No Campus com Helder Coelho

Imaginação e criatividade

Helder Coelho

Hoje em dia quando se fala de imaginação (criatividade, inovação) queremos dizer, na maior parte dos casos, antecipação e surpresa. Um empresário, um investigador, um professor querem captar a atenção do outro, inventando e brincando com o possível ou o provável. Por isso, falamos frequentemente de criar imagens, ideias, ou mesmo histórias (veja-se o tópico criatividade computacional, e o grupo de Amílcar Cardoso da Universidade de Coimbra).

A imaginação é uma operação da mente relacionada com pensamento, onde se tratam de ações e eventos ainda inexistentes, onde se é capaz de formular imagens mentais, construir cenários hipotéticos e de manifestar a nossa memória de modos muito diferentes. Fala-se também de faculdade da mente pela qual se concebe o que não existe, ou do poder que uma mente tem de formar conceitos, muito além dos que já existem. Repare-se na forma inventiva como a pintora Paula Rego mostra os seus sentimentos, contando histórias pessoais, usando cores e formas. Ou, o cantor John Lennon, no poema e cantiga Imagine (imagine todas as pessoas partilhando todo o mundo) entra no social, capturando uma fração de humanidade.

Empresas como a Google e a Apple vivem à custa de criativos que nos surpreendem, com ideias e depois produtos, e que diminuem a nossa sensação de incerteza sobre o mundo em que vivemos, muito caraterizado hoje pelo incompleto, improvável e incerto. As pessoas com imaginação concebem mapas mentais que dão sentido às ambiguidades, sobretudo em situações em que as informações escasseiam.

Existem oito tipos de imaginação, como a efetiva, guiada por experiências passadas, a construtiva muito apoiada em informações que conhecemos, a fantasiosa, que se enrola com as ficções, a empatia, influenciada pelos sentimentos dos outros, a estratégica capaz de explorar as oportunidades em momentos de crise, a emocional, que se apoia nas disposições e humores, a fabricada nos sonhos, que nos permite fazer filmes pessoais, e a apoiada nas buscas que fazemos pela memória, recuperando sempre algo surpreendente.

Por criatividade entende-se o ato de transformar ideias novas e imaginativas em realidade, ou seja a capacidade de entender o mundo através de modos diferentes, de forma a descobrir padrões escondidos, de fazer ligações entre fenómenos não relacionados, e de gerar novas soluções. Por detrás dois processos: pensar, e depois produzir.

A capacidade de inovar é um dos aspetos típicos dos sistemas complexos, enquanto a invenção é a criação de algo diferente e novo. Ambas são essenciais para os processos evolucionários na tecnologia, biologia e sistemas sociais. Quais são os factores, os processos que surgem quando criamos inovações? Que tipo de descrição formal (teoria da novidade) pode ser desenvolvida enquanto inventamos através dos domínios científicos? O que está por detrás da novidade? Como pode ser ela quantificada e comparada?

Em primeiro lugar, mantendo permanentemente uma perspetiva inter e multidisciplinar, combinando os pensamentos de diversos cientistas, pensando fora da caixa, sem receio de errar, ousando e enfrentando novos desafios, ensaiando novas vias de aproximação na resolução de problemas. O terreno dos comportamentos complexos, nos sistemas matemáticos, físicos, biológicos e sociais, é particularmente atraente porque se associa a dificuldades/problemas nacionais, se mistura com a dinâmica não linear, a formação de padrões, o escalonamento, a computação, a adaptação e evolução, ou as redes.

Peguemos na pirâmide (hierarquia das necessidades) de Brennan, e vejamos como a hierarquia se constitui, de baixo para cima, indo dos reflexos (reações), para a resolução de problemas, a criatividade e a imaginação.

Uma pergunta recorrente é: O que é a invenção e quando é que a novidade persiste? No Santa Fe Institute (SFI) procuram-se intuições qualitativas e modelos quantitativos de previsão. O grupo dos professores Manfred Laubichler e José Lobo pretende avançar na compreensão do aparecimento e persistência do que é novo, de molde a formalizar uma teoria geral da invenção. Até hoje, a investigação mostrou que, através dos domínios, as novas ideias são raras. A maior parte das invenções são recombinações de antigas procuras. Por exemplo, o telefone inteligente (smart phone) é uma fusão de várias tecnologias nucleares, um telefone, uma câmara de filmagem e um processador de dados. Uma teoria da invenção pode permitir isolar as condições que permitiram espalhar as novidades genuínas, e apontar para os factores que determinaram quais foram as invenções que sobreviveram, e as que foram deixadas para trás. Daí, o interesse que aquele grupo do SFI tem mantido para ajudar a nossa compreensão da invenção.

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

"Não tenham medo de concorrer a uma tese inserida num contexto empresarial. É uma experiência enriquecedora, irão ter contacto com tecnologias novas muito específicas a este meio e é ainda uma excelente oportunidade de enriquecerem o vosso currículo”, comenta Rafael Soledade, antigo aluno do DI-FCUL.

