Opinião

FCULresta: a “floresta mãe” de uma rede de miniflorestas

Pessoa a trabalhar na FCULresta

A FCULresta foi inaugurada em março de 2021. Um dos seus objetivos é inspirar e apoiar a plantação de mais florestas urbanas biodiversas

FCULresta
David Avelar
David Avelar
Imagem cedida por DA

Em março de 2021 plantámos a FCULresta, depois de meses de preparação, sobretudo de envolvimento de entidades e empoderamento de pessoas. Passado um ano, já existem mais três miniflorestas plantadas na área metropolitana de Lisboa e muitas outras a germinar.

mapa
Já existem mais três miniflorestas plantadas na área metropolitana de Lisboa e muitas outras a germinar
Imagem cedida por DA

A FCULresta cumpre assim um outro objetivo, o de inspirar e apoiar a plantação de mais florestas urbanas biodiversas. Se a população mundial tende a mover-se para as zonas urbanas, é também para aqui que temos de trazer a restante biodiversidade e estas “ilhas biodiversas” desempenham “pedras de degraus” relevantes para a escalada até uma verdadeira estrutura ecológica verde das cidades.

António Alexandre
A minifloresta que se seguiu à FCULresta teve como um dos elementos polinizadores António Alexandre e foi plantada no parque da Bela Vista em Lisboa, promovida pela associação URBEM e apoiada pela Câmara Municipal de Lisboa, LifeLungs, Conexus, PLMJ, Afforest e 2adapt.
Imagem cedida por DA

Com a plantação da FCULresta, não plantámos apenas uma minifloresta, trabalhámos também na comunicação da mesma, na monitorização científica e aprendemos fazendo. Ou seja, germinámos a ideia, inoculámos outros espaços onde, em rede, partilhamos aprendizagens.

Reflexão acerca da plantação de duas miniflorestas em contexto escolar urbano

Por Diogo Mendes, guardião da HortaFCUL

"Bom dia família!

Diogo Mendes
Duas outras sementes foram transportadas pelo Diogo Mendes e germinadas no Instituto dos Pupilos do Exército, 2ª Secção, em Benfica, e na Escola Secundária Alfredo dos Reis Silveira, no Seixal, integradas no projeto 1Planet4All, promovidas pela ONGD VIDA.
Imagem cedida por DA

Queria celebrar convosco estas minhas duas semanas passadas. Fiquei na dúvida se o faria ou não, se seria uma questão de massajar o ego ou de partilha verdadeira. Partilho porque conheço pouca gente que vibre tanto quanto nós neste aspeto e por me fazer feliz fazê-lo. Espero que vos chegue aí também. :)

Foram os dias das plantações das duas miniflorestas que tenho facilitado. Ao todo, perto de 690 plantas, em 200 m2, 60 a 70 espécies. Uma com rega por aspersores e outra com gota a gota instalados. A escola dos Pupilos do Exército e a do Seixal, contextos socioeconómicos bem diferentes.

Muitas mãos nestes dias, perto de 100-120 alun@s dos 13 aos 19 anos, num trabalho de equipa com muita brincadeira à mistura, numa atmosfera saudável como resultado da relação que vamos alimentando desde novembro do ano passado (ao chegar à escola os braços lá ao fundo da rua levantam-se ‘Diogo!’ e sabe bem senti-lo). Começámos os trabalhos físicos no início de março. Retirada da relva, 16 toneladas de composto transportadas a braço e balde e carrinho de mão. A maior parte d@s alun@s nunca tinha plantado/cavado na vida, saem com calos nas mãos e a sentir bem o esforço físico de cada sessão. Saem realizad@s: ‘Quando chegar a casa vou logo contar ao meu avô!’; ‘Quando é que voltamos?’;‘Escolhe lá a aula de Matemática para virmos para aqui... Ou inglês!’, contam.

A nossa camada jovem tem muita força (d)e vontade. Infelizmente, vejo-nos no meio de formas de transmissão de conhecimento paradas no tempo e sei que são projetos como este que contrariam essa tendência. A riqueza social deste processo é bem bonita de acompanhar.

Os casalinhos; os grupos mais sociais/estilosos que não querem sujar os ténis brancos; a interajuda e cooperação que se vai desenvolvendo naturalmente. Apesar da defesa da personalidade/imagem/reputação típica da adolescência, sente-se que se abraçam uns aos outros, que a bondade lhes é intrínseca.

Os/as professores/as estão cansad@s, temos a sorte de ainda ter uma minoria motivada para este tipo de projetos. O processo está em desenvolvimento, ainda falta muita coisa! Hoje foi o dia em que parei para pensar um pouco nisso, celebrar.

Recorde o vídeo “Welcome to HortaFCUL” divulgado no YouTube.

