Entrevista com... Jorge Rezende

Prémio Abordagem Inovadora “SOS Azulejo 2012”

Premiados dos “SOS Azulejo 2012", no Palácio Fronteira
Paulo Fernando para o “Projeto SOS Azulejo”

O Projeto SOS Azulejo existe oficialmente há seis anos. Para além de procurar combater a delapidação do património azulejar português – a Polícia Judiciária registou entre 2007 e 2012 uma diminuição de 80% dos furtos de azulejos históricos e artísticos – pretende igualmente sensibilizar a sociedade para a importância da conservação preventiva destes bens, por isso tem implementado várias iniciativas, como é o caso dos Prémios Anuais SOS Azulejo, instituídos em 2010.
A cerimónia de entrega de prémios aconteceu no passado dia 28 de maio, no Palácio Fronteira, em Lisboa. O trabalho de 14 pessoas e organismos foi alvo de distinção, mediante a atribuição de cinco menções honrosas, um prémio extraconcurso e outros oito prémios, entre os quais se destaca o Prémio Abordagem Inovadora, atribuído a Jorge Rezende. Em entrevista, o investigador conta como surgiu o seu interesse pela azulejaria artística portuguesa.

FCUL - Como surgiu o seu interesse pelo património azulejar português?

Jorge Rezende (JR) - Eu sou membro do Grupo de Física-Matemática e colaborador do Departamento de Matemática da FCUL. Consequentemente, interesso-me por Matemática e por Física. Ora um dos temas que estão muito presentes em ambas as áreas são os grupos de simetria. Eu sempre gostei de fazer desenho geométrico e sempre me interessei pelos azulejos e seus painéis e pela calçada portuguesa pela sua beleza, pela arte, e porque têm potencialidades científicas, estéticas e didáticas praticamente ilimitadas. Os azulejos são particularmente adequados ao estudo das simetrias; com muitas cópias de um só azulejo pode-se fazer painéis de grande beleza e com diferentes grupos de simetria; nessa tarefa podemos envolver estudantes de todas as idades que, assim, se iniciam na Ciência e na Arte; uma arte com tradições tão portuguesas, afinal.

Comecei a estudar, sistematicamente, os azulejos e as calçadas de Portugal e do Brasil há pouco mais de dois anos. Decidi concentrar-me apenas nestes dois países porque temos um património comum extremamente rico e original. Fiz inúmeros desenhos de azulejos e calçadas já existentes, como pode ser visto no meu blogue “Polýedros”, que constitui uma espécie de “diário”.
Jorge Rezende durante a atribuição do Prémio Abordagem Inovadora “SOS Azulejo 2012”
Fonte: Paulo Fernando para o “Projeto SOS Azulejo”
Legenda: Os Prémios Anuais SOS Azulejo foram instituídos em 2010

Há apenas uma influência que veio de fora, que é a do holandês M. C. Escher. Há muitos anos que admiro os seus desenhos periódicos com as suas simetrias das cores e das formas. Fiz dezenas de painéis de azulejos geométricos com uma matemática mais sofisticada a que dei o nome de “Variações em azulejos”. Um deles esteve exposto no Museu Soares dos Reis, no Porto, de 19 de janeiro a 24 de fevereiro, deste ano, no âmbito da exposição “Ciência e Arte”.

FCUL - O que é que lhe agradou mais no trabalho que submeteu ao Projeto SOS Azulejo?

JR - Em junho ou julho de 2011 dediquei-me a estudar em pormenor o azulejo de 1966 de Eduardo Nery. Este artista plástico tem obras por toda a cidade de Lisboa como por exemplo os pavimentos e os azulejos da estação de metropolitano do Campo Grande, bem perto do FCUL.

Rapidamente me apercebi que este azulejo de 1966 de Eduardo Nery só podia ser bem compreendido pelo estudo sistemático das propriedades geométricas dos seus painéis; assim, desenhei dezenas deles. Descobri propriedades inesperadas e interessantíssimas que depois levaram à definição/descoberta dos “azulejos articulados”.

