Dictum et factum

Inês Andrade

Última Revisão —
Inês Andrade

Dictum et factum com Inês Andrade

ACI Ciências ULisboa

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O sexto Dictum et factum é com Inês Andrade, assistente técnico do Departamento de Biologia Animal de Ciências.

Quando era criança já sabia que profissão gostaria de ter no futuro?

Inês Andrade (IA) - Não fazia a menor ideia, nem sequer pensava nisso, mas gostava imenso de animais e da natureza, como geralmente acontece com todas as crianças.

Como surgiu a hipótese de trabalhar em Ciências?

IA - Eu estava num interregno profissional: depois de ter trabalhado cerca de 10 anos como educadora de Infância, quis experimentar outras áreas, [como a elaboração do guia prático “A Tartaruga Verde de Água Doce”], traduções, secretariados vários, até que soube que havia uma professora catedrática no Departamento de Zoologia e Antropologia (agora Departamento de Biologia Animal (DBA)) que precisava de apoio; fui a uma entrevista com essa professora e entrei passado uns meses (...).

Qual foi o 1.º emprego?

IA - Foi como educadora de infância, num jardim infantil que também tinha escola primária e ATL.

Há quantos anos trabalha em Ciências?

IA - Fez 21 anos em janeiro de 2016.

O que começou por fazer quando aqui chegou?

IA - Durante sete anos dei apoio administrativo à professora Teresa Pité - que incluía o apoio às aulas de Ecologia, Ecologia Geral, Ecologia Evolutiva e do mestrado em Ciências da Terra e da Vida para o Ensino, ao Programa Erasmus -, assim como laboratorial, na investigação sobre populações de espécies de Drosophila (vulgo Mosca-da-Fruta ou Mosca-do-Azeite), do qual fazia parte a professora Margarida Matos. Depois trabalhei no Instituto de Oceanografia durante cinco anos, dando apoio administrativo à professora Maria José Costa e sua equipa; de seguida vim para a Secretaria do DBA, assegurando os procedimentos administrativos na área académica do 1.º e 2.º ciclos, com o atendimento aos docentes, alunos, funcionários e outras pessoas de alguma forma ligadas ao DBA, com a elaboração de horários, de mapas de exame do 1.º e 2.º ciclos, reserva de salas, de audiovisuais, tratando do expediente, do arquivo e do equipamento e material consumível.

E agora como é o seu dia-a-dia?

IA - Muito preenchido! Como houve uma mudança de instalações do apoio administrativo DBA e DBV, as tarefas ficaram distribuídas de forma ligeiramente diferente, dando-me assim um pouco mais de tempo para voltar a apoiar os laboratórios das aulas de Biologia Animal I e Biologia Animal II de que gosto muito pois dá-me a sensação de estar no ambiente mágico de um museu, além de prestar um serviço mais direto às aulas. Este trabalho já fora feito durante quatro anos por decisão do executivo, que tinha a professora Maria João Collares-Pereira como presidente, paralelamente ao trabalho realizado no Instituto de Oceanografia.

O que é que mais gosta de fazer na unidade onde está inserida?

IA - É difícil responder a essa pergunta, pois todas as atividades, mesmo as mais rotineiras e básicas, têm o seu encanto próprio, por fazerem parte de um processo de descoberta e partilha de Ciência (...) mas gosto especialmente das atividades criativas, em que tenho de dar mais de mim, de abrir caminhos e encontrar soluções.
Por exemplo, [em maio de 1998] secretariei uma reunião para o fomento do desenvolvimento sustentável nos países africanos de língua oficial portuguesa, organizada pela professora Teresa Pité e que decorreu em Sesimbra (...); numa festa de Natal da Associação de Trabalhadores da Faculdade fiz as sombras chinesas  “A Música da Terra”, uma história elaborada para festejar a passagem do milénio, com muita música e côr, tendo na 1.ª parte dinossauros e na 2.ª vários "bichos do mar" a limparem o oceano, e que foi realizada durante quatro anos em vários outros locais; ou quando fizemos a “Festa da Mosca”, em 1998, para festejar o nascimento da 100.ª geração da população de drosófila mantida há nove anos em laboratório (...).
A elaboração do cartaz acerca da lagarta Praga-do-Pinheiro ou Processionária, Thaumetopoea pityocampa, Schiff, 1755, em colaboração com o Núcleo de Estudantes de Biologia da Faculdade e gentilmente revisto por docentes de Entomologia, foi igualmente um processo interessante e útil, pois esta lagarta, bastante prejudicial ao ser humano, animais e pinheiros (e em menor escala, cedros), existe tanto nas florestas, como em árvores isoladas de áreas urbanas e ainda há muitas pessoas que ignoram o perigo que ela representa. Foi também muito engraçado fazer uma largada de joaninhas na espantosa Horta FCUL, para combater os pulgões lá existentes (...).

Há alguma coisa que não aprecia na sua rotina profissional?

