Grande Prémio Ciência Viva 2023

Entrevista com… Maria José Costa

Zita numa sala com livros

Maria José Costa é uma das mais destacadas biólogas marinhas portuguesas, especificamente nas áreas da ecologia de peixes e pescas, biodiversidade marinha, qualidade da água, gestão costeira e avaliação de impacto ambiental

Ciência Viva
Zita

Maria José Costa – ou Zita, como gosta de ser conhecida – é uma das mais destacadas biólogas marinhas portuguesas, especificamente nas áreas da ecologia de peixes e pescas, biodiversidade marinha, qualidade da água, gestão costeira e avaliação de impacto ambiental. Doutorada em 1982 pela Université de Paris, França, e docente universitária desde 1973, é professora catedrática aposentada da Ciências ULisboa e investigadora do MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente, da mesma faculdade.

Foi vice-presidente do Instituto Nacional de Investigação das Pescas, presidente do Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa, diretora do Centro de Oceanografia da Ciências ULisboa – que mais tarde viria a integrar o MARE –, membro do Conselho Científico das Ciências do Mar e do Ambiente da Fundação para a Ciência e a Tecnologia e presidente da Sociedade Portuguesa de Ciências Naturais.

Tem mais de 160 publicações em revistas científicas internacionais e publicou vários capítulos em livros científicos, também de carácter internacional. Além do mérito científico, a paixão pelo mar que marca toda a sua carreira académica leva-a a uma generosa partilha de conhecimentos com a sociedade. Zita participa regularmente em iniciativas de divulgação científica e de promoção da literacia do oceano em escolas e Centros Ciência Viva e colaborou entusiasticamente com a Ciência Viva no Verão desde a primeira hora.

Dar a conhecer as espécies da costa portuguesa, sensibilizando o público para a sua preservação tem sido uma das suas bandeiras. Quando a Ciência Viva publicou um guia para o consumo sustentável de espécies marinhas,”As espécies mais populares do mar de Portugal: Num restaurante perto de si”, Zita deu um contributo inestimável para a sua produção e revisão científica. Mais recentemente, “Peixes de Portugal, um impressionante catálogo de divulgação científica com todas as espécies de peixes da costa portuguesa foi outra obra que respondeu ao crescente interesse pelo ambiente marinho, quer de cientistas, quer do público. É sobretudo um atlas ilustrado, que serve de guia científico, mas também de manual de iniciação para alunos e outros interessados. No livro “Estuário do Tejo: onde o rio encontra o mar” dá a conhecer dimensões menos visíveis do estuário do rio Tejo, numa linguagem clara e acessível para sensibilizar os leitores para a sua defesa. Outra importante faceta de Maria José Costa tem sido a sua luta pela promoção da igualdade e participação plena das mulheres cientistas em todos os aspetos da ciência.

É uma das fundadoras da AMONET, Associação Portuguesa de Mulheres Cientistas, a que presidiu, sendo atualmente vice-presidente. E, em 2016, foi uma das 100 cientistas retratadas pela Ciência Viva no livro “Mulheres na Ciência”.Em 2021, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior galardoou a investigadora com uma Medalha de Mérito Científico.

Fonte: Ciência Viva

“Portugal é mais mar que terra”, diz a professora cientista - Maria José Costa – bióloga marinha, nesta curta entrevista a propósito do Grande Prémio Ciência Viva 2023, que lhe é atribuído, pela sua colaboração na disseminação da cultura científica nas áreas da biodiversidade marinha, ambiente e literacia do oceano. Esta é a principal categoria dos Prémios Ciência Viva, que distingue todos os anos personalidades e entidades com intervenções de mérito na divulgação científica e tecnológica. A cerimónia acontece a 24 de novembro, no Dia Nacional da Cultura Científica, pelas 15h00, no Auditório José Mariano Gago do Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa. A cerimónia é transmitida via streaming através do canal de Youtube do Pavilhão do Conhecimento.

Estava à espera de ser distinguida com este prémio?

Maria José Costa (Zita) - Foi com surpresa que recebi a notícia do prémio que me deixou muito feliz, não estava à espera.

Que planos tem para curto/médio prazo?

Zita - Continuar e finalizar o projeto do Livro vermelho dos peixes marinhos de Portugal, liderado pelo Oceanário de Lisboa e Fundação Oceano Azul.

E continuar a promover as mulheres na ciência como um todo e no mar em particular, pois apesar de as mulheres cientistas serem em grande número, vemos infelizmente que esses números não se refletem nos cargos de topo.

Que ações de promoção da cultura científica devem ser realizadas em Portugal e que fazem mais sentido para si nos tempos que correm?

Zita - É difícil dizer o que devíamos fazer para a ciência e os cientistas terem um papel mais preponderante em Portugal…

Com as dificuldades que a maioria das pessoas sente no seu dia-a-dia, torna -se complicado, mas tudo depende por um lado dos cientistas que têm de ser claros e concisos na mensagem que passam aos jornalistas e divulgadores das ciências, mas também dos políticos, que devem basear as decisões que tomam em pareceres bem fundamentados pelos cientistas.

