No Campus com Helder Coelho

Como pensamos?

Helder Coelho

“O meu destino já não é um lugar, mas sim uma nova forma de ver.”
Marcel Proust

Recentemente, dois estudos sobre como pensamos, um do Instituto Max Planck (para a História da Ciência, Alemanha) e outro da Escola de Medicina de Harvard (EUA), de maio de 2017 (revista NeuroImage, de Elinor Amit e Evelina Fedorenko), clarificaram as diferenças que nós temos quando refletimos sobre alguma matéria, fazemos coisas, ou emulamos a realidade. Basicamente, existem dois modos, um que recorre às imagens (visual) e outro que adota as palavras (verbal). O primeiro é muito mais antigo, está instalado no cérebro desde o nosso nascimento e evoluiu ao longo do tempo, e o segundo, mais moderno, intromete-se amiúde com o primeiro.

Diz-se que um artista (por exemplo, um pintor) costuma conceber com imagens, mas Einstein (veja-se a série "Genius" de dez episódios, para a Televisão por Cabo, do canal National Geographic, lançada em 2017), imaginava e via as suas ideias que intuía sobre a Física. Diz-se que recorremos às imagens quando referimos coisas que estão muito perto de nós (aqui e agora, temporalmente, socialmente, ou geograficamente) e às palavras (discurso interior, abstração) quando as coisas (lugares, tempos, outras pessoas) estão longe de nós.

Os nossos cérebros, que estão envolvidos com o movimento, a intencionalidade, e a previsão, têm muitas coisas já lá metidas (inatas) e a razão é evolucionária, porque nunca fomos sempre falantes, com palavras (a linguagem veio depois). Durante muito tempo, entendemos o mundo de modo visual, e comunicávamos com desenhos (vejam-se as grutas de Foz Coa ou de Altamira).

A inteligência espacial é a capacidade de pensar visualmente, em termos de formas, observando os objetos de ângulos diferentes e o espaço, reconhecendo cenas ou tomando mesmo nota de detalhes pequenos. Frequentemente resolvemos problemas espaciais de navegação (andar na cidade), julgamos o que nos rodeia, enfrentamos quebra-cabeças e vemos recorrendo aos nossos olhos.

Einstein, numa conversa com Jacques Hadamard, sobre o seu modo de anotar os problemas, com imagens, achava que as palavras não eram, para si, tão importantes. As intuições seguiam sinais, e as imagens podiam ser manipuladas e combinadas. Mais tarde, clarificava essas imagens com equações matemáticas (no filme “O Homem que Viu o Infinito”, o matemático indiano Srinivasa Ramanujan (1887-1920), traduzia muitas das suas ideias por fórmulas).

Bachelard dizia que o espaço chamava a ação, e antes desta a imaginação trabalhava. O mundo dos nossos dias é povoado e entendido por imagens, e uma das explicações é a predominância da televisão (cinema, vídeo) sobre a rádio. Diz-se que o tempo muda as pessoas, embora não altere as imagens que guardamos delas.

Por exemplo, examinemos as imagens de um espaço como uma casa. E, que acontecerá em seguida se começarmos a pensar com essas imagens? Eventualmente, imaginaremos muitas outras, e faremos ligações e relações. E, se agora quisermos organizar o espaço global, com a ajuda de outros desenhos? Passamos da arquitetura daquela casa para os modos de a inserir numa rua, e depois num bairro. Este exercício chama-se urbanização, e muitas cidades não se desenvolveram nem com planos, nem seguindo estratégias de povoamento. Algumas causas são a desatenção das autarquias, a falta de leis e regulamentos, ou mesmo a ganância, a usura. A consequência são “bairros de lata”, falta de estradas, casas encavalitadas umas nas outras, um caos no trânsito (engarrafamentos), que nos faz fugir desses sítios.

Um arquiteto, um urbanista, imaginam espaços, e organizam com inteligência formas para se articularem, se ligarem, e sem confusão. Estabelecem diálogos, sobre a intimidade, dialéticas do grande e do pequeno, do interior e do exterior, do aberto e do fechado, ou mesmo da poética do espaço.

Se por acaso, necessitamos de preparar uma apresentação oral (sobre o nosso trabalho) começamos por pensar com palavras (discurso interior) e as imagens vão entrar, sem que façamos qualquer esforço, para ajudar a tornar aquela conversa mais fluida. Ora, tudo isto se passa em várias áreas do cérebro (córtex visual, córtex sensorial, lobo parietal, córtex pré-frontal e córtex cingulado) capazes de se relacionarem entre si.

Wittgenstein, contemporâneo de Turing, deixou muitas notas (em fichas) sobre o que significa pensar (atividade mental), compreender e expressar, e os seus exercícios sobre os jogos de linguagem. Estes apontamentos permitem-nos entender hoje as dificuldades em compreender e pensar, e ainda como aprendemos a compreender.

Referências
Bachelard, G., La Poétique de l´Espace, PUF, 2015
Wittgenstein, L., Fichas (Zettel), Edições 70, 1989

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

O ENEI'12 vai realizar-se na FCUL.

ESTRUTURA E GESTÃO DO DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA ANIMAL (DBA)

Apresentação do Departamento

Paleontólogos do MNHN da UL e do GeoFCUL em foco na revista TVmais.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

O DQB e a FCUL acolheram, mais uma vez, a realização de provas semifinais das Olimpíadas de Química Júnior 2012 no sábado, 14 de abril de 2012.

Pessoas estudam numa mesa na biblioteca

“Acho que qualquer aluno consegue ser bom, se tiver uma boa disciplina de trabalho e objetivos concretos”. Quem o diz é Gonçalo Faria da Silva, estudante do 3.º ano de Biologia.

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Fotografia de alunos procuram informações junto a uma banca no átrio do C3

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Páginas