IA - Por vezes estamos muito metidos cada um no seu “vale de trabalho”, conhecendo pouco ou mesmo nada do que os vizinhos fazem, daí ser tão importante e “oxigenante” o trabalho de divulgação que se tem vindo a desenvolver cada vez mais na Faculdade, como por exemplo o inquérito a que respondo agora.

Na sua opinião o melhor da Faculdade é…?

IA - A riqueza humana (...), a riqueza de meios, a polivalência, a criatividade, a abertura de caminhos (...), a universalidade e o espírito de missão que anima muitos dos que aqui trabalham e estudam; não esquecendo a localização privilegiada no meio de tantas árvores, zonas ajardinadas ou semicampestres, utilizadas até em algumas saídas de campo. E aproveito para exprimir a minha gratidão a tod@s os que comigo têm feito esta caminhada, em especial à professora Teresa Pité, que atuou como um portal de entrada neste mundo inesquecível que é a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

E o melhor da Administração Pública, o que é?

IA - É quando de facto administra bem o património público, seja ele de que tipo fôr.

Se tivesse que escolher um adjetivo para a descrever, qual seria a palavra escolhida?

IA- "Supercalifragilitiexpialidocious" e também, pronunciando ao contrário, "Suoicodilaipxeitiligarfilacrepus", como diria a Mary Poppins do Walt Disney.

Porquê?

IA - É algo de tão complexo e importante, tão vital e tão rico, tão restritivo (nos ordenados, horários, férias, atestados médicos, carreiras) e ao mesmo tempo tão expansivo, que o que me vem à cabeça são de facto estes dois adjetivos!

Ana Subtil Simões, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Estátua de Alfred Nobel com flores por detrás

Os seis Prémios Nobel 2022 são anunciados entre 3 e 10 de outubro. A poucos dias de conhecer as personalidades que serão distinguidas este ano, recordamos os laureados em 2021, com a ajuda de professores e cientistas da Faculdade. Entre na breve e conheça os laureados da Fisiologia/Medicina e Física.

 

rapariga com vento no cabelo a ouvir música

"Que poder é este da música? Ela tem mesmo uma ligação com as emoções? Apesar de existirem posições contraditórias, a literatura aponta que a música é capaz de induzir emoções", escreve Marta Esteves, psicóloga no GAPsi Ciências ULisboa.

Sara Magalhães no estúdio da FCCN

Sara Magalhães é professora do Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa desde 2016 e investigadora do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c). “Os ácaros são assim tão feios, porcos e maus?” é o tema apresentado pela professora, que inaugura o projeto “Porquês com Ciência”.

mar

Nos dias 26 e 27 de setembro decorre na Ciências ULisboa o “Fórum Oceano: Atlântico, um bem comum, visões partilhadas franco-portuguesas”, uma iniciativa organizada pela Faculdade e pelo MARE, no âmbito da Temporada Portugal-França 2022.

“Saúde, Dança e Ciência na qualidade de vida sustentável”

No próximo dia 23 de setembro irá decorrer na Ciências ULisboa um workshop que pretende sensibilizar jovens e adultos para a importância do movimento na saúde e na qualidade de vida sustentável.

livros

Ana Simões, presidente do Departamento de História e Filosofia das Ciências e investigadora no CIUHCT, terminou o seu mandato como vice-presidente da European Society for the History of Science no dia 10 de setembro, concluindo seis anos de envolvimento na direção.

imagem abstrata representativa de termodinamica

"Quando ensinamos temos que ter a preocupação de que os alunos compreendem as matérias da melhor forma possível, e essa é a minha forma de ensinar, que procurei refletir neste livro”, diz Patrícia Faísca, professora do DF Ciências ULisboa e autora do novo livro sobre Termodinâmica, publicado na editora CRC Press.

logotipo da iniciativa

“Porquês com Ciência” é o novo projeto de divulgação científica da Direção de Comunicação e Imagem da Faculdade e arranca no início deste ano letivo. Cinco vídeos serão lançados no YouTube até ao final de 2022 e têm como personagens principais João Telhada, Ibéria Medeiros, Marta Panão, Maria Manuel Torres e Sara Magalhães. As temáticas em foco estão relacionadas com as Bolsas de Palestras.

grupo de investigadores

O projeto LIFE PREDATOR, aprovado no âmbito do Programa LIFE, vai arrancar no próximo mês de outubro. Da equipa de trabalho europeia fazem parte sete professores e investigadores de três unidades de investigação da Faculdade, que vão colaborar no estudo e combate da espécie invasora peixe-gato europeu.

Alunos e professores

Portugal conquistou quatro medalhas de ouro, duas de prata e uma de bronze na 15.ª edição das Olimpíadas Internacionais de Ciências da Terra (IESO 2022). Esta foi a melhor participação de sempre de Portugal nestas provas internacionais.

