Dictum et factum

Inês Andrade

Última Revisão —

Inês Andrade

GCIC Ciências

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O sexto Dictum et factum é com Inês Andrade, assistente técnico do Departamento de Biologia Animal de Ciências.

Quando era criança já sabia que profissão gostaria de ter no futuro?

Inês Andrade (IA) - Não fazia a menor ideia, nem sequer pensava nisso, mas gostava imenso de animais e da natureza, como geralmente acontece com todas as crianças.

Como surgiu a hipótese de trabalhar em Ciências?

IA - Eu estava num interregno profissional: depois de ter trabalhado cerca de 10 anos como educadora de Infância, quis experimentar outras áreas, [como a elaboração do guia prático “A Tartaruga Verde de Água Doce”], traduções, secretariados vários, até que soube que havia uma professora catedrática no Departamento de Zoologia e Antropologia (agora Departamento de Biologia Animal (DBA)) que precisava de apoio; fui a uma entrevista com essa professora e entrei passado uns meses (...).

Qual foi o 1.º emprego?

IA - Foi como educadora de infância, num jardim infantil que também tinha escola primária e ATL.

Há quantos anos trabalha em Ciências?

IA - Fez 21 anos em janeiro de 2016.

O que começou por fazer quando aqui chegou?

IA - Durante sete anos dei apoio administrativo à professora Teresa Pité - que incluía o apoio às aulas de Ecologia, Ecologia Geral, Ecologia Evolutiva e do mestrado em Ciências da Terra e da Vida para o Ensino, ao Programa Erasmus -, assim como laboratorial, na investigação sobre populações de espécies de Drosophila (vulgo Mosca-da-Fruta ou Mosca-do-Azeite), do qual fazia parte a professora Margarida Matos. Depois trabalhei no Instituto de Oceanografia durante cinco anos, dando apoio administrativo à professora Maria José Costa e sua equipa; de seguida vim para a Secretaria do DBA, assegurando os procedimentos administrativos na área académica do 1.º e 2.º ciclos, com o atendimento aos docentes, alunos, funcionários e outras pessoas de alguma forma ligadas ao DBA, com a elaboração de horários, de mapas de exame do 1.º e 2.º ciclos, reserva de salas, de audiovisuais, tratando do expediente, do arquivo e do equipamento e material consumível.

E agora como é o seu dia-a-dia?

IA - Muito preenchido! Como houve uma mudança de instalações do apoio administrativo DBA e DBV, as tarefas ficaram distribuídas de forma ligeiramente diferente, dando-me assim um pouco mais de tempo para voltar a apoiar os laboratórios das aulas de Biologia Animal I e Biologia Animal II de que gosto muito pois dá-me a sensação de estar no ambiente mágico de um museu, além de prestar um serviço mais direto às aulas. Este trabalho já fora feito durante quatro anos por decisão do executivo, que tinha a professora Maria João Collares-Pereira como presidente, paralelamente ao trabalho realizado no Instituto de Oceanografia.

O que é que mais gosta de fazer na unidade onde está inserida?

IA - É difícil responder a essa pergunta, pois todas as atividades, mesmo as mais rotineiras e básicas, têm o seu encanto próprio, por fazerem parte de um processo de descoberta e partilha de Ciência (...) mas gosto especialmente das atividades criativas, em que tenho de dar mais de mim, de abrir caminhos e encontrar soluções.
Por exemplo, [em maio de 1998] secretariei uma reunião para o fomento do desenvolvimento sustentável nos países africanos de língua oficial portuguesa, organizada pela professora Teresa Pité e que decorreu em Sesimbra (...); numa festa de Natal da Associação de Trabalhadores da Faculdade fiz as sombras chinesas  “A Música da Terra”, uma história elaborada para festejar a passagem do milénio, com muita música e côr, tendo na 1.ª parte dinossauros e na 2.ª vários "bichos do mar" a limparem o oceano, e que foi realizada durante quatro anos em vários outros locais; ou quando fizemos a “Festa da Mosca”, em 1998, para festejar o nascimento da 100.ª geração da população de drosófila mantida há nove anos em laboratório (...).
A elaboração do cartaz acerca da lagarta Praga-do-Pinheiro ou Processionária, Thaumetopoea pityocampa, Schiff, 1755, em colaboração com o Núcleo de Estudantes de Biologia da Faculdade e gentilmente revisto por docentes de Entomologia, foi igualmente um processo interessante e útil, pois esta lagarta, bastante prejudicial ao ser humano, animais e pinheiros (e em menor escala, cedros), existe tanto nas florestas, como em árvores isoladas de áreas urbanas e ainda há muitas pessoas que ignoram o perigo que ela representa. Foi também muito engraçado fazer uma largada de joaninhas na espantosa Horta FCUL, para combater os pulgões lá existentes (...).

