Opinião

Rir é mesmo o melhor remédio?

rapariga a rir

O humor é universal e, simultaneamente, subjetivo

GAPsi
Samuel Silva
Samuel Silva
Imagem cedida pelo autor

Por várias vezes ouvimos dizer que “rir é o melhor remédio”. Com base nesta premissa têm surgido vários projetos, como a Operação Nariz Vermelho, programas televisivos, como “Tabu”, e estratégias para lidar com situações assustadoras ou problemáticas. De facto, o humor é uma estratégia utilizada desde sempre pelo ser humano, aplicada tanto em situações quotidianas e banais, como em situações de intensa dor, seja física ou psicológica. Porque será que o fazemos? Será este, efetivamente, o melhor remédio?

Podemos listar várias funções e benefícios que o humor pode ter. Fisiologicamente, rir tem benefícios ao nível do relaxamento muscular, circulação sanguínea e funcionamento respiratório. Quando nos rimos, dá-se um aumento de endorfinas, com função anestesiante, e uma diminuição de cortisol, a “hormona do stress”. Para além disso, o facto de o humor nos permitir restruturar a forma como encaramos as situações e “brincar com coisas sérias”, transmite-nos uma sensação maior de esperança, de invencibilidade e de controlo sobre essas mesmas coisas. Esta reavaliação possibilita-nos, assim, refletir sobre uma situação, distanciando-nos dela, e focando determinadas características da mesma. Por isso mesmo, é utilizado também face a doenças graves, ou medos existenciais como o da morte. Até em contexto académico, alunos com uma maior utilização de humor tendem a encarar os exames como sendo um desafio mais positivo, delineando também expectativas mais ajustadas na previsão da sua performance.

Portanto, o humor, enquanto estratégia, pode ter vários efeitos, ou finalidades. Por vezes, sim, podemos utilizar o humor como forma de reestruturar uma situação; mas também o poderemos utilizar como forma de evitar, ou desvalorizar um problema (o que no fundo, parte um pouco da mentalidade toxicamente positiva que nos diz que “tem de estar tudo bem”); pode ainda ser utilizado como pedra de arremesso, para atacar e ridicularizar alguém. Alguns humoristas defendem que dizer “isso não tem piada” não é legítimo, e que, ao invés disso, deveria ser dito que “eu não achei piada”. Independentemente disso, o facto de ter piada não é sinónimo de ser benéfico.

De facto, a ideia de que o sentido de humor pode facilitar o ajustamento, a gestão e a regulação emocional parece ter bastante fundamento. Mas, como, onde e como entram os limites do humor nesta questão? Sendo o humor algo universal, mas simultaneamente, subjetivo, onde traçamos a linha?

Psicologicamente falando, por um lado, faz sentido empregar o humor quando este nos ajuda a encontrar “coisas” positivas na vida, e melhorar relações com os outros. Por outro lado, quando este serve sistematicamente para agredir e ridicularizar-se a si mesmo, ou aos outros, o panorama altera. Este humor mais agressivo e autoderrotista muitas das vezes tem um efeito contrário do desejado, e pode levar a que o bem-estar pessoal e relacional decresça, impactando negativamente o suporte social e autoconfiança da pessoa. Para todos os efeitos, o humor pode diminuir o stress, mas também aumentá-lo.

O humor é sem dúvida uma ferramenta importante, mas pode tornar-se nocivo quando mal utilizado. Sim, realmente, o humor é um bom remédio, mas à semelhança de qualquer outro, apenas quando utilizado na dosagem correta.

Samuel Silva, Gabinete de Apoio Psicopedagógico
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Chieko Asakawa and Hironobu Takagi

17 Julho 2012 - 10h30
Anfiteatro da Fundação da FCUL

Chieko Asakawa and Hironobu Takagi

17 Julho 2012 - 10h30
Anfiteatro da Fundação da FCUL

Pormenor de obra artística

Os promotores do FP7 acreditam que “centenas de instituições científicas de toda a União Europeia irão apresentar propostas” e esperam captar novos participantes, nomeadamente pequenas e médias empresas, incrementando dessa forma a competitividade europeia.