E deixo a mensagem, de que às vezes não estamos conscientes: Portugal é mais mar que terra.

Prémios Ciência Viva

Estes prémios são atribuídos todos os anos pela Ciência Viva – Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica, de acordo com uma seleção feita pelos representantes das instituições científicas associadas. A cerimónia, enquadrada na Semana da Ciência e da Tecnologia, premeia ainda este ano o Concurso Nacional Jovens Cientistas da Fundação da Juventude, na categoria educação; e Miguel Gonçalves, na categoria media. Nesta edição, também é atribuído um prémio na categoria publicidade, e que distingue o móvel da literatura da Ikea, como melhor campanha de marcas nacionais e internacionais, inspiradas na ciência para criar valor para os seus produtos.

Já foram distinguidos com o Grande Prémio Ciência Viva o editor Guilherme Valente, o geólogo Galopim de Carvalho, o botânico Jorge Paiva, os físicos Manuel Paiva e Carlos Fiolhais, o patologista Manuel Sobrinho Simões, a astrónoma Teresa Lago, o astrofísico Rui Agostinho, o físico Alexandre Quintanilha e os biólogos Maria Amélia Martins-Loução e Nuno Ferrand.

Ana Subtil Simões, Gabinete de Jornalismo Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
auditório lotado

18 de setembro foi o primeiro dia de aulas para mais de 800 novos alunos matriculados nas licenciaturas da Ciências ULisboa na 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso. A sessão de boas-vindas aos novos alunos decorreu às 11h30, no auditório 3.2.14.

Luís Fernando Marques Mendes foi um biólogo inteiramente dedicado à Entomologia, desde que se licenciou em 1971 pela Ciências ULisboa. Faleceu na passada quinta-feira, 14 de setembro, após prolongada doença. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

Laje rochosa - primeiras evidências de vertebrados do fundo do mar

A descoberta de fósseis extremamente raros, que representam as primeiras evidências de peixes de águas profundas, atrasa a invasão da planície abissal em 80 milhões de anos. Estas descobertas foram publicadas este mês num novo estudo na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

Grupo de pessoas

A 13ª Conferência Internacional SedNet - Continuum Sedimentar: aplicando uma abordagem de gestão integrada realizou-se na Ciências ULisboa, entre 5 a 9 de setembro. O programa intensivo de cinco dias começou com workshops sobre a gestão dos sedimentos a diferentes níveis, incluiu apresentações e uma visita de campo ao Porto de Lisboa e às dunas e praias de Cascais.

O Departamento de Matemática da Ciências ULisboa e o Museu Nacional de História da Ciência juntam-se numa homenagem que marca o centenário do nascimento do professor João Santos Guerreiro, a realizar no próximo dia 23 de setembro, entre as 14h00 e as 18h00, no Anfiteatro Manuel Valadares, no MUHNAC.

peixes

Os organismos estão a tornar-se mais pequenos através de uma combinação de substituição de espécies e mudanças dentro das espécies: trata-se da conclusão de um novo estudo publicado na revista Science, que analisou dados de todo o mundo dos últimos 60 anos e de diversas espécies de animais e plantas.

Filipe Rosas

​Filipe Rosas é o novo coordenador do Instituto Dom Luiz (IDL).

Susana Custódio com alunos

Portugal obteve uma medalha de prata e três medalhas de bronze na 16.ª edição da International Earth Science Olympiad (IESO 2023), que assinala a 8.ª participação portuguesa. A SGP e a CNOG agradecem à Faculdade o apoio científico prestado no âmbito do programa de preparação da equipa portuguesa para a 16.ª edição da IESO.

3 homens sentados

MARGINS surgiu com o objetivo de estudar as interações socioecológicas entre comunidades humanas e ambiente na zona costeira da Guiné-Bissau e compreender a inter-relação de arrozais e mangais como parte de uma unidade afetada pelas mudanças climáticas. No projeto estão envolvidos docentes, investigadores do IDL e cE3c e estudantes da Faculdade.

Auditório com pessoas

Este ano, na 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso ao ensino superior concorreram aos 16 cursos da Faculdade 5086 candidatos, tendo sido colocados 872 novos alunos em Ciências ULisboa, 527 em 1.ª opção. Até 5 de setembro decorre a apresentação da candidatura à 2.ª fase. A sessão de boas-vindas aos novos alunos de 2023/2024 acontece no dia 18 de setembro.

abelha mumificada

Um novo estudo publicado na revista internacional Papers in Paleontology dá conta da descoberta de centenas de abelhas mumificadas no interior dos seus casulos, num novo sítio paleontológico descoberto no litoral de Odemira.

