Prémios Científicos ULisboa/CGD 2020

Cientistas reconhecidos pelo seu trabalho de investigação

Bernardo Duarte, Pedro Matos Soares, Mykola Tasinkevych, Davide Vecchi, Francisco Malta Romeiras, Diana Prata, Rui Cardoso Ferreira e Sara Madeira estão de parabéns

Aula Magna

A entrega dos prémios e menções honrosas decorreu na Aula Magna, no dia 26 de julho de 2021

Reitoria da ULisboa
Em 2020, foram entregues 18 prémios e 23 menções honrosas a cientistas da ULisboa. Neste ano, Ciências ULisboa somou quatro prémios e quatro menções honrosas. Estas 41 distinções juntam-se a uma extensa lista de galardoados.

Os Prémios Científicos ULisboa/Caixa Geral de Depósitos (CGD) 2020 existem desde 2016. Até 2020 já foram concedidos 83 prémios e 87 menções honrosas a cientistas da Universidade, ao todo 170 distinções. Desses, 14 prémios e 16 menções honrosas foram entregues a cientistas da Ciências ULisboa, ao todo 30 galardões.

Bernardo Duarte, Pedro Matos Soares, Mykola Tasinkevych, Davide Vecchi, Francisco Malta Romeiras, Diana Prata, Rui Cardoso Ferreira e Sara Madeira foram as personalidades da "casa" a serem distinguidas este ano, no passado dia 26 de julho, durante o Dia da Universidade.

Em seguida fique a conhecer as áreas em que trabalham e o que simbolizou para alguns deles a atribuição do galardão.

Pedro Matos Soares, Mykola Tasinkevych, Davide Vecchi, Bernardo Duarte
Pedro Matos Soares, Mykola Tasinkevych, Davide Vecchi, Bernardo Duarte são os premiados da edição de 2020
Imagens cedidas pelos cientistas

Bernardo Duarte, investigador do DBV Ciências ULisboa e do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE), foi premiado pela atividade que realiza na área da Biologia, Engenharia Biológica, Bioquímica e Biotecnologia. O seu trabalho traduz-se na investigação focada na Ecotoxicologia e Fisiologia do stress dos organismos marinhos expostos a poluentes. Através do desenvolvimento de biomarcadores explica que é possível avaliar o impacto de contaminastes - cujas concentrações têm aumentado nos organismos marinhos - e, assim, antecipar e/ou prever os impactos destas novas substâncias no ambiente.

Para Bernardo Duarte, que foi um dos entrevistados do projeto - O que faço aqui? – lançado durante a pandemia, este é um prémio como qualquer outro, “decorrente do trabalho e esforço enquanto investigador e que foi recebido com orgulho e um sentido de reconhecimento pelos pares e de que o trabalho tem de facto relevância, impacto e é reconhecido pela comunidade científica.”

Na área das Ciências da Terra e Geofísica, Pedro Matos Soares, professor do DEGGE Ciências ULisboa e colíder do grupo de investigação Alterações Climáticas, Processos na Atmosfera Terra Oceanos e Extremos do Instituto Dom Luiz (IDL), destacou-se precisamente por tudo aquilo que tem vindo a realizar no domínio das Alterações Climáticas. A sua investigação parte de uma perspetiva de compreensão dos processos físicos e que definem o sistema climático. O investigador explica: “o objetivo fundamental é conseguir compreender e simular o sistema climático o melhor possível e a resoluções espaciais crescentes”. Desta forma é possível, na sua opinião, perceber e projetar a evolução futura do clima, no contexto das alterações climáticas de origem antropogénica; e fornecer dados e ferramentas importantes, permitindo, por um lado, quantificar e projetar os diferentes cenários de alterações climáticas e, por outro, estimar o seu impacto em diferentes sectores como o da Energia, Saúde ou Economia. Para Pedro Matos Soares, que teve a honra de ser um dos oradores no Dia da Universidade, este prémio representa um reconhecimento do trabalho de investigação realizado em conjunto com os seus colegas, aos quais agradece a respetiva colaboração.

