Dictum et factum

Ana Subtil Simões

Ana Subtil Simões

ACI Ciências ULisboa

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências ULisboa? O Dictum et factum de novembro é com Ana Subtil Simões, técnica superior da Área de Comunicação e Imagem (ACI) de Ciências ULisboa.

Quando era criança já sabia que profissão gostaria de ter no futuro?

Ana Subtil Simões (ASS) – Em criança queria ser bailarina e ainda hoje gosto de dançar, tanto que este ano, juntamente com um grupo de amigas, preparámos um espetáculo em colaboração com a Sociedade Recreativa e Musical de Almoçageme em homenagem à nossa professora de dança Ângela Maia. Profissionalmente foi no início do ensino secundário que descobri que um dia gostaria de ser jornalista para contar boas histórias.

Qual foi o 1.º emprego?

ASS – O meu primeiro emprego foi em part-time na Loja Chança e Neves. Como só tinha aulas de manhã, em Lisboa, ocupava as tardes com o atendimento ao público e às vezes ajudava a Lena com a decoração da montra, gostava particularmente desse momento criativo. Nessa época também cheguei a escrever para o jornal “A Pena”, como correspondente da minha aldeia, mas aí não tinha ordenado.

 Como surgiu a hipótese de trabalhar em Ciências ULisboa?

ASS – Vi um anúncio no jornal e nem queria acreditar que a Faculdade estava à procura de jornalistas!!! Naquele momento estava a trabalhar na Loja de Informação da Câmara Municipal de Oeiras (CMO), coordenada por Luís Macedo e Sousa. Talvez um dia pudesse escrever para a CMO, mas aquele anúncio possibilitava voltar a redigir notícias e reportagens a curto prazo... Tinha interrompido a colaboração que mantinha como correspondente de Sintra para o jornal "A Capital" e estava um pouco triste por abdicar do meu sonho. O recrutamento para a Faculdade implicou a redação de algumas notícias e quando soube que tinha sido escolhida fiquei verdadeiramente feliz.

Há quantos anos trabalha na Faculdade?

ASS – Comecei a trabalhar em março de 2001 na Divisão de Organização e Gestão da Informação (DOGI), atualmente, ACI.

O que começou por fazer quando aqui chegou?

ASS - Juntamente com Ana Bela Rocha, na época chefe de divisão da DOGI, editava a info-Ciências – Folha informativa da Faculdade, uma publicação quinzenal, com uma tiragem de 850 exemplares e que mais tarde passou a mensal, com uma tiragem de 2000 exemplares. Entre outras tarefas, também editava a info-Semana, uma newsletter de eventos que passou para o formato digital em 2002.

E agora como é o seu dia-a-dia?

ASS – Muitas vezes o meu dia-a-dia é passado à secretária a responder a emails, a escrever ou a rever géneros jornalísticos, assim como a redigir e a rever comunicados de imprensa. Também edito a Newsletter de Ciências todas as semanas e a área de recortes de imprensa do nosso site, procurando articular sempre que necessário a comunicação entre jornalistas e os nossos professores, cientistas. Existem ainda outras tarefas, como a divulgação destes assuntos nas redes sociais, os Sons de Ciências, a preparação de alguns documentos relacionados com a missão da nossa unidade, etc..

O que é que mais gosta de fazer na unidade onde está inserida?

ASS – Gosto muito de me sentir útil. Neste trabalho conhecemos pessoas e projetos que fazem a diferença e quando assim é crescemos todos! Também gosto muito da nossa equipa: é um grupo muito empenhado e todos "vestem a camisola"!

Há alguma coisa que não aprecia na sua rotina profissional?

ASS – Sim, há. Quando não consigo gerir de forma eficaz e eficiente o tempo fico ansiosa e stressada.

Na sua opinião o melhor da Faculdade é…?

ASS – As pessoas, sempre as pessoas e são muitas… A Faculdade é centenária e por ela já passaram (e vão continuar a passar) muitas personalidades que ajudaram (e vão continuar a ajudar) a construir a história de Portugal, uma história muito rica e que também coloca o país no centro do mundo. Além disso, aqui fiz grandes amigos, uns ainda cá estão, outros já não.

E o melhor da Administração Pública, o que é?

ASS – Acho que o melhor se resume a duas palavras: serviço público.

Se tivesse que escolher um adjetivo para se descrever, qual seria a palavra escolhida?

ASS – Talvez escolha apaixonada…

Porquê?

ASS – Sou completamente apaixonada pelas pessoas da minha vida: os meus filhos e marido, a minha família e amigos. Também vibro de forma entusiástica quando me deparo com boas ideias e pessoas. Por isso acho que sou apaixonada pelos sonhos que comandam as nossas vidas.

ACI Ciências ULisboa

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas