Nevaro: da adversidade nasce a ideia

Holi, o “personal trainer” da saúde mental, projeto mais recente da empresa

Francisca Canais e Rita Maçorano

Francisca Canais e Rita Maçorano são cofundadoras da Nevaro

ACI Ciências ULisboa

Holi é o nome da mais recente aplicação criada pela Nevaro, uma empresa com berço no Centro de Inovação da Ciências ULisboa, o Tec Labs. A aplicação funciona como um “pequeno cérebro”, que monitoriza a saúde mental do utilizador, ajudando na sua autogestão.

A startup da Ciências ULisboa foi fundada em 2020 por Francisca Canais e Rita Maçorano, ambas ex-alunas do mestrado integrado em Engenharia Biomédica e Biofísica da Ciências ULisboa, e por Hugo Ferreira, professor do Departamento de Física, coordenador do mesmo mestrado e investigador do Instituto de Biofísica e Engenharia Biomédica (IBEB). A empresa conta ainda com a colaboração de dois alunos do Instituto Superior Técnico (IST), André Manso e Miguel Lopes e tem como lead advisor David Siqueira Magboulé.

Para conhecer melhor a história da Nevaro é preciso recuar a 2018, ano em que Francisca Canais e Rita Maçorano iniciaram a frequência do mestrado. A semente desta ideia nasceu de um trabalho para a disciplina Neurociências, cujo objetivo era utilizar tecnologias emergentes para resolver um problema na área da saúde. Tiveram então a ideia de criar um jogo de realidade virtual para o tratamento de fobias, utilizando tecnologias de neurofeedback que permitem monitorizar a resposta fisiológica do utilizador (atividade cerebral e batimento cardíaco).

holi
A Holi deteta os sinais fisiológicos através dos sensores de um smartphone
Fonte Nevaro

 

A ideia ganhou sucesso junto dos professores, tendo sido tema para as teses de mestrado de ambas. Em conjunto com o professor Hugo Ferreira, Beatriz Carmo e Ana Paula Cláudio, professoras do Departamento de Informática, coorientadoras das suas teses de mestrado, as jovens receberam o apoio necessário para a implementação técnica desta ideia. À medida que o tempo foi passando, aperceberam-se da aplicabilidade e inovação que a ideia poderia trazer ao mercado, e o projeto ganhou asas. Em 2018 receberam o apoio do Tec Labs para iniciar o desenvolvimento do projeto. Nesse ano de incubação, trabalharam afincadamente no desenvolvimento do jogo, cujo objetivo foi associar a inovação tecnológica às áreas da Psicologia e Psiquiatria, constituindo uma ferramenta completar aos métodos terapêuticos convencionais. Em contexto terapêutico, o jogo permite controlar a experiência do paciente, recriando em consultório a sensação de estar num avião, ver uma aranha, ou estar no topo de um prédio alto.

As mentoras da Nevaro classificam esses dois anos do curso, e particularmente o ano de defesa das teses de mestrado, como uma “montanha russa caótica, mas desafiante”. De Beja a Braga, passando por Lisboa, ambas estavam simultaneamente a estudar, escrever as teses, desenvolver o projeto e a participar num programa de aceleração de startups.

Da ideia embrionária nasce então a Nevaro, justamente no ano em que o primeiro caso de doença por COVID-19 chega a Portugal. Tendo em conta o momento que se atravessava, meteram mãos à obra e juntaram-se a uma equipa de estudantes de Engenharia Biomédica e Biofísica para desenvolver uma plataforma de symptom checker, cujo objetivo era monitorizar os sintomas de COVID-19. A plataforma, intitulada Nevaro4COVID, foi distribuída essencialmente em lares de terceira idade, local onde os surtos se tornaram muito preocupantes dada a dificuldade de contenção. O projeto mostrou-se bastante relevante pois permitia guardar digitalmente todos os dados dos utentes e perceber a evolução temporal do seu estado de saúde. A plataforma continua atualmente disponível online, tanto para uso institucional como para uso particular.

Por força da pandemia, viram-se obrigadas a suspender os testes-piloto da plataforma de fobias, que, entretanto, decorriam no Hospital da Luz, facto que as obrigou a interromper o projeto por tempo indeterminado.

