Dictum et factum

Paulo Silva

Paulo Silva

ACI Ciências

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O último Dictum et factum de 2016 é com Paulo Silva, técnico superior do Departamento de Física de Ciências.

Quando era criança já sabia que profissão gostaria de ter no futuro?

Paulo Silva (PS) - Tive, como todas as crianças, sonhos de vir a ter uma atividade profissional extraordinária (mergulhador, astronauta…) ou outras, mais normais, mas que me parecia serem valorizadas pelas pessoas à minha volta. Relativamente cedo apercebi-me que tinha mais pendor e maior interesse por áreas científicas e fui orientando os meus estudos essencialmente para as áreas da Química. Acabei por deixar a Química e vim para cá, para a FCUL, estudar Física. Acho que se pode concluir que a resposta à questão é não…

Como surgiu a hipótese de trabalhar em Ciências?

PS -Estava a trabalhar como professor no Instituto Politécnico de Beja mas com um contrato a termo certo que estava a terminar. Por essa altura a FCUL abriu um concurso para técnico superior, para prestar serviço no Departamento de Física. As funções designadas para esse posto de trabalho eram-me bastante familiares já que envolviam essencialmente a preparação e manutenção de laboratórios para aulas de física experimental. Tendo passado uma boa parte da minha vida profissional anterior precisamente dedicada ao ensino de física experimental (frequentemente sem qualquer apoio técnico), estava bastante consciente de como o técnico superior a contratar poderia dar uma boa contribuição. Era portanto um trabalho que achei que tinha condições para fazer. Isto, a juntar à vontade de pretender trabalhar na região de Lisboa e de ser uma instituição que conhecia bem, levou-me a concorrer. Acabei por ficar.

Qual foi o 1.º emprego?

PS - Fiz algumas coisas antes mas a primeira vez que tive um contrato de trabalho foi como professor da disciplina de Ciências Físico-Químicas do (então) curso unificado na (então) Escola Secundária da Falagueira.

Há quantos anos trabalha em Ciências?

PS - Há três anos.

O que começou por fazer quando aqui chegou?

PS - Vim trabalhar para os laboratórios de ensino do Departamento de Física e, apesar de já conhecer relativamente bem o ambiente, tive de fazer alguma adaptação às pessoas com quem ia trabalhar, bem como às rotinas já estabelecidas. Houve também um período inicial em que me dediquei a conhecer os equipamentos e as montagens experimentais mais usadas nas aulas.

E agora como é o seu dia-a-dia?

PS - Posso dizer que é bastante variado.

Manter os laboratórios a funcionar nos períodos letivos ocupa-me bastante tempo. Por um lado há uma razoável diversidade de unidades curriculares experimentais que usam equipamentos diferentes e ocupam os mesmos laboratórios, sendo necessária a sua permanente redistribuição pelos espaços, de modo a satisfazer as necessidades das várias unidades curriculares. Por outro lado, há sempre avarias e pequenos incidentes no decurso das atividades letivas a que é necessário dar resposta.

Ocupo-me ainda de fazer uma manutenção de primeira linha ao parque informático dos laboratórios.

Nos períodos não letivos há sempre equipamento que necessita de alguma manutenção ou de alguma reparação, há sempre consumíveis que é necessário repor e, com alguma frequência, é necessário adquirir novos equipamentos.

Há também tarefas de natureza um pouco complementar a que me dedico. Participo quase sempre nas atividades de divulgação em que o Departamento de Física intervém e, em virtude da atual organização da Faculdade, há um conjunto de tarefas que não são função de ninguém para as quais todos nós acabamos por dar alguma contribuição.

O que é que mais gosta de fazer na unidade onde está inserido?

PS - Gosto de colaborar no desenvolvimento de novas montagens experimentais ou na exploração de novos equipamentos quando estes são adquiridos. Ocasionalmente tenho oportunidade de interatuar com os estudantes, o que me dá também prazer. Gosto ainda de colaborar na organização das atividades de divulgação em que o Departamento de Física participa.

Há alguma coisa que não aprecia na sua rotina profissional?

PS - Há bastantes tarefas de natureza mais rotineira e que requerem menos criatividade… Claro que são fundamentais para manter as aulas a funcionar, pelo que não me custa fazê-las. Desagrada-me bastante mais testemunhar quotidianamente, nas minhas deambulações pelos laboratórios, a falta de zelo com que esses espaços são utilizados, por desconhecimento, por descuido ou por simples falta de civismo. Por outro lado, como em todas as instituições com a complexidade da FCUL, o trabalho de uma pessoa é muito interdependente do trabalho das restantes. Detesto quando me vejo impedido de fazer o meu trabalho convenientemente porque alguém não fez a sua parte.

Na sua opinião o melhor da Faculdade é…?

PS - A Faculdade é um espaço onde se produz e se transmite o conhecimento em áreas científicas de ponta. Evidentemente há outros aspetos na sua missão mas estes são os que mais valorizo e é bom trabalhar num local onde se vê o progresso científico a acontecer.

E o melhor da Administração Pública, o que é?

PS - O princípio de ter um estado que presta serviços aos cidadãos que o compõem. A realidade fica, por vezes, aquém deste princípio. Os serviços prestados poderiam ser mais diversificados e de melhor qualidade. Mas existem. E isso já é bom.

Se tivesse que escolher um adjetivo para o descrever, qual seria a palavra escolhida?

PS - Empenhado.

Porquê?

PS - Porque quando acredito no que estou a fazer, em particular ao nível profissional, ponho a minha energia e o melhor das minhas capacidades ao serviço dos objetivos a concretizar.

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Ana Rita Carlos

Ana Rita Carlos, investigadora no polo da Faculdade do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c) e antiga aluna da Ciências ULisboa, é uma das quatro jovens cientistas portuguesas premiadas na 16ª edição das Medalhas de Honra L’Oréal Portugal para as Mulheres na Ciência, com um estudo sobre os mecanismos que desencadeiam as distrofias musculares congénitas.

José Cabrita Freitas e João Pinto Coelho integram o grupo de trabalho dedicado ao encandeamento por <i>laser</i> no visível, efeitos e proteção

José Cabrita Freitas e João Pinto Coelho, investigadores do Departamento de Física e do Laboratory of Optics, Lasers and Systems da Ciências ULisboa, foram distinguidos com o Scientific Achievement Award e com o SET Panel Excellence Award, pelo Conselho de Ciência e Tecnologia da NATO.

Encontro Nacional sobre Investigação em Alterações Climáticas

Mais de 500 pessoas inscreveram-se no Encontro Nacional sobre Investigação em Alterações Climáticas, uma iniciativa organizada pela Ciências ULisboa em parceria com o IDL e a CML, no âmbito da Lisboa Capital Verde Europeia 2020. O acontecimento visa debater a melhor investigação em alterações climáticas que é realizada em Portugal. O programa integra oito sessões temáticas e uma sessão de posters, com 47 trabalhos.

Comitiva da Faculdade no “Matchmaking” da EIT Health

Ciências ULisboa participou no “Matchmaking” da EIT Health. “O balanço final é bastante positivo pois foi possível obter a participação da Faculdade em duas summer schools e ainda angariar parceiros para propostas campus e innovation lideradas ou comparticipadas pela Faculdade”, refere Ana Faisca, técnica do GAI da Direção de I&D da Ciências ULisboa.

Primeira prova das OUB

Em Portugal existem atualmente 12 licenciaturas de Bioquímica com um total de 615 vagas. Leia o artigo da autoria do professor Francisco Pinto sobre o importante dinamismo desta comunidade estudantil.

Imagem gráfica da rubrica Radar Tec Labs

A rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade, tem aqui a sua primeira edição, com destaques do mês de janeiro e da spin-off Delox.

Levada Wanderungen, Madeira

Carlos A. Góis-Marques é o primeiro autor deste estudo. O aluno inscrito no doutoramento em Geologia da Ciências ULisboa desenvolve o seu trabalho sob orientação dos professores José Madeira, Miguel Menezes de Sequeira e José M. Fernández-Palácios.

Constituição da AMONET no notário em 2004

“(…) embora existam mudanças positivas, persiste uma grande diferença entre homens e mulheres cientistas em cargos de topo. Continua a ser muito menor o número de reitoras, diretoras de laboratórios de investigação ou professoras catedráticas. (…)”. Crónicas em Ciências com Maria José Costa, presidente da AMONET.

Vigilantes da natureza do Parque Natural do Vale do Guadiana do ICNF no JBT

O Jardim Botânico Tropical a ULisboa volta a abrir portas ao público.  A 1.ª fase do projeto de requalificação incluiu o melhoramento dos caminhos, lagos e linhas de água e alguns canteiros da zona sul do jardim.

Homenagem a Helena Iglésias Pereira

“Lena, partiste, mas estarás sempre presente no nosso coração.” Artigo da autoria de Maria Antónia Turkman, professora do DEIO Ciências ULisboa.

Helena Maria Iglésias Pereira, professora do Departamento de Estatística e Investigação Operacional (DEIO), faleceu dia 14 de janeiro. A Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa lamenta profundamente o triste acontecimento, apresentando as condolências aos familiares, amigos e colegas de Helena Maria Iglésias Pereira.

Pormenor da impressão artística do processo de fusão da galáxia NGC 6240

A mais detalhada imagem do material envolvendo dois buracos negros supermassivos numa galáxia em processo de fusão foi obtida com a colaboração de um antigo aluno da Faculdade e atualmente investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, e que em 2019 colaborou também na produção da primeira imagem de um buraco negro.

A cientista Maria Elvira Callapez escreve sobre a problemática dos plásticos: “Os plásticos não são inimigos, pelo contrário, serão cada vez mais o material para todos os usos. Parece irrealista tentar viver, um dia que seja, sem plásticos ou outros sintéticos, sendo que, por exemplo, o dilema “papel ou plástico” perdurará…”.

Carlos Lopes e Margarida Amaral

Um estudo coordenado pelo BioISI abre novos horizontes para a doença crónica obstrutiva pulmonar. O trabalho realizado em parceria com o Hospital de Santa Maria mostrou como é que uma doença rara como a fibrose quística pode ajudar encontrar estratégias terapêuticas para esta doença comum. A investigação foi galardoada com o Prémio Thomé Villar/Boehringer Ingelheim 2019.

Campus Ciências ULisboa

À Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior compete a avaliação e acreditação de ciclos de estudos. Este ano letivo estão em avaliação 21 ciclos de estudos. Leia o artigo de Rebeca Atouguia, coordenadora da Área de Estudos, Planeamento e Qualidade da Faculdade.

Zygodon forsteri (Dicks. ex With.) Mitt

“Tive uma educação científica de excelência”, conta César Garcia, que concluiu os estudos em Ciências ULisboa, primeiro a licenciatura em Biologia Vegetal Aplicada, depois o doutoramento em Biologia, especialidade em Ecologia, com um trabalho sobre a Biodiversidade de Carvalhais da Rede Natura 2000.

A Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa lamenta a ocorrência que, no passado sábado, vitimou mortalmente um ex-aluno da licenciatura em Tecnologias de Informação. Estamos todos em estado de choque e transmitimos aos familiares e amigos as mais profundas condolências.

Dia Internacional em Ciências 2019

As candidaturas a um período de estudos ou de investigação ao abrigo do Programa Erasmus+ na Faculdade começaram a 1 de dezembro, mas os estudantes puderam informar-se logo no Dia Internacional em Ciências dos tipos de mobilidade em curso, bem como dos requisitos necessários para a respetiva candidatura, que termina no último dia do ano.

Tabela Periódica no C8

Isabel Pinheiro podia ter escolhido uma carreira na área da investigação, mas optou pelo ensino. “Cada descoberta, cada aula, cada aula partilhada com um colega é um momento diferente”, refere a professora de Física e Química da Escola Seomara da Costa Primo, apaixonada pela educação e pela tabela periódica, que em 2019 celebra 150 anos.

"A memória da FFCUL, instituição, que soube merecer uma apreciação inequivocamente positiva dos investigadores que serviu, e de todas as instituições que financiaram as suas atividades, será mantida no seu site, onde se encontram todos os relatórios e contas desde 2009, e onde se pode seguir, com toda a transparência, a vida da FFCUL." Leia o artigo de José Manuel Rebordão, ex-presidente do Conselho Diretivo e da Comissão Liquidatária da FFCUL.

Universidade Agostinho Neto

Após o sucesso dos mestrados em Gestão e Governança Ambiental e Microbiologia Aplicada, dos quais resultaram os primeiros 25 mestres em Angola nestas áreas, iniciou-se este ano, a 2.ª edição do mestrado em Gestão e Governança Ambiental, com novos 25 alunos. José Guerreiro, professor do Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa, esteve em serviço externo em Angola, tendo regressado a Portugal este sábado, dia 14 de dezembro, após fechar com sucesso o 1.º ano curricular de mais uma edição deste programa.

Imagem abstrata Ciências ULisboa

"A compreensão do tempo pode ser feita em função dos ganhos e perdas de informação. Assim, a adaptação é um ganho de informação, a degradação é um tipo de perda e implica um aumento de entropia. Os fenómenos complexos aparecem entre os estados de baixa e os de alta entropia, onde a baixa entropia dá-nos a ordem da complexidade", in no Campus com Helder Coelho.

O Tec Labs - Centro de Inovação da Faculdade participou numa missão de quatro dias, na Alemanha, organizada pelo Health Cluster Portugal (HCP). Leia a crónica publicada no blog do Centro de Inovação da Faculdade e saiba como decorreu a visita.

O Prémio Breakthrough em Física Fundamental 2020, um dos mais prestigiantes em Física, foi atribuído ao projeto Event Horizon Telescope (EHT) e a cada um dos 347 membros, incluindo o português Hugo Messias, antigo aluno da Ciências ULisboa e atualmente investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço. Hugo Messias foi ainda galardoado este ano com o prémio GQ Men of the Year, na categoria ciência.

Andreia Tracana, Giulia Sent e Carolina Sá junto ao Discovery em Ponta Delgada

Carolina Sá, professora do DBV e investigadora do polo da Faculdade do MARE, doutorada em Ciências do Mar, juntamente com Andreia Tracana, Giulia Sent respetivamente mestre e estudante do mestrado em Ciências do Mar, também elas investigadoras do MARE Ciências ULisboa, participaram no cruzeiro AMT29, que atravessou o Atlântico, desde o Reino Unido até Punta Arenas, na América do Sul, a bordo do navio Discovery.

Páginas