Nevaro: da adversidade nasce a ideia

Holi, o “personal trainer” da saúde mental, projeto mais recente da empresa

Francisca Canais e Rita Maçorano

Francisca Canais e Rita Maçorano são cofundadoras da Nevaro

ACI Ciências ULisboa

Holi é o nome da mais recente aplicação criada pela Nevaro, uma empresa com berço no Centro de Inovação da Ciências ULisboa, o Tec Labs. A aplicação funciona como um “pequeno cérebro”, que monitoriza a saúde mental do utilizador, ajudando na sua autogestão.

A startup da Ciências ULisboa foi fundada em 2020 por Francisca Canais e Rita Maçorano, ambas ex-alunas do mestrado integrado em Engenharia Biomédica e Biofísica da Ciências ULisboa, e por Hugo Ferreira, professor do Departamento de Física, coordenador do mesmo mestrado e investigador do Instituto de Biofísica e Engenharia Biomédica (IBEB). A empresa conta ainda com a colaboração de dois alunos do Instituto Superior Técnico (IST), André Manso e Miguel Lopes e tem como lead advisor David Siqueira Magboulé.

Para conhecer melhor a história da Nevaro é preciso recuar a 2018, ano em que Francisca Canais e Rita Maçorano iniciaram a frequência do mestrado. A semente desta ideia nasceu de um trabalho para a disciplina Neurociências, cujo objetivo era utilizar tecnologias emergentes para resolver um problema na área da saúde. Tiveram então a ideia de criar um jogo de realidade virtual para o tratamento de fobias, utilizando tecnologias de neurofeedback que permitem monitorizar a resposta fisiológica do utilizador (atividade cerebral e batimento cardíaco).

holi
A Holi deteta os sinais fisiológicos através dos sensores de um smartphone
Fonte Nevaro

 

A ideia ganhou sucesso junto dos professores, tendo sido tema para as teses de mestrado de ambas. Em conjunto com o professor Hugo Ferreira, Beatriz Carmo e Ana Paula Cláudio, professoras do Departamento de Informática, coorientadoras das suas teses de mestrado, as jovens receberam o apoio necessário para a implementação técnica desta ideia. À medida que o tempo foi passando, aperceberam-se da aplicabilidade e inovação que a ideia poderia trazer ao mercado, e o projeto ganhou asas. Em 2018 receberam o apoio do Tec Labs para iniciar o desenvolvimento do projeto. Nesse ano de incubação, trabalharam afincadamente no desenvolvimento do jogo, cujo objetivo foi associar a inovação tecnológica às áreas da Psicologia e Psiquiatria, constituindo uma ferramenta completar aos métodos terapêuticos convencionais. Em contexto terapêutico, o jogo permite controlar a experiência do paciente, recriando em consultório a sensação de estar num avião, ver uma aranha, ou estar no topo de um prédio alto.

As mentoras da Nevaro classificam esses dois anos do curso, e particularmente o ano de defesa das teses de mestrado, como uma “montanha russa caótica, mas desafiante”. De Beja a Braga, passando por Lisboa, ambas estavam simultaneamente a estudar, escrever as teses, desenvolver o projeto e a participar num programa de aceleração de startups.

Da ideia embrionária nasce então a Nevaro, justamente no ano em que o primeiro caso de doença por COVID-19 chega a Portugal. Tendo em conta o momento que se atravessava, meteram mãos à obra e juntaram-se a uma equipa de estudantes de Engenharia Biomédica e Biofísica para desenvolver uma plataforma de symptom checker, cujo objetivo era monitorizar os sintomas de COVID-19. A plataforma, intitulada Nevaro4COVID, foi distribuída essencialmente em lares de terceira idade, local onde os surtos se tornaram muito preocupantes dada a dificuldade de contenção. O projeto mostrou-se bastante relevante pois permitia guardar digitalmente todos os dados dos utentes e perceber a evolução temporal do seu estado de saúde. A plataforma continua atualmente disponível online, tanto para uso institucional como para uso particular.

Por força da pandemia, viram-se obrigadas a suspender os testes-piloto da plataforma de fobias, que, entretanto, decorriam no Hospital da Luz, facto que as obrigou a interromper o projeto por tempo indeterminado.

