Entrevista com… Filipe Duarte Santos

Cientista, professor, investigador, pintor

Filipe Duarte Santos. Cientista, professor, investigador e, por vezes, pintor.

Os seus trabalhos sobre as alterações do clima e o desenvolvimento sustentável colocam-no como referência nacional e internacional. Passou longos períodos da vida profissional a trabalhar em universidades e centros de investigação estrangeiros, experiência que o faz somar colegas estrangeiros e amigos espalhados pelo mundo. Ciências é a sua casa desde 1969. Aqui, ainda ensina e aprende, muitas vezes com alunos. É também através deles que conclui: “cada nova geração tem sempre esperanças renovadas de criar algo de novo, de abrir novos caminhos e de se distanciar e diferenciar da geração antecedente. Há um renascer permanente. Saber assistir e aderir a este processo é talvez um dos principais segredos de nos mantermos jovens de espírito”. Na entrevista a seguir apresentada, fique a conhecer um pouco mais do percurso e a visão do professor jubilado do Departamento de Física de Ciências sobre como podem as pessoas contribuir para uma sociedade positiva, mais justa e empreendedora.


"Para mim, uma das maiores alegrias de ser professor é contactar permanentemente com os jovens, com o seu dinamismo, com a sua irreverência e com as suas perguntas desconcertantes que nos obrigam a pensar melhor e a clarificar os conceitos", partilhou o professor de Ciências
Imagem cedida por FDS

É professor catedrático, investigador da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e diretor do centro de pesquisa SIM. Como se sente neste papel?

Filipe Duarte Santos (FDS) - Criei, juntamente com o professor Fernando Bragança Gil, o Centro de Física Nuclear da Universidade de Lisboa em 1976 e foi aí que realizei a minha atividade de investigação até 2005, principalmente nos domínios da Física Nuclear e da Astrofísica. A partir dessa data, e na sequência de ter desenvolvido interesses nas áreas do ambiente, das alterações globais e das mudanças climáticas, fundei, juntamente com o professor António Amorim, o centro de investigação SIM (Laboratório de Sistemas, Instrumentação e Modelação em Ciências e Tecnologias do Espaço e do Ambiente). Note-se que a minha licenciatura na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, que realizei de 1959 a 1963, foi em Ciências Geofísicas. Depois, fiz o doutoramento em Física Nuclear Teórica na Universidade de Londres de 1964 a 1968. Senti, ao longo da minha vida profissional, uma profunda necessidade de alargar o âmbito dos meus interesses de investigação. Isso deu-me a possibilidade de ter uma visão mais abrangente da ciência e sobretudo dos grandes desafios do desenvolvimento socioeconómico e do ambiente, com os quais todos somos confrontados no mundo, neste século XXI. Depois deste longo percurso, tenho finalmente uma formulação mais clara das questões que me coloco em relação ao futuro. Não significa que sei as respostas, mas apenas que as questões estão melhor definidas. Tenho um grande fascínio pela evolução futura do Homo sapiens, seja ela Darwiniana ou autodirigida.

O seu currículo conta com uma vasta experiência no estrangeiro. Quer contar-nos em que contexto traçou caminhos além-fronteiras e de que forma estas experiências contribuíram para a sua formação profissional e/ou pessoal?

FDS - Passei longos períodos da minha vida profissional a trabalhar em universidades e centros de investigação estrangeiros, sobretudo na Grã-Bretanha, Estados Unidos da América, mas também na Alemanha e na Holanda. Esses estágios foram essenciais para a minha formação, para abrir e alargar a visão do mundo e para poder chegar até à vanguarda da investigação científica. A ciência é uma actividade eminentemente internacional que exige a competição com os melhores centros de pesquisa e investigadores do mundo para se conseguir fazer trabalho verdadeiramente original na área científica em que trabalhamos, seja ela qual for. Aprendi muito com os meus colegas estrangeiros e também fiquei com muitos amigos espalhados pelo mundo. Gostei muito de fazer investigação e dar aulas nos EUA, especialmente nas universidades de Wisconsin, em Madison, North Carolina, em Chapel Hill, Duke, em Durham, e mais recentemente, em 2006, em Stanford e Harvard. Na maior parte dos casos, as condições de trabalho são excelentes, há boas bibliotecas, há colegas interessados em estabelecer colaborações e beneficia-se do efeito de um relativo afastamento das problemáticas e da rotina “back home”.

