa

Não basta um novo curriculum, sempre outras disciplinas, há que interrogar o que ele impõe à arquitetura do curso

Ciências ULisboa

Helder Coelho
Imagem cedida por HC

“A cultura e a sociedade estão a mudar tão rapidamente e a arquitetura é tão lenta quando comparada com a forma como tudo se move hoje em dia...”
Elizabeth Diller, Ipsilon, 9 mar 2018

O mundo está em mudança, por vezes parece desordenada e não sustentável, com cada país puxando pelo seu lado e gritando que está em primeiro lugar. Os factos já não chegam para impor a razão, porque a ansiedade faz explodir frequentemente a análise fina e impecável (Fernandes, 2018).

Alguém gritou lá de fora que precisamos de mais inteligência. E, havia tanto barulho que ninguém escutou. Hoje em dia, ouvimos pouco, talvez menos do que antigamente.

A compreensão do que se passa em nossa volta impõe uma capacidade extra de interpretação, fria quanto baste, objetiva, e uma multitude de pontos de vista. Porquê os ângulos? Sem contraditório não conseguimos observar o todo e cortar a direito para fazer surgir uma verdade. Em geral, há sempre alguém que afirma que tem a verdade, que tem a razão e que vê mais longe do que os outros.

Temos de duvidar, de pensar criticamente, fora da caixa, sem barreiras ou preconceitos, e, sobretudo, olhar para as imagens que captamos ao acaso, como ao passearmos numa cidade, de um lado para o outro. Cada vez mais as imagens nos ajudam a fazer mais sentido ao que pensamos.

E, ao pensar, apanhamos as contradições, e deixamos que elas nos digam que direção tomar.

Se quisermos conhecer agora o que se passa na Ciência da Computação, do ponto de vista científico e tecnológico, devemos consultar, mensalmente, a revista  CACM - Communications of the Association of Computing Machinery, dos EUA.

Os temas são abordados de forma rigorosa e acessível, e submetidos à análise e opinião dos seus leitores (oito secções: Departments, News, Viewpoints, Practice, Contributed Articles, Review Articles, Last Byte, Research Highlights). A simples observação das escolhas dos artigos mostra-nos o que está “mais quente” ou o que interessa mais à comunidade.

Vejamos um exemplo, do número 11, vol. 60, de novembro de 2017, e um artigo de três páginas assinado pelos professores universitários e escoceses, Richard Connor (de Strathclyde), Quintin Cutts (de Glasgow) e July Robertson (de Edinburgh). É sobre a Educação da Computação, desde a escola pré-primária à universitária, e sobre um novo curriculum (http://www.teaches.scot), não só para abordar o mundo natural, como é habitual se fazer, mas também para enfrentar o novo mundo digital, no qual estamos cada vez mais envolvidos. Segundo os três autores, a abordagem profunda da Ciência do computador exige três aspetos que suportam a compreensão dos domínios que podem ser modelados pelos mecanismos computacionais; dos próprios mecanismos computacionais; e como se devem usar os mecanismos computacionais para modelar os aspetos daqueles domínios.

O exercício realizado pelos professores consistiu em pensar bem na educação digital, e a sério, desde o início (três anos) e até ao ensino universitário (17 anos), de forma articulada e coerente.

Na nova universidade, aquela que se renova permanentemente, que se interroga e que repensa as instituições e as convenções do espaço (sim, porque não basta um novo curriculum, sempre outras disciplinas, há que interrogar o que ele impõe à arquitetura do curso) existem várias coisas que importa sublinhar (e não dizer que se deve fazer a interdisciplinaridade, apenas): combinar as coisas que não costumam ser misturadas, juntar partes, contagiar, inocular relações, infetar, e, o que é mais importante, fazer com que os diferentes lados se interessem uns pelos outros. Todas estas coisas exigem interações, discussões, provocações (seguidas de reações) e a rejeição do status quo. Poderíamos afirmar que uma tal renovação é revolucionária, pois não é só verbal (dizer “inter” não é o mesmo que o fazer).  Talvez isto seja aquilo que alguém já chamou “a universidade como deve ser” em movimento (Feijó e Tamen, 2017)

Referências
Fernandes, J. A. Ponto de Vista (70 artigos de política internacional, 2001-2017), Público, Comunicação Social, S. A., 2018.
Feijó, A. M. e Tamen, M. A Universidade como deve ser, Fundação Francisco Manuel dos Santos, 2017.

Helder Coelho, professor doDepartamento de Informática de Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Paleontólogos do MNHN da UL e do GeoFCUL em foco na revista TVmais.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

O DQB e a FCUL acolheram, mais uma vez, a realização de provas semifinais das Olimpíadas de Química Júnior 2012 no sábado, 14 de abril de 2012.

Pessoas estudam numa mesa na biblioteca

“Acho que qualquer aluno consegue ser bom, se tiver uma boa disciplina de trabalho e objetivos concretos”. Quem o diz é Gonçalo Faria da Silva, estudante do 3.º ano de Biologia.

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

Páginas