No Campus com Helder Coelho

Ainda sobre a consciência

Helder Coelho

Quando falamos no presente (maio de 2017) em consciência (consciousness e awareness), esse grande mistério da ciência (vejam-se os últimos livros de Susan Greenfield, Steven e Hilary Rose, e Daniel Dennett), já conseguimos formular uma definição breve, tal como “uma complexa variedade de aptidões”, “consciência como duração” (Bergson), ou mesmo recorrer à definição mais antiga de Damásio, “a composição de um eu com muitas propriedades mentais”.

Contudo, graças aos progressos das ciências do cérebro, nos últimos anos, sabemos que ela emerge do ponto de vista funcional, aleatoriamente, a partir da atividade coordenada de muitos e diferentes mecanismos (vejam, na Internet, a palestra TED de Damásio, em dezembro de 2011, “Em busca de compreender a consciência”, onde se vai um pouco além do livro de 2010 na explicação dos fenómenos subjacentes à consciência). Ainda, outra via, é olhar para a consciência como antecipação do futuro.

Damásio tem andado a fazer, nos últimos 30 anos, teorias sobre o trabalho do cérebro e da mente, apoiado na neuroanatomia e na neurobiologia. Não bastou perceber o que é, foi mais além dizendo onde tudo se passa. Daí a resolução de mistérios sobre o jogo entre o cérebro e o corpo, em redor da sobrevivência e ao longo da evolução: como o sistema cérebro guarda o equilíbrio interno (homeostase). E, a sua convicção que a consciência se centra no eu (ligado à mente).

Para compreendermos as capacidades de cada um de nós é preciso entender como as células nervosas se comportam e como interatuam entre si, isto é, pode sempre existir uma outra hipótese que consiga explicar um pouco mais. E, existem sempre os factos e as interpretações.

Voltemos de novo ao mistério da consciência, e separemos as duas questões essenciais: o que é e como se constrói no nosso cérebro? Falamos muito de uma mente consciente, como um fluxo ou uma coleção de imagens visuais e auditivas, mais ou menos, integradas, e mais um eu (no Livro da Consciência de Damásio, de 2010, o título original era “Self Comes to Mind”). O eu serve para introduzir a perspetiva subjetiva na mente (na experiência mental, Damásio separa o subjetivo dos sentimentos (originários no tronco cerebral), embora na Filosofia não se opte pelo eu para descrever a subjetividade).

Para sabermos bem o que é a consciência temos de diferenciar o modo como as mentes são formadas (o lado mais fácil, hoje investigado nas neurociências), do modo como o eu é construído (o mais difícil). Conhecemos que o cérebro gera mapas do interior do nosso corpo (dos organismos), e recorre a eles amiúde como referência para todos os outros mapas que tem de elaborar, pois tem a seu cargo a gestão (governo) da vida (continuidade) desse corpo.

Nós estamos sempre a ser informados do estado do nosso corpo! Sabe-se que a ligação entre o corpo e o cérebro é realizada através do tronco cerebral (uma das suas partes encarrega-se da consciência, uma outra mantem a ligação com o corpo). O estudo de pacientes em coma (sem consciência) ou paralisados (tetraplégicos, embora capazes de comunicar via interfaces), feito com o recurso à ressonância magnética (fMRI), estabeleceu a localização precisa daquelas duas partes do tronco cerebral. Este aparece em muitos outros animais, com uma estrutura idêntica, e todos eles (por exemplo, os primatas) devem, também, ter, por isso, consciência.

A mente está ligada à vida, a qual permite a consciência. Isto quer dizer ser capaz de regular/controlar os sentimentos (do bem/prazer ao mal estar/morte), e por causa dos estados a que podem ser conduzidos. Damásio apontou os três níveis do eu, o proto (a representação do organismo na mente, a subjetividade) em baixo, o nuclear (a noção de existência) sobre o proto, e o autobiográfico (o sentido do passado, a identidade ou a memória, o raciocínio, a imaginação, a criatividade e a linguagem) em cima. A construção da subjetividade passa ao lado dos sentimentos (por exemplo, da emoção).

E, de novo, o significado da consciência, torna-se mais preciso, se focarmos agora a nossa vivência (experiência mental) como um estado da mente, no qual existe o conhecimento da nossa existência e da existência de tudo o que nos cerca. Damásio fala da ligação do cérebro ao corpo, em interação, introduzindo o sentido de si próprio como hipótese, isto é, o proprietário da mente está sempre a sentir o que está a passar-se, no interior e no exterior. Portanto, estamos sempre a assistir a tudo aquilo que se passa, mesmo ao pé de nós.