Há alguma coisa que não aprecia na sua rotina profissional?

IA - Por vezes estamos muito metidos cada um no seu “vale de trabalho”, conhecendo pouco ou mesmo nada do que os vizinhos fazem, daí ser tão importante e “oxigenante” o trabalho de divulgação que se tem vindo a desenvolver cada vez mais na Faculdade, como por exemplo o inquérito a que respondo agora.

Na sua opinião o melhor da Faculdade é…?

IA - A riqueza humana (...), a riqueza de meios, a polivalência, a criatividade, a abertura de caminhos (...), a universalidade e o espírito de missão que anima muitos dos que aqui trabalham e estudam; não esquecendo a localização privilegiada no meio de tantas árvores, zonas ajardinadas ou semicampestres, utilizadas até em algumas saídas de campo. E aproveito para exprimir a minha gratidão a tod@s os que comigo têm feito esta caminhada, em especial à professora Teresa Pité, que atuou como um portal de entrada neste mundo inesquecível que é a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

E o melhor da Administração Pública, o que é?

IA - É quando de facto administra bem o património público, seja ele de que tipo fôr.

Se tivesse que escolher um adjetivo para a descrever, qual seria a palavra escolhida?

IA- "Supercalifragilitiexpialidocious" e também, pronunciando ao contrário, "Suoicodilaipxeitiligarfilacrepus", como diria a Mary Poppins do Walt Disney.

Porquê?

IA - É algo de tão complexo e importante, tão vital e tão rico, tão restritivo (nos ordenados, horários, férias, atestados médicos, carreiras) e ao mesmo tempo tão expansivo, que o que me vem à cabeça são de facto estes dois adjetivos!

Ana Subtil Simões, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Cinquenta alunos do 4.º ano do Colégio Colibri, de Massamá, foram cientistas por um dia nos Departamentos de Biologia Animal e Biologia Vegetal.

Quando João Graça Gomes iniciou o estágio “Cenarização Sistema Elétrico 100 % Renovável em 2040”, com a duração de um ano, no Departamento Técnico da Associação Portuguesa de Energias Renováveis (APREN), sob a orientação de José Medeiros Pinto, engenheiro e secretário-geral daquela associação, quis “dar o melhor e mostrar a qualidade do ensino de engenharia na FCUL”. O ano passado foi distinguido com um dos prémios de maior destaque da engenharia nacional.

João Graça Gomes, engenheiro do Departamento Técnico da APREN e mestre em Engenharia da Energia e do Ambiente, foi galardoado com o Prémio - Melhor Estágio Nacional em Engenharia Eletrotécnica da Ordem dos Engenheiros.

Nesta fotolegenda destacamos uma passagem da entrevista com o climatologista Ricardo Trigo e que pode ser ouvida no canal YouTube e na área multimédia deste site.

Por forma a gerir a ansiedade de uma forma mais eficaz antes dos momentos de avaliação são propostas algumas estratégias que não eliminam a ameaça mas podem ajudar a lidar de um modo mais eficaz com a ansiedade.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O primeiro Dictum et factum de 2018 é com Marta Daniela Santos, responsável pelo Gabinete de Comunicação do cE3c – Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais.

Ciências será o palco de uma eliminatória regional do Famelab 2018, um dos maiores concursos internacionais de comunicação de ciência.

Ler Filosofia (através de Espinosa) permite olhar o mundo, de forma crítica e pensar em profundidade. Em Ciência, observar e refletir são indispensáveis, para caminharmos, abrindo novas linhas de pesquisa.

Vinte e três alunos estiveram na Faculdade de Ciências a estudar as bases metodológicas para a classificação sistemática de plantas. O curso inseriu-se no projeto HEI-PLADI, um programa ERASMUS + e ocorreu pela primeira vez em Portugal.

Parte do antigo bar do edifício C1 de Ciências dá agora lugar a um novo laboratório de investigação em Ecologia Evolutiva. Aqui vai ser explorado um sistema biológico composto por duas espécies de ácaro aranha,Tetranychus urticaeeTetranychus ludeni, que competem por um alimento - a planta do tomate.

O livro Faça Sol ou Faça Vento reúne seis histórias infantojuvenis sobre energias renováveis. Todas elas são escritas por autores com ligação à Faculdade de Ciências da ULisboa.