Liceu Camões

Helder Coelho, Luís Correia, João Pedro Neto e Hugo Miranda apresentam palestras num dos liceus mais antigos da capital, criado em 1902.

Pormenor de uma obra de arte

O primeiro número será divulgado na próxima segunda-feira, dia 3 de fevereiro. Inclui notícias, eventos, concursos, destaques e vídeos publicados no Portal da FCUL.

Kamil Feridun Turkman

O Conselho de Escola recomendou a todos os seus membros a organização de sessões de esclarecimento e auscultação pública dos seus pares, dentro dos departamentos, associações de estudantes e não docentes. Esse processo irá decorrer desde a publicação do edital até ao fim da audição pública prévia à eleição do diretor.

Lisete Sousa

Um pouco por todo o mundo há cada vez mais estatísticos a trabalharem exclusivamente em Bioinformática. Um dos pioneiros foi Terry Speed, que viu o seu vasto trabalho na área da Bioinformática reconhecido este ano com a atribuição do prémio australiano “Prime Minister's Prizes for Science”.

“Todas as oportunidades devem estar acessíveis a todas as crianças. Enquanto investigadores, apenas podemos mostrar-lhes o fascínio da ciência e provar-lhes que esta não é uma atividade 'para outros', que eles próprios podem sonhar com uma carreira na investigação ou noutras carreiras indispensáveis ao desenvolvimento do país”, declararam os cientistas da FCUL.

Na FCUL, só nas áreas da Biologia, Física e Química, existem mais de duzentos espaços laboratoriais, realizando-se, em cada um, dezenas de atividades diferentes e a cada novo projeto estão associadas outras tarefas diferentes das anteriores.

The doctoral programs in Mathematics of the Faculdade de Ciências (FCUL) and of Instituto Superior Técnico (IST) of the University of Lisbon are now partners under the LisMath Program, funded by the Portuguese Foundation for Science and Technology. The competition for scholarships under the LisMath will be officially announced on 18/1 and will be open 3/2 to 31/3.

Para melhor preparar a sua participação nas calls do Horizon 2020, deverá acompanhar e participar nos Info & Brokerage Events.

Os Work Programmes são a via para pré-selecionar calls do seu interesse.

Agora é Web of Science

“Tomar consciência da existência [de] necessidades e poder contribuir para satisfazer algumas delas é um privilégio que temos quando participamos neste tipo de projetos”, declarou o professor do Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia, Jorge Maia Alves.

Campus da FCUL

Os programas doutorais em Matemática da Faculdade de Ciências e do Instituto Superior Técnico da nova Universidade de Lisboa são parceiros no âmbito do Programa LisMath, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

Joana Almaça, Marisa Sousa, Inna Ulyiakina e Diana Faria não têm dúvidas em afirmar que foram “contaminadas pelo ‘bichinho da ciência’”, por isso, os planos futuros passam por “contribuir para o conhecimento dos mecanismos responsáveis por algumas patologias dos humanos”.

De 4 de janeiro a 1 de fevereiro de 2014,  a Biblioteca do C4 também está aberta aos sábados, das 9h00

A FCUL abriu as portas do Departamento de Física aos alunos da Escola Secundária Vergílio Ferreira, de Lisboa. Durante uma manhã, 26 alunos do 12.º ano exploraram os mistérios da Física.

O percurso académico e profissional da cientista é marcado pela experiência profissional além-fronteiras.

Prémio ANACOM URSI Portugal 2013

O estudo “Técnica multimodal inovadora baseada em PEM-UWB para deteção de cancro da mama e respetiva classificação” é da autoria da cientista Raquel Conceição.

O trabalho da jovem cientista também passa pela criação de uma rede de investigadores europeia, que colabore no desenvolvimento de aplicações médicas na frequência de micro-ondas e agilize processos de ensaios clínicos e de comercialização de novos equipamentos médicos.

“Os ocupantes cumpriram as instruções, saíram do edifício de forma muito ordeira e a evacuação foi feita com rapidez”, declarou Júlia Alves, assessora para a Segurança do Trabalho na FCUL.

Marília Antunes

“[Tê-la na nossa equipa] é absolutamente enriquecedor e imprescindível para a boa continuação do nosso trabalho”, comenta Sandra Garcês, coordenadora do projeto "An Evidence-Based Approach to Optimize Therapeutic Decisions Involving Biological Drugs”, distinguido com o Prémio Pfizer de Investigação Clínica 2013, que contou com a participação da cientista da FCUL.

The European Commission has presented on December 11th  the first calls for projects under Horizon 2020, the European Union's €80 billion research and innovation programme.

Consulte as apresentações disponíveis.

 

Para além de Paulo Urbano o estudo contará com a participação de um bolseiro e a consultoria do investigador Joel Lehman, da University of Texas at Austin. O financiamento total excede os 22.000 euros.

Páginas