Dictum et factum

Paulo Silva

Paulo Silva

ACI Ciências

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O último Dictum et factum de 2016 é com Paulo Silva, técnico superior do Departamento de Física de Ciências.

Quando era criança já sabia que profissão gostaria de ter no futuro?

Paulo Silva (PS) - Tive, como todas as crianças, sonhos de vir a ter uma atividade profissional extraordinária (mergulhador, astronauta…) ou outras, mais normais, mas que me parecia serem valorizadas pelas pessoas à minha volta. Relativamente cedo apercebi-me que tinha mais pendor e maior interesse por áreas científicas e fui orientando os meus estudos essencialmente para as áreas da Química. Acabei por deixar a Química e vim para cá, para a FCUL, estudar Física. Acho que se pode concluir que a resposta à questão é não…

Como surgiu a hipótese de trabalhar em Ciências?

PS -Estava a trabalhar como professor no Instituto Politécnico de Beja mas com um contrato a termo certo que estava a terminar. Por essa altura a FCUL abriu um concurso para técnico superior, para prestar serviço no Departamento de Física. As funções designadas para esse posto de trabalho eram-me bastante familiares já que envolviam essencialmente a preparação e manutenção de laboratórios para aulas de física experimental. Tendo passado uma boa parte da minha vida profissional anterior precisamente dedicada ao ensino de física experimental (frequentemente sem qualquer apoio técnico), estava bastante consciente de como o técnico superior a contratar poderia dar uma boa contribuição. Era portanto um trabalho que achei que tinha condições para fazer. Isto, a juntar à vontade de pretender trabalhar na região de Lisboa e de ser uma instituição que conhecia bem, levou-me a concorrer. Acabei por ficar.

Qual foi o 1.º emprego?

PS - Fiz algumas coisas antes mas a primeira vez que tive um contrato de trabalho foi como professor da disciplina de Ciências Físico-Químicas do (então) curso unificado na (então) Escola Secundária da Falagueira.

Há quantos anos trabalha em Ciências?

PS - Há três anos.

O que começou por fazer quando aqui chegou?

PS - Vim trabalhar para os laboratórios de ensino do Departamento de Física e, apesar de já conhecer relativamente bem o ambiente, tive de fazer alguma adaptação às pessoas com quem ia trabalhar, bem como às rotinas já estabelecidas. Houve também um período inicial em que me dediquei a conhecer os equipamentos e as montagens experimentais mais usadas nas aulas.

E agora como é o seu dia-a-dia?

PS - Posso dizer que é bastante variado.

Manter os laboratórios a funcionar nos períodos letivos ocupa-me bastante tempo. Por um lado há uma razoável diversidade de unidades curriculares experimentais que usam equipamentos diferentes e ocupam os mesmos laboratórios, sendo necessária a sua permanente redistribuição pelos espaços, de modo a satisfazer as necessidades das várias unidades curriculares. Por outro lado, há sempre avarias e pequenos incidentes no decurso das atividades letivas a que é necessário dar resposta.

Ocupo-me ainda de fazer uma manutenção de primeira linha ao parque informático dos laboratórios.

Nos períodos não letivos há sempre equipamento que necessita de alguma manutenção ou de alguma reparação, há sempre consumíveis que é necessário repor e, com alguma frequência, é necessário adquirir novos equipamentos.

Há também tarefas de natureza um pouco complementar a que me dedico. Participo quase sempre nas atividades de divulgação em que o Departamento de Física intervém e, em virtude da atual organização da Faculdade, há um conjunto de tarefas que não são função de ninguém para as quais todos nós acabamos por dar alguma contribuição.

O que é que mais gosta de fazer na unidade onde está inserido?

PS - Gosto de colaborar no desenvolvimento de novas montagens experimentais ou na exploração de novos equipamentos quando estes são adquiridos. Ocasionalmente tenho oportunidade de interatuar com os estudantes, o que me dá também prazer. Gosto ainda de colaborar na organização das atividades de divulgação em que o Departamento de Física participa.

Há alguma coisa que não aprecia na sua rotina profissional?

