Grande Prémio Ciência Viva 2021

Entrevista com… Maria Amélia Martins-Loução

Maria Amélia Martins-Loução

Maria Amélia Martins-Loução é doutorada em Biologia e agregada em Ecologia e mais recentemente concluiu o mestrado em Comunicação de Ciência

ACI Ciências ULisboa

Salvar a biodiversidade: ainda vamos a tempo?

Em setembro passado a Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS), durante a Feira do Livro de Lisboa, organizou uma sessão de apresentação do livro “Riscos Globais e Biodiversidade”, da autoria de Maria Amélia Martins-Loução, acompanhada do debate “Salvar a biodiversidade: ainda vamos a tempo?”. Questionada com igual pergunta, Maria Amélia Martins-Loução responde: “Eu sou otimista por natureza por isso julgo - e acredito - que sim. Não a totalidade, mas também isso seria impossível tendo presente o conhecimento sobre a evolução e adaptação das espécies”.

A obra com uma tiragem de 5000 exemplares e preço de capa 3,5€ tem como público alvo a sociedade em geral, especialmente estudantes a partir do ensino secundário. Maria Amélia Martins-Loução ficou muito contente por ter sido convidada pela Fundação e acha que estes temas são importantes em termos de difusão do conhecimento.

Para António Araújo, diretor de Publicações da FFMS, trata-se de uma obra que integra a coleção de Ensaios, uma iniciativa própria da Fundação, que entendeu ser essencial abordar a temática das alterações climáticas e da biodiversidade, convidando para o efeito uma das mais conceituadas especialistas na matéria. “A urgência do problema e a sua magnitude farão, aliás, com que este não seja o último livro da FFMS sobre riscos globais, existindo até o firme compromisso de, no próximo ano, as alterações climáticas se converterem numa das linhas prioritárias da ação da Fundação Francisco Manuel dos Santos”, conclui.

Para Maria Amélia Martins-Loução, o título deste livro pretende realçar a ligação entre diferentes riscos globais e a biodiversidade, como ferramenta para minimizar os presentes problemas ambientais. “Este livro aborda as causas e consequências de muitos dos riscos globais atuais, através das lentes do metabolismo energético, da necessidade de alimentar uma população que aumenta exponencialmente e, por consequência, da sobre-exploração dos recursos naturais. Na primeira parte, intitulada ‘Riscos das Alterações climáticas’, tratam-se alguns conceitos sobre o metabolismo energético e as alterações climáticas, profundamente ligados à dependência energética dos seres vivos. Todos os processos metabólicos necessitam energia e todo o ecossistema está dependente de fluxos energéticos contínuos. A complexidade de formas de vida, o aparecimento do Homem e o crescimento e desenvolvimento social daí inerente, aumentou a necessidade de mais energia, da sua exploração e diversificação de consumo. Toda a utilização de fontes de energia traz desperdícios. Enquanto nos ecossistemas naturais os fluxos energéticos tendem para o equilíbrio através dos ciclos de nutrientes, nos sistemas urbanos os desperdícios perdem-se no ambiente alterando a atmosfera, a qualidade da hidrosfera e a diversidade funcional do solo. O ‘Risco inerente à produção de alimento’ é abordado na segunda parte. Quando se fala nos riscos devido às alterações climáticas explicam-se que advêm, sobretudo, da dependência dos combustíveis fósseis, para produção de energia e na mobilidade. Mas o aumento de população pressupõe e exige aumento de alimento. Alimento que é simultaneamente fonte e gasto de energia. Esta parte procura mostrar os atuais desafios da ciência muito ligados ao modo como se pode aumentar a produção, minimizando os impactes através da diversificação de sistemas agrícolas e da alteração de hábitos alimentares. A terceira e última parte deste livro aborda os ‘Riscos da Perda de Biodiversidade’. Mais do que alterações climáticas assiste-se a uma alteração global profunda do planeta em resultado da escassez de reservas e do excesso populacional. A perda de biodiversidade é, sobretudo, o resultado da alteração no uso da terra, principalmente a conversão de ecossistemas nativos em sistemas agrícolas para alimentar o mundo, e da sobre-exploração dos oceanos. A minimização dos riscos e dos subsequentes impactes pode ser realizada através do desenvolvimento de projetos de restauro ecológico com vista a repor e assegurar os serviços do ecossistema”, conta.

O Grande Prémio Ciência Viva 2021 distinguiu Maria Amélia Martins-Loução pela sua “ação notável na promoção da cultura científica enquanto professora, bióloga e divulgadora na área da Ecologia”.

