Dictum et factum

Fernando Lopes

Fernando Lopes

ACI Ciências

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O décimo Dictum et factum é com Fernando Lopes, coordenador do Gabinete de Apoio à Investigação da Direção de I&D de Ciências.

Quando era criança já sabia que profissão gostaria de ter no futuro?

Fernando Lopes (FL) - Em criança devo ter pensado em várias coisas. Uma ideia mais consolidada e que me acompanhou durante vários anos foi a de ser biólogo, que durou até ao início do 12.º ano. Depois comecei a pensar que gostava muito de animais, e também de plantas, mas mais do que estudá-los, gostava de os criar, de os reproduzir, de produzir alguma coisa com eles, e fui para Agronomia, onde acabei por escolher o curso de Engenharia Florestal.

Como surgiu a hipótese de trabalhar em Ciências?

FL - Através do Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (CEAGP), que é um mecanismo de recrutamento de técnicos superiores para a administração pública, gerido pelo ex-Instituto Nacional de Administração (INA), no decorrer do qual os alunos têm de indicar seis entidades da sua preferência e essas entidades podem selecionar os candidatos que lhes interessem. Tem de haver um “casamento” por mútuo interesse. Felizmente, logo na primeira fase, eu indiquei a FCUL e a FCUL escolheu-me.

Qual foi o 1.º emprego?

FL - O primeiro emprego, como licenciado, ou melhor quase licenciado, uma vez que comecei a trabalhar no inico do 5.º ano da licenciatura, foi como bolseiro de investigação no Instituto Superior de Agronomia, para trabalhar em projetos de investigação sobre o sobreiro e a cortiça.

O primeiro trabalho remunerado aconteceu bastante mais cedo. Quando tinha 15 anos fui trabalhar durante as férias grandes para a Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço. Lembro-me bem do primeiro dia, fui com uma equipa de cantoneiros reparar uma estrada onde ainda hoje passo com regularidade. Como estávamos nas férias de Verão fui de t-shirt, sem outro agasalho, e choveu o dia todo. Uma estreia auspiciosa.

Há quantos anos trabalha em Ciências?

FL - Há quatro anos. Comecei no dia 1 de julho de 2012.

O que começou por fazer quando aqui chegou?

FL - Fui integrado na Unidade de I&D e Inovação, que era a vaga a que tinha concorrido no âmbito do CEAGP. Comecei por trabalhar sob a orientação do professor José Rebordão, na gestão do sistema de informação LOGOS e módulos anexos, no cálculo dos indicadores de Ciências na área da I&D e na promoção de programas de financiamento de projetos de I&D junto dos nossos investigadores, fazendo sempre a necessária ligação com a Fundação da FCUL. Tive ainda oportunidade de representar Ciências no Grupo de Apoio Técnico da Universidade de Lisboa (GATUL).

E agora como é o seu dia-a-dia?

FL - Continuo no mesmo serviço, que agora se chama Direção de I&D, com as mesmas funções, acrescidas da gestão da área de propriedade industrial de Ciências, que transitou dos serviços da Reitoria para Ciências em 2014, e mais recentemente de funções de coordenação do gabinete de apoio à investigação, que além do que já referi, tem a responsabilidade de apoiar os nossos investigadores no relacionamento com os organismos da administração pública promotores de programas de financiamento, com outras entidades financiadoras, com parceiros, com empresas com quem colaborem e na descodificação das politicas públicas e de financiamento à I&D e inovação.

O que é que mais gosta de fazer na unidade onde está inserido?

FL - Gosto de tudo. Gosto mais de umas coisas e menos de outras, mas não desgosto de nada. Talvez destaca-se o contacto com os investigadores, que em muitas situações é bastante enriquecedor e aprendo sempre alguma coisa.

Há alguma coisa que não aprecia na sua rotina profissional?

FL - Não especialmente.

Na sua opinião o melhor da Faculdade é…?

FL - Os recursos humanos de que dispõe, e, de uma forma geral, o bom ambiente de trabalho e o espirito de colaboração entre as pessoas.

E o melhor da Administração Pública, o que é?

FL - O serviço público. O poder contribuir, através do nosso trabalho e à escala da nossa função, para um bem coletivo, que nos envolve a todos, e que por isso é maior. Já trabalhei em empresas e em organismos públicos, e em ambas as situações encontrei aspetos aliciantes e motivadores, mas o espirito é realmente diferente.

Se tivesse que escolher um adjetivo para o descrever, qual seria a palavra escolhida?

FL - Apreendedor.

Porquê?

FL - Porque tenho passado a minha vida profissional toda a aprender coisas novas, e o mesmo aconteceu quando vim para Ciências, e continua a acontecer, e ainda bem.

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Margarida Fortes, docente do Departamento de Biologia Vegetal de CIÊNCIAS dá uma aula em frente a um quadro com uma projeção imagética

Margarida Fortes, professora do Departamento de Biologia Vegetal (DBV) de CIÊNCIAS e líder do grupo Fruit Functional Genomics & Biotechnology (FFGB), visitou a Escola Secundária de Carcavelos no dia 23 de maio, quinta-feira, para assistir à apresentação de um trabalho de alun

Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Páginas