No Campus com Helder Coelho

Ensinar e aprender a enfrentar a complexidade com a tecnologia

Ciências

Helder Coelho

“A minha perspetiva é a dos homens do Renascimento,
capazes de olhar o todo... A fachada não é indiferente
ao interior: é de fora que se pode olhar para dentro.”
Dario Fo

Em 2007, graças à colaboração entre a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e o ISCTE, foi lançado o curso de doutoramento em Ciências da Complexidade para as organizações, no âmbito de um esforço (multi, trans e) interdisciplinar do Instituto da Ciência da Complexidade (ICC), uma instituição que agrupa vários cientistas portugueses, de diversas universidades nacionais (responsável pela "Arrábida Workshop on Complexity", que se realizou de 2000 a 2016, no Convento da Arrábida).

Agora, no ano letivo de 2017/2018, foi possível abrir aquele curso (em Inglês), via Internet e online, e a nível mundial, garantindo que os alunos com dificuldades em assistirem presencialmente às edições anteriores (incluindo os de Portugal) pudessem se envolver e trabalhar, com o apoio de professores nesta área.

Nos últimos anos, a UNESCO financiou o projeto internacional - "Complex Systems Digital Campus (UniTwin)" - recorrendo a uma plataforma de e-Meeting, e esse exercício mostrou o caminho certo (alternativo aos massive open online courses ou MOOC) para esta nova experiência pedagógica da informática na educação. Quer isto dizer que a tecnologia, quando bem explorada, pode ser mesmo benéfica.

Atravessamos atualmente, a nível mundial, a era do improvável e imprevisível, onde a volatilidade, a mudança, a incerteza, o aleatório, a complexidade, ou a fragilidade (resiliência) são vulgares e onde nada se perde, e tudo se transforma. É preciso, para resolvermos os problemas que nos envolvem, sermos flexíveis e capazes de engendrar novos olhares e aproximações. Ou seja, ousar fazer o impossível.

O espaço da educação exige sempre novas formas de enlace, sem perder a esperança que a motivação e a vontade empurram qualquer humano a construir pontes para o que era difícil de atingir e atalhos para tocar no futuro. Todos queremos saber mais, e cada conhecimento que dominamos permite irmos sempre mais longe, mas é necessário um trabalho paciente se quisermos passar da informação ao saber. Os prémios Nobel (da Medicina, Física e Química), de 2017, são disso um bom exemplo.

As universidades têm de se abrir, e serem também acessíveis online, aos que querem aprender e experimentar (nos LabFab). Ainda não é possível decidir se o ensino à distância é eficiente (pois tem um aproveitamento fraco), e, mesmo no caso dos MOOC, a mistura de opções, de técnicas ou de tecnologias é correntemente um terreno para testar ideias. Estamos bem longe de ter certezas do que é melhor ou correto, e mesmo o ensino normal e presencial tem presentemente um ponto fraco, as faltas, que é a desistência de muitos alunos, sem qualquer motivação, para certas disciplinas. A disponibilidade dos slides, no Moodle, não funciona com deveria ser: uma ajuda para os alunos prepararem a nova aula e registarem perguntas para fazerem ao professor. O seu uso como material principal de estudo (em vez de um livro) é prejudicial, insuficiente e enganador para os alunos (usar os textos que foram concebidos para lembrar o professor).

O trabalho na aula, desejável pelos professores, é muitas vezes boicotado pelos alunos presentes, desatentos e desinteressados. Muitos deles não prepararam a próxima aula para fazerem as perguntas sobre as suas dúvidas, nem estudam as matérias que foram abordadas anteriormente. Cai-se assim frequentemente em discursos monocórdicos do professor, por falta de interrupções para a interrogação, a discussão e a controvérsia pelos estudantes.

O ensino universitário em Portugal é, muitas vezes, perturbado por maus hábitos, que vêm já de trás (ensinos primário e secundário). E, existe falta de vontade em os alterar e corrigir, ou em os contestar. A frequência das bibliotecas é fraca, os livros pouco usados, e o trabalho duro adiado, sobretudo, para a época dos exames (Feijó e Tamen, 2017).

Esquece-se muito o “espírito de universidade”, nomeadamente a ideia de um estudante ativo e interveniente, capaz de se mobilizar por causas, de descobrir o conhecimento, de compreender as teorias, as técnicas, os princípios, ou mesmo a história da formação do conhecimento. Quando se deram passos gigantes? Que inovações contam mais? Que ligações/articulações foram úteis para resolver os impasses? As questões são sempre interessantes para obtermos respostas, sobretudo na busca dos objetivos.

Referências:
Feijó, A. M. e Tamen, M. A Universidade como deve ser, Fundação F. M. dos Santos, Ensaios da Fundação nº 77, 2017.
Queiró, J. F. O Ensino Superior em Portugal, Fundação F. M. dos Santos, Ensaios da Fundação nº 78, 2017.