A professora aposentada com acordo de cooperação do Departamento de Biologia Vegetal da Faculdade, investigadora no Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c), polo da Faculdade e presidente da Sociedade Portuguesa de Ecologia (Speco) “sempre fez aquilo que gostava de fazer” – disse-o à Ciência Viva antes da cerimónia de atribuição do prémio, num vídeo que passou durante o evento transmitido pelo YouTube, que contou com testemunhos, que a deixaram emocionada e salientaram a sua generosidade, sentido de responsabilidade, cidadania ativa e enorme alegria de aprender, marca dos grandes cientistas e comunicadores de ciência.

Nesta entrevista, publicada na área de notícias do site da sua Faculdade, partilha um comentário com os leitores: “Não parem nunca de querer saber. O conhecimento científico adquire-se aprendendo. Por isso, o esforço contínuo em inovar e cruzar saberes vale sempre a pena. Não para procurar distinções, mas por vocês, pelo puro prazer da aprendizagem e da transmissão do conhecimento”.

Estava à espera de ser distinguida com este prémio? Porquê?

Maria Amélia Martins-Loução (MAML) - Nunca esperei esta distinção. Aliás, todas as que tenho tido ao longo da minha vida, não faço nada por elas. Eu faço o que faço não para angariar louvores ou com ideias preconcebidas de valorização. Nunca fiz enquanto necessitava de fazer curriculum académico, muito menos agora. O que faço é por puro prazer, pela necessidade de divulgar, pela responsabilidade que sinto em continuar a transmitir o que sei aos outros.

Que comentário gostaria de deixar aos nossos leitores sobre esta distinção?

MAML - Não parem nunca de querer saber. O conhecimento científico adquire-se aprendendo. Por isso, o esforço contínuo em inovar e cruzar saberes vale sempre a pena. Não para procurar distinções, mas por vocês, pelo puro prazer da aprendizagem e da transmissão do conhecimento.  

Como analisa a cultura científica em Portugal?

MAML - Julgo que apesar do fraco investimento financeiro que ainda subsiste, o mundo académico tem tido a capacidade de mobilizar a juventude para o interesse genuíno em programas científicos, criando um caldo de cultura que tem crescido. Acho que as universidades sentem agora essa necessidade de se abrir à sociedade e de criar um élan de qualidade e novidade que motive e incentive os jovens a vir ter connosco. E isso é muito positivo.  Por outro lado os museus e centros de ciência estão muito pro-ativos levando até eles muito mais pessoas que, a pouco e pouco, vão levando a cultura científica e especialmente o interesse pela ciência a muito mais pessoas. Isto cria uma onda de atividades que se vai repercutindo e aumentando a cultura científica dos portugueses.

Que ações de promoção da cultura científica devem ser realizadas em Portugal e que fazem mais sentido para si nos tempos que correm?

MAML - Neste momento há ofertas diversificadas e em certos períodos do ano de tal modo elevadas que pode levar a um certo desinteresse. Por isso, há que desenvolver programas cada vez mais inovadores onde o público possa participar de forma ativa para se sentir envolvido na própria atividade. As tertúlias interdisciplinares, os world café são muito inspiradores e bem-sucedidos se forem bem conduzidos. E quando digo interdisciplinares digo mesmo isso, por exemplo, entre ciências e letras, à volta da ligação entre literatura e ciências ou arte e ciências ou mesmo entre Matemática e outras ciências. Eu fiz isso na exposição da Aventura da Terra no Ano da Matemática e foi espantoso como consegui levar diferentes matemáticos a interagir com biólogos, geólogos, físicos (é mais natural) e químicos de forma complementar e intuitiva. Tudo a propósito da evolução da Terra e da vida neste nosso planeta. Tudo isto foi organizado aos sábados de manhã e tivemos pessoas dos 15 aos 60, com formação em letras ou ciências. Que eu me lembre não houve adultos com o ensino secundário, apenas alguns jovens do 3.º ciclo e secundário. Infelizmente nunca tratei estes dados e devia!

Que planos tem para curto/médio prazo? 

MAML - Enquanto tiver saúde quero continuar a fazer o que tenho feito até aqui. Continuar a estudar, a ler todas as novidades científicas que surjam e a procurar transmitir o meu conhecimento aos jovens. Espero para o ano começar a implementar os cursos curtos para estudantes universitários dentro da área da Ecologia, cursos de formação de professores e conteúdos educativos para disponibilização online. E escrever… e é melhor não prometer mais nada porque são tantos os projetos que tenho em mente que já nem sei quais são os de curto e os de médio prazo.

Lançamento dos filmes LTER Portugal ocorreu na Faculdade

Maria Amélia Martins-Loução deu as boas-vindas e acompanhou todos aqueles que participaram na sessão de lançamento dos filmes LTER Portugal, ocorrida no passado dia 23 de novembro, no campus da Faculdade. Durante a iniciativa organizada pela Speco foi possível assistir aos quatro filmes produzidos e realizados por Miguel Cortes Costa e Carolina Castro Almeida e que retratam o trabalho de décadas de investigação dos ecossistemas portugueses de norte a sul do país. A Rede Nacional de Sítios e Plataformas de Investigação Ecológica de Longo-Prazo (LTER) tem uma escala espacial muito vasta e nela é realizada investigação a longo prazo. Margarida Santos-Reis, coordenadora da LTER Portugal e do LTsER Montado, foi uma das oradoras do acontecimento.