O início foi atribulado, mas não o suficiente para as abalar. Sem saber que futuro a Nevaro poderia vir a ter, Rita Maçorano e Francisca Canais contam que tiveram que repensar a estratégia e a missão da Nevaro e decidiram apostar na área da prevenção da saúde mental. Um dos objetivos definidos foi desmistificar o conceito, reduzir o estigma e aumentar o conhecimento sobre o tema, tornando a saúde mental mais tangível e objetiva, fornecendo informação de forma divertida, positiva e sem tabus.

Assim nasce o Holi, “o pequenino cérebro”, como Rita Maçorano carinhosamente o trata, que toma a forma de aplicação para smartphone.

A Holi e a Nevaro já dão que falar nos meios de comunicação social, como é o caso da Rádio Renascença, Público, PC Guia, PME Magazine, Observador, media no qual as responsáveis pelo projeto publicaram um artigo de opinião intitulado “Trabalho: catalisador ou aniquilador da nossa saúde mental?”

O Holi é um “personal trainer” da saúde mental. Através de técnicas de biofeedback (derivação do neurofeedback aplicado a todos os sinais fisiológicos para além das ondas cerebrais), como a respiração e o batimento cardíaco, detetadas pelos sensores de um smartphone - microfone, câmara, leitor de impressão digital – a aplicação está programada para entender as necessidades do utilizador. Desta forma, a Holi traça uma estratégia personalizada para autogestão da saúde mental do utilizador, através da “prescrição” de exercícios de respiração, aceleramento do metabolismo, empoderamento, autoconfiança, etc..

A mais valia e inovação deste projeto é a desmaterialização e democratização do acesso. Sem necessidade de adquirir hardware específico, a Holi permite que qualquer pessoa possa ter acesso aos seus dados fisiológicos e ainda ter uma ajuda complementar na gestão da sua saúde mental.

Neste momento, a aplicação está apenas disponível para trabalhadores de empresas e instituições de saúde. Num futuro próximo, as mentoras deste projeto querem expandir a aplicação para uso individual.

A prova de fogo da Holi começa agora, com a utilização da aplicação por parte de 35 000 trabalhadores da Sonae MC, uma empresa que demonstrou muito interesse no projeto, e cuja experiência será uma grande oportunidade para analisar a adesão, o interesse, a eficácia e a usabilidade da app.

Ainda que com poucos anos de vida, a Nevaro conta já com uma rede de parceiros consideravelmente ampla, incluindo empresas, hospitais, clínicas de psicologia e psiquiatria, entre outros. Para complementar o trabalho, promovem estágios e projetos curriculares com alunos de Engenharia Biomédica e Biofísica e Engenharia Informática, colaborando com alunos no desenvolvimento de diversos projetos na Ciências ULisboa, IST e Universidade de Aveiro.

“Tem sido uma jornada desafiante porque a credibilidade de duas raparigas de 23/24 anos não é a mesma da de um homem… mas vai-se notando uma certa evolução da mentalidade das pessoas quanto à liderança feminina.” Rita Maçorano, cofundadora e CEO da Nevaro

Rita Maçorano e Francisca Canais têm “bicho carpinteiro” e já levaram o nome do projeto a diversos concursos e programas nacionais e internacionais, tendo sido distinguidas com prémios e reconhecimentos, entre os quais se destacam dois dos mais recentes: a nomeação para o prémio de “Best Startup in Portugal started by a Woman”, pela Portuguese Women in Tech e o 1.º lugar na última edição do concurso Santa Casa Challenge, que lhes valeu um prémio no valor de 15.000€, deu direito a um ano de incubação na Casa do Impacto e a presença no WebSummit 2021. Entre 2019 e 2021 tiveram a oportunidade de apresentar posteres científicos no European Congress of Psychiatry.

Com um futuro promissor pela frente no mercado das tecnologias da saúde, o objetivo da Nevaro é agora conseguir captar mais investimento e expandir o âmbito da aplicação, de modo a ser utilizada como complemento à terapêutica convencional.

