No Campus com Helder Coelho

Discutir a escola: um dever intelectual

Sala de aula

Todo e qualquer avanço do saber produz uma nova e profunda ignorância, mais mistérios, o que não é surpreendente, pois o progresso, com os avanços sistemáticos, tende para o desconhecido

Ciências ULisboa
Helder Coelho
Helder Coelho
Imagem cedida por HC

“Quem aumenta o seu conhecimento aumenta logo a sua ignorância.”
Friedrich Schlegel

Barbara Reis abordou a organização/estrutura de uma universidade (Institute for Advanced Studies, Princeton University, EUA) e Arlindo Oliveira defendeu a necessidade de dar a voz à tecnologia. Ambos no Público. Curiosamente, não vi preocupação alguma pelo cada vez maior estado de degradação do Liceu/Escola Secundária de Luis de Camões (Praça José Fontana, 1050-129 Lisboa), fundada em 1909, ou pela imobilidade da universidade portuguesa (CRUP – Conselho de Reitores) no que respeita à intervenção no país e numa multitude de temas complexos (incêndios, falta de água (desalinização da água do mar, aproveitamento das descargas das barragens), cidades inteligentes, desigualdades (orla marítima versus interior do país, precários, sem abrigos, falta de emprego para os jovens doutores).

Ao longo dos anos tive o prazer de passar por muitas unidades de ensino e investigação, de que destaco a que mais me impressionou ou satisfez (Santa Fe Institute, Novo México, EUA). Claro que falo do espaço interno (arquitetura), do arranjo de facilidades, dos modos de interação (conversas) com alunos e professores/investigadores, do acesso fácil à biblioteca, e da possibilidade de poder trabalhar numa sala sem ser incomodado e com acesso à Internet.

A escola é algo que devemos sempre defender e não perder de vista, seja ela a escola primária ou a universidade. Fui aluno da primária na escolar do Largo do Leão e do Liceu Camões, e não as esqueci. Quanto à universidade, fui aluno e professor (IST, ISEG, FCUL, ISCTE), fiz perguntas, discuti e operei mudanças de disciplinas (IST), de mestrados e de departamentos (ISEG), e de licenciaturas, mestrados e doutoramentos (FCUL, ISCTE). No entanto, não estou descansado. Acho que a interdisciplinaridade ainda não funciona tão bem, como eu gostaria, na Universidade de Lisboa. Existem receios de misturas (talvez um racismo disciplinar) e os alunos têm medo de sair do seu conforto (área de estudos) para abordarem problemas e temas que exigem multidisciplinaridades. Embora o conhecimento esteja em expansão, em todas as áreas, existem boas razões para esperarmos que sejam inevitáveis as relações de proximidade e possibilidade de combinação entre conhecimentos que nunca foram associados.

As ligações podem ser naturais (por proximidade) ou artificiais através de pontes mais ou menos complexas (via mecanismos, novos conhecimentos, já conhecidos ou ainda ignorados, mistérios por descobrir). E, aqui surge uma dificuldade e muitos desafios: a ligação é contrariada pelo atual ensino, que tende a separar, compartimentar ou mesmo isolar (veja-se a tendência de explodirmos o conhecimento, em cada vez mais disciplinas especializadas e autónomas).

Nos últimos 30 anos, Edgar Morin lutou pela articulação dos saberes, uns com os outros, e de os tornar complementares (Morin, 2017), mesmo buscando junções com conhecimentos, fechados no interior de algumas disciplinas. A nível institucional, a dificuldade aparece com a resistência (ou ignorância) à entrada da Biologia, da Informática, da Física, da Matemática ou da Filosofia em algumas faculdades.

Todo e qualquer avanço do saber produz uma nova e profunda ignorância, mais mistérios, o que não é surpreendente, pois o progresso, com os avanços sistemáticos, tende para o desconhecido. E, como articular o binómio aprender-ensinar, de molde que todo um povo possa usufruir e ao mesmo tempo desenvolver a sua capacidade crítica? Não basta assim resolver problemas, é preciso também constituir equipas, dinamizar as vontades, planear, desenvolver estratégias e auscultar o futuro (predizer). A nossa capacidade de I&DE (Ciência com 1.2% do PIB, face aos 3% desejado pela OCDE) é muito fraca, temos poucos investigadores e temos vindo a perder muitos (doutores), desde 2011, para o mundo.