PS - Há bastantes tarefas de natureza mais rotineira e que requerem menos criatividade… Claro que são fundamentais para manter as aulas a funcionar, pelo que não me custa fazê-las. Desagrada-me bastante mais testemunhar quotidianamente, nas minhas deambulações pelos laboratórios, a falta de zelo com que esses espaços são utilizados, por desconhecimento, por descuido ou por simples falta de civismo. Por outro lado, como em todas as instituições com a complexidade da FCUL, o trabalho de uma pessoa é muito interdependente do trabalho das restantes. Detesto quando me vejo impedido de fazer o meu trabalho convenientemente porque alguém não fez a sua parte.

Na sua opinião o melhor da Faculdade é…?

PS - A Faculdade é um espaço onde se produz e se transmite o conhecimento em áreas científicas de ponta. Evidentemente há outros aspetos na sua missão mas estes são os que mais valorizo e é bom trabalhar num local onde se vê o progresso científico a acontecer.

E o melhor da Administração Pública, o que é?

PS - O princípio de ter um estado que presta serviços aos cidadãos que o compõem. A realidade fica, por vezes, aquém deste princípio. Os serviços prestados poderiam ser mais diversificados e de melhor qualidade. Mas existem. E isso já é bom.

Se tivesse que escolher um adjetivo para o descrever, qual seria a palavra escolhida?

PS - Empenhado.

Porquê?

PS - Porque quando acredito no que estou a fazer, em particular ao nível profissional, ponho a minha energia e o melhor das minhas capacidades ao serviço dos objetivos a concretizar.

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

A Associação Ciências Solidária foi constituída por escritura pública em 6 de abril de 2016, por iniciativa da Direção da Faculdade de Ciências, com o apoio de vários membros da comunidade. É um projeto de proximidade, baseado na responsabilidade social, com o fim de contribuir para a construção de uma comunidade mais justa e solidária.

A Semana da Ciência e Tecnologia celebra-se no país entre 20 e 26 de novembro. O ponto alto acontece a 24 com o Dia Nacional da Cultura Cientifica. Ciências junta-se à efeméride com dezenas de iniciativas.

A experiência destes anos mostra que as avaliações feitas pelos estudantes são um bom indicador da qualidade do ensino e que são úteis para a sua melhoria.

“Esta oportunidade deu-me uma valiosa experiência profissional e cada dia foi uma nova lição aprendida. Contudo, considero que o que se destacou foram as pessoas incríveis que aqui conheci”, declara Jake Smith, estudante de Francês, Espanhol e Português na Universidade de Nottingham, no Reino Unido e estagiário durante cerca de dois meses na Área de Mobilidade e Apoio ao Aluno da Faculdade de Ciências.

Na próxima sessão do 60 Minutos de Ciência convidamos o astrónomo Rui Agostinho para nos ajudar a responder à pergunta: Afinal… o que é a Estrela de Natal? A resposta será desvendada em mais uma sessão 60 Minutos de Ciência no MUHNAC-ULisboa, no dia 16 de novembro.

João Luís Andrade e Silva, professor catedrático aposentado da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, faleceu esta sexta-feira, dia 10 de novembro, aos 89 anos. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de novembro é com Emília Real, assistente técnica do Departamento Física de Ciências.

Nos últimos anos, a UNESCO financiou o projeto internacional - "Complex Systems Digital Campus (UniTwin)" - recorrendo a uma plataforma de e-Meeting, e esse exercício mostrou o caminho certo (alternativo aos massive open online courses ou MOOC) para esta nova experiência pedagógica da informática na educação. Quer isto dizer que a tecnologia, quando bem explorada, pode ser mesmo benéfica.

Em junho deste ano Alice Nunes terminou o programa doutoral em Biologia e Ecologia das Alterações Globais. Esta quinta-feira, durante o 16.º Encontro Nacional de Ecologia, a decorrer até amanhã no Salão Nobre da Reitoria da ULisboa, apresenta esse trabalho – “Plant functional trait response to climate in Mediterranean drylands: contribution to restoration and combat of desertification”, classificado em segundo lugar nesta primeira edição do Prémio da SPECO.

