Grande Prémio Ciência Viva 2023

Entrevista com… Maria José Costa

Zita numa sala com livros

Maria José Costa é uma das mais destacadas biólogas marinhas portuguesas, especificamente nas áreas da ecologia de peixes e pescas, biodiversidade marinha, qualidade da água, gestão costeira e avaliação de impacto ambiental

Ciência Viva
Zita

Maria José Costa – ou Zita, como gosta de ser conhecida – é uma das mais destacadas biólogas marinhas portuguesas, especificamente nas áreas da ecologia de peixes e pescas, biodiversidade marinha, qualidade da água, gestão costeira e avaliação de impacto ambiental. Doutorada em 1982 pela Université de Paris, França, e docente universitária desde 1973, é professora catedrática aposentada da Ciências ULisboa e investigadora do MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente, da mesma faculdade.

Foi vice-presidente do Instituto Nacional de Investigação das Pescas, presidente do Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa, diretora do Centro de Oceanografia da Ciências ULisboa – que mais tarde viria a integrar o MARE –, membro do Conselho Científico das Ciências do Mar e do Ambiente da Fundação para a Ciência e a Tecnologia e presidente da Sociedade Portuguesa de Ciências Naturais.

Tem mais de 160 publicações em revistas científicas internacionais e publicou vários capítulos em livros científicos, também de carácter internacional. Além do mérito científico, a paixão pelo mar que marca toda a sua carreira académica leva-a a uma generosa partilha de conhecimentos com a sociedade. Zita participa regularmente em iniciativas de divulgação científica e de promoção da literacia do oceano em escolas e Centros Ciência Viva e colaborou entusiasticamente com a Ciência Viva no Verão desde a primeira hora.

Dar a conhecer as espécies da costa portuguesa, sensibilizando o público para a sua preservação tem sido uma das suas bandeiras. Quando a Ciência Viva publicou um guia para o consumo sustentável de espécies marinhas,”As espécies mais populares do mar de Portugal: Num restaurante perto de si”, Zita deu um contributo inestimável para a sua produção e revisão científica. Mais recentemente, “Peixes de Portugal, um impressionante catálogo de divulgação científica com todas as espécies de peixes da costa portuguesa foi outra obra que respondeu ao crescente interesse pelo ambiente marinho, quer de cientistas, quer do público. É sobretudo um atlas ilustrado, que serve de guia científico, mas também de manual de iniciação para alunos e outros interessados. No livro “Estuário do Tejo: onde o rio encontra o mar” dá a conhecer dimensões menos visíveis do estuário do rio Tejo, numa linguagem clara e acessível para sensibilizar os leitores para a sua defesa. Outra importante faceta de Maria José Costa tem sido a sua luta pela promoção da igualdade e participação plena das mulheres cientistas em todos os aspetos da ciência.

É uma das fundadoras da AMONET, Associação Portuguesa de Mulheres Cientistas, a que presidiu, sendo atualmente vice-presidente. E, em 2016, foi uma das 100 cientistas retratadas pela Ciência Viva no livro “Mulheres na Ciência”.Em 2021, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior galardoou a investigadora com uma Medalha de Mérito Científico.

Fonte: Ciência Viva

“Portugal é mais mar que terra”, diz a professora cientista - Maria José Costa – bióloga marinha, nesta curta entrevista a propósito do Grande Prémio Ciência Viva 2023, que lhe é atribuído, pela sua colaboração na disseminação da cultura científica nas áreas da biodiversidade marinha, ambiente e literacia do oceano. Esta é a principal categoria dos Prémios Ciência Viva, que distingue todos os anos personalidades e entidades com intervenções de mérito na divulgação científica e tecnológica. A cerimónia acontece a 24 de novembro, no Dia Nacional da Cultura Científica, pelas 15h00, no Auditório José Mariano Gago do Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa. A cerimónia é transmitida via streaming através do canal de Youtube do Pavilhão do Conhecimento.

Estava à espera de ser distinguida com este prémio?

Maria José Costa (Zita) - Foi com surpresa que recebi a notícia do prémio que me deixou muito feliz, não estava à espera.

Que planos tem para curto/médio prazo?

Zita - Continuar e finalizar o projeto do Livro vermelho dos peixes marinhos de Portugal, liderado pelo Oceanário de Lisboa e Fundação Oceano Azul.

E continuar a promover as mulheres na ciência como um todo e no mar em particular, pois apesar de as mulheres cientistas serem em grande número, vemos infelizmente que esses números não se refletem nos cargos de topo.

Que ações de promoção da cultura científica devem ser realizadas em Portugal e que fazem mais sentido para si nos tempos que correm?

Zita - É difícil dizer o que devíamos fazer para a ciência e os cientistas terem um papel mais preponderante em Portugal…

Com as dificuldades que a maioria das pessoas sente no seu dia-a-dia, torna -se complicado, mas tudo depende por um lado dos cientistas que têm de ser claros e concisos na mensagem que passam aos jornalistas e divulgadores das ciências, mas também dos políticos, que devem basear as decisões que tomam em pareceres bem fundamentados pelos cientistas.