O resultado é que estou ligado a cada planta plantada, que numa hora de rega dá para sentir a natureza em cada uma delas e, no silêncio de uma sexta-feira em que já não está quase ninguém na escola, sente-se a poesia disso tudo. Tudo o que estou a aplicar aprendi na HortaFCUL. E isso é algo que me tem estado muito presente e que partilho com as pessoas. Obrigado Horta. E obrigado a quem da Horta me tem acompanhado. :)"

 

 

David Avelar, António Alexandre, membros da Comissão Coordenadora da FCULresta, e Diogo Mendes, guardião da HortaFCUL
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
FCULresta, um ano depois

Information dissemination in unknown radio networks with large labels

Professor Shailesh Vaya,
Xerox Research Centre, India,

July 20 at 10h00 on room 6.3.38

Estudantes sentados, junto a uma mesa

O pedido de apoio à formação pós-graduada na área da Geologia do Petróleo deve ser apresentado até 15 dias úteis, após o último dia do prazo de inscrição no respetivo curso.

Já é possível solicitar a criação de Unidades Curriculares na plataforma Moodle para o ano letivo 2012/2013.

Os pedidos podem ser realizados no Portal da FCUL, após inicio de sessão.

O Centro de Informática terminou, no passado dia 12 de Julho, a migração de um equipamento central na rede da FCUL.

A excelência de sempre na construção do futuro. Escolhe um dos nossos cursos de Física, Astronomia e Astrofísica, Engenharia Física, ou Engenharia Biomédica e Biofísica. [ + ]

Alunos da FCUL no pátio do C6

O “6th SPJ-OCS” realiza-se pela primeira vez em Portugal. Os organizadores do evento acreditam que “este congresso contribui para dar uma imagem do potencial científico de Portugal” nesta área.

Chieko Asakawa and Hironobu Takagi

17 Julho 2012 - 10h30
Anfiteatro da Fundação da FCUL

Chieko Asakawa and Hironobu Takagi

17 Julho 2012 - 10h30
Anfiteatro da Fundação da FCUL

Pormenor de obra artística

Os promotores do FP7 acreditam que “centenas de instituições científicas de toda a União Europeia irão apresentar propostas” e esperam captar novos participantes, nomeadamente pequenas e médias empresas, incrementando dessa forma a competitividade europeia.

Carlos Miguel Farinha, bioquímico docente do DQB e investigador do BioFIG , foi premiado em junho com o Romain Pauwels Research Award, atribuído pela European Respiratory Society.

 

2ª fase de candidaturas:  15 a 22 de Julho.

O mestrado em Matemática para Professores é uma excelente oportunidade para consolidar,  recordar e aprender muitos temas relacionados com a matemática escolar.

No dia 12 de Julho foram feitas as apresentações de quatro trabalhos feitos no âmbito da disciplina de Projecto em Matemática para o Ensino do Mestrado em Matemática para Professores.

A Universidade de Lisboa e a Fundação Amadeu Dias estão a atribuir bolsas aos alunos de 1º Ciclo de qualquer área do saber, leccionado na Universidade de Lisboa e que já tenham concluído o 1.º ano curricular, ou alunos que frequentem&n

Em 18 anos, o Programa de Estímulo à Investigação premiou 34 jovens investigadores e 19 instituições da Universidade de Lisboa. Na última edição, dos oito premiados, três são jovens cientistas da FCUL. As candidaturas à próxima edição decorrem até 21 de setembro.

Cartaz do Seminário

No dia dia 16 de Julho, pelas 11H00, na sala 6.4.30, realizar-se-á um Seminário organizado pelo Centro de Investigação Operacional com o título 'Lagrangian-Based Branch-and-Bound for Two-Echelon Uncapacitated Facility Location with Single Assignment Cons

Os resultados das experiências ATLAS e CMS divulgados recentemente pelo CERN, também foram apresentados publicamente na FCUL, numa sessão organizada pela professora do Departamento de Física Amélia Maio, a responsável pela participação portuguesa na experiência ATLAS.

Apresentações dos Projectos de Física dia 19 de Julho, às 10h, na sala 8.2.17:

O que faz o profissional que passa os seus dias no laboratório? E quem se dedica a resolver equações ou a estudar animais e plantas? Cinquenta alunos da associação EPIS descobriram as respostas a estas e a outras questões.

Servidor da FCUL

O projeto de reestruturação do Centro de Dados da FCUL, iniciado em junho, deverá estar concluído no próximo mês de setembro.

Duas pessoas fazem uma experiência no laboratório

A Faculdade de Ciências abre as portas dos seus laboratórios a 50 jovens, vindos de diferentes pontos do País, para mais uma edição da “Rota das Vocações de Futuro” da EPIS.

Apesar de ser uma das áreas mais recentes da FCUL, atualmente é uma vertente da ciência portuguesa em franca expansão.

“Um trabalho que reflita sobre o passado de uma instituição, ou o passado da ciência em Lisboa ou em Portugal, é sempre algo de muito importante para repensarmos o nosso trajeto”. A afirmação feita pela historiadora das ciências, Ana Simões, a propósito de um dos muitos projetos em curso é reveladora da importância, que a preservação do património científico tem na sua vida.

Kostas Gavroglu e Ana Simões assinam o primeiro livro “Neither Physics nor Chemistry: A History of Quantum Chemistry” sobre a emergência da disciplina Química Quântica, o pretexto ideal para conversar com a autora portuguesa.

Páginas