Foi então que pedi uma entrevista a Eduardo Nery iniciando assim uma relação intensa de trabalho e até de amizade. Além de ter tido com ele uma longa conversa no seu “atelier”, trocámos dezenas de mensagens. No final de 2011 enviou-me uma que dizia o seguinte: «Não me posso esquecer de si neste final de ano de 2011, em que o conheci pessoalmente e em que passámos a dialogar em torno de azulejos meus que eu julgava esquecidos. Fico à espera em 2012 pelo artigo que pretende publicar sobre esta sua investigação». Tudo isto foi um grande incentivo e motivo de satisfação pessoal. O seu falecimento inesperado, em 2 de março deste ano, foi uma grande e irreparável perda.

Este não foi um trabalho que realizei para o submeter a um concurso, embora tenha acabado também por concorrer. O que me motivou foi a curiosidade e o prazer que me dava. O “convívio” com Eduardo Nery constituiu um grande incentivo; esses momentos foram os melhores. Houve gente que me escreveu, e não só de Portugal, lamentando a sua partida, queixando-se da “falta” que ele lhes fazia. Eu sinto o mesmo.

O ter feito um trabalho que foi científico, artístico e que pode ter aplicações na indústria cerâmica, faz parte, sem dúvida, também, do que mais me agradou.

FCUL - Venceu na categoria de inovação, o que tem a comentar sobre este reconhecimento?

JR - Entreguei muito material para concorrer aos ‘Prémios SOS Azulejo 2012’: artigos científicos, desenhos originais de painéis e azulejos, vídeos, tudo o que fiz relativamente à classificação matemática e à divulgação, e que está no blogue “Polýedros”. Assim, só o júri, presidido pelo professor Vítor Serrão, da Faculdade de Letras, poderá dizer, ao certo, o que achou mais relevante. Na minha opinião, a descoberta dos “azulejos articulados” pode ter sido o fator que mais contribuiu para a atribuição do prémio “abordagem inovadora”. Os prémios não tinham propriamente “categorias”, o regulamento era muito aberto a todas as candidaturas que aparecessem. Fiquei muito grato ao “Projeto SOS Azulejo” dinamizado pelo Museu da PJ cuja diretora é Leonor Sá.

FCUL - Quer deixar alguma mensagem?

JR - Gostaria de exprimir o desejo de que o trabalho que realizei tenha continuidade, contribua para o desenvolvimento e a renovação da azulejaria em Portugal. Só ficará completo se tiver, também, aplicação prática, industrial. Penso que, aí, a FCUL poderá ter uma palavra a dizer.

E para quem quiser saber mais sobre este material, deixo aqui as referências que pode consultar: [1] Jorge Rezende: Periodical plane puzzles with numbers, 2011. http://arxiv.org/abs/1106.0953; [2] Jorge Rezende: A contribution for a mathematical classification of square tiles, 2012. http://arxiv.org/abs/1206.3661; [3] Jorge Rezende: Um simples azulejo, 2012. (artigo para um livro de Teresa Saporiti); [4] Jorge Rezende: O azulejo articulado de Eduardo Nery, 2012 (revisto em 2013). (artigo publicado pela SBM no âmbito do Projeto Klein de Matemática em língua portuguesa) http://klein.sbm.org.br/o-azulejo-articulado-de-eduardo-nery-jorge-rezende/o-azulejo-articulado-de-eduardo-nery-1/; Filmes: [5] The magic of a Eduardo Nery tile (2012); [6] The magic of articulated tiles 13b02 (2012); [7] The magic of articulated tiles 15b01 (2012-2013); [8] The magic of articulated tiles 14b02 (2012-2013); [9] Intervenção na cerimónia de entrega dos Prémios 'SOS Azulejo' 2012 http://www.youtube.com/user/polyedros?feature=results_main; [10] Blogue: http://polyedros.blogspot.pt/