Outro dos premiados desta edição foi Mykola Tasinkevych, investigador do DF Ciências ULisboa e a trabalhar no Centro de Física Teórica e Computacional (CFTC) desde 2017, local onde está a liderar uma linha de pesquisa independente sobre partículas coloidais ativas sob confinamento e em meios complexos. A sua investigação na área da Física e Materiais é centrada na compreensão do comportamento coletivo de partículas coloidais de forma e topologia não triviais dispersas em cristais líquidos. Mykola Tasinkevych espera conseguir fornecer a base para desenvolver materiais reconfiguráveis para, por exemplo, microengenharia de alta tecnologia e aplicações biológicas.

“Como motor essencial dessa consciencialização, desejo ver Ciências ULisboa empenhada seriamente neste processo, promovendo ativamente, por exemplo, uma compreensão da ciência à luz das suas dimensões histórica, conceptual e bioética.”
Davide Vecchi

Já na área da História e Filosofia das Ciências o mérito foi para Davide Vecchi, com um prémio, e Francisco Malta Romeiras, com uma menção honrosa.

O trabalho de Davide Vecchi, investigador do DHFC Ciências ULisboa e do Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa (CFCUL), visa estabelecer uma ponte entre a Biologia, especialmente a Biologia Molecular, e a Filosofia. Davide Vecchi defende que conhecer a História da Biologia é crucial para entender muitos dos conceitos veiculados nesta área de estudo, como em tantas outras áreas do conhecimento. E dá exemplos: o que significam conceitos como aleatoriedade, informação e senciência, quando se tenta entender, respetivamente, a natureza da mutação, o papel causal do DNA no desenvolvimento ou a natureza do sofrimento animal?; como definir tais conceitos de uma forma adequada? “A História e a Filosofia da Biologia são extremamente relevantes para quem queira dar uma resposta a tais questões”, comenta o cientista, realçando o papel crucial da ciência na sociedade, sendo a atual pandemia o mais recente e visível exemplo. “Como motor essencial dessa consciencialização, desejo ver Ciências ULisboa empenhada seriamente neste processo, promovendo ativamente, por exemplo, uma compreensão da ciência à luz das suas dimensões histórica, conceptual e bioética”, diz Davide Vecchi, chamando ainda a atenção para a precariedade profissional que existe no seio da comunidade de investigadores. Ainda assim, para Davide Vecchi receber um prémio é um prazer e um incentivo para continuar a trabalhar arduamente.

Na mesma área, Francisco Malta Romeiras, investigador do DHFC Ciências ULisboa e do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia (CIUHCT), destacou-se pelo seu contributo no estudo da história científica dos jesuítas em Portugal, em particular a história do ensino e prática das ciências nos colégios jesuítas, nos séculos XIX e XX e que em 2015 recebeu uma menção honrosa no âmbito do Prémio Victor de Sá de História Contemporânea.

Na área das Ciências Biomédicas, Diana Prata, professora do DF Ciências ULisboa e investigadora do Instituto de Biofísica e Engenharia Biomédica (IBEB) na Faculdade, recebeu uma menção honrosa pelo seu trabalho na área da neurociência. A cientista, antiga aluna da “casa”, procura compreender as bases biológicas das emoções, capacidades cognitivas e do comportamento humano, em particular a componente social. Atualmente tem um laboratório de investigação em neurociência biomédica em seu nome - Diana Prata’s Lab -, sediado no referido Instituto, na Faculdade.

“De facto, encontrar o nicho certo para o meu trabalho, dentro da ULisboa, não foi imediato, mas tem sido um prazer estar na Ciências ULisboa, e ter o privilégio de colaborar com tantos colegas, vizinhos no mesmo campus."
Diana Prata

Apesar do desafio que diz ter sido criar um laboratório de raiz, considera que esta menção honrosa é um reconhecimento bem-vindo da Universidade, que dá alento. “De facto, encontrar o nicho certo para o meu trabalho, dentro da ULisboa, não foi imediato, mas tem sido um prazer estar na Ciências ULisboa, e ter o privilégio de colaborar com tantos colegas, vizinhos no mesmo campus, nomeadamente na Faculdade de Farmácia da ULisboa, no Instituto Superior Técnico, na Faculdade de Psicologia da ULisboa, bem como com outros parceiros, Iscte Instituto Universitário de Lisboa, CUF, SAMS, entre outros, o que de certo é facilitado por conhecerem, e em boa conta, a ULisboa”, conclui.

