Bolsas Calouste Gulbenkian

Lápis, papel e motivação para continuar a estudar

Entrevista a Diogo Caetano

"Isto motiva-me muito, [faz com que queira] continuar a esforçar-me para ter bons resultados e criar novas oportunidades para o meu futuro", diz Diogo Caetano

No programa Novos Talentos em Matemática, edição 2016/2017,da Fundação Calouste Gulbenkian, foram distinguidos três alunos de Ciências. Desta vez, apresentamos a entrevista ao aluno do 1.º ano do mestrado em Matemática, Diogo Caetano.

Foi estudante de licenciatura em Matemática em Ciências e, pela relação positiva criada com os professores, optou por voltar e dar continuidade aos seus estudos dentro desta área e na referida faculdade.

O título do projeto pelo qual foi distinguido pela Fundação Calouste Gulbenkian é “Comportamento assimptótico de equações diferenciais retardadas em modelos populacionais”, e insere-se na área das equações diferenciais.

Na entrevista a seguir apresentada, fique a conhecer o percurso deste estudante.

O que significa para si esta distinção?

Diogo Caetano (DC) - Fiquei muito feliz com a atribuição do prémio! É muito recompensador ver que o meu trabalho e a minha dedicação durante a licenciatura foram efetivamente valorizados. Isto motiva-me muito, [faz com que queira] continuar a esforçar-me para ter bons resultados e criar novas oportunidades para o meu futuro.

Que momentos destaca ao longo do seu processo de aprendizagem na área da Matemática, nesta Faculdade?

DC - Estou na faculdade desde 2013 e todos os anos que aqui passei foram muito felizes. Tenho de destacar, contudo, o segundo e terceiro anos. No segundo, tive a oportunidade de ser bolseiro do programa “Novos Talentos em Matemática”, também pela Fundação Calouste Gulbenkian, e considero que aprendi muito com o trabalho que desenvolvi durante esse ano letivo. Foi a primeira vez que tive acesso a artigos científicos e que tive de apresentar o meu trabalho para outros colegas e professores da área. Retirei muito desta experiência. Por fim, tenho de realçar o meu terceiro ano da licenciatura: não foi diretamente na faculdade, mas foi proporcionado pela faculdade. Tive a oportunidade de estar fora, ao abrigo do programa Erasmus+, numa universidade no Reino Unido, e foi um ano muito enriquecedor a nível matemático, claro, mas que teve também um contributo enorme para o meu desenvolvimento pessoal.

Que importância considera que este tipo de apoio tem para os jovens investigadores?

DC - A meu ver, estes programas de bolsas e estímulos são muito importantes para os alunos que, como eu, ambicionam tornar-se investigadores no futuro. Permitem que, desde cedo, tenhamos contacto com a Matemática que está a ser feita no presente e que possamos conhecer algumas das questões que estão a ser estudadas e algumas das pessoas que as estudam, o que nos envolve de forma mais ativa na comunidade científica. Possibilitam também que trabalhemos de forma próxima com investigadores experientes, que partilham connosco parte do seu trabalho e têm muito para nos ensinar. Podemos retirar destas experiências muitos ensinamentos valiosos que terão, certamente, um efeito positivo no nosso futuro pessoal e profissional.

Em que consiste o projeto pelo qual é distinguido?

DC - O título do nosso projeto é “Comportamento assimptótico de equações diferenciais retardadas em modelos populacionais”, cujo tema se insere na área das equações diferenciais. É sabido já há alguns séculos que os fenómenos da Natureza se regem por leis matemáticas e as equações diferenciais são utilizadas para modelar alguns destes fenómenos (por exemplo, para traduzir o crescimento de uma população, a propagação de uma doença, ou mesmo fenómenos meteorológicos). As equações diferenciais retardadas (EDR), surgem para fornecer modelos mais realistas de algumas destas situações e apresentam algumas diferenças em comparação com as equações diferenciais (ditas ordinárias) que aprendemos a estudar nos primeiros anos da licenciatura. Numa primeira fase, o nosso trabalho consistiu em estudar a teoria das EDR e, em particular, entender algumas dessas diferenças. Na segunda fase, que está a decorrer agora, o objetivo é aplicar esta teoria ao estudo de alguns modelos populacionais - por exemplo, modelos de tipo Nicholson -, e tentar dar resposta a algumas questões que permanecem em aberto sobre estes sistemas.

Quais os próximos passos a dar, com o reforço do prémio?

DC - Essencialmente, e para já, são necessários lápis, papel e motivação para continuar a estudar o tema! Possivelmente, participarei em outras conferências, escolas ou cursos, dentro ou fora do país, para os quais o apoio do prémio é fundamental.

De que forma se atingem tão bons resultados? 