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Chieko Asakawa and Hironobu Takagi

17 Julho 2012 - 10h30
Anfiteatro da Fundação da FCUL

Chieko Asakawa and Hironobu Takagi

17 Julho 2012 - 10h30
Anfiteatro da Fundação da FCUL

Pormenor de obra artística

Os promotores do FP7 acreditam que “centenas de instituições científicas de toda a União Europeia irão apresentar propostas” e esperam captar novos participantes, nomeadamente pequenas e médias empresas, incrementando dessa forma a competitividade europeia.

Carlos Miguel Farinha, bioquímico docente do DQB e investigador do BioFIG , foi premiado em junho com o Romain Pauwels Research Award, atribuído pela European Respiratory Society.

 

2ª fase de candidaturas:  15 a 22 de Julho.

O mestrado em Matemática para Professores é uma excelente oportunidade para consolidar,  recordar e aprender muitos temas relacionados com a matemática escolar.

No dia 12 de Julho foram feitas as apresentações de quatro trabalhos feitos no âmbito da disciplina de Projecto em Matemática para o Ensino do Mestrado em Matemática para Professores.

A Universidade de Lisboa e a Fundação Amadeu Dias estão a atribuir bolsas aos alunos de 1º Ciclo de qualquer área do saber, leccionado na Universidade de Lisboa e que já tenham concluído o 1.º ano curricular, ou alunos que frequentem&n

Em 18 anos, o Programa de Estímulo à Investigação premiou 34 jovens investigadores e 19 instituições da Universidade de Lisboa. Na última edição, dos oito premiados, três são jovens cientistas da FCUL. As candidaturas à próxima edição decorrem até 21 de setembro.

Cartaz do Seminário

No dia dia 16 de Julho, pelas 11H00, na sala 6.4.30, realizar-se-á um Seminário organizado pelo Centro de Investigação Operacional com o título 'Lagrangian-Based Branch-and-Bound for Two-Echelon Uncapacitated Facility Location with Single Assignment Cons

Os resultados das experiências ATLAS e CMS divulgados recentemente pelo CERN, também foram apresentados publicamente na FCUL, numa sessão organizada pela professora do Departamento de Física Amélia Maio, a responsável pela participação portuguesa na experiência ATLAS.

Apresentações dos Projectos de Física dia 19 de Julho, às 10h, na sala 8.2.17:

O que faz o profissional que passa os seus dias no laboratório? E quem se dedica a resolver equações ou a estudar animais e plantas? Cinquenta alunos da associação EPIS descobriram as respostas a estas e a outras questões.

Servidor da FCUL

O projeto de reestruturação do Centro de Dados da FCUL, iniciado em junho, deverá estar concluído no próximo mês de setembro.

Duas pessoas fazem uma experiência no laboratório

A Faculdade de Ciências abre as portas dos seus laboratórios a 50 jovens, vindos de diferentes pontos do País, para mais uma edição da “Rota das Vocações de Futuro” da EPIS.

Apesar de ser uma das áreas mais recentes da FCUL, atualmente é uma vertente da ciência portuguesa em franca expansão.

“Um trabalho que reflita sobre o passado de uma instituição, ou o passado da ciência em Lisboa ou em Portugal, é sempre algo de muito importante para repensarmos o nosso trajeto”. A afirmação feita pela historiadora das ciências, Ana Simões, a propósito de um dos muitos projetos em curso é reveladora da importância, que a preservação do património científico tem na sua vida.

Kostas Gavroglu e Ana Simões assinam o primeiro livro “Neither Physics nor Chemistry: A History of Quantum Chemistry” sobre a emergência da disciplina Química Quântica, o pretexto ideal para conversar com a autora portuguesa.

O Grupo Azevedos oferece estágio profissional remunerado a recém licenciado na área da Estatística ou Matemática. Os interessados devem enviar a candidatura para

A edição deste ano d´O Botânico, uma revista propriedade da Associação Íbero-Macaronésica de Jardins Botânicos já se encontra online.

O Centro de Informática migrou todo o sítio antigo para o novo Portal da FCUL.

O Centro de Informática colocou em produção, durante a ultima semana de Maio, um equipamento de rede central na arquitectura de comunicações da FCUL.

Na Licenciatura em Matemática (LM) da FCUL, o leque de opções do 3º ano da LM foi alargado e passou a incluir as seguintes disciplinas, que estarão já disponíveis no ano lectivo de 2012/13:

 

 

Em exibição no:

MUSEU NACIONAL DE HISTÓRIA NATURAL E DA CIÊNCIA

1 de Junho de 2012 a 28 de Abril de 2013

 

 

Páginas