 

Marcos importantes na história da Nevaro 

linha do tempo nevaro

Marta Tavares, Gabinete de Jornalismo Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Álvaro de Campos

TABACARIA

O Departamento de Informática da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (DI-FCUL) vai organizar a 3 de julho deste ano a primeira edição do 

“Eu sempre gostei de fazer desenho geométrico e sempre me interessei pelos azulejos e seus painéis e pela calçada portuguesa pela sua beleza, pela arte, e porque têm potencialidades científicas, estéticas e didáticas praticamente ilimitadas”, conta o investigador do Grupo de Física-Matemática, distinguido recentemente com o Prémio Abordagem Inovadora “SOS Azulejo 2012”.

As bibliotecas do C4 e C8 têm horários alargados durante a época de exames de 1 a 29 de Junho.

Mestrados DBA 2013-2014

Investigadores do projeto “Climate Change Iniciative – Ocean Colour”

A equipa do projeto “Climate Change Iniciative – Ocean Colour” esteve reunida na FCUL, nos dias 21 e 22 de maio. Os investigadores avaliaram as ações em curso e discutiram alguns assuntos com a comunidade de end-users.

Jorge Manuel Ribeiro Rezende galardoado com o prémio “Abordagem Inovadora”

Intervenção na cerimónia de entrega dos Prémios 'SOS Azulejo' 2012:

Sessões dias 24 e 25 de junho 2013

"Gás de Xisto"?! Sim? Não? Porquê? Como? Onde?

Cerimónia de escritura do Instituto do Petróleo e do Gás

A transferência de conhecimento e tecnologia para a sociedade faz-se mediante o reforço das relações entre as comunidades científica e empresarial. Para J. M. Pinto Paixão, diretor da FCUL, esta é a oportunidade ideal para constituir parcerias suportadas no conhecimento e no exercício de uma cidadania plena.

Acções de Formação em Geologia na FCUL / 2013

Departamento de Geologia da FCUL

Informações sobre o procedimentos de escolha de ramo na Licenciatura em Geologia, 2013-14, do Departamento de Geologia da FCUL.

Alunos de Estatística Aplicada da FCUL

Atualmente, o uso e a aplicação da estatística têm a sua razão de ser não apenas na legitimação da indução, mas também na possibilidade de incorporar a incerteza nas suas conclusões: outro testemunho da sua proximidade ao real.

 

O Departamento de Informática (DI), da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL), convida as empresas e instituições para o estabelecimento de Parcerias e a submeter propostas de trabalhos na área de Engenharia Informática e da Seguranç

Sessão de esclarecimento dia 31 de maio 2013, 11h, anfiteatro 2.4.16

Colocação por unidade curricular- informação atualizada

 

Conhece as reais causas das expulsões de 1947? Como eram as relações da Faculdade de Ciências com o Instituto Superior Técnico? Uma das últimas edições da FCUL procura responder a estas e a outras questões.

Alexandre Ribeiro, criador do jogo Fangz destacado recentemente na App Store dos EUA, voltou àquela que foi a sua instituição de ensino superior, a FCUL, para partilhar experiências, curiosidades e dificuldades vivenciadas ao longo da conceção do jogo, aproveitando para responder às dúvidas dos interessados.

Conferência por Isabel Sacramento Grilo, Department of Geological Sciences SDSU, San Diego, California. EUA.

No âmbito do Ano Internacional de Estatística, a Sociedade Portuguesa de Estatística (SPE)  e o Centro de Estatística e Aplicações da Universidade de Lisboa (CEAUL)  promovem uma

Visitantes e colaboradores do Dia Aberto em Ciências comentam a iniciativa que em 2013 reuniu cerca de 1400 pessoas, entre alunos do básico e secundário e seus professores.

Inquéritos Pedagógicos. 2.º Semestre de 2012-13

Os Inquéritos Pedagógicos são uma ferramenta fundamental para a avaliação da qualidade do ensino na FCUL

Fangz, jogo criado por aluno da FCUL que conquistou a Apple

Alexandre Ribeiro, antigo aluno do Departamento de Informática da FCUL, é o primeiro português a conseguir destacar uma aplicação nacional na App Store dos EUA. Para além deste destaque, foi eleito jogo da semana no fórum da Touch Arcade, “o site de maior reputação no mundo dos jogos para plataformas móveis”.

Sessões de esclarecimento/apresentação

Páginas