Opinião

Rir é mesmo o melhor remédio?

rapariga a rir

O humor é universal e, simultaneamente, subjetivo

GAPsi
Samuel Silva
Samuel Silva
Imagem cedida pelo autor

Por várias vezes ouvimos dizer que “rir é o melhor remédio”. Com base nesta premissa têm surgido vários projetos, como a Operação Nariz Vermelho, programas televisivos, como “Tabu”, e estratégias para lidar com situações assustadoras ou problemáticas. De facto, o humor é uma estratégia utilizada desde sempre pelo ser humano, aplicada tanto em situações quotidianas e banais, como em situações de intensa dor, seja física ou psicológica. Porque será que o fazemos? Será este, efetivamente, o melhor remédio?

Podemos listar várias funções e benefícios que o humor pode ter. Fisiologicamente, rir tem benefícios ao nível do relaxamento muscular, circulação sanguínea e funcionamento respiratório. Quando nos rimos, dá-se um aumento de endorfinas, com função anestesiante, e uma diminuição de cortisol, a “hormona do stress”. Para além disso, o facto de o humor nos permitir restruturar a forma como encaramos as situações e “brincar com coisas sérias”, transmite-nos uma sensação maior de esperança, de invencibilidade e de controlo sobre essas mesmas coisas. Esta reavaliação possibilita-nos, assim, refletir sobre uma situação, distanciando-nos dela, e focando determinadas características da mesma. Por isso mesmo, é utilizado também face a doenças graves, ou medos existenciais como o da morte. Até em contexto académico, alunos com uma maior utilização de humor tendem a encarar os exames como sendo um desafio mais positivo, delineando também expectativas mais ajustadas na previsão da sua performance.

Portanto, o humor, enquanto estratégia, pode ter vários efeitos, ou finalidades. Por vezes, sim, podemos utilizar o humor como forma de reestruturar uma situação; mas também o poderemos utilizar como forma de evitar, ou desvalorizar um problema (o que no fundo, parte um pouco da mentalidade toxicamente positiva que nos diz que “tem de estar tudo bem”); pode ainda ser utilizado como pedra de arremesso, para atacar e ridicularizar alguém. Alguns humoristas defendem que dizer “isso não tem piada” não é legítimo, e que, ao invés disso, deveria ser dito que “eu não achei piada”. Independentemente disso, o facto de ter piada não é sinónimo de ser benéfico.

De facto, a ideia de que o sentido de humor pode facilitar o ajustamento, a gestão e a regulação emocional parece ter bastante fundamento. Mas, como, onde e como entram os limites do humor nesta questão? Sendo o humor algo universal, mas simultaneamente, subjetivo, onde traçamos a linha?

Psicologicamente falando, por um lado, faz sentido empregar o humor quando este nos ajuda a encontrar “coisas” positivas na vida, e melhorar relações com os outros. Por outro lado, quando este serve sistematicamente para agredir e ridicularizar-se a si mesmo, ou aos outros, o panorama altera. Este humor mais agressivo e autoderrotista muitas das vezes tem um efeito contrário do desejado, e pode levar a que o bem-estar pessoal e relacional decresça, impactando negativamente o suporte social e autoconfiança da pessoa. Para todos os efeitos, o humor pode diminuir o stress, mas também aumentá-lo.

O humor é sem dúvida uma ferramenta importante, mas pode tornar-se nocivo quando mal utilizado. Sim, realmente, o humor é um bom remédio, mas à semelhança de qualquer outro, apenas quando utilizado na dosagem correta.

Samuel Silva, Gabinete de Apoio Psicopedagógico
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

 

O histórico de aluno no Portal da FCUL foi atualizado e renovado.

Relembramos que pode utilizar os vários meios ao dispor para deixar comentários ou sugestões sobre os serviços da FCUL.

Bruno Almeida, doutorado em História das Ciências pela Secção Autónoma de História e Filosofia das Ciências da FCUL e membro do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia, ganha "Prémio Cultura 2012" atribuído pela Sociedade de Geografia de Lisboa.

