27 e 28 abril 2017

Jobshop Ciências

“Enquanto docente grande parte das minhas funções passam por integrar os nossos estudantes no mercado de trabalho”, diz Cristina Catita, professora do DEGGE e uma das organizadoras da feira anual de emprego

ACI Ciências

Indicadores Jobshop Ciências 2016

35 empresas/entidades participantes
30 workshops empresas
858 alunos inscritos nos workshops empresas
17 apresentações no “Flash Empresas”
11 apresentações de estudantes “Talentos em Ciências”
21 antigos alunos presentes no “Espaço Alumni
210 alunos inscritos nos workshops de preparação para o mercado de trabalho, sessões de role play de entrevistas de trabalho, revisão de currículos e sessão de competências empreendedoras

Nos dias 27 e 28 de abril de 2017 realiza-se a 8.ª edição da feira anual de emprego da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Conhecer o lado prático do curso foi um dos motivos que levou Carolina Xavier a participar o ano passado na Jobshop Ciências na qualidade de finalista da licenciatura em Matemática Aplicada, ramo de Estatística e Investigação Operacional.

Refletir sobre o que podem fazer no futuro é um fator de motivação. “Um aluno quando acaba o curso quer ter algum apoio”, conta Daniel Oliveira, formado em Engenharia da Energia e do Ambiente.

Diana Botelho Duarte estuda Matemática em Ciências e antes de terminar o curso pretende saber como é que as empresas funcionam, por isso já frequentou um estágio de verão.

Rita Matildes apoiou a organização do evento o ano passado, na época estava preste a entregar a tese de doutoramento em Ciências Geofísicas e da Geoinformação, especialização em Engenharia Geográfica, e durante o evento pôde estabelecer contactos com algumas empresas. Para Rita Matildes “esta jobshop foi incrivelmente cheia, extremamente intensa e com uma afluência enorme”.


Celso Pinto

“Passados 3/4 meses de terminar a licenciatura em Geologia Aplicada do Ambiente estava a trabalhar na área que queria e com as pessoas que queria… Melhor era impossível”, conta Celso Pinto, técnico superior do Departamento Litoral e Proteção Costeira da Agência Portuguesa de Ambiente.

O ano passado participou na Jobshop Ciências e conversou com alunos da licenciatura em Geologia, alertando-os para o que poderá vir a ser o mercado de trabalho e para os desafios que irão enfrentar, deixando alguns conselhos. Empenho e genuinidade são características importantes e conciliadas com alguma sorte e muita perseverança podem determinar o sucesso profissional.

Celso Pinto trabalha desde 2000. Em 2012 começou a trabalhar na Agência Portuguesa de Ambiente estando ligado ao planeamento costeiro, gestão do risco costeiro, questões relacionadas com a erosão costeira e as próprias intervenções que são feitas no litoral português. Formou-se em Ciências há 16 anos e em 2007 regressou à Faculdade como trabalhador/estudante para realizar o mestrado em Geologia Económica e Aplicada. Quis juntar o útil ao agradável. “A Universidade tem um papel muito importante! Depois de estar a trabalhar há alguns anos senti necessidade de acrescentar mais conhecimento à minha área”, refere salientando que a investigação aplicada tem benefícios para a universidade e para a entidade empregadora, por isso há vários anos que trabalha em conjunto com a Faculdade.

“A faculdade não é só o conhecimento, dá outras valências que são tão ou mais importantes que o conhecimento, tais como: trabalhar em equipa, sobre pressão, com pessoas de diferentes áreas; saber ouvir e saber lidar com situações de stress.”
Celso Pinto, Agência Portuguesa de Ambiente

A poucos dias da Jobshop Ciências 2017, a opinião de quem já participou no fórum destinado a promover o contacto entre o mundo empresarial, a área internacional, o setor público e os estudantes finalistas e recém-graduados dos vários cursos de Ciências é muito positivo.

"Uma faculdade que se preocupa com o conhecimento que os alunos recebem e com a sua integração no mercado de trabalho é uma faculdade que dá segurança"
Conversas em Ciências com Gustavo Ribeiro

Gustavo Ribeiro começou a trabalhar na Accenture antes de terminar o mestrado integrado em Engenharia Biomédica e Biofísica. Através da consultoria ganhou competências em muitas áreas. Para Gustavo Ribeiro o conhecimento técnico é importante mas a vontade de aprender é fundamental. “O espirito crítico é muito valorizado pelos empregadores”, diz o antigo aluno de Ciências.