As restantes duas menções honrosas atribuídas a cientistas da Faculdade foram na área da Matemática Pura e Aplicada e na área das Ciências da Computação e Engenharia Informática, respetivamente, a Rui Cardoso Ferreira, investigador do DM Ciências ULisboa e do Grupo de Física Matemática da ULisboa e que na sua página pessoal refere que a Matemática é a maior construção da humanidade; e a Sara Madeira, professora do DI Ciências ULisboa, investigadora do LASIGE e membro do consórcio Brainteaser.

Marta Tavares, Área de Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
National Cancer Institute

Investigadores do LASIGE Ciências ULisboa, INESC TEC e Universidade do Minho apresentam uma nova técnica de deduplicação de dados baseado em semelhanças e padrões encontrados nos ficheiros de sequenciação de genomas humanos e uma codificação das alterações para a recuperação desses dados.

logotipo

Sétima rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a Keep on Care.

Computador

“O período de confinamento pode ser encarado como um primeiro grande teste à integração de renováveis no sistema elétrico, prelúdio do que se prepara com a transição energética global em curso”, escreve o cientista Miguel Centeno Brito.

Conceção artística do telescópio espacial Athena (Advanced Telescope for High-Energy Astrophysics)

“Ciências ULisboa tem vindo a aumentar a sua capacidade e a sua intervenção no desenvolvimento científico e tecnológico de alguns dos projetos mais importantes para o avanço da Astrofísica, não só nos próximos anos, mas nas próximas décadas”, diz o cientista José Afonso.

post it

Cristina Luís, investigadora do Departamento de História e Filosofia das Ciências e do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia (CIUHCT), é a responsável em Portugal pelo projeto “Citizen Science as the new paradigm for Science Communication (NEWSERA)”, coordenado por Rosa Arias, fundadora da Science for Change e que visa estudar como a ciência cidadã pode mudar o paradigma da comunicação da ciência.

janela

Entrevista com o cientista Carlos Cordeiro, que lidera o SAFE Coating, um projeto que tem a Biomimetx e o Hospital Curry Cabral como parceiros e que em seis meses procurará implementar uma tecnologia capaz de inativar o SARS-CoV-2 em superfícies, impedindo a sua viabilidade fora do hospedeiro humano e consequentemente, eliminando uma importante via de transmissão viral.

Lusovenator, a nova espécie pertence ao grupo dos carcharodontossáurios - dinossáurios carnívoros, alguns dos maiores predadores do planeta Terra. A sua descoberta mostra que estes dinossáurios estavam presentes no hemisfério norte 20 milhões de anos antes do que indicava o registo conhecido. O estudo foi liderado por Elisabete Malafaia, investigadora do IDL, polo da Ciências ULisboa.

O Roteiro Nacional de Infraestruturas de Investigação de Interesse Estratégico (RNIE) 2020 inclui 56 infraestruturas. Ciências ULisboa coordena a CoastNet, a PORTULAN CLARIN e a RNEM, integrando ainda outras sete infraestruturas.

A fase de implementação da Rede Portuguesa de Monitorização Costeira (CoastNet) terminou recentemente, segundo comunicado de imprensa emitido pela Faculdade recentemente. A apresentação pública da CoastNet coordenada por José Lino Costa, professor do Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa, acontece a 7 de julho, num evento a decorrer por videoconferência.

O projeto MarCODE visa desenvolver uma ferramenta multidisciplinar para potenciar o rastreio e a rotulagem ecológica de espécies marinhas de interesse comercial, segundo comunicado de imprensa emitido pela Faculdade. O estudo iniciado este mês de julho deverá terminar daqui a três anos.

Sexta rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a Nevaro.

Cláudio Pina Fernandes, coordenador do GAPsi Ciências ULisboa, escreve sobre o Princípio da Incerteza e chama a atenção para alguns aspetos.