Foi um dos pioneiros em Portugal no que concerne à área das alterações climáticas e coordenou o projeto SIAM. Como vê o futuro neste campo?

FDS - Coordenei o projeto Climate Change in Portugal. Scenarios, Impacts and Adaptation Measures (SIAM), que teve duas fases e conduziu à publicação de dois livros, um em 2002 e outro em 2006, ambos acessíveis na Internet em www.siam.fc.ul.pt. Penso que a mudança climática é um dos maiores desafios ambientais que temos pela frente e que nos vai acompanhar durante muitos séculos. O problema são as emissões antropogénicas de gases com efeito de estufa para a atmosfera, principalmente de dióxido de carbono, metano e óxido nitroso. Estas emissões intensificam o efeito de estufa que é natural na nossa atmosfera. A intensificação conduz a um aumento da temperatura média global da atmosfera à superfície, a uma maior frequência e intensidade de alguns fenómenos meteorológicos extremos, tais como ondas de calor, secas e eventos de precipitação elevada (que aumentam o risco de cheias) e ainda à subida do nível médio global do mar. Os impactos desta mudança climática agravam-se à medida que a temperatura aumenta e fazem-se sentir em muitos sectores socioeconómicos e sistemas biofísicos tais como, recursos hídricos, agricultura, florestas, biodiversidade, zonas costeiras, saúde humana, zonas urbanas, turismo, seguros, etc.. A dificuldade em combater as alterações climáticas provém principalmente da nossa dependência (cerca de 80%, à escala mundial) dos combustíveis fósseis – carvão, petróleo e gás natural – cuja combustão emite dióxido de carbono para a atmosfera, e também das alterações no uso do solo, especialmente a desflorestação. Teremos pois connosco, durante muitos séculos, o problema das alterações climáticas. As duas principais respostas são a mitigação, ou seja, a redução das emissões de gases com efeito de estufa para a atmosfera, e a adaptação, ou seja, a minimização dos efeitos adversos da mudança climática e o aproveitamento das oportunidades novas que ela possa trazer. Um dos desafios que me atrai é o facto de as políticas de mitigação e adaptação serem science based, dado ser necessário considerar horizontes temporais muito dilatados, e exigirem uma cooperação entre as ciências sociais e humanas e as ciências físicas e naturais. Estou convencido que haverá muitas oportunidades de investigação no domínio das alterações climáticas, seja na área da mitigação como na da adaptação.

O percurso profissional é feito de episódios marcantes e inesquecíveis. Há algum, passado em Ciências, que tenha guardado especialmente na memória e que queira partilhar connosco?

FDS - Houve muitos interessantes e inesperados. Os mais marcantes foram o encontro, o conhecimento e o convívio com alunos excepcionais. Tive o privilégio de ter tido alunos de doutoramento muito criativos e com uma capacidade de trabalho notável. Um deles foi o professor António Amorim, atualmente presidente do Departamento de Física de Ciências. Lembro-me de estarmos um dia empenhados em resolver uma questão de investigação na área da Física Nuclear para a qual eu não conseguia encontrar a solução. O António Amorim pegou no problema e passados poucos dias encontrou a saída para ele. É muito importante termos a noção de que alguns dos mais novos são melhores do que nós fomos e que enfrentam um mundo muito mais complexo.

Para uma sociedade positiva, justa e empreendedora, por Filipe Duarte Santos

Aluno
Estudarem com método e concentração. Terem a noção que se pode aprender a pensar e que essa aprendizagem é muito importante.

Professor
Concentrarmo-nos no essencial e diminuirmos, tanto quanto possível, a importância do aleatório e do circunstancial.

Cientista
Investigar pelo prazer e desafio de investigar, compreender e conhecer também os que, para além desse aspeto, investigam com um objetivo de aplicação societal bem caraterizado.

