No Campus com Helder Coelho

Renovar a educação da universidade

Campus Ciências ULisboa

Não basta um novo curriculum, sempre outras disciplinas, há que interrogar o que ele impõe à arquitetura do curso

Ciências ULisboa

Helder Coelho
Imagem cedida por HC

“A cultura e a sociedade estão a mudar tão rapidamente e a arquitetura é tão lenta quando comparada com a forma como tudo se move hoje em dia...”
Elizabeth Diller, Ipsilon, 9 mar 2018

O mundo está em mudança, por vezes parece desordenada e não sustentável, com cada país puxando pelo seu lado e gritando que está em primeiro lugar. Os factos já não chegam para impor a razão, porque a ansiedade faz explodir frequentemente a análise fina e impecável (Fernandes, 2018).

Alguém gritou lá de fora que precisamos de mais inteligência. E, havia tanto barulho que ninguém escutou. Hoje em dia, ouvimos pouco, talvez menos do que antigamente.

A compreensão do que se passa em nossa volta impõe uma capacidade extra de interpretação, fria quanto baste, objetiva, e uma multitude de pontos de vista. Porquê os ângulos? Sem contraditório não conseguimos observar o todo e cortar a direito para fazer surgir uma verdade. Em geral, há sempre alguém que afirma que tem a verdade, que tem a razão e que vê mais longe do que os outros.

Temos de duvidar, de pensar criticamente, fora da caixa, sem barreiras ou preconceitos, e, sobretudo, olhar para as imagens que captamos ao acaso, como ao passearmos numa cidade, de um lado para o outro. Cada vez mais as imagens nos ajudam a fazer mais sentido ao que pensamos.

E, ao pensar, apanhamos as contradições, e deixamos que elas nos digam que direção tomar.

Se quisermos conhecer agora o que se passa na Ciência da Computação, do ponto de vista científico e tecnológico, devemos consultar, mensalmente, a revista  CACM - Communications of the Association of Computing Machinery, dos EUA.

Os temas são abordados de forma rigorosa e acessível, e submetidos à análise e opinião dos seus leitores (oito secções: Departments, News, Viewpoints, Practice, Contributed Articles, Review Articles, Last Byte, Research Highlights). A simples observação das escolhas dos artigos mostra-nos o que está “mais quente” ou o que interessa mais à comunidade.

Vejamos um exemplo, do número 11, vol. 60, de novembro de 2017, e um artigo de três páginas assinado pelos professores universitários e escoceses, Richard Connor (de Strathclyde), Quintin Cutts (de Glasgow) e July Robertson (de Edinburgh). É sobre a Educação da Computação, desde a escola pré-primária à universitária, e sobre um novo curriculum (http://www.teaches.scot), não só para abordar o mundo natural, como é habitual se fazer, mas também para enfrentar o novo mundo digital, no qual estamos cada vez mais envolvidos. Segundo os três autores, a abordagem profunda da Ciência do computador exige três aspetos que suportam a compreensão dos domínios que podem ser modelados pelos mecanismos computacionais; dos próprios mecanismos computacionais; e como se devem usar os mecanismos computacionais para modelar os aspetos daqueles domínios.

O exercício realizado pelos professores consistiu em pensar bem na educação digital, e a sério, desde o início (três anos) e até ao ensino universitário (17 anos), de forma articulada e coerente.

Na nova universidade, aquela que se renova permanentemente, que se interroga e que repensa as instituições e as convenções do espaço (sim, porque não basta um novo curriculum, sempre outras disciplinas, há que interrogar o que ele impõe à arquitetura do curso) existem várias coisas que importa sublinhar (e não dizer que se deve fazer a interdisciplinaridade, apenas): combinar as coisas que não costumam ser misturadas, juntar partes, contagiar, inocular relações, infetar, e, o que é mais importante, fazer com que os diferentes lados se interessem uns pelos outros. Todas estas coisas exigem interações, discussões, provocações (seguidas de reações) e a rejeição do status quo. Poderíamos afirmar que uma tal renovação é revolucionária, pois não é só verbal (dizer “inter” não é o mesmo que o fazer).  Talvez isto seja aquilo que alguém já chamou “a universidade como deve ser” em movimento (Feijó e Tamen, 2017)

Referências
Fernandes, J. A. Ponto de Vista (70 artigos de política internacional, 2001-2017), Público, Comunicação Social, S. A., 2018.
Feijó, A. M. e Tamen, M. A Universidade como deve ser, Fundação Francisco Manuel dos Santos, 2017.

Helder Coelho, professor doDepartamento de Informática de Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Pormenor da capa do livro

O livro está à venda pelo valor de €18,40, no Atendimento Geral, sito no edifício C5, piso 3.

Anfiteatro

"As Jornadas tiveram um balanço bastante positivo (...) elucidaram e esclareceram algumas dúvidas importantes para os estudantes (...) ", conclui a Comissão de Curso de Engenharia Geográfica.

Museu do Quartzo é inaugurado e recebe o nome de Galopim de Carvalho, professor jubilado do Departamento de Geologia.

Céu com nuvens escuras

As candidaturas à oficina de formação terminam a 21 de maio. As sessões realizam-se às terças e quintas-feiras, entre as 17h30 e as 20h30.

A exposição “O Cálculo de ontem e de hoje”, elaborada pelo Departamento de Matemática em colabora&

Lâmpada

Estudantes de Engenharia Biomédica e Biofísica da FCUL promovem reunião especializada. O Ne2b2 existe desde outubro de 2008.

Luzes

Pela primeira vez a Reitoria da UL abre as suas portas aos estudantes da cidade, organizando um evento noturno para alunos dos ensinos universitário e secundário.

A exposição está a partir de 26 de Abril no Museu Nacional de História Natural e da Ciência.

As provas de doutoramento em Biologia, especialidade de Microbiologia, da Mestre Egídia Maria Valente de Azevedo realizam-se no próximo dia 26 de Abril, pelas 10h:30 na Sala de Actos da

O grande momento do dia é a sessão solene, que inclui este ano o lançamento do segundo volume dos Professores Cientistas e a inauguração do Quadro de Honra.

Sobre Namoros e Casamentos

Jorge Buescu

Quinta-feira, dia 12 de Abril de 2012, às 18h30, na sala 6.1.36

Vela

Ricardo Leandro é o vencedor da Competição Europeia. O estudante da FCUL apresentou a melhor ideia: um coletor solar térmico de baixo custo, acoplável a um módulo fotovoltaico.

A palestra "O Princípio do Tempo" proferida por Pedro Gil Ferreira é uma das iniciativas do “VII Encontro Ibérico de Cosmologia”, que decorre em abril nas instalações da FCUL.

Jovem usa microscópio

A FCUL estimula a abertura permanente à sociedade civil, promovendo acontecimentos que visam a disseminação de conhecimentos e a interligação com diferentes agentes sociais.

Os vários objectivos do DEGGE: Tudo o que nos define, e tudo o que apoiamos

O ENEI'12 vai realizar-se na FCUL.

ESTRUTURA E GESTÃO DO DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA ANIMAL (DBA)

Apresentação do Departamento

Paleontólogos do MNHN da UL e do GeoFCUL em foco na revista TVmais.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

O DQB e a FCUL acolheram, mais uma vez, a realização de provas semifinais das Olimpíadas de Química Júnior 2012 no sábado, 14 de abril de 2012.

Pessoas estudam numa mesa na biblioteca

“Acho que qualquer aluno consegue ser bom, se tiver uma boa disciplina de trabalho e objetivos concretos”. Quem o diz é Gonçalo Faria da Silva, estudante do 3.º ano de Biologia.

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

Páginas