O mundo de hoje é completamente dominado pela necessidade imperiosa de saber recolher e analisar dados, escrevem os cientistas Tiago A. Marques e Soraia Pereira. Leia o artigo dedicado ao roteiro serológico nacional, uma iniciativa promovida pelo Instituto Gulbenkian de Ciência e que conta com a colaboração do Centro de Estatística e Aplicações da Universidade de Lisboa, da autoria destes investigadores.

Ciências ULisboa volta a participar com equipas de estudantes no Global Management Challenge (GMC). No passado dia 16 de junho começou a 1ª fase do GMC 2020, que conta com quatro equipas desta faculdade compostas por alunos dos mestrados integrados em Engenharia Biomédica e Biofísica, em Engenharia da Energia e do Ambiente e em Engenharia Física, assim como alunos das licenciaturas em Matemática Aplicada e Tecnologias de Informação.

teste

Cerca de 194 milhões de aves e 29 milhões de mamíferos podem ser atropelados por ano nas estradas europeias, de acordo com a estimativa de uma equipa internacional de investigadores liderada por Clara Grilo, investigadora do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM), polo da Ciências ULisboa, com sede na Universidade de Aveiro. Os resultados estão publicados na revista científica Frontiers in Ecology and Environment.

“A História do Pi em hipervídeo” está na Internet e pode ser consultada por todos e em toda a parte. O hipervídeo integra de forma estruturada e interativa vídeo e outros tipos de informação, nomeadamente, textos, imagens, áudio e animações. Saiba mais sobre este projeto lendo a entrevista com as professoras Suzana Nápoles e Teresa Chambel.

A dinâmica das epidemias é descrita por sistemas de equações diferenciais. Jorge Buescu, professor do Departamento de Matemática da Ciências ULisboa, apresenta neste artigo o modelo epidemiológico desenvolvido em 1927 por Kermack e McKendrick.

No próximo ano letivo, Ciências ULisboa irá utilizar novos modelos de ensino/aprendizagem, todos com horas de contacto entre docentes e alunos, mas que se diferenciam pela existência e forma da componente presencial, anunciou a Faculdade em comunicado de imprensa.

Um grupo de cientistas da Ciências ULisboa e da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, membros do CENTRA - Centro de Astrofísica e Gravitação participa no desenvolvimento do METIS (Mid-infrared ELT Imager and Spectrograph), um poderoso instrumento que vai equipar o maior telescópio do mundo - o Extremely Large Telescope.

A equipa do projeto Lista Vermelha de Invertebrados Terrestres e Dulçaquícolas de Portugal Continental preparou a campanha de ciência cidadã - “Invertebrados da Lista Vermelha procuram-se” -, cujo lançamento ocorre esta sexta-feira, dia 5 de junho.

Duas pessoa dão as mãos

"A nossa necessidade de conexão e de afeto é singular, no sentido em que precisamos e procuramos o contacto com outros seres humanos", escreve Inês Ventura, psicóloga do GAPsi Ciências ULisboa.

Mulher sentada em banco junto ao rio Tejo

Um grupo multidisciplinar de cientistas propõe a criação de um roteiro nacional para a realização de testes serológicos em Portugal e defende que a avaliação rigorosa e concertada da prevalência da doença COVID-19 é a única forma de conhecer a real vulnerabilidade da população e monitorizar a dinâmica da epidemia.

Logotipo da rubrica Rardar

Quinta rubrica Radar Tec Labs dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a THEREUS.

ETAR de Serzedelo

A primeira etapa do COVIDETECT já está concluída e com sucesso anunciou esta quarta-feira a AdP - Águas de Portugal. Ciências ULisboa assegura a coordenação científica do projeto, financiado através do programa Compete 2020.

Papel e caneta, num ato de estudo

"Estudar em tempos da COVID-19 é novo e exigente. No entanto, temos recursos para tomar as rédeas, mesmo numa situação desta dimensão, e retomar o controlo", escreve Madalena Pintão, estagiária académica do GAPsi Ciências ULisboa. Conheça as suas sugestões...

Páginas