Maria Amélia Martins-Loução é doutorada em Biologia e agregada em Ecologia e mais recentemente concluiu o mestrado em Comunicação de Ciência. É autora de mais de 250 títulos, entre capítulos, livros, artigos e textos de divulgação.

Ana Subtil Simões, Área Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Entrevista com… Rui Agostinho
trevos-brancos

Um estudo - colaborativo e sem precedentes -, liderado por biólogos evolucionistas da Universidade de Toronto Mississauga, no Canadá, capa da Science esta sexta-feira, dia 18 de março, mostra como a urbanização está a influenciar a evolução de plantas no mundo. A investigação desenvolveu-se no âmbito do Global Urban Evolution Project e contou com a participação de quase 300 investigadores e estudantes universitários, entre eles membros da Ciências ULisboa e do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais.

planta e ácaros

Inês Fragata, investigadora do Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa e do grupo de Ecologia Evolutiva do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais, é uma das cientistas distinguidas com uma bolsa do European Research Council (ERC) Starting, no valor de cerca de 2M€, no âmbito do projeto “Feedback entre a dinâmica populacional e a evolução das interações num sistema tritrófico” (DYNAMICTRIO).

João Vieira e Ivo Canela

Na Póvoa, no Cadaval, distrito de Lisboa, João Vieira, octogenário, emigrante, técnico agrícola e um entusiasta da Agroecologia, lidera um grupo informal que promove variedades crioulas de sementes, que têm vindo a desaparecer desde a sua juventude. Ivo Canelas com Rebeca Mateus, da HortaFCUL, escrevem sobre a necessidade de adotar técnicas agrícolas mais eficientes, combatendo a monopolização da agricultura.

Participantes na EVT 2013, que também tinham participado no Encontro do Vimeiro em 1983

"Ross Leadbetter era amigo verdadeiro dos seus amigos, entre os quais me encontro, e é um dos gigantes da área de Valores Extremos (...)", escreve Maria Ivette Leal de Carvalho Gomes, professora emérita do DEIO Ciências ULisboa, na sequência do falecimento do professor emérito da University of North Carolina at Chapel Hill e doutor honoris causa da ULisboa.

Formação da zona de subducção de Vanuatu

Uma equipa de investigadores do Instituto Dom Luiz da Ciências ULisboa em parceria com cientistas da Universidade Johannes Gutenberg (JGU), em Mainz, na Alemanha, apresenta uma nova perspetiva para o início das zonas de subducção, contribuindo dessa forma para um maior conhecimento da teoria da tectónica de placas.

Marta Temido a dar a medalha a Manuel Carmo Gomes

Manuel Carmo Gomes, professor da Ciências ULisboa, foi um dos especialistas distinguidos com a Medalha de Serviços Distintos – grau Ouro do Ministério da Saúde. A distinção foi atribuída pela ministra da Saúde, Marta Temido, em reconhecimento pelo trabalho desenvolvido no âmbito da resposta à COVID-19.

pessoas a acenar na FCULresta

"Há um ciclo solar transformámos um relvado de 315 m2 no que pretende ser uma minifloresta densa e biodiversa. O que podemos observar passado o primeiro ano? Haverá motivos para celebrar a FCULresta?". Passado um ano desde o lançamento da primeira semente, os membros do projeto fazem um balanço de todo o processo.

Escola de Inverno na Macedónia do Norte

O cientista Tiago Guerreiro foi um dos oradores da “Winter School on e-Health & Pervasive Technologies”, a primeira escola de inverno do projeto WideHealth, e que contou com uma competição de Machine Learning, composta por 11 equipas e na qual o grupo da Faculdade alcançou o 4.º lugar e uma menção honrosa.

Logotipo da rubrica radar Tec Labs

Vigésima segunda rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a Neroes.

Maria Helena Garcia e Andreia Valente no laboratório

A Something in Hands - Investigação Científica Lda. (R-Nuucell), spin-off da Ciências ULisboa, vai receber um financiamento de €75.000 para desenvolver um novo medicamento para o cancro de mama triplo negativo.

professor Miguel Centeno Brito e paineis solares no telhado da faculdade

A Schweizer Radio und Fernsehenv, uma emissora de radiotelevisão suíça, esteve em Portugal e conversou com o professor Miguel Centeno Brito sobre energia solar e transição energética em Portugal.