Ana Subtil Simões, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt

Todas as semanas são boas para dar a conhecer os cientistas e o que investigam, assim como os seus contributos para o avanço do conhecimento, ainda assim há semanas mais especiais que outras. Esta é uma delas. Esta quarta-feira celebra-se o Dia Nacional da Cultura Científica. Hoje, por ocasião desta data especial e da Semana da Ciência e da Tecnologia realiza-se também a Cerimónia de Atribuição dos Prémios Ciência Viva 2021, que premeia com o Grande Prémio Ciência Viva Maria Amélia Martins-Loução. A cerimónia é transmitida em direto pelo canal YouTube. Nesta semana e nas restantes do ano não faltam outros exemplos de ações de divulgação, que também cumprem o propósito de promover a cultura científica, como é o caso do Dia da Investigação do Departamento de Física ou do ciclo Conversas finitas no C-infinito.

Imagem abstrata relacionada com o cartaz promocional do ranking

A par do reconhecimento alcançado na lista World’s Top 2%, Alan Phillips é distinguido, pelo 4.º ano consecutivo, como um dos cientistas mais citados na área da Ciência Vegetal e Animal a nível mundial, pelo Highly Cited Researchers da Clarivate Analytics, uma empresa norte-americana especializada em gestão de informação científica.

musaranho-de-dentes-brancos

Investigador do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar polo da Ciências ULisboa lidera descoberta sobre o comportamento social do musaranho-de-dentes-brancos.

Mulher escreve num quadro

Quer saber quem são os cientistas mais citados a nível mundial? Aceda gratuitamente aos dados da Mendeley, publicados na Elsevier. Portugal tem 481 cientistas no ranking referente ao impacto ao longo da carreira e 703 no ranking de 2020. Ciências ULisboa apresenta melhores resultados face a 2019.

4 pessoas com colete refletor

O Gabinete de Segurança, Saúde e Sustentabilidade da Ciências ULisboa promoveu a realização do primeiro simulacro no edifício do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente. O primeiro exercício na Faculdade ocorreu em dezembro de 2013. Até agora já foram realizados 19 simulacros.

João Carlos Ribeiro Reis, professor aposentado do Departamento de Química e Bioquímica da Faculdade, e investigador do Centro de Química Estrutural, faleceu no passado dia 5 de novembro. A Faculdade apresenta sentidas condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

Logotipo da rubrica radar Tec Labs

Décima nona rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade.

Seringas

Ensaio da autoria dos professores Manuel Carmo Gomes e Carlos Antunes.

uvas com a doença oídio

Estudo liderado por Ana Margarida Fortes, professora do DBV Ciências ULisboa e coordenadora de um dos grupos do BioISI Ciências ULisboa, está entre os cinco melhores artigos da Journal of Experimental Botany, uma prestigiada revista de investigação em plantas.

Maria Helena Carvalho de Sousa Andrade e Silva, professora aposentada da Ciências ULisboa, faleceu aos 94 anos, no passado dia 31 de outubro. A Faculdade apresenta sentidas condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

Plano central anterior - Estrutura 3D da proteína S100B colorida a vermelho de acordo com as zonas preferenciais de ligação à proteína Tau; Plano posterior (esquerda) - célula marcada a verde indicando colocalização das proteínas S100B e Tau nos microtúbulos; Plano posterior (direita) - depósitos de proteína Tau agregada em células, identificados como manchas verdes

Uma equipa internacional liderada pelo cientista Cláudio M. Gomes, professor do DQB Ciências ULisboa e coordenador do laboratório PMAB do BioISI, descobriu uma nova função para uma proteína do cérebro, que atrasa a formação de depósitos proteicos causadores de demências como a doença de Alzheimer. Guilherme Moreira, estudante de doutoramento em Bioquímica na Ciências ULisboa, orientado por Cláudio M. Gomes, é o primeiro autor do estudo.

 

Flores, livro e ampulheta

"Apesar de tudo, outubro foi um rico mês e novembro promete ser igual (...) O dia de amanhã, ainda que não esteja garantido, é uma série ininterrupta e eterna de instantes e é nosso". Mais uma rubrica em jeito de editorial, da autoria de Ana Subtil Simões, editora da Newsletter de Ciências.