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

De entre as matérias que ensino, esta tem sido inspiradora, transformando discretos alunos em cientistas empenhados: “Professora, consegui a bolsa para as microalgas tóxicas, vou seguir o meu sonho…”. Este artigo foi publicado no jornal "Público" no passado dia 2 de agosto.

Estão abertos concursos da FCT para

 

Concurso para atribuição de Bolsas Individuais de Doutoramento, Doutoramento em Empresas e Pós-Doutoramento

A 3ª fase de candidaturas online decorre de 1 de Agosto até 28 de Agosto.

As Nações Unidas procuram candidatos qualificados que desejem ter uma carreira profissional como funcionários internacionais.

Programa jovens profissionais 2013

Paulo Semblano,antigFCUL

A literacia estatística é fundamental para o exercício de cargos públicos ou de gestão e é indispensável nas nossas vidas, na vida das nossas empresas e para o exercício da cidadania.

FCUL Raly Pro

Everybody in this country should learn how to program a computer… Because it teaches you how to think”, citação de Steve Jobs, fundador da Apple, mencionada na sessão de abertura do evento FCUL Rally Pro.

A empresa Grupo Actuarial encontra-se a oferecer estágios remunerados a estatísticos, matemáticos e engenheiros informáticos .

A qualidade da formação será tão mais diferenciada quanto mais os seus graduados forem capazes de integrar habilmente as diversas competências que assimilaram no seu percurso académico.

Fernando Pessoa em destaque nas Redes Sociais

“[Pretendemos] identificar quais os versos e frases de Fernando Pessoa que mais inspiram os seus leitores de todo o mundo e, ao mesmo tempo, conduzir todos aqueles que usam as palavras de Pessoa aos seus textos originais”, explica Francisco Couto, professor do DI-FCUL e coordenador do projeto.

foto de Microsonda

A Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL) conta com 3 infraestruturas de investigação registadas na base de dados do projecto MERIL - Mapping of the European Research Infrastructures Landscape.

Dupla Titulação em Geologia - Ano lectivo 2013-2014

Convénio de Cooperação Académica entre o Instituto de Geociências da USP e o GeoFCUL

FCUL promove sessão de informação sobre oportunidades de financiamento no âmbito dos Desafios Societais 2 e 5.

“O principal objetivo é precisamente mostrar o que o EMBL tem para oferecer aos investigadores portugueses (e aos da FCUL, muito em particular) e também demonstrar o que pode ser feito em cooperação com o [laboratório].”, declara Margarida Amaral, docente da FCUL e membro do conselho de organização do evento.

Estão abertas as candidaturas à edição de 2013 do Prémio Academia Lx, destinado a trabalhos de investigação e estudos sobre temas com relevância prática para a cidade de Lisboa.  

Aceitam-se candidaturas de docentes para inclusão numa  Bolsa de Recrutamento, para a Área de Finanças e Economia - Secção Autónoma de Estatística, d

FCUL promove cooperação com EMBL

A passagem do diretor-geral do EMBL pela FCUL, foi registada através de uma reportagem multimédia. Fique a saber mais sobre esta visita bem como os pormenores do evento “Molecular Biology in Portugal and EMBL”!

De 8 de Julho a 30 de Agosto as bibliotecas do C4 e C8 têm alteração nos horários de funcionamento

Doctorate in Applied and Engineering Physics

Programa Doutoral em Física Aplicada e Engenharia Física

Arthur Vieira, estudante do mestrado integrado em Engenharia Física e Emiliano Pinto, aluno de mestrado em Física Nuclear e Partículas, são os diretores da revista trimestral do Departamento de Física da FCUL e  que integra uma equipa editorial constituída por outros 16 discentes.

Challenge4you desafiou estudantes dos cinco aos vinte anos

“Aquilo que aqui aprendemos faz parte da cultura geral e todos nós devemos ter algumas ideias sobre o local onde estamos inseridos e sobre esta união de que todos fazemos parte e que tanto nos ajuda”. A declaração é da estudante e participante Adriana Pereira de 17 anos.

Para uma crítica das perspectivas recentes da União Europeia sobre o Ensino Superior

Recomendações para melhorar a qualidade do ensino e da aprendizagem.

Implicações no Quebramento do Gondwana e sua Correlação com as bacias da Margem Atlântico Sul e Atlântico Central

É crucial que estatísticos e investigadores em Ciências do Ambiente mantenham uma colaboração estreita, para que continuem a ser desenvolvidos métodos estatísticos e computacionais adequados que permitam dar resposta continuada aos desafios presentes e futuros.

Páginas