No Campus com Helder Coelho

A Filosofia de Ludwig Wittgenstein

Centro de Dados da FCUL

Wittgenstein coloca (em 1934) a pergunta “Pode uma máquina pensar?”, 16 anos antes de Alan Turing (no artigo “Computing Machinery and Intelligence” da revista Mind, novembro, 1950)

Ciências
Helder Coelho
Helder Coelho

“A Lógica deve tomar conta de si própria” (22-8-14). Deve, em certo sentido, ser impossível para nós, errar em Lógica. Isto está parcialmente expresso ao dizer que a Lógica deve tomar conta de si. Este é o pensamento extremamente profundo e importante (2-9-14).”
L. Wittgenstein, Caderno Azul, 1989-1951

Wittgenstein é justamente considerado o filósofo mais influente do século 20. De origem austríaca, iniciou em Viena os seus estudos, passou logo para Linz, e depois em Berlim inicia Engenharia Mecânica que só conclui em Manchester. Continuou, após graduação, em Filosofia e em Cambridge, tendo sido professor nessa Universidade de 1939 a 1947. Em sua vida escreveu muitos cadernos, mas publicou apenas, em 1922, o livro (Tratactus Logico-Philosophicus), inspirado nas suas notas (no Blue NoteBook, 1914-1916). O segundo livro, Philosophical Investigations foi publicado após a sua morte, constituindo o seu segundo clássico da Filosofia desse século (Molder, 2003).

O seu trabalho levou à transformação de alguns campos da Lógica, nomeadamente as Filosofias da Matemática, da Mente (parte integrante da Ciência Cognitiva), e da Linguagem.

Pensou muito (o que se pode observar nos seus cadernos e fichas), mantendo uma rigorosa anotação, embora tenha tido muitas dificuldades em articular (em continuidade) esses mesmos apontamentos. Amigo e protegido de Bertrand Russell, submeteu-lhe o exercício das notas do Caderno Azul, em 1934 (veja-se na Internet este espantoso trabalho), onde se pode descobrir o seu pensamento inicial, e como ele se desenvolveu sujeito a diversas influências, como por exemplo a de Schopenhauer.

156. Existe alguma diferença de significado que possa explicar-se e outra que não se deixe explicar? (Wittgenstein, 1989)

Quando a mente começa a pensar, fá-lo por vagas, aos saltos, como se tratassem de erupções. Os Cadernos (por exemplo, o Azul e o Castanho, ou as Fichas) recebem parágrafos que mais parecem imagens (ou insights). Na série em 10 episódios, Genius, da National Geographic (2017), sobre a vida de Albert Einstein (1879-1955), é referido que o grande físico pensava com imagens, e que estas lhe davam muito trabalho, tendo a sua mulher Mileva Maric sido uma ajudante preciosa ao desenvolver discussões e a rebater os seus argumentos. Eventualmente, Wittgenstein não teve um ajudante que o motivasse suficientemente, e por isso levava muito tempo a passar das notas para o texto, e a preencher os buracos. Já o mesmo não ocorreu com o matemático indiano, Srinivasa Ramanujan (1887-1920), que se distinguiu na Análise e na Teoria dos Números, e também na Universidade de Cambridge. O professor Godfrey Harold Hardy, que o convidou para visitar a Universidade, não conseguiu perceber como as fórmulas, apareciam na mente de Ramanujan, muito antes das provas serem construídas (veja-se o filme “O Homem que viu o Infinito”). A relação das provas e da introspeção complementavam-se, com resultados também extraordinários.

Num texto dirigido a Russell, Wittgenstein interroga-se sobre os mecanismos da mente, associados ao trabalho de uma língua, nomeadamente os processos mentais da compreensão e do significado, as relações entre os nomes e as coisas que esses nomes identificavam. Depois escolhe as duas partes da ação da língua, uma inorgânica referente à manipulação dos sinais, e a outra orgânica ligada à compreensão dos sinais, ao seu significado e à sua interpretação, ou seja ao pensamento.

Havendo regras, elas estavam envolvidas na compreensão, no cálculo do significado, isto é no processo do pensamento (operação com os sinais). As palavras e as proposições podem ser ligadas a causas ou razões. Dar uma ordem significa que se pretende uma ação (hipótese) e por isso podemos distinguir duas gramáticas (uso), uma das razões (motivos) e outras das causas. Por vezes, podemos conjeturar a causa e não o motivo (possibilidade lógica), embora o pensamento seja uma atividade, e que necessitamos de entender a gramática das expressões.

Wittgenstein coloca (em 1934) a pergunta “Pode uma máquina pensar?”, 16 anos antes de Alan Turing (no artigo “Computing Machinery and Intelligence” da revista Mind, novembro, 1950). E, essa especulação feita no campo da Filosofia tem um significado interessante nos dias de hoje, aparecendo como uma previsão significativa (Oliveira, 2017).