O início foi atribulado, mas não o suficiente para as abalar. Sem saber que futuro a Nevaro poderia vir a ter, Rita Maçorano e Francisca Canais contam que tiveram que repensar a estratégia e a missão da Nevaro e decidiram apostar na área da prevenção da saúde mental. Um dos objetivos definidos foi desmistificar o conceito, reduzir o estigma e aumentar o conhecimento sobre o tema, tornando a saúde mental mais tangível e objetiva, fornecendo informação de forma divertida, positiva e sem tabus.

Assim nasce o Holi, “o pequenino cérebro”, como Rita Maçorano carinhosamente o trata, que toma a forma de aplicação para smartphone.

A Holi e a Nevaro já dão que falar nos meios de comunicação social, como é o caso da Rádio Renascença, Público, PC Guia, PME Magazine, Observador, media no qual as responsáveis pelo projeto publicaram um artigo de opinião intitulado “Trabalho: catalisador ou aniquilador da nossa saúde mental?”

O Holi é um “personal trainer” da saúde mental. Através de técnicas de biofeedback (derivação do neurofeedback aplicado a todos os sinais fisiológicos para além das ondas cerebrais), como a respiração e o batimento cardíaco, detetadas pelos sensores de um smartphone - microfone, câmara, leitor de impressão digital – a aplicação está programada para entender as necessidades do utilizador. Desta forma, a Holi traça uma estratégia personalizada para autogestão da saúde mental do utilizador, através da “prescrição” de exercícios de respiração, aceleramento do metabolismo, empoderamento, autoconfiança, etc..

A mais valia e inovação deste projeto é a desmaterialização e democratização do acesso. Sem necessidade de adquirir hardware específico, a Holi permite que qualquer pessoa possa ter acesso aos seus dados fisiológicos e ainda ter uma ajuda complementar na gestão da sua saúde mental.

Neste momento, a aplicação está apenas disponível para trabalhadores de empresas e instituições de saúde. Num futuro próximo, as mentoras deste projeto querem expandir a aplicação para uso individual.

A prova de fogo da Holi começa agora, com a utilização da aplicação por parte de 35 000 trabalhadores da Sonae MC, uma empresa que demonstrou muito interesse no projeto, e cuja experiência será uma grande oportunidade para analisar a adesão, o interesse, a eficácia e a usabilidade da app.

Ainda que com poucos anos de vida, a Nevaro conta já com uma rede de parceiros consideravelmente ampla, incluindo empresas, hospitais, clínicas de psicologia e psiquiatria, entre outros. Para complementar o trabalho, promovem estágios e projetos curriculares com alunos de Engenharia Biomédica e Biofísica e Engenharia Informática, colaborando com alunos no desenvolvimento de diversos projetos na Ciências ULisboa, IST e Universidade de Aveiro.

“Tem sido uma jornada desafiante porque a credibilidade de duas raparigas de 23/24 anos não é a mesma da de um homem… mas vai-se notando uma certa evolução da mentalidade das pessoas quanto à liderança feminina.” Rita Maçorano, cofundadora e CEO da Nevaro

Rita Maçorano e Francisca Canais têm “bicho carpinteiro” e já levaram o nome do projeto a diversos concursos e programas nacionais e internacionais, tendo sido distinguidas com prémios e reconhecimentos, entre os quais se destacam dois dos mais recentes: a nomeação para o prémio de “Best Startup in Portugal started by a Woman”, pela Portuguese Women in Tech e o 1.º lugar na última edição do concurso Santa Casa Challenge, que lhes valeu um prémio no valor de 15.000€, deu direito a um ano de incubação na Casa do Impacto e a presença no WebSummit 2021. Entre 2019 e 2021 tiveram a oportunidade de apresentar posteres científicos no European Congress of Psychiatry.

Com um futuro promissor pela frente no mercado das tecnologias da saúde, o objetivo da Nevaro é agora conseguir captar mais investimento e expandir o âmbito da aplicação, de modo a ser utilizada como complemento à terapêutica convencional.