Joana Estevans

Joana Estevans começou a trabalhar na Fidelidade ao mesmo tempo que começou a tirar o mestrado em Matemática Financeira. A jovem é atuária do ramo não vida. Os conhecimentos adquiridos na licenciatura em Matemática ensinaram-na a pensar. Para a jovem, “as pessoas têm que procurar o que querem e o que gostam”. Como gosta muito de estudar, ingressou no doutoramento em Estatística e Investigação Operacional.

Uma feira pensada para os alunos e sua empregabilidade
Conversas em Ciências com Ana Atouguia

“O envolvimento de todos foi a chave do sucesso”, diz Ana Atouguia, a propósito da última edição da feira anual de emprego. “É muito importante trabalharmos para o mesmo objetivo e aqui foi isso que aconteceu”, conclui a coordenadora do Gabinete de Empregabilidade da Área de Mobilidade e Apoio ao Aluno (AMAA), que aconselha os estudantes a consultarem com regularidade o portal de emprego.

Se os alunos tiverem dúvidas sobre oportunidades de emprego, quiserem saber mais sobre os empregadores também podem dirigir-se ao atendimento geral e entrar em contacto com o Gabinete que está disponível para rever currículos e prestar apoio em processos de recrutamento, por exemplo.

Competências transversais dos alunos
Conversas em Ciências com Andreia Santos

O ano passado a adesão à feira de emprego foi grande. Para Andreia Santos, psicóloga no Gabinete de Apoio Psicopedagógico (GAPsi) da AMAA, este tipo de atividade é muito importante. “Estas pessoas não têm nenhuma experiência com o mercado de trabalho”, diz acrescentando que o evento permite que os estudantes reflitam sobre a temática.

A Maxdata está sempre a recrutar por isso também foi uma das empresas presentes na feira anual de emprego. O que procuram? Pessoas com brio, competentes e dispostas a dar o máximo todos os dias.

"O melhor de Ciências é a transversalidade do conhecimento dos nossos alunos"
Conversas em Ciências com Cristina Catita

Cristina Catita, professora do DEGGE e uma das organizadoras da Jobshop Ciências, entende que este acontecimento proporciona um conhecimento bilateral. “Enquanto docente grande parte das minhas funções passam por integrar os nossos estudantes no mercado de trabalho”, afirma realçando que espera que este ano haja ainda uma maior mobilização por parte do corpo docente e dos estudantes.

“Tudo aquilo que ajudar os nossos estudantes a entrar no mercado de trabalho é importante para a nossa Faculdade de Ciências, não só por razões de responsabilidade social, mas também práticas”, comenta José Rebordão, subdiretor de Ciências. Este ano espera que o acontecimento seja ainda melhor e o culminar dos anos anteriores. Para José Rebordão, a Jobshop Ciências é um instrumento fundamental para a atuação da faculdade, uma responsabilidade permanente e uma oportunidade para as empresas conhecerem o universo Ciências.

"Encontramos graduados de qualquer área científica associados a empresas de qualquer área de negócio"
Conversas em Ciências com José Rebordão

Rui Roda estudou Engenharia Física em Ciências por isso foi com especial prazer que participou o ano passado na feira de emprego. Entrou no mercado de trabalho em finais de 1989 numa iniciativa deste género, através de um estágio profissionalizante. Primeiro trabalhou com lasers, depois mudou para o mercado das telecomunicações. Atualmente coordena os programas de Inovação da ESRI Portugal. A responsabilidade que lhe está atribuída é dinamizar os SIG e dar suporte às ideias inovadoras.