Jovens na praia

Crónica sobre o Roteiro Entremarés da autoria do professor Carlos Duarte. Esta é a segunda aplicação que resulta da colaboração entre o Departamento de Informática da Ciências ULisboa e o Instituto de Educação da ULisboa, depois da publicação em 2017 da aplicação Roteiro dos Descobrimentos.

ilustração SARS-CoV-2

As pessoas vacinadas que foram infetadas pelas primeiras subvariantes Omicron têm uma proteção quatro vezes superior do que à das pessoas vacinadas que não foram infetadas. Estes resultados constam de um estudo liderado por Luís Graça e Manuel Carmo Gomes, publicado na prestigiada revista científica New England Journal of Medicine.

núvens cósmicas

O XXXII Encontro Nacional de Astronomia e Astrofísica terá lugar nos próximos dias 5 e 6 de setembro, na Ciências ULisboa. O evento é organizado pelo Centro de Astrofísica e Gravitação, em parceria com a Sociedade Portuguesa de Astronomia e a Ciências ULisboa.

Campo com árvores de fruto e hortícolas

O projeto GrowLIFE - coordenado pela Ciências ULisboa, FCiências.ID - Associação para a Investigação e Desenvolvimento de Ciências e Turismo de Portugal é financiado pelo Programa para o Ambiente e a Ação Climática (LIFE) no valor de €1.452.673,00 - e arranca em junho de 2023, tem uma duração de cinco anos. O resultado da candidatura coordenada pela Caravana AgroEcológica foi conhecido em abril deste ano e o contrato foi assinado em agosto.

Cientista no laboratório

Em 2022, 134 investigadores doutorados ligados a unidades de investigação da Faculdade submeteram candidaturas à 5.ª edição do Concurso de Estímulo ao Emprego Científico – Individual, tendo sido atribuídos 23 contratos de trabalho. Em quatro edições deste concurso, 714 investigadores doutorados com ligações a unidades de investigação da Faculdade apresentaram candidaturas, tendo sido atribuídos 71 contratos de trabalho.

Paleontólogos em escavação

Uma equipa de paleontólogos portugueses e espanhóis conduziu, entre 1 e 10 de agosto de 2022, uma campanha de escavação na jazida paleontológica de Monte Agudo que resultou na extração de parte do esqueleto fossilizado de um dinossáurio saurópode de grande porte.

oceano, areia, palmeiras e barcos

"A revista npj Ocean Sustainability está particularmente interessada em investigação que incida sobre as interligações existentes entre ciência, política e prática, bem como abordagens sistemáticas, soluções transformativas, e inovação para suportar a sustentabilidade do oceano a múltiplos níveis!", escreve Catarina Frazão Santos, editora-chefe, convidada em setembro de 2021 para fundar a revista.

Participantes do simpósio no grande auditório da Faculdade

O primeiro Simpósio Internacional de Catálise Homogénea aconteceu nos EUA há 44 anos. A vigésima segunda edição ocorreu este ano em Portugal, na Ciências ULisboa. A próxima edição está marcada para 2024, em Itália. Este importante acontecimento tem contribuído para o desenvolvimento da Catálise Homogénea.

graficos, lupa e oculos numa mesa

Maria Zacarias, investigadora do Centro de Estatística e Aplicações da Universidade de Lisboa, escreve uma crónica sobre a última edição do “Sê Investigador por Três Semanas”, na qual dá a conhecer a opinião de quem participou na iniciativa que durante três semanas, possibilitou que alunos de licenciatura e de mestrado pudessem trabalhar de perto com investigadores e observar a transversalidade da Estatística.

coelho-bravo

A equipa do projeto do Livro Vermelho dos Mamíferos, que está a trabalhar na revisão do estatuto de ameaça e estado de conservação destas espécies em Portugal, realizou uma “compilação inédita” de dados de ocorrências georreferenciados de mamíferos em Portugal Continental e nos Açores e Madeira.

pessoas sentadas a escrever ao computador e em post its

Decorreu de 11 a 15 de julho na Ciências ULisboa a WideHealth Summer School sob o tema “Human Factors in Pervasive Health”. O evento foi organizado pelo LASIGE, tendo acolhido participantes de toda a Europa.

rapariga no laboratorio

Já são conhecidos os resultados do Concurso de Projetos de I&D em Todos os Domínios Científicos de 2022, da FCT. Do total de projetos aprovados para financiamento, 33 contam com a participação da Ciências ULisboa.

grupo de alunos do programa

"Na Ciências ULisboa temo-nos esforçado ao longo dos anos para desenvolver um programa que trará uma semana inesquecível a estes jovens", escreve Ana Sofia Santos, monitora central do Verão na ULisboa, no artigo de opinião sobre o programa.

rapariga a rir

"A ideia de que o sentido de humor pode facilitar o ajustamento, a gestão e a regulação emocional parece ter bastante fundamento. Mas, como, onde e como entram os limites do humor nesta questão?", escreve Samuel Silva, psicólogo no GAPsi Ciências ULisboa.

Instalações do Quake

Os cientistas Susana Custódio e Luís Matias escrevem sobre o Centro do Terramoto de Lisboa, que nasceu de uma vontade de contar a fascinante história do sismo de 1755. A Faculdade e o IDL Ciências ULisboa são parceiros do Quake. 

Páginas