Referências:
Molder, M. F. A Imperfeição da Filosofia, Relógio d ´Água, 2003
Oliveira, A. Mentes Digitais, A Ciência redefinindo a humanidade, IST Press, 2017
Wittgenstein, L. Fichas (Zettel), Edições 70, 1989
Wittgenstein, L. Cadernos 1914-1916, Edições 70, 2004

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Estão abertas as inscrições para a disciplina que promove o empreendedorismo - Projeto Empresarial. Todos os alunos de mestrado ou nos dois últimos anos de mestrado integrado podem candidatar-se até dia 16 de novembro.

A FCUL, bem como toda a Universidade de Lisboa está sem acesso à Internet desde cerca das 11:45 da manhã.

Professora Olga Pombo, autora do livro "O Círculo dos Saberes"

“Estou convencida que a imagem do círculo constitui um arquétipo, uma determinação conceptual prévia a toda a investigação”, defende Olga Pombo, docente na FCUL e autora do livro “O Círculo dos Saberes”.

Imagem ilustrativa do livro "O Círculo dos Saberes"

“A apresentação do livro seguirá um formato sério e discreto. O professor Shahid Rahman fará uma apresentação e apreciação do livro e eu agradecerei todas as suas palavras, sejam elas elogiosas, sejam críticas", afirma a autora Olga Pombo.

Trial para todos os Membros da b-on.

Pessoas a correr junto ao Marquês de Pombal

A primeira Corrida da Ciência aconteceu o ano passado por ocasião das celebrações dos 100 anos da FCUL. A edição deste ano integra-se na 2.ª Edição do AmbientALL – Universidade em Movimento.

O concurso de programação destina-se a alunos universitários e este ano junta 16 equipas, oriundas de oito instituições universitárias portuguesas. A equipa da FCUL chama-se BigO(1).

Imagem da professora Maria José Boavida

“Colega amiga”, “orientadora empenhada e humanista” e “investigadora solidária”, assim se recorda Maria José Boavida (1948 – 2012).

Desenho do campus da FCUL

As tabelas e notas científicas, assim como as regras elementares de segurança em laboratórios são algumas das mais-valias deste “livro”.

A fim de cumprir com o estabelecido no Regulamento Eleitoral, o Caderno Eleitoral para a eleição do Presidente do Departamento de Estatística e Investigação Operacional está disponível para consulta.

 O projecto CAMPUS UL realizado pelos alunos de mestrado em Engenharia Geográfica no âmbito das disciplinas de Fotogrametria Analítica e de Produção Cartográfica ganhou o segundo prémio no concurso internacional de projectos com fins educativos

lâmpada

"Criar, transferir e valorizar economicamente o conhecimento científico" é a causa primária do renovado centro de inovação, situado no campus da FCUL.

Hoje, quarta-feira, dia 10 de Outubro de 2012, registou-se uma quebra no acesso à Internet pelas 17h00 por cerca de 5 minutos.

A causa foi externa à Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e ainda não fomos informados das suas causas.

Estão abertas três vagas para bolseiros para a Unidade de Informática

Imagem do professor J. Sebastião e Silva

O Departamento de Matemática da FCUL apresenta obras selecionadas de personalidades da nossa história, nomeadamente os Compêndios de Matemática e os respetivos Guias para professores de José Sebastião de Silva, cujos direitos patrimoniais foram cedidos à Faculdade por um período de 30 anos.

Devido a uma avaria no equipamento de Videoconferência, o serviço encontra-se interrompido por tempo indeterminado. Pedimos desculpa pelo incómodo causado.

Alunos aguardam a sua vez na fila para as inscrições

Este ano, durante a 1.ª fase de inscrições, foi realizado um inquérito a 845 estudantes. De acordo com os resultados obtidos, o reconhecimento da competência científica (25%), a localização (22%) e a nota de candidatura (22%), foram determinantes na escolha da FCUL.

Abertura de Concurso para uma posição de substituição de Doutor Ciência na CFNUL na área Física Nuclear – Reações Nucleares, ver anúncio em http://www.eracareers.pt/opportunities/index.aspx?task=global&job

A FCUL dá as boas-vindas aos novos alunos, após o arranque do novo ano letivo, a 17 de setembro.

Filipe Duarte Santos - Professor Catedrático e Jubilado do Departamento de Física e Director do SIM

Imagem de perfil de Maria Filomena Camões, professora do DQB-FCUL

Maria Filomena Camões, professora do Departamento de Química e Bioquímica da FCUL, assina um artigo sobre a criação do Instituto Nacional de Metrologia da Colômbia e a inauguração de um laboratório do qual é madrinha.

Guiomar Evans - Prof. Auxiliar do Departamento de Física e Investigadora do Centro de Física da Matéria Condensada

A missa do 30.º dia em memória de José Manuel Pires dos Santos, professor aposentado do Departamento de Informática da FCUL, realiza-se a 11 de setembro, pelas 19h00, na Igreja da Luz, em Carnide.

O professor José Manuel Pires dos Santos sentado em frente a uma secretária

Toda a morte, mesmo a anunciada, é uma surpresa. Um misto de espanto e de descrença como se não fosse possível acontecer.

Páginas