“A jobshop em si é a oportunidade de vir buscar talentos para a ESRI Portugal. Neste momento 10% dos seus quadros são pessoas que saíram daqui.”
Rui Roda, ESRI Portugal

Bruno Ferreira também estudou em Ciências. Primeiro frequentou a licenciatura em Biologia Ambiental Terrestre e mais tarde o mestrado em Ecologia e Gestão Ambiental. Recorda com carinho esses anos produtivos, considerando a experiência interessante. A capacidade de análise e de encontrar soluções interessantes ganhou-os na faculdade, diz o jovem cujo primeiro emprego foi numa consultora. O ano passado esteve no Espaço Alumni para falar da sua experiência. Conversou com cinco alunas de Biologia e deixou conselhos, nomeadamente que participem em projetos de investigação e que tenham interesse em descobrir “coisas” novas.

“Trabalhar e estudar ao mesmo tempo foi muito importante.”
Bruno Ferreira, Prosegur


Inês Vilas Boas e Duarte Lima

Quando Inês Vilas Boas e Duarte Lima participaram na Jobshop Ciências estavam no último ano do mestrado em Engenharia Geográfica. Ela estudava a vulnerabilidade sísmica dos edifícios de Lisboa em 3D, ele edifícios inteligentes. Participaram em vários workshops e também entregaram currículos. Durante a feira os alunos podem contactar com as empresas nas bancas e tirar dúvidas, como foi o caso de Filipe Azinheira, na época finalista de Estatística Aplicada.

A Just Code it quer chegar aos estudantes e por isso participou na feira de emprego. O conceito é simples: permitir o desenvolvimento de projetos de alunos de qualquer área, enquanto ainda são estudantes.

“Quanto mais investigamos, mais ideias alcançamos para aplicar no dia-a-dia”, comenta Miguel Costa, licenciado, mestre e doutor em Engenharia Informática, atualmente na NOS. Enquanto aluno de Ciências Miguel Costa participou em muitas Informanias. “É importante que os alunos tenham uma visão das várias empresas que estão no mercado e o que procuram”, comenta. Para Miguel Costa os estudantes que procuram uma experiência profissional devem ter sempre uma atitude positiva: acreditar em si próprios, arriscar sem medo de falhar.

Ana Prata, cofundadora da MY.SKINMIX, é empreendedora por natureza e foi nessa condição que participou na jobshop. Falou da sua experiência como estudante de Microbologia Aplicada, da sua startup e de como se sente realizada afirmando que é muito importante não largarmos o que gostamos de fazer.

"É importante que percebam que podem fazer alguma coisa diferente"
Conversas em Ciências com Ana Prata

Para Sandro Batista, da Focus BCc, foi muito importante estar presente no fórum, até porque a Faculdade tem sido “uma ótima fonte de recursos humanos”, especialmente das áreas de Engenharia Geográfica e Engenharia Geoespacial. Patricia Silva, da Caixa Mágica, normalmente acompanha as feiras de emprego e o ano passado esteve pela primeira vez em Ciências. O balanço foi positivo. Rita Ardisson, da Glintt, também considerou a experiência positiva salientando os perfis “muito interessantes” dos alunos que entrevistaram.

Notícias relacionadas - info-Ciências digital
Informania e a CADI-FCUL 22 junho 2011
Informania decorre de 17 a 20 de Abril - 17 de abril 2007

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
abutre

"Centenas de cadáveres destes abutres encontravam-se sem cabeça, empilhados e intencionalmente escondidos sob arbustos", escreve Mohamed Henriques, doutorando do programa doutoral Biologia e Ecologia das Alterações Globais no polo da Faculdade do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM), juntamente com outros investigadores e conservacionistas numa carta publicada em outubro na Science.

O Dia da Investigação acontece a 28 de outubro de 2020

O Dia da Investigação acontece a 28 de outubro e será transmitido através do canal YouTube da Ciências ULisboa, anuncia a Faculdade em comunicado de imprensa. Consulte o programa e saiba quais são os temas em análise e os oradores das várias sessões, inscreva-se no evento e para ter uma ideia do que o espera assista à reportagem.

Flávio Gomes Oliveira a verificar se as armadilhas capturaram algum musaranho

Flávio Gomes Oliveira, doutorando do programa doutoral em Biologia e Ecologia das Alterações Globais, é um dos autores de um estudo publicado em outubro na Behavioral Ecology, cujos resultados integram a sua tese de doutoramento. Nesta entrevista o jovem investigador faz um balanço dos primeiros anos do doutoramento e deixa conselhos para quem quer seguir esta área.