Carlos Miguel Farinha, bioquímico docente do DQB e investigador do BioFIG , foi premiado em junho com o Romain Pauwels Research Award, atribuído pela European Respiratory Society.

 

2ª fase de candidaturas:  15 a 22 de Julho.

O mestrado em Matemática para Professores é uma excelente oportunidade para consolidar,  recordar e aprender muitos temas relacionados com a matemática escolar.

No dia 12 de Julho foram feitas as apresentações de quatro trabalhos feitos no âmbito da disciplina de Projecto em Matemática para o Ensino do Mestrado em Matemática para Professores.

A Universidade de Lisboa e a Fundação Amadeu Dias estão a atribuir bolsas aos alunos de 1º Ciclo de qualquer área do saber, leccionado na Universidade de Lisboa e que já tenham concluído o 1.º ano curricular, ou alunos que frequentem&n

Em 18 anos, o Programa de Estímulo à Investigação premiou 34 jovens investigadores e 19 instituições da Universidade de Lisboa. Na última edição, dos oito premiados, três são jovens cientistas da FCUL. As candidaturas à próxima edição decorrem até 21 de setembro.

Cartaz do Seminário

No dia dia 16 de Julho, pelas 11H00, na sala 6.4.30, realizar-se-á um Seminário organizado pelo Centro de Investigação Operacional com o título 'Lagrangian-Based Branch-and-Bound for Two-Echelon Uncapacitated Facility Location with Single Assignment Cons

Os resultados das experiências ATLAS e CMS divulgados recentemente pelo CERN, também foram apresentados publicamente na FCUL, numa sessão organizada pela professora do Departamento de Física Amélia Maio, a responsável pela participação portuguesa na experiência ATLAS.

Apresentações dos Projectos de Física dia 19 de Julho, às 10h, na sala 8.2.17:

O que faz o profissional que passa os seus dias no laboratório? E quem se dedica a resolver equações ou a estudar animais e plantas? Cinquenta alunos da associação EPIS descobriram as respostas a estas e a outras questões.

Servidor da FCUL

O projeto de reestruturação do Centro de Dados da FCUL, iniciado em junho, deverá estar concluído no próximo mês de setembro.

Duas pessoas fazem uma experiência no laboratório

A Faculdade de Ciências abre as portas dos seus laboratórios a 50 jovens, vindos de diferentes pontos do País, para mais uma edição da “Rota das Vocações de Futuro” da EPIS.

Apesar de ser uma das áreas mais recentes da FCUL, atualmente é uma vertente da ciência portuguesa em franca expansão.

“Um trabalho que reflita sobre o passado de uma instituição, ou o passado da ciência em Lisboa ou em Portugal, é sempre algo de muito importante para repensarmos o nosso trajeto”. A afirmação feita pela historiadora das ciências, Ana Simões, a propósito de um dos muitos projetos em curso é reveladora da importância, que a preservação do património científico tem na sua vida.

Kostas Gavroglu e Ana Simões assinam o primeiro livro “Neither Physics nor Chemistry: A History of Quantum Chemistry” sobre a emergência da disciplina Química Quântica, o pretexto ideal para conversar com a autora portuguesa.

O Grupo Azevedos oferece estágio profissional remunerado a recém licenciado na área da Estatística ou Matemática. Os interessados devem enviar a candidatura para

A edição deste ano d´O Botânico, uma revista propriedade da Associação Íbero-Macaronésica de Jardins Botânicos já se encontra online.

O Centro de Informática migrou todo o sítio antigo para o novo Portal da FCUL.

O Centro de Informática colocou em produção, durante a ultima semana de Maio, um equipamento de rede central na arquitectura de comunicações da FCUL.

Na Licenciatura em Matemática (LM) da FCUL, o leque de opções do 3º ano da LM foi alargado e passou a incluir as seguintes disciplinas, que estarão já disponíveis no ano lectivo de 2012/13:

 

 

Em exibição no:

MUSEU NACIONAL DE HISTÓRIA NATURAL E DA CIÊNCIA

1 de Junho de 2012 a 28 de Abril de 2013

 

 

Páginas