Empresário
Portugal, tendo presente o mundo a que pertencemos, precisa de muitos mais empresários empreendedores, ativos, voltados para a competição internacional e com sucesso. Estes empresários com sucesso são essenciais para tornar o país viável.

Político
Penso que é essencial reformar o sistema judicial português no sentido de combater de forma eficaz a corrupção e os crimes chamados de “colarinho branco”, por exemplo, aqueles que envolvem banqueiros de que tem havido muitos exemplos recentes. Na comparação da eficácia da nossa justiça com a de outros países da União Europeia no combate a tais crimes Portugal fica muito mal colocado.
Estou firmemente convencido que não é possível Portugal crescer economicamente no seio do clube de países avançados que constituem a UE com uma justiça disfuncional. Ou bem que reformamos a justiça ou, se não a reformamos, teremos enormes dificuldades em pagar a imensa dívida acumulada. Se persistirmos em não combater eficazmente a corrupção e mantivermos uma justiça disfuncional o investimento estrangeiro será muito reduzido, o país crescerá pouco e a qualidade de vida dos portugueses tenderá a degradar-se.

Reformar
Reformar é sempre necessário mas não se trata apenas de novas leis e novas regulamentações. É também preciso reformar as mentalidades e os comportamentos e isso não se garante com enxurradas de legislação.

A passagem de ensinamentos é uma constante na sua vida, enquanto professor. Do outro lado, o que lhe têm ensinado os alunos?

FDS – Sim, sem dúvida que tenho aprendido muito com os meus alunos. Para mim, uma das maiores alegrias de ser professor é contactar permanentemente com os jovens, com o seu dinamismo, com a sua irreverência e com as suas perguntas desconcertantes que nos obrigam a pensar melhor e a clarificar os conceitos. Outra alegria é vê-los ganhar conhecimentos e experiência e finalmente ver alguns lançarem-se na grande aventura da investigação. O mundo está obviamente em permanente transformação e cada geração tem o seu “tempo”. Cada nova geração tem sempre esperanças renovadas de criar algo de novo, de abrir novos caminhos e de se distanciar e diferenciar da geração antecedente. Há um renascer permanente. Saber assistir e aderir a este processo é talvez um dos principais segredos de nos mantermos jovens de espírito.

 E a arte, que lugar ocupa na vida do professor?

FDS - A arte para mim é essencial. Tive o privilégio de nascer numa família de artistas e desde muito cedo que me habituei a desenhar. Quando estou fora do país aproveito sempre que possível para visitar um museu, ver uma exposição ou ir a um concerto ou ao teatro. Desenho e pinto com alguma regularidade e quando estou frente ao papel ou à tela, o mundo habitual desaparece e sinto-me dominado por outras forças. É uma forma de nos libertarmos temporariamente da rotina e ganharmos novas forças. Atenção, porque fisicamente fica-se cansado mas é um cansaço reparador, tal como no desporto.

Se se pudesse rever numa citação, qual seria?

FDS - Menciono uma das citações que incluí no meu livro Humans on Earth. From Origins to Possible Futures publicado pela Springer em 2011: Optimism is our duty. We are all co-responsible for what is coming, de Karl Popper (Berlin, 17 de dezembro de 1993).

Quanto ao futuro, há já novos projetos traçados?

FDS – Sim. Estou a escrever um novo livro, essencialmente sobre a problemática global contemporânea, numa perspetiva evolutiva de longo prazo.

Raquel Salgueira Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura
ínfo.ciencias@fc.ul.pt
cabra-montês

Dezenas de cientistas, técnicos e vigilantes da natureza do ICNF - Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, bem como cidadãos uniram-se em prol do novo Livro Vermelho dos Mamíferos de Portugal continental. O objetivo é melhorar até 2021 o conhecimento destas espécies e dessa forma contribuir para o estabelecimento de medidas e ações de conservação.

Imagens de perfil de 19 cientistas

Entre março e julho deste ano, as redes sociais da Faculdade deram a conhecer 19 pessoas e histórias de investigação, no âmbito da iniciativa “O que faço aqui?”, disponível no site da Faculdade.