Musaranho-de-dentes-brancos a ser devolvido à natureza

Um estudo realizado em Lisboa por um grupo de investigadores do CESAM, polo da Ciências ULisboa e da Universidade Adam Mickiewicz de Poznań, na Polónia, detetou diferenças substanciais no comportamento e metabolismo dos musaranhos-de-dentes-brancos que ocorrem na capital portuguesa, quando comparados com indivíduos provenientes de áreas naturais.

Emmanuelle Charpentier e a Jennifer Doudna

Este ano, o Prémio Nobel da Química foi atribuído às cientistas Emmanuelle Charpentier e Jennifer Doudna pelo "desenvolvimento de um método de edição do genoma", denominado CRISPR/Cas9. Leia o artigo da autoria de Lúcia Santos e Madalena Pinto, estudantes de doutoramento no polo da Faculdade do BioISI e Federico Herrera, professor do Departamento de Química e Bioquímica e investigador do BioISI.

Chuva intensa

Um estudo publicado na Nature Communications revela um aumento significativo da quantidade de humidade proveniente das regiões fornecedoras de água precipitável, água transportada até aos continentes pelos chamados rios atmosféricos (ARs).

Logotipo dos Prémios Científicos ULisboa/Caixa Geral de Depósitos 2019

A cerimónia de entrega dos Prémios Científicos ULisboa/CGD 2019 estava prevista para 20 de outubro, na Reitoria da ULisboa, mas face à evolução da pandemia da COVID-19 e na sequência da resolução do Conselho de Ministros emitida recentemente, a cerimónia será adiada para data a anunciar quando as condições de segurança estejam novamente reunidas. Das 30 distinções desta última edição, cinco são para professores e investigadores da Ciências ULisboa.

Roger Penrose, Reinhard Genzel e Andrea Ghez

O Prémio Nobel da Física 2020 distingue um dos teóricos mais distintos dos últimos 60 anos, o matemático e físico sir Roger Penrose e os astrónomos Reinhardt Genzel e Andrea Ghez, que revelaram a presença de um buraco negro extremamente massivo na região central da Via Láctea. Leia o artigo dos cientistas José Pedro Mimoso e Nelson Nunes, em colaboração com José Afonso e António Amorim.

Imagem abstrata

Ciências ULisboa integra a Rede de Inovação da Imprensa Nacional-Casa da Moeda (INCM), cujo objetivo é promover a ponte entre a investigação produzida em ambiente académico e o contexto industrial e empresarial.

Logotipo Radar Tec Labs

Oitava rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a QPLab.

Campus da Ciências ULisboa

Ciências ULisboa volta a preencher a totalidade das vagas, no âmbito da 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso (CNA) ao ensino superior: 1001 candidatos conseguiram colocação nas 13 licenciaturas e nos três mestrados integrados desta faculdade, 449 como 1.ª opção. O número de vagas aumentou na maioria dos cursos, assim como as notas dos últimos alunos colocados nesta 1ª fase.

Cidade

Melhorar o funcionamento e a otimização energética de edifícios e equipamentos, resolvendo algumas das suas limitações, é um dos objetivos do projeto “Self Assessment Towards Optimization of Building Energy (SATO)”, liderado pela Ciências ULisboa e que tem início marcado para o próximo mês de outubro. O projeto integra 16 parceiros europeus da academia e dos sectores público e empresarial e representa a primeira grande colaboração científica entre o LASIGE e o IDL.

Papéis, canetas e braços

Vários alunos da Ciências ULisboa, da Universidade do Algarve (Ualg) e da Faculdade de Medicina Dentária (FMD) da ULisboa apresentaram este verão projetos de iniciação à investigação, desenvolvidos no âmbito da iniciativa “Sê Investigador por Três Semanas!”, promovida pelo Centro de Estatística e Aplicações da Universidade de Lisboa (CEAUL), com o objetivo de cativar os jovens para esta atividade.

cabra-montês

Dezenas de cientistas, técnicos e vigilantes da natureza do ICNF - Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, bem como cidadãos uniram-se em prol do novo Livro Vermelho dos Mamíferos de Portugal continental. O objetivo é melhorar até 2021 o conhecimento destas espécies e dessa forma contribuir para o estabelecimento de medidas e ações de conservação.