mural

Há um novo mural no campus da Faculdade, para apreciar junto à FCULresta, que celebra os dois anos corridos desde a primeira semente lançada. "Só em Portugal, inspirados também pela FCULresta, foram criados ou melhorados um total de 6 espaços verdes resilientes" escrevem os responsáveis pelo projeto, neste artigo de opinião sobre a minifloresta. 

ratinho ruivo

O ratinho-ruivo (Mus spretus) aprende a identificar que novos alimentos é seguro incluir na sua alimentação através do cheiro presente no hálito de outros ratinhos da sua espécie, segundo o artigo “Interaction time with conspecifics induces food preference or aversion in the wild Algerian mouse”, da autoria das cientistas Rita S. Andrade, Ana M. Cerveira, Maria da Luz Mathias e Susana A. M. Varela, publicado em agosto na revista Behavioural Processes.

vista de uma ilha para outra (Açores)

O Prémio Frederico Machado 2022-2023, o primeiro de índole científica a ser atribuído nos Açores, foi ganho pelas equipas lideradas por Mariana Andrade, aluna da Ciências ULisboa e investigadora do Instituto Dom Luiz (IDL), na área das Geociências, e por Pedro Afonso, investigador do Instituto de Investigação em Ciências do Mar da Universidade dos Açores (OKEANOS), na área das Ciências do Mar.

plantas com QR code do Relatório de Sustentabilidade

O primeiro Relatório de Sustentabilidade da Ciências ULisboa resulta da monitorização e análise de um conjunto de atividades enquadradas nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), entre 2019 e 2021.

banner do evento

A EUPVSEC 2023 realiza-se de 18 a 22 de setembro de 2023, no Centro de Congressos de Lisboa. João Serra, professor do Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia da Ciências ULisboa, foi novamente convidado a ser o chairman da maior e mais importante conferência europeia dedicada à energia fotovoltaica. 

copa das arvores vista de baixo

Já são conhecidos os três vencedores da edição de 2023 do Prémio de Doutoramento em Ecologia Fundação Amadeu Dias, um prémio da Sociedade Portuguesa de Ecologia (SPECO) e da Fundação Amadeu Dias que procura valorizar o trabalho de recém doutorados ao longo do seu programa doutoral. No pódio estão duas alumnae da Ciências ULisboa.

apresentação do livro

Foi concluído recentemente o projeto “Aqua – O uso eficiente da água nos jardins da idade moderna”, um trabalho interdisciplinar que cruza as áreas da História da Ciência, a Engenharia Hidráulica e a Arquitetura Paisagista.

uma rapariga e um rapaz

Todos os anos a Faculdade atribui diplomas e prémios de mérito académico aos seus estudantes, com o apoio de várias entidades e empresas, que valorizam a missão da Faculdade e que passa por investigar, ensinar e estimular a transferência do conhecimento e da inovação e a abertura à sociedade civil.

Exoplaneta e núvens

A Agência Espacial Europeia validou o desenho dos instrumentos científicos da missão Ariel, que conta com a participação do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço. A missão vai observar a composição química de mil planetas em órbita de outras estrelas, e transformar a compreensão sobre como se formam e evoluem os sistemas planetários.

foto de grupo

No passado dia 26 de julho o Tec Labs - Centro de Inovação recebeu a visita de uma comitiva de representantes da Assembleia Legislativa do Estado de Goiás, Brasil, com o objetivo de conhecer em profundidade o ecossistema de empreendedorismo e inovação nacional e os seus principais stakeholders.

árvores no campus da Faculdade

Ciências ULisboa vai implementar no ano letivo de 2023/2024 o projeto “Ciências em Harmonia”. Comprometida com o bem-estar da sua comunidade estudantil e a promoção de competências individuais e sociais dos seus estudantes, a Faculdade vai procurar dar resposta a uma preocupação: a do bem-estar no ensino superior, envolvendo toda a comunidade académica na celebração da diversidade e promoção de inclusão. As atividades têm início já em setembro e vão prolongar-se durante todo o ano letivo.

logotipo do CWTS

ranking de Leiden, que avalia a produção científica de instituições de ensino superior a nível mundial, posicionou a ULisboa na liderança da Península Ibérica, colocando-a na 28.ª posição na Europa e no 131.º lugar a nível mundial.

enguia

No dia 26 julho, pelas 16h00, decorrerá na Ciências ULisboa a sessão de encerramento do projeto “Livro Vermelho e Sistema Nacional de Informação dos Peixes Dulciaquícolas e Diádromos de Portugal Continental”. O novo Livro Vermelho revela que os peixes de água doce e migradores diádromos se encontram numa situação preocupante.

3 raparigas a apontarem para um ecrã num laboratório

Acontece este ano mais uma edição do “Ser Cientista”. A 8.ª edição do programa, que decorre entre os próximos dias 24 e 28 de julho, visa proporcionar aos alunos do ensino secundário uma aproximação à realidade da investigação científica, pela integração no dia-a-dia dos cientistas de diferentes áreas de Ciências.

Páginas