Será possível ter uma pessoa dentro de um scanner e dizer-lhe para mudar a atividade de diferentes zonas do seu cérebro, com base no que estamos a observar num monitor desse mesmo scanner? Pode a Inteligência Artificial (IA) abordar e interatuar com a Neurociência, e vice-versa?

Quase a terminar o ano, surgem as frequentes resoluções de ano novo, um conjunto de ideias e desejos para aquele que se perspetiva ser um ano talvez igual ou melhor que o anterior. Existem assim duas perspetivas temporais: o ano que passou (o passado) e o que vem (futuro), e é sobre a integração destas duas perspetivas que gostaria de deixar uma reflexão.

Estas duas imagens foram produzidas por André Moitinho, Márcia Barros, Carlos Barata do Centro Multidisciplinar para a Astrofísica (CENTRA) e Hélder Savietto da Fork Research no âmbito da missão Gaia.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de dezembro é com Rodrigo Maia, técnico superior do Laboratório de Isótopos Estáveis do Departamento de Biologia Vegetal de Ciências.

A cidade é um bom exemplo de um sistema adaptativo, inteligente e complexo. Fala-se hoje muito em cidades espertas, onde os peões e os habitantes só encontram motivos para viverem contentes, porque tudo é pensado para os ajudar, graças à capacidade analítica sobre os dados das pessoas e das cidades. A sua manutenção é imprescindível, e a sua renovação deve obedecer à inteligência e jamais à usura. Nem sempre isso ocorre.

O projeto AQUA LINE, da empresa PEN Wave, vencedor do concurso MAREINOV Montepio, destina-se a produzir de forma inovadora microalgas e copépodes para o sector da aquicultura.

André Borges, Bernardo Tavares e Luis Martins, alunos do mestrado integrado em Engenharia da Energia e do Ambiente venceram o 1.º Hackathon de Transportes Internacional de Moscovo. A equipa classificada em 1.º lugar contou ainda com estudantes de Espanha e Colômbia.

O Prémio Luso-Espanhol de Química 2017 foi atribuído a Amélia Pilar Rauter, professora do Departamento de Química e Bioquímica e coordenadora do Grupo da Química dos Glúcidos do Centro de Química e Bioquímica de Ciências.

O quinto livro de António Damásio, colocado à venda a 3 de novembro, aborda o diálogo da vida com os sentimentos, como formadores da consciência e motor da ciência, e o que daí resulta, em especial para a cultura (ou ainda, sobre a estranha ordem, da sensação à emoção e depois ao sentimento). Os sentimentos são sinais da nossa vida e também os motivadores da criação intelectual dos homens. E, daí resultam multitudes de condutas, padrões variados de comportamentos. Enfim, os sentimentos facilitam a formação da nossa personalidade.

Uma das melhores decisões de Ricardo Rocha foi estudar Biologia em Ciências. Aqui fez amigos e aprendeu. Na entrevista que se segue fica a conhecer o antigo aluno de Ciências, membro do cE3c e investigador pós-doutorado da Universidade de Cambrigde, galardoado com o 1.º lugar do Prémio de Doutoramento em Ecologia - Fundação Amadeu Dias, lançado este ano pela primeira vez pela Sociedade Portuguesa de Ecologia.

A procrastinação é uma das grandes causas do insucesso académico e fonte de muito sofrimento e conflito interno. Para conquistar a procrastinação podemos começar por nos questionarmos: porque é que ando, constantemente a adiar.

Um estudo publicado na revista científica Science, do qual Vítor Sousa, investigador do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c), é coautor, demonstra que há mais de 34 000 anos os grupos de seres humanos caçadores-recoletores desenvolveram redes sociais complexas para escolher parceiros e evitar riscos da endogamia.

No âmbito dos projetos “MoTHER – Mobilidade e Transição em Habitações Especiais e Reativas” e “HIPE – Habitações Interativas para Pessoas Excecionais”, Manuel J. Fonseca, Luís Carriço e Tiago Guerreiro, professores do Departamento de Informática e investigadores do Laboratório de Sistemas Informáticos de Grande Escala, irão desenvolver soluções tecnológicas para melhorar a qualidade de vida, nomeadamente a autonomização de pessoas com lesões vertebro medulares, alojadas em residências da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

A Associação Ciências Solidária foi constituída por escritura pública em 6 de abril de 2016, por iniciativa da Direção da Faculdade de Ciências, com o apoio de vários membros da comunidade. É um projeto de proximidade, baseado na responsabilidade social, com o fim de contribuir para a construção de uma comunidade mais justa e solidária.

Páginas