Imagens de perfil de 19 cientistas

Entre março e julho deste ano, as redes sociais da Faculdade deram a conhecer 19 pessoas e histórias de investigação, no âmbito da iniciativa “O que faço aqui?”, disponível no site da Faculdade.

Pessoa com livros

"Neste momento tão dinâmico em que vivemos será importante pensar sobre aquilo que se pode ou não controlar e ir aprendendo a navegar perante a realidade que se apresenta a cada momento", escreve a psicólogia Andreia Santos.

Alunos e professoras no campus da Faculdade

O novo ano letivo começou esta semana e a Faculdade deu as boas-vindas aos alunos do Advanced Quantitative Methods on Health Care Innovation, cujas aulas online começaram esta terça-feira e se prolongam em Portugal até ao próximo dia 15 de outubro.

Estação de Extração de RNA

“Foi incrível perceber que numa adversidade, o ser humano tem a capacidade de se reinventar e criar novos projetos", diz Daniel Salvador, voluntário no CT Ciências ULisboa, entre maio e julho, licenciado e mestre pela Ciências ULisboa, atualmente estudante do 4.º ano do doutoramento em Saúde Ambiental da Faculdade de Medicina da ULisboa.

Criança em casa acompanhada pela presença de um adulto

Uma equipa de nove estudantes da ULisboa - LxUs -, supervisionados por Hugo Ferreira, professor do Departamento de Física e investigador do Instituto de Biofísica e Engenharia Biomédica da  Ciências ULisboa, ganhou o Translation Potential Runner-Up Award na 5.ª edição do SensUs Student Competition, 2.º lugar na categoria de potencial de translação, um prémio que valoriza a capacidade de criação de um modelo de negócio, viável e com qualidade.

Pormenor da visão artística da observação da "estrela bebé"

Pela primeira vez foi possível observar como é que uma “estrela bebé” adquire massa até chegar à sua massa final. Arcos de campo magnético ligam a “estrela bebé” ao disco circundante e a massa flui. Os resultados desta observação encontram-se publicados na revista Nature. O artigo resulta de uma colaboração no âmbito do GRAVITY, um instrumento desenvolvido por um consórcio internacional e do qual fazem parte cientistas do CENTRA, polo da Ciências ULisboa.

Marta Palma no CT Ciências ULisboa

“A maior aprendizagem é perceber que de facto existem pessoas maravilhosas, com uma enorme generosidade e grande sentido de voluntarismo e muito dinâmicas. E que trabalhando juntos, podemos de facto fazer a diferença”, diz Marta Palma, funcionária do Departamento de Biologia Animal e voluntária no Centro de Testes Ciências ULisboa.

Homem em banco de jardim, observando o rio

Andreia Santos, psicóloga do GApsi Ciências ULisboa, deixa um alerta: "o nível de cansaço sentido pelas pessoas a assistir a conferências, palestras através de um ecrã é superior ao de assistir ao mesmo de forma presencial".

Vanessa Mendonça

“Este prémio simboliza não só o reconhecimento do meu trabalho, mas também de toda a equipa que nele participou”, conta Vanessa Mendonça, segunda classificada pelo Prémio de Doutoramento em Ecologia - Fundação Amadeu Dias 2020. Vanessa Mendonça concluiu o mestrado e o doutoramento na Faculdade e atualmente é investigadora do MARE.

A SPECO anunciou recentemente os vencedores do Prémio de Doutoramento em Ecologia - Fundação Amadeu Dias 2020. José Ricardo Paula é o grande vencedor desta edição e irá apresentar o seu trabalho no 19.º Encontro Nacional de Ecologia, este ano associado às cerimónias dos 25 anos da SPECO, e que se realiza em dezembro, em Ponte de Lima.

Centro de Testes

Rita Loewenstein Simões, de 23 anos, é voluntária no Centro de Testes Ciências ULisboa, na estação Mix e Real-Time PCR, desde maio passado. Para esta jovem bióloga, formada na Faculdade, este trabalho tem um significado muito simples: ajudar. E foi exatamente isso que a motivou - saber que todas as horas que disponibilizasse fariam a diferença.

Páginas