Pessoa com livros

"Neste momento tão dinâmico em que vivemos será importante pensar sobre aquilo que se pode ou não controlar e ir aprendendo a navegar perante a realidade que se apresenta a cada momento", escreve a psicólogia Andreia Santos.

Alunos e professoras no campus da Faculdade

O novo ano letivo começou esta semana e a Faculdade deu as boas-vindas aos alunos do Advanced Quantitative Methods on Health Care Innovation, cujas aulas online começaram esta terça-feira e se prolongam em Portugal até ao próximo dia 15 de outubro.

Estação de Extração de RNA

“Foi incrível perceber que numa adversidade, o ser humano tem a capacidade de se reinventar e criar novos projetos", diz Daniel Salvador, voluntário no CT Ciências ULisboa, entre maio e julho, licenciado e mestre pela Ciências ULisboa, atualmente estudante do 4.º ano do doutoramento em Saúde Ambiental da Faculdade de Medicina da ULisboa.

Criança em casa acompanhada pela presença de um adulto

Uma equipa de nove estudantes da ULisboa - LxUs -, supervisionados por Hugo Ferreira, professor do Departamento de Física e investigador do Instituto de Biofísica e Engenharia Biomédica da  Ciências ULisboa, ganhou o Translation Potential Runner-Up Award na 5.ª edição do SensUs Student Competition, 2.º lugar na categoria de potencial de translação, um prémio que valoriza a capacidade de criação de um modelo de negócio, viável e com qualidade.

Pormenor da visão artística da observação da "estrela bebé"

Pela primeira vez foi possível observar como é que uma “estrela bebé” adquire massa até chegar à sua massa final. Arcos de campo magnético ligam a “estrela bebé” ao disco circundante e a massa flui. Os resultados desta observação encontram-se publicados na revista Nature. O artigo resulta de uma colaboração no âmbito do GRAVITY, um instrumento desenvolvido por um consórcio internacional e do qual fazem parte cientistas do CENTRA, polo da Ciências ULisboa.

Marta Palma no CT Ciências ULisboa

“A maior aprendizagem é perceber que de facto existem pessoas maravilhosas, com uma enorme generosidade e grande sentido de voluntarismo e muito dinâmicas. E que trabalhando juntos, podemos de facto fazer a diferença”, diz Marta Palma, funcionária do Departamento de Biologia Animal e voluntária no Centro de Testes Ciências ULisboa.

Homem em banco de jardim, observando o rio

Andreia Santos, psicóloga do GApsi Ciências ULisboa, deixa um alerta: "o nível de cansaço sentido pelas pessoas a assistir a conferências, palestras através de um ecrã é superior ao de assistir ao mesmo de forma presencial".

Vanessa Mendonça

“Este prémio simboliza não só o reconhecimento do meu trabalho, mas também de toda a equipa que nele participou”, conta Vanessa Mendonça, segunda classificada pelo Prémio de Doutoramento em Ecologia - Fundação Amadeu Dias 2020. Vanessa Mendonça concluiu o mestrado e o doutoramento na Faculdade e atualmente é investigadora do MARE.

A SPECO anunciou recentemente os vencedores do Prémio de Doutoramento em Ecologia - Fundação Amadeu Dias 2020. José Ricardo Paula é o grande vencedor desta edição e irá apresentar o seu trabalho no 19.º Encontro Nacional de Ecologia, este ano associado às cerimónias dos 25 anos da SPECO, e que se realiza em dezembro, em Ponte de Lima.

Centro de Testes

Rita Loewenstein Simões, de 23 anos, é voluntária no Centro de Testes Ciências ULisboa, na estação Mix e Real-Time PCR, desde maio passado. Para esta jovem bióloga, formada na Faculdade, este trabalho tem um significado muito simples: ajudar. E foi exatamente isso que a motivou - saber que todas as horas que disponibilizasse fariam a diferença.

Informação eletrónica de rua: Keep your distance

Ganna Rozhnova trabalha em modelação epidemiológica na UMC Utrecht, na Holanda. A antiga aluna de doutoramento em Física Estatística da Faculdade, continua a colaborar com o BioISI e é a investigadora principal de um projeto da FCiências.ID, financiado no âmbito do Apoio especial a projetos Research 4 COVID-19.