O prémio Nobel da Química foi atribuído em 2017, em partes iguais, a três investigadores, Jacques Dubochet (Universidade de Lausana, Suiça), Joachim Frank (Universidade de Columbia, Nova Iorque, EUA) e Richard Henderson (Laboratório MRC de Biologia Molecular, Cambridge, UK) pelo desenvolvimento da microscopia crioelectrónica que permite a resolução da estrutura de biomoléculas em solução com alta resolução.

Em 2017 a “Medalha Dr. Janusz Pawliszyn” foi atribuída a José Manuel Florêncio Nogueira, professor do Departamento de Química e Bioquímica, coordenador do grupo de Ciência e Tecnologia de Separação do Centro de Química e Bioquímica de Ciências e representante português na European Society for Separation Science.

Em 2017 o Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia celebra dez anos. Para comemorar a efeméride, a unidade de I&D realiza no próximo dia 8 de novembro, a partir das 18h00, no anfiteatro da FCiências.ID, sito no edifício C1, piso 3, a primeira distinguished lecture com Jürgen Renn, prestigiado historiador das ciências e diretor do Max Planck Institute for the History of Science.

A representação do campus da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa em 3D utilizando tecnologias inovadoras fornece dados de apoio à gestão e utilização de recursos.

“Nos meus projetos lido diariamente com a Biologia, a que aprendi na faculdade e ao longo da minha vida, e com o desenho que me acompanha como forma de olhar, entender e comunicar”, declara o ilustrador científico Pedro Salgado, antigo aluno de Ciências.

.

Cerca de 39 alunos do BioSys participaram no segundo encontro de estudantes deste programa doutoral. O evento ocorreu em Beja este mês. Também em outubro terminam as candidaturas a 11 bolsas de doutoramento da próxima edição do BioSys.

Uma vez mais Ciências participou na Maratona Interuniversitária de Programação (MIUP), este ano organizada pela Universidade do Minho. A equipa de Ciências - Caracóis Hipocondríacos -, composta pelos alunos Nuno Burnay, Robin Vassantlal e Guilherme Espada, ficou em 3.º lugar, ao resolver quatro dos nove problemas da competição.

Imagina que tens um jarro vazio e um conjunto de pedras grandes, seixos, gravilha e areia. Agora, imagina que para encher o jarro, vais colocando primeiro a areia e a gravilha e só no fim, as pedras maiores... O que achas que acontece? Será que vai caber tudo e de que forma?... E se colocássemos as pedras grandes primeiro?

As alterações climáticas podem mudar a natureza do impacto do lagostim-vermelho-da-Louisiana (Procambarus clarkii) nos ecossistemas.

Recentemente, dois estudos sobre como pensamos, um do Instituto Max Planck (para a História da Ciência, Alemanha) e outro da Escola de Medicina de Harvard (EUA), de maio de 2017 (revista NeuroImage, de Elinor Amit e Evelina Fedorenko), clarificaram as diferenças que nós temos quando refletimos sobre alguma matéria, fazemos coisas, ou emulamos a realidade.

Ciências participa na KIC EIT Health que visa promover o empreendedorismo para o desenvolvimento de uma vida saudável e de um envelhecimento ativo. Os alunos podem inscrever-se na unidade curricular que lhes permite participar no projeto, sendo que uma parte é feita na Dinamarca.

A experiência ATLAS acontece há 25 anos e a data será celebrada com palestras, bem como com uma homenagem à responsável pela participação portuguesa na experiência, a cientista Amélia Maio.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de outubro é com Francisco Oliveira, assistente técnico do Núcleo de Manutenção do Gabinete de Obras, Manutenção e Espaços da Área de Serviços Técnicos de Ciências.

O Prémio Nobel da Física de 2017 foi atribuído a Rainer Weiss, Barry Barish e Kip Thorne. Francisco Lobo, investigador do Departamento de Física de Ciências e do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, comenta o tema.

Há cinco anos o biólogo marinho Pedro M. Lourenço encontrou microfibras em dejetos de aves. Foi nessa ocasião que surgiu a ideia de avaliar a abundância de microplásticos nos estuários, iniciando assim um estudo sobre a poluição por plásticos.

“Para além da importância no contexto científico, este trabalho também tem uma forte importância no contexto industrial, pois permite otimizar os gastos de energia domésticos e industriais”, explica o investigador do Centro de Química Estrutural de Ciências, Francisco Bioucas.

Páginas