Alunos informam-se sobre programas de mobilidade internacional

“É uma grande oportunidade que estou a ter, a Faculdade dá um grande apoio aos alunos. (…) Estou a gostar do convívio com os colegas, das aulas, das disciplinas e da cultura portuguesa”, sublinha Daniel Martins, aluno oriundo do Brasil a estudar Biologia na FCUL.

Pela 2.ª vez, o Dia Internacional proporcionou a divulgação de programas de mobilidade internacional junto dos alunos, esclarecendo dúvidas e curiosidades. Durante o acontecimento, trocaram-se experiências, conheceram-se hábitos e tradições de diferentes países e, acima de tudo, enalteceu-se o espírito de convívio em ambiente "além-fronteiras".

Candidaturas para Base de Recrutamento de Professores Auxiliares Convidados do DF

“MARAVILHAR-SE: reaproximar a criança da Natureza” 

Foi duplicado o espaço de armazenamento nas áreas de alunos. A nova quota é agora de 1 Gb.

 

Com o intuito de inovar e proporcionar os melhores temas aos alunos da Faculdade de Ciências no que diz respeito às novas tecnologias, a

David Luz e Pedro Machado, investigadores do Centro de Astronomia e Astrofísica da UL, fazem parte de uma equipa de investigadores que ao fim de dois anos conseguiu medir os ventos da atmosfera de Vénus a partir da Terra. Até então, só era possível fazê-lo recorrendo a sondas espaciais.

À semelhança dos anos anteriores o Departamento de Química e Bioquímica vai promover a realização de Ações de Formação para os professores do Ensino Básico e Secundário na modalidade oficina.

Encontram-se abertos concursos para recrutamento postos de trabalho de Professor Auxiliar, nas áreas disciplinares de Meteorologia, de Geofísica, de Engenharia Geográfica e de Oceanografia Física, Astronomia e Astrofísica, constantes do mapa de pessoal docente d

Empresa Outmind trabalha o conceito de marketing sensorial aliado à tecnologia

“Queremos dar a conhecer um novo espaço, uma nova marca, uma nova estratégia para o Tec Labs e também, claramente, incentivar as pessoas a terem uma atitude diferente face ao empreendedorismo”, sublinhou Luís Matos Martins, presidente do Conselho de Administração do Tec Labs.

Imagem alusiva à extração de óleos essenciais

Aquele que é hoje conhecido como o ISEO teve início em setembro de 1969, quando quatro cientistas da área da farmacognosia se reuniram, informalmente, em Leiden, na Holanda, para discutir problemas comuns, relacionados com a análise de óleos essenciais. Docentes/investigadores da FCUL participam, desde 1989, nesse congresso e já o organizaram por duas vezes.

Membros de uma tuna, durante uma atuação

Diário de bordo da nave Esperança. Uma viagem por um dos acontecimentos musicais da comunidade académica com especial tradição…

Pormenor de obra de arte

Invest in our future, invest in science”. A mensagem é clara, concisa e direta. Por um mundo melhor, um grupo de personalidades do Champalimaud Neuroscience Programme lançou recentemente um blogue no qual procuram sensibilizar a comunidade para a importância da ciência nas nossas vidas.

Está aberto concurso, até ao dia 07 de dezembro de 2012, para admissão de voluntários para a prestação de serviço em regime de contrato na Categoria de Oficial Técnico Superior Naval (TSN) e Oficial Técnico Naval (TN).

A sessão de encerramento contou com uma breve troca de ideias acerca dos novos desafios e possibilidades oferecidos pelo software Open Source, em particular, pela cada vez maior procura de formação em Quantum GIS.

Actividade no NanoLab do GeoFCUL

Dinâmica das zonas costeiras: conhecer para gerir

O Microsoft Windows 8 e Microsoft Office 2013 já estão disponiveis para download no seu Perfil de Utilizador (apenas Docentes e Funcionários).

Páginas