Spinophorosaurus nigerensis

Uma inovação anatómica pode ser a chave na compreensão da evolução dos dinossáurios saurópodes. Os autores deste trabalho - Daniel Vidal, Pedro Mocho, Ainara Aberasturi, José Luis Sanz e Francisco Ortega - acreditam que parte do êxito evolutivo deste grupo de animais está relacionado com alterações na cintura pélvica e que esse fator contribuiu para os converter nos animais de maior porte da Terra.

Centro de Testes

“Em cada turno processamos uma quantidade significativa de amostras e é sempre importante conseguirmos fazê-lo eficientemente, para que os resultados sejam conseguidos num curto espaço de tempo”, diz Catarina Lagoas, voluntária no Centro de Testes Ciências ULisboa.

Teclado para invisuais

“A tecnologia deve poder ser usada por todas as pessoas!”, diz Carlos Duarte, professor do Departamento de Informática, investigador do LASIGE Ciências ULisboa, e recentemente membro do World Wide Web Consortium (W3C) e da Ação COST LEAD-ME -Leading Platform for European Citizens, Industries, Academia and Policymakers in Media Accessibility.

 olho de choco

Um grupo de investigadores da Ciências ULisboa a trabalhar no Laboratório Marítimo da Guia do MARE conseguiu mostrar que chocos acabados de eclodir (até cinco dias) são capazes de ter uma aprendizagem social. O estudo publicado na  Animal Cognition tem como primeiro autor Eduardo Sampaio, estudante de doutoramento em Biologia (ramo Etologia).

ETAR de Gaia Litoral

A análise de mais de 200 amostras de águas residuais das cinco ETAR monitorizadas no âmbito do projeto COVIDETECT comprova a presença de material genético nos afluentes que chegam às ETAR e evidencia a ausência de deteção do material genético do vírus SARS-CoV-2 nos efluentes tratados.

National Cancer Institute

Investigadores do LASIGE Ciências ULisboa, INESC TEC e Universidade do Minho apresentam uma nova técnica de deduplicação de dados baseado em semelhanças e padrões encontrados nos ficheiros de sequenciação de genomas humanos e uma codificação das alterações para a recuperação desses dados.

logotipo

Sétima rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a Keep on Care.

Computador

“O período de confinamento pode ser encarado como um primeiro grande teste à integração de renováveis no sistema elétrico, prelúdio do que se prepara com a transição energética global em curso”, escreve o cientista Miguel Centeno Brito.

Conceção artística do telescópio espacial Athena (Advanced Telescope for High-Energy Astrophysics)

“Ciências ULisboa tem vindo a aumentar a sua capacidade e a sua intervenção no desenvolvimento científico e tecnológico de alguns dos projetos mais importantes para o avanço da Astrofísica, não só nos próximos anos, mas nas próximas décadas”, diz o cientista José Afonso.

post it

Cristina Luís, investigadora do Departamento de História e Filosofia das Ciências e do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia (CIUHCT), é a responsável em Portugal pelo projeto “Citizen Science as the new paradigm for Science Communication (NEWSERA)”, coordenado por Rosa Arias, fundadora da Science for Change e que visa estudar como a ciência cidadã pode mudar o paradigma da comunicação da ciência.

janela

Entrevista com o cientista Carlos Cordeiro, que lidera o SAFE Coating, um projeto que tem a Biomimetx e o Hospital Curry Cabral como parceiros e que em seis meses procurará implementar uma tecnologia capaz de inativar o SARS-CoV-2 em superfícies, impedindo a sua viabilidade fora do hospedeiro humano e consequentemente, eliminando uma importante via de transmissão viral.

Lusovenator, a nova espécie pertence ao grupo dos carcharodontossáurios - dinossáurios carnívoros, alguns dos maiores predadores do planeta Terra. A sua descoberta mostra que estes dinossáurios estavam presentes no hemisfério norte 20 milhões de anos antes do que indicava o registo conhecido. O estudo foi liderado por Elisabete Malafaia, investigadora do IDL, polo da Ciências ULisboa.

Páginas