 

Marcos importantes na história da Nevaro 

linha do tempo nevaro

Marta Tavares, Gabinete de Jornalismo Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

De 8 de Julho a 30 de Agosto as bibliotecas do C4 e C8 têm alteração nos horários de funcionamento

Doctorate in Applied and Engineering Physics

Programa Doutoral em Física Aplicada e Engenharia Física

Arthur Vieira, estudante do mestrado integrado em Engenharia Física e Emiliano Pinto, aluno de mestrado em Física Nuclear e Partículas, são os diretores da revista trimestral do Departamento de Física da FCUL e  que integra uma equipa editorial constituída por outros 16 discentes.

Challenge4you desafiou estudantes dos cinco aos vinte anos

“Aquilo que aqui aprendemos faz parte da cultura geral e todos nós devemos ter algumas ideias sobre o local onde estamos inseridos e sobre esta união de que todos fazemos parte e que tanto nos ajuda”. A declaração é da estudante e participante Adriana Pereira de 17 anos.

Para uma crítica das perspectivas recentes da União Europeia sobre o Ensino Superior

Recomendações para melhorar a qualidade do ensino e da aprendizagem.

Implicações no Quebramento do Gondwana e sua Correlação com as bacias da Margem Atlântico Sul e Atlântico Central

É crucial que estatísticos e investigadores em Ciências do Ambiente mantenham uma colaboração estreita, para que continuem a ser desenvolvidos métodos estatísticos e computacionais adequados que permitam dar resposta continuada aos desafios presentes e futuros.

Está disponível a edição de 2012 do JCR (Journal Citation Reports).

O trabalho de cinco investigadoras portuguesas foi distinguido no início de junho em Boston, nos EUA. O congresso mundial contou com mais de 800 cientistas de 50 países.

[Tec Labs]i – Potenciar a Inovação

“Os alunos da FCUL tiveram uma experiência única que não vão esquecer ao longo da sua vida académica e profissional”, denota Rui Ferreira, administrador do Tec Labs – Centro de Inovação da FCUL.

Visita de Estudo à nova Universidade de Lisboa

“[Viveu-se um ambiente] muito propício ao debate onde o intercâmbio de ideias e de boas práticas foram muito gratificantes e uma mais-valia para os participantes e oradores do evento”, declarou Luísa Cerdeira, pró-reitora da Universidade de Lisboa e presidente do FORGES.

Álvaro de Campos

TABACARIA

O Departamento de Informática da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (DI-FCUL) vai organizar a 3 de julho deste ano a primeira edição do 

“Eu sempre gostei de fazer desenho geométrico e sempre me interessei pelos azulejos e seus painéis e pela calçada portuguesa pela sua beleza, pela arte, e porque têm potencialidades científicas, estéticas e didáticas praticamente ilimitadas”, conta o investigador do Grupo de Física-Matemática, distinguido recentemente com o Prémio Abordagem Inovadora “SOS Azulejo 2012”.

As bibliotecas do C4 e C8 têm horários alargados durante a época de exames de 1 a 29 de Junho.

Mestrados DBA 2013-2014

Investigadores do projeto “Climate Change Iniciative – Ocean Colour”

A equipa do projeto “Climate Change Iniciative – Ocean Colour” esteve reunida na FCUL, nos dias 21 e 22 de maio. Os investigadores avaliaram as ações em curso e discutiram alguns assuntos com a comunidade de end-users.

Jorge Manuel Ribeiro Rezende galardoado com o prémio “Abordagem Inovadora”

Intervenção na cerimónia de entrega dos Prémios 'SOS Azulejo' 2012:

Sessões dias 24 e 25 de junho 2013

"Gás de Xisto"?! Sim? Não? Porquê? Como? Onde?

Cerimónia de escritura do Instituto do Petróleo e do Gás

A transferência de conhecimento e tecnologia para a sociedade faz-se mediante o reforço das relações entre as comunidades científica e empresarial. Para J. M. Pinto Paixão, diretor da FCUL, esta é a oportunidade ideal para constituir parcerias suportadas no conhecimento e no exercício de uma cidadania plena.

Acções de Formação em Geologia na FCUL / 2013

Departamento de Geologia da FCUL

Informações sobre o procedimentos de escolha de ramo na Licenciatura em Geologia, 2013-14, do Departamento de Geologia da FCUL.

Páginas