DC - Trabalho, dedicação e muito interesse. Pessoalmente, tentei sempre manter um bom equilíbrio entre a parte da minha vida que envolve matemática e aquela que não envolve - ao longo destes anos, tenho-me esforçado para conciliar os estudos com alguns hobbies (por exemplo, música, livros ou passeios e viagens) e sinto que estas atividades contribuem para me manter motivado e com vontade de continuar a trabalhar.

Há algum professor e/ou colega que o tenha marcado?

DC - Há muitos colegas que marcaram e continuam a marcar o meu percurso pela Faculdade de Ciências e muitos professores com quem aprendi muito, que me são muito queridos e que me fizeram, entre outros motivos, querer voltar à FCUL para prosseguir os meus estudos em Matemática ao nível do 2.º ciclo. Tenho de referir, claro, a professora Teresa Faria, que está a orientar este projeto. Lembro-me de, no final do meu 2.º ano, lhe pedir que não se esquecesse de mim, porque ia querer voltar a ter oportunidade de ser seu aluno e aprender com ela. E, de facto, estamos aqui, agora! :)

Raquel Salgueira Póvoas, Área de Comunicação e Imagem
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Reitoria da ULisboa

O CWUR 2024 avaliou de entre 20.966 instituições de ensino superior e atribuiu à ULisboa o 211.º lugar (top 1.1%) e a 80.ª posição no panorama europeu.

Fotografia de participantes na Training School

CLEANFOREST na vanguarda da compreensão dos efeitos dos extremos climáticos e poluição nas florestas Europeias

Participantes no Dia Aberto

O campus ganhou vida, cor e energia proveniente do entusiasmo dos cerca de 2000 alunos de 170 escolas de norte a sul do País.

CIÊNCIAS esteve presente nesta edição, com a participação dos docentes do Departamento de Física: Alexandre Cabral, no painel de abertura “À conversa sobre carreiras espaciais” e

Semana Internacional da Compostagem

Uma das transformações necessárias às entidades que querem progredir pelo caminho da sustentabilidade é fecharem os seus ciclos de materiais, nomeadamente o orgânico.

A VicenTuna - Tuna da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa - completou 30 anos em janeiro de 2024. Para comemorar, realizou no dia 30 de abril de 2024, a Festa da Primavera, um espetáculo de música e divertimento dedicado à comunidade de CIÊNCIAS e ao público em geral.

Celebrações dos 50 anos do 25 de abril de 1974 da Academia das Ciências de Lisboa

A 9 de maio realiza-se a segunda de duas jornadas de debate académico e científico organizadas pela Academia das Ciências de Lisboa, que tem por objetivo ‘analisar e discutir a evolução do panorama científico português de forma prospetiv

Lançamento do projeto Barrocal-Cave marca um novo capítulo na Conservação da Biodiversidade em Portugal

O prestigiado Palácio Gama Lobo foi o cenário escolhido para o lançamento do projeto Barrocal-Cave, financiado pelo Prémio Fundação Belmiro de Azevedo 2023.

No passado dia 10 de abril, tivemos a honra de receber um grupo de estudantes e dois professores da Universidade de Leiden, na Holanda. Com um total de 40 estudantes, todos da área das bio farmacêuticas, a visita prometia ser entusiástica.

Miguel Pinto

No dia 29 de abril, Miguel Pinto visitou a Escola Básica Professora Aida Vieira, no Bairro Padre Cruz em Lisboa, para realizar oficinas de divulgação científica e atividades didáticas.

Fotografia de alguns dos oradores

O que é a sustentabilidade? Como podemos agir a nível local, procurando um impacto global? Estas e muitas outras questões marcaram a segunda edição da Semana da Sustentabilidade CIÊNCIAS, entre 15 e 19 de abril de 2024.

Grande Auditório durante a celebração do 113.º aniversário de CIÊNCIAS

Mais de 500 pessoas assistiram no Grande Auditório à celebração do 113.º aniversário de CIÊNCIAS, na passada terça-feira, 23 de abril, numa cerimónia marcada por distinções, homenagens e um balanço dos últimos meses, com os olhos postos no futuro. 

Buracos negros Gaia

Um grupo de cientistas descobriu um grande buraco negro, com uma massa quase 33 vezes superior à massa do Sol, escondido na constelação de Aquila, a menos de 2000 anos-luz da Terra, ao analisar a grande quantidade de dados da missão Gaia da ESA.

Alunos com mãoes no ar num sala de aula

É possível brincar com a Matemática e prova disso foram as várias atividades que se realizaram na Faculdade nos dias 13 e 14 de março de 2024. Março foi um mês dedicado a esta ciência, motor da sociedade. Leia a opinião de quem participou nestas atividades e ainda nas Jornadas de Matemática.

Páginas