E deixo a mensagem, de que às vezes não estamos conscientes: Portugal é mais mar que terra.

Prémios Ciência Viva

Estes prémios são atribuídos todos os anos pela Ciência Viva – Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica, de acordo com uma seleção feita pelos representantes das instituições científicas associadas. A cerimónia, enquadrada na Semana da Ciência e da Tecnologia, premeia ainda este ano o Concurso Nacional Jovens Cientistas da Fundação da Juventude, na categoria educação; e Miguel Gonçalves, na categoria media. Nesta edição, também é atribuído um prémio na categoria publicidade, e que distingue o móvel da literatura da Ikea, como melhor campanha de marcas nacionais e internacionais, inspiradas na ciência para criar valor para os seus produtos.

Já foram distinguidos com o Grande Prémio Ciência Viva o editor Guilherme Valente, o geólogo Galopim de Carvalho, o botânico Jorge Paiva, os físicos Manuel Paiva e Carlos Fiolhais, o patologista Manuel Sobrinho Simões, a astrónoma Teresa Lago, o astrofísico Rui Agostinho, o físico Alexandre Quintanilha e os biólogos Maria Amélia Martins-Loução e Nuno Ferrand.

Ana Subtil Simões, Gabinete de Jornalismo Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

A VicenTuna - Tuna da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa - completou 30 anos em janeiro de 2024. Para comemorar, realizou no dia 30 de abril de 2024, a Festa da Primavera, um espetáculo de música e divertimento dedicado à comunidade de CIÊNCIAS e ao público em geral.

Celebrações dos 50 anos do 25 de abril de 1974 da Academia das Ciências de Lisboa

A 9 de maio realiza-se a segunda de duas jornadas de debate académico e científico organizadas pela Academia das Ciências de Lisboa, que tem por objetivo ‘analisar e discutir a evolução do panorama científico português de forma prospetiv

Lançamento do projeto Barrocal-Cave marca um novo capítulo na Conservação da Biodiversidade em Portugal

O prestigiado Palácio Gama Lobo foi o cenário escolhido para o lançamento do projeto Barrocal-Cave, financiado pelo Prémio Fundação Belmiro de Azevedo 2023.

No passado dia 10 de abril, tivemos a honra de receber um grupo de estudantes e dois professores da Universidade de Leiden, na Holanda. Com um total de 40 estudantes, todos da área das bio farmacêuticas, a visita prometia ser entusiástica.

Miguel Pinto

No dia 29 de abril, Miguel Pinto visitou a Escola Básica Professora Aida Vieira, no Bairro Padre Cruz em Lisboa, para realizar oficinas de divulgação científica e atividades didáticas.

Fotografia de alguns dos oradores

O que é a sustentabilidade? Como podemos agir a nível local, procurando um impacto global? Estas e muitas outras questões marcaram a segunda edição da Semana da Sustentabilidade CIÊNCIAS, entre 15 e 19 de abril de 2024.

Grande Auditório durante a celebração do 113.º aniversário de CIÊNCIAS

Mais de 500 pessoas assistiram no Grande Auditório à celebração do 113.º aniversário de CIÊNCIAS, na passada terça-feira, 23 de abril, numa cerimónia marcada por distinções, homenagens e um balanço dos últimos meses, com os olhos postos no futuro. 

Buracos negros Gaia

Um grupo de cientistas descobriu um grande buraco negro, com uma massa quase 33 vezes superior à massa do Sol, escondido na constelação de Aquila, a menos de 2000 anos-luz da Terra, ao analisar a grande quantidade de dados da missão Gaia da ESA.

Alunos com mãoes no ar num sala de aula

É possível brincar com a Matemática e prova disso foram as várias atividades que se realizaram na Faculdade nos dias 13 e 14 de março de 2024. Março foi um mês dedicado a esta ciência, motor da sociedade. Leia a opinião de quem participou nestas atividades e ainda nas Jornadas de Matemática.

robot e criança

Ecossistema de grandes modelos de linguagem de IA Generativa para a língua portuguesa foi expandido com novas versões dos modelos Albertina e Gervásio.

Participantes da 1.ª edição do JAB

A 1ª edição do JAB, um evento inovador destinado a jovens empreendedores, organizado pela JUST - Júnior Iniciativa de Ciências ocorreu nos dias 22 e 23 de março passado e teve como foco a Educação de Qualidade, quarto Objetivo de Desenvolvimento Sustentável.

Pessoas

Uma comitiva da Shanghai Ocean University (SHOU), cuja origem remonta à Escola de Pesca da Província de Jiangsu, fundada em 1912, visitou Ciências ULisboa no passado dia 25 de março. Wang Hongzhou, presidente do Conselho da universidade chinesa, elogiou o avanço da investigação realizada na Ciências ULisboa, destacando as boas práticas de gestão, interdisciplinaridade e foco na missão. Durante a ocasião, Luís Carriço, diretor da Ciências ULisboa, reconheceu a importância das relações bilaterais com a China.

Alunos dinarmarqueses junto à tabela periódica

Um grupo de 25 estudantes do ensino secundário do Egedal Gymnasium & HF, da Dinamarca, visitou a Ciências ULisboa no passado dia 21 de março.

Sala com pessoas

A “Sessão de demonstração do serviço CONNECT – Caso de uso #1, Estuário do Tejo” ocorreu no passado dia 13 de março.

Várias pessoas no stand da Fcauldade Futurália

Como já vem sendo tradição, a Ciências ULisboa esteve presente na 15.ª edição da Futurália, a maior feira de educação, formação e empregabilidade do país, que se realizou entre 20 e 23 de março, na FIL - Feira Internacional de Lisboa e que juntou muitos visitantes, especialmente candidatos ao ensino superior. A Direção da Ciências ULisboa agradece aos mais de 200 estudantes voluntários e aos cerca de 70 professores, investigadores, entre outros profissionais que se vestiram de azul para esclarecerem as dúvidas dos candidatos ao ensino superior, lançando ainda o convite para visitarem a Faculdade no próximo Dia Aberto, que se realiza no próximo dia 8 de maio e cujas inscrições podem ser feitas aqui. Até lá!

Imagem do Miguel Pires durante a competição ocorrida em videoconferência

Miguel Pires, estudante da licenciatura de Engenharia Geoespacial da Ciências ULisboa, venceu a edição portuguesa do Esri Young Scholars Award e que lhe dá a oportunidade de apresentar o seu projeto Dashboard CicLisboa no maior evento de Sistemas de Informação Geográfica a nível mundial - o Esri User Conference e a Education Summit -, ambos a decorrer no próximo mês de julho, em San Diego, na Califórnia (EUA).

Pessoa numa praia com neve

A missão da Ciências ULisboa é criar, transmitir e difundir conhecimento científico e tecnológico, promovendo uma cultura de aprendizagem permanente, valorizando o pensamento crítico e a autonomia intelectual. Nesta “casa“ todos os dias alunos, professores, investigadores, entre outros profissionais encontram motivos para cuidar do nosso planeta. Bem hajam!

Dia Internacional das Florestas 2024

Leia o testemunho de António Vaz Pato, estudante do mestrado de Biologia da Conservação e guardião da HortaFCUL, a propósito desta efeméride e assista ao vídeo que preparamos para celebrar esta data especial nas nossas redes sociais: YouTube, Facebook, LinkedIn e Instagram.

céu

João Pires Ribeiro, professor aposentado do Departamento de Física da Ciências ULisboa, faleceu dia 18 de março, em Lisboa, aos 83 anos. A Ciências ULisboa lamenta o triste acontecimento e apresenta as condolências aos seus familiares, amigos, colegas e antigos estudantes.

Tiago Oliveira, Ricardo Mendes e Alysson Bessani

A Vawlt, uma spin-off da Ciências ULisboa, conseguiu angariar 2,15 milhões de euros e três novos investidores - a Lince Capital, a Basinghall e a Beta Capital - para impulsionar ainda mais a inovação do seu produto, elevando o investimento total acumulado para os três milhões euros.

imagem da Reitoria da ULisboa

A ULisboa é uma vez mais a universidade portuguesa melhor classificada a nível nacional no SCImago Institutions Rankings (SIR), tendo subido este ano 25 posições, apesar deste ano terem sido analisadas mais 229 universidades. A ULisboa anunciou esta semana que está entre as 150 melhores instituições do mundo e a nível nacional lidera 12 áreas e 22 subáreas científicas, posicionando-se em 2.º lugar em quatro áreas e 21 subáreas.

Imagem do Cercal num portátil com pessoas desfocadas

A Ciências ULisboa já tem os primeiros resultados do trabalho científico que tem vindo a desenvolver na área onde vai ser implementada a central fotovoltaica do Cercal, em Santiago do Cacém, um estudo considerado pioneiro pela integração de tantas componentes biológicas e pelo detalhe espacial que foi usado.

imagem de uma tartaruga no oceano

Um novo estudo internacional liderado por Catarina Frazão Santos, professora da Ciências ULisboa, identifica dez elementos-chave que promovem o desenvolvimento e a implementação de processos de planeamento do uso do oceano sustentáveis, equitativos e inteligentes do ponto de vista climático em todo o mundo. O artigo científico publicado esta terça-feira, dia 12 de março, na revista do grupo Nature - npj Ocean Sustainability - foi desenvolvido por cientistas e peritos de organizações internacionais e instituições académicas de Portugal, África do Sul, Austrália, Brasil, Canadá, Chile, Estados Unidos, Itália e Reino Unido.

Várias pessoas dacomitiva do Uganda no pátio do edifício C6

Uma comitiva do Uganda visitou Ciências ULisboa no passado dia 4 de março, no âmbito do projeto ICT-4MRPQ e que visa reforçar a capacidade das instituições de ensino superior do Uganda para utilizar as TIC nos processos de gestão da qualidade do percurso de investigação dos mestrados e conceber reformas políticas para obter resultados de investigação relevantes e de elevada qualidade.

Páginas