Referências
Feijó, A. M. e Tamen, M. A Universidade como deve ser, Fundação Francisco Manuel dos Santos, 2017.
Morin, E. Connaissance, Ignorance, Mystère, Fayard, 2017.
Oliveira, A. Há petróleo no Beato, Público, Março 9, 2018.

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática de Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
foto de Microsonda

A Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL) conta com 3 infraestruturas de investigação registadas na base de dados do projecto MERIL - Mapping of the European Research Infrastructures Landscape.

Dupla Titulação em Geologia - Ano lectivo 2013-2014

Convénio de Cooperação Académica entre o Instituto de Geociências da USP e o GeoFCUL

FCUL promove sessão de informação sobre oportunidades de financiamento no âmbito dos Desafios Societais 2 e 5.

“O principal objetivo é precisamente mostrar o que o EMBL tem para oferecer aos investigadores portugueses (e aos da FCUL, muito em particular) e também demonstrar o que pode ser feito em cooperação com o [laboratório].”, declara Margarida Amaral, docente da FCUL e membro do conselho de organização do evento.

Estão abertas as candidaturas à edição de 2013 do Prémio Academia Lx, destinado a trabalhos de investigação e estudos sobre temas com relevância prática para a cidade de Lisboa.  

Aceitam-se candidaturas de docentes para inclusão numa  Bolsa de Recrutamento, para a Área de Finanças e Economia - Secção Autónoma de Estatística, d

FCUL promove cooperação com EMBL

A passagem do diretor-geral do EMBL pela FCUL, foi registada através de uma reportagem multimédia. Fique a saber mais sobre esta visita bem como os pormenores do evento “Molecular Biology in Portugal and EMBL”!

De 8 de Julho a 30 de Agosto as bibliotecas do C4 e C8 têm alteração nos horários de funcionamento

Doctorate in Applied and Engineering Physics

Programa Doutoral em Física Aplicada e Engenharia Física

Arthur Vieira, estudante do mestrado integrado em Engenharia Física e Emiliano Pinto, aluno de mestrado em Física Nuclear e Partículas, são os diretores da revista trimestral do Departamento de Física da FCUL e  que integra uma equipa editorial constituída por outros 16 discentes.

Challenge4you desafiou estudantes dos cinco aos vinte anos

“Aquilo que aqui aprendemos faz parte da cultura geral e todos nós devemos ter algumas ideias sobre o local onde estamos inseridos e sobre esta união de que todos fazemos parte e que tanto nos ajuda”. A declaração é da estudante e participante Adriana Pereira de 17 anos.

Para uma crítica das perspectivas recentes da União Europeia sobre o Ensino Superior

Recomendações para melhorar a qualidade do ensino e da aprendizagem.

Implicações no Quebramento do Gondwana e sua Correlação com as bacias da Margem Atlântico Sul e Atlântico Central

É crucial que estatísticos e investigadores em Ciências do Ambiente mantenham uma colaboração estreita, para que continuem a ser desenvolvidos métodos estatísticos e computacionais adequados que permitam dar resposta continuada aos desafios presentes e futuros.

Está disponível a edição de 2012 do JCR (Journal Citation Reports).

O trabalho de cinco investigadoras portuguesas foi distinguido no início de junho em Boston, nos EUA. O congresso mundial contou com mais de 800 cientistas de 50 países.

[Tec Labs]i – Potenciar a Inovação

“Os alunos da FCUL tiveram uma experiência única que não vão esquecer ao longo da sua vida académica e profissional”, denota Rui Ferreira, administrador do Tec Labs – Centro de Inovação da FCUL.

Visita de Estudo à nova Universidade de Lisboa

“[Viveu-se um ambiente] muito propício ao debate onde o intercâmbio de ideias e de boas práticas foram muito gratificantes e uma mais-valia para os participantes e oradores do evento”, declarou Luísa Cerdeira, pró-reitora da Universidade de Lisboa e presidente do FORGES.

Álvaro de Campos

TABACARIA

O Departamento de Informática da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (DI-FCUL) vai organizar a 3 de julho deste ano a primeira edição do 

“Eu sempre gostei de fazer desenho geométrico e sempre me interessei pelos azulejos e seus painéis e pela calçada portuguesa pela sua beleza, pela arte, e porque têm potencialidades científicas, estéticas e didáticas praticamente ilimitadas”, conta o investigador do Grupo de Física-Matemática, distinguido recentemente com o Prémio Abordagem Inovadora “SOS Azulejo 2012”.

As bibliotecas do C4 e C8 têm horários alargados durante a época de exames de 1 a 29 de Junho.

Páginas