Opinião

FCULresta: a “floresta mãe” de uma rede de miniflorestas

Pessoa a trabalhar na FCULresta

A FCULresta foi inaugurada em março de 2021. Um dos seus objetivos é inspirar e apoiar a plantação de mais florestas urbanas biodiversas

FCULresta
David Avelar
David Avelar
Imagem cedida por DA

Em março de 2021 plantámos a FCULresta, depois de meses de preparação, sobretudo de envolvimento de entidades e empoderamento de pessoas. Passado um ano, já existem mais três miniflorestas plantadas na área metropolitana de Lisboa e muitas outras a germinar.

mapa
Já existem mais três miniflorestas plantadas na área metropolitana de Lisboa e muitas outras a germinar
Imagem cedida por DA

A FCULresta cumpre assim um outro objetivo, o de inspirar e apoiar a plantação de mais florestas urbanas biodiversas. Se a população mundial tende a mover-se para as zonas urbanas, é também para aqui que temos de trazer a restante biodiversidade e estas “ilhas biodiversas” desempenham “pedras de degraus” relevantes para a escalada até uma verdadeira estrutura ecológica verde das cidades.

António Alexandre
A minifloresta que se seguiu à FCULresta teve como um dos elementos polinizadores António Alexandre e foi plantada no parque da Bela Vista em Lisboa, promovida pela associação URBEM e apoiada pela Câmara Municipal de Lisboa, LifeLungs, Conexus, PLMJ, Afforest e 2adapt.
Imagem cedida por DA

Com a plantação da FCULresta, não plantámos apenas uma minifloresta, trabalhámos também na comunicação da mesma, na monitorização científica e aprendemos fazendo. Ou seja, germinámos a ideia, inoculámos outros espaços onde, em rede, partilhamos aprendizagens.

Reflexão acerca da plantação de duas miniflorestas em contexto escolar urbano

Por Diogo Mendes, guardião da HortaFCUL

"Bom dia família!

Diogo Mendes
Duas outras sementes foram transportadas pelo Diogo Mendes e germinadas no Instituto dos Pupilos do Exército, 2ª Secção, em Benfica, e na Escola Secundária Alfredo dos Reis Silveira, no Seixal, integradas no projeto 1Planet4All, promovidas pela ONGD VIDA.
Imagem cedida por DA

Queria celebrar convosco estas minhas duas semanas passadas. Fiquei na dúvida se o faria ou não, se seria uma questão de massajar o ego ou de partilha verdadeira. Partilho porque conheço pouca gente que vibre tanto quanto nós neste aspeto e por me fazer feliz fazê-lo. Espero que vos chegue aí também. :)

Foram os dias das plantações das duas miniflorestas que tenho facilitado. Ao todo, perto de 690 plantas, em 200 m2, 60 a 70 espécies. Uma com rega por aspersores e outra com gota a gota instalados. A escola dos Pupilos do Exército e a do Seixal, contextos socioeconómicos bem diferentes.

Muitas mãos nestes dias, perto de 100-120 alun@s dos 13 aos 19 anos, num trabalho de equipa com muita brincadeira à mistura, numa atmosfera saudável como resultado da relação que vamos alimentando desde novembro do ano passado (ao chegar à escola os braços lá ao fundo da rua levantam-se ‘Diogo!’ e sabe bem senti-lo). Começámos os trabalhos físicos no início de março. Retirada da relva, 16 toneladas de composto transportadas a braço e balde e carrinho de mão. A maior parte d@s alun@s nunca tinha plantado/cavado na vida, saem com calos nas mãos e a sentir bem o esforço físico de cada sessão. Saem realizad@s: ‘Quando chegar a casa vou logo contar ao meu avô!’; ‘Quando é que voltamos?’;‘Escolhe lá a aula de Matemática para virmos para aqui... Ou inglês!’, contam.

A nossa camada jovem tem muita força (d)e vontade. Infelizmente, vejo-nos no meio de formas de transmissão de conhecimento paradas no tempo e sei que são projetos como este que contrariam essa tendência. A riqueza social deste processo é bem bonita de acompanhar.

Os casalinhos; os grupos mais sociais/estilosos que não querem sujar os ténis brancos; a interajuda e cooperação que se vai desenvolvendo naturalmente. Apesar da defesa da personalidade/imagem/reputação típica da adolescência, sente-se que se abraçam uns aos outros, que a bondade lhes é intrínseca.

Os/as professores/as estão cansad@s, temos a sorte de ainda ter uma minoria motivada para este tipo de projetos. O processo está em desenvolvimento, ainda falta muita coisa! Hoje foi o dia em que parei para pensar um pouco nisso, celebrar.

Recorde o vídeo “Welcome to HortaFCUL” divulgado no YouTube.

O resultado é que estou ligado a cada planta plantada, que numa hora de rega dá para sentir a natureza em cada uma delas e, no silêncio de uma sexta-feira em que já não está quase ninguém na escola, sente-se a poesia disso tudo. Tudo o que estou a aplicar aprendi na HortaFCUL. E isso é algo que me tem estado muito presente e que partilho com as pessoas. Obrigado Horta. E obrigado a quem da Horta me tem acompanhado. :)"

 

 

David Avelar, António Alexandre, membros da Comissão Coordenadora da FCULresta, e Diogo Mendes, guardião da HortaFCUL
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
FCULresta, um ano depois

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas