Dictum et factum

Octávio Pinto

Octávio Pinto

GCIC Ciências ULisboa

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências ?

O primeiro Dictum et factum é com Octávio Pinto, técnico superior do Núcleo de Controlo de Gestão e Sistemas de Informação de Ciências..

Quando era criança já sabia que profissão gostaria de ter no futuro?

Octávio Pinto (OP) - Sim, e soube muitas vezes que gostaria de ter profissões diferentes: médico, biólogo, explorador...

Como surgiu a hipótese de trabalhar em Ciências?

OP - Completamente por acaso, através da resposta a um anúncio no jornal.

Foi o 1.º emprego?

OP - Não. Tinha trabalhado anteriormente numa sociedade de locação financeira.

Há quantos anos trabalha em Ciências?

OP - Há 14 anos (comecei a trabalhar em Ciências ULisboa no dia 3 de setembro de 2001).

O que começou por fazer quando aqui chegou?

OP - Trabalhei na inserção de dados relativos a investigação, numa plataforma informática desenvolvida em Lotus Notes pelo colega Henrique Figueiras.

E agora como é o seu dia-a-dia?

OP - Estou envolvido no projeto de implementação do novo sítio de Ciências, ocupando grande parte do meu tempo na migração de conteúdos e também no desenho e apoio ao desenvolvimento de novos sistemas de informação. Acabo por ajudar a fazer a ponte entre a empresa responsável pelo novo template, a Unidade de Informática e as Unidades de Ciências, de acordo com os pressupostos e objetivos definidos pela Direção. Importa acima de tudo destacar que não trabalho sozinho, e que tudo nasce da comunicação e do trabalho de equipa.

O que é que mais gosta de fazer na unidade onde está inserido?

OP - Trabalhar na área dos sistemas de informação, nomeadamente em projetos que promovam a simplificação e a melhoria dos serviços prestados.

Há alguma coisa que não aprecia na sua rotina profissional?

OP - Prazos demasiado reduzidos e que possam resultar de falhas no planeamento.

Na sua opinião o melhor da Faculdade é…?

OP - Ser um espaço aberto e plural.

E o melhor da Administração Pública, o que é?

OP - Poder contribuir para a prestação de um serviço público, por e para os cidadãos - porque a vida não se esgota no lucro.

Se tivesse que escolher um adjetivo para o descrever, qual seria a palavra escolhida?

OP - Disponível.

Porquê?

OP - Porque gosto, e preciso, de ajudar.

Ana Subtil Simões, Gabinete Comunicação, Imagem e Cultura de Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

“Quando escrevo, há alturas em que as ideias e o material fluem de forma tão espontânea que me surpreendo com o resultado! É como se as personagens tomassem as rédeas e dissessem: ‘quero dizer isto e fazer aquilo!’ E eu limito-me a obedecer-lhes…”, comenta o professor da FCUL, João Lin Yun.

As candidaturas à formação avançada decorrem até 13 de dezembro. Para esta 1.ª edição, que se inicia a 13 de janeiro de 2014, devem ser atribuídas seis bolsas mistas cujos trabalhos decorrem em Portugal e no estrangeiro, com o intuito de desenvolver projetos conjuntos entre países.

Paulo Veríssimo, professor catedrático do DI-FCUL, participou no passado dia 25 de novembro de 2013, no programa "Sociedade Civil", transmitido na RTP2.
 

Um dos resultados chave da análise levada a efeito é o de que a língua portuguesa é um dos idiomas para o qual a preparação tecnológica para a era digital é "fragmentária".

Durante o evento será lançado o programa doutoral em Filosofia da Ciência, Tecnologia, Arte e Sociedade, recentemente aprovado pela FCT, com a mais elevada classificação: “Exceptionally strong with essentially no weaknesses”.

O sucesso do Biobanco-IMM é promovido pelo contínuo aumento de parcerias e colaborações não só com empresas de biotecnologia e unidades de saúde, mas também com institutos de investigação científica e investigadores académicos de ciências básicas, como os investigadores da FCUL.

SIMPLES AZULEJOS

Azulejos quadrados e Matemática

 

Atualmente a equipa prossegue com os trabalhos de correção de falhas e de afinação do CuCo de modo a dar apoio às sete faculdades marroquinas e a prepará-lo também para entrar em operação no DI-FCUL já no próximo ano letivo.

Chama-se galáxia IRAS 08572+3915 e é a mais luminosa do universo local. José Afonso é um dos membros da equipa de astrónomos internacionais, que anunciou recentemente a descoberta. O investigador da FCUL e dirigente do CAAUL é muito otimista quanto ao presente e futuro desta área científica.

Consulte informação adicional aqui.

Bill Fyfe foi um grande amigo de Portugal. Orientou ou coorientou vários doutoramentos de portugueses, acerca de temas relevantes para Portugal e fomentou as ligações científicas entre Portugal-Brasil-Canadá. Em 1990 a Universidade de Lisboa outorgou-lhe o grau de doutor honoris causa.

Uma das consequências do aumento da disponibilidade de fontes laser de maior potência, compactas e a baixo preço é o aumento da sua má utilização.

“O objetivo do Circo é mostrar que é possível utilizar resultados matemáticos para produzir resultados espetaculares e para divertir e motivar as pessoas”, explicou o professor da FCUL, Pedro Freitas.

Temos sido pioneiros de muito boas práticas no ensino superior. Uma excelente escola e nós, que cá estamos, sabemos isso. E os alunos também. Os que cá estão e os que já cá estiveram. Mas hoje não chega. Temos que saber responder aos desafios e temos que exportar as nossas mais-valias.

Atualmente estudam na FCUL mais de cinco mil alunos, a maioria conhece bem os cantos da casa centenária, outros nem tanto, por isso é especialmente importante o acolhimento dado durante o arranque do ano letivo, que o digam a Catarina, a Leonor e o Ricardo!

Num planeta com mais de 7000 milhões de pessoas, vão ser necessárias quantidades enormes de alguns recursos naturais que começam a escassear. Chegará em breve a era da mineração submarina? Existe tecnologia adequada? Será possível a mineração em condições de preservar a diversidade natural dos ecossistemas marinhos?

Através de diversas atividades práticas vamos aprender qual o papel do sol na dinâmica da atmosfera e do oceano, qual a importância dos oceanos, das calotes polares e da vegetação, como se formam as nuvens e os sistemas meteorológicos, e como funciona o ciclo da água.

Foi a 26 de Outubro que se realizou a Maratona Inter-Universitária de Programação, 2013, (MIUP2013).

Uma das surpresas do Dia Internacional passa pela exposição do concurso de fotografia lançado recentemente e alusivo ao tema “Mobilidade Internacional”.

Atualmente, para além do “básico” lápis de grafite com que todos ainda escrevemos, até o desenvolvimento dos carros híbridos está dependente da evolução e extração dos recursos da nossa “casa”.

Como é que são gerados os tremores de Terra? E os tsunamis? Como é que nós reconhecemos no terreno a existência de tsunamis antigos? Porque é que na Nazaré vemos ondas tão grandes? Todos estes fenómenos são o reflexo de um enorme dinamismo do nosso planeta.

SCOPUS é também uma ferramenta para estudos bibliométricos e avaliações de produção científica.

Na cobertura dos edifícios da Universidade de Lisboa foi recentemente instalada a maior central fotovoltaica da cidade de Lisboa. Para além da bela vista sobre o Jardim do Campo Grande, vamos poder apreciar os desafios e o potencial dos telhados urbanos para produção de eletricidade solar.

Páginas