Rita Pestana

Rita Pestana é aluna do 2.º ano do mestrado em Engenharia Física e em março inicia um estágio no Centro de Microanálises de Materiais, em Madrid, no âmbito do seu curso e ao abrigo do Marie Sklodowska-Curie Fellowship Programme da Agência Internacional de Energia Atómica.

Obras no campus da Faculdade

Ciências ULisboa prepara-se para concluir a última fase da requalificação das condutas de distribuição de água aos seus edifícios. Este projeto da responsabilidade do Laboratório Vivo para a Sustentabilidade irá contribuir para a diminuição da pegada ambiental da Faculdade e deverá possibilitar uma poupança significativa das despesas de funcionamento associadas ao consumo de água potável.

Conceção artística da superfície de Vénus

Um estudo publicado na revista Atmosphere, liderado por Pedro Machado, professor do DF Ciências ULisboa e investigador do IA, apresenta o conjunto de medições mais detalhado e completo alguma vez feito, de um observatório na Terra, das velocidades dos ventos em Vénus paralelos ao equador e à altitude da base das nuvens.

Abstrato dourado

A 26.ª edição dos Prémios da Associação Portuguesa de Museologia galardoou “Hortas de Lisboa. Da Idade Média ao século XXI” com o Prémio Exposição Temporária e “Almada Negreiros e o Mosteiro da Batalha – quinze pinturas primitivas num retábulo imaginado” com uma Menção Honrosa do Prémio Investigação.

Logotipo da rubrica radar Tec Labs

Primeira rubrica Radar Tec Labs do ano 2022 dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade.

Imagem artística de Proxima d, o candidato a planeta recentemente detetado à volta da estrela anã vermelha, Proxima Centauri, a estrela mais próxima do Sol

Uma equipa liderada por João Faria, antigo aluno da licenciatura de Física da Faculdade e investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, detetou um novo planeta à volta da estrela mais próxima do Sol – Proxima Centauri, anunciou o Instituto, na quinta-feira passada, dia 10 de fevereiro.

anfiteatro

Os alunos da Ciências ULisboa inscritos nos exames nos dias 11 e 12 de fevereiro podem realizá-los novamente em época extraordinária. De acordo com a Direção da Faculdade não existem indícios de se ter verificado a existência de um absentismo superior ao normal nas provas de avaliação realizadas nestes dois dias.

Campus da Faculdade

Ciências ULisboa, após contacto da Polícia Judiciária (PJ), colaborou estreitamente no contexto da investigação relacionada com a suspeita de atentado dirigido a estudantes universitários da ULisboa e que levou ao desenlace anunciado esta quinta-feira, dia 10 de fevereiro, pela PJ. A Direção da Ciências ULisboa congratula-se com o impedimento da referida ação.

Tubos de ensaio

Portugal tornou-se o mais recente membro do EU-OPENSCREEN, um consórcio europeu de infraestruturas de investigação para a Química biológica e descoberta inicial de fármacos. A participação portuguesa no EU-OPENSCREEN está integrada no Roteiro Nacional de Infraestruturas de Investigação, através do PT-OPENSCREEN. O CQE e o BioISI são parceiros desta infraestrutura.

Membros da rede MedECC na Sala do Senado na Assembleia da República

Cristina Branquinho, professora do DBV Ciências ULisboa e investigadora do cE3c, participou no 1.º Relatório de Avaliação - Alterações Climáticas e Ambientais na Bacia do Mediterrâneo - Situação Atual e Riscos para o Futuro realizado pela Rede de Especialistas do Mediterrâneo em Alterações Ambientais e Climáticas, distinguida com o Prémio Norte-Sul do Conselho da Europa.

Lisboa Romana | Felicitas Iulia Olisipo foi distinguida com os Prémios APOM 2021 e com os Prémios Património.pt. Esta iniciativa alvo destas distinções contou com a colaboração de cientistas do Departamento de Geologia da Ciências ULisboa e do Instituto Dom Luiz, entre outras entidades.

tela com várias cores coloridas

"Escrever é um ato criativo, ainda que seja sobre uma descoberta científica, um prémio a um investigador, uma empresa de sucesso que aqui nasceu", escreve Marta Tavares, do Gabinete de Jornalismo da Direção de Comunicação e Imagem da Ciências ULisboa. Mais um artigo em jeito de editorial.

Costa coberta de algas

Uma equipa de investigadores da Ciências ULisboa avaliou o desempenho de algoritmos de Inteligência Artificial (IA) destinados a avaliar a resposta fotoquímica de diatomáceas expostas a contaminantes emergentes.

Vinhas geladas na Áustria (leste)

A cientista Ana Margarida Fortes escreve uma crónica sobre a sua experiência em BOKU durante duas semanas, um convite que recebeu com particular entusiasmo.

Páginas