Cérebro

"Para cada uma destas operações interessa estudar como nos vamos conduzir, e em que direção vamos prosseguir, logo quais são os princípios das coisas especulativas e os da imaginação",  in No Campus com Helder Coelho.

crianças numa visita ao laboratório

Ciências ULisboa recebeu, no passado dia 6 de outubro, 47 alunos do 4º ano, da Escola Básica Mestre Querubim Lapa, no âmbito do programa Escola Ciência Viva do Pavilhão do Conhecimento. A visita realizou-se no âmbito da atividade “Encontro com o cientista” e teve como anfitrião o professor do Departamento de Física, Rui Agostinho.

Campus da Faculdade

A Faculdade dá a conhecer uma vez mais a melhor ciência que se faz nesta centenária instituição. O Dia da Investigação da Ciências ULisboa realiza-se a 27 de outubro, no grande auditório, sito no edifício C3 e conta com uma sessão especial dedicada às Alterações Climáticas, área de investigação onde Ciências ULisboa é líder.

Luis Carriço, diretor da Ciências ULisboa e Maria de Jesus Fernandes, bastonária da Ordem dos Biólogos, assinaram no passado mês de setembro um protocolo de colaboração que visa a conceção, criação e desenvolvimento de cursos de especialização nas áreas de especialidade da Ordem, nomeadamente: Ambiente, Biotecnologia, Educação e Saúde.

Folha em destaque

Vanessa Mata, Miguel Baptista e Tiago Morais são os vencedores da edição 2021 do Prémio de Doutoramento em Ecologia - Fundação Amadeu Dias, organizado pela Sociedade Portuguesa de Ecologia (Speco). A entrega dos galardões deve ocorrer no próximo mês de dezembro, durante o 20º Encontro Nacional de Ecologia, na Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, em Ponte de Lima.

codigo html

“OS Diversity for Intrusion Tolerance: Myth or Reality?”, com coautoria de três investigadores da Ciências ULisboa, é um dos artigos distinguidos com o prémio Test-of-Time, atribuído em junho de 2021 pela DSN.

Logotipo da iniciativa - banner promocional

Entre 12 e 17 de outubro de 2021 realiza-se a primeira edição do FIC.A - Festival Internacional de Ciência, no Palácio e Jardins do Marquês de Pombal, em Oeiras. Ciências ULisboa está representada neste evento com dezenas de atividades.

logotipo das comemorações do centenário da licenciatura em engenharia geográfica/geoespacial

Este ano assinala-se o centenário da criação da licenciatura em Engenharia Geográfica/Geoespacial. Para comemorar a efeméride realiza-se a 22 de outubro de 2021, pelas 15h00, no grande auditório da Ciências ULisboa, uma Sessão Solene Comemorativa, organizada pela Faculdade em parceria com a Ordem dos Engenheiros.

Lagoa nos Açores

Um estudo multidisciplinar, da autoria de vários cientistas europeus e norte-americanos, reconstrói as condições em que os Açores foram habitados pela primeira vez e o impacto da presença humana nos ecossistemas.

mapas e dispositivos moveis

"A informação geográfica contextualiza um povo, uma comunidade ou um indivíduo no espaço que o envolve", escreve Cristina Catita, professora do DEGGE Ciências ULisboa, por ocasião das comemorações do centenário do curso de Engenharia Geográfica/Geoespacial.

banda desenhada

“O jogo das alterações climáticas” é o novo livro da autoria de Bruno Pinto (argumento), Quico Nogueira (desenho) e Nuno Duarte (cor). O lançamento do livro vai ter lugar na Ciências ULisboa, já no próximo dia 7 de outubro.

Logotipo Radar

Décima oitava rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a Sowé.

"É mais uma vez com uma enorme alegria que constatamos que Ciências ULisboa foi reconhecida como faculdade de excelência, sendo escolhida por mais de nove centenas de alunos na 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso (CNA) ao ensino superior", escreve Pedro Almeida, subdiretor da Faculdade.

Páginas