“O Círculo dos Saberes”

Entrevista com... Olga Pombo

Professora Olga Pombo, autora do livro "O Círculo dos Saberes"
Cedida por Olga Pombo

"Cada vida é uma enciclopédia, uma biblioteca, um inventário de objetos, um catálogo de estilos, onde tudo pode ser constantemente remexido e reordenado de todas as maneiras possíveis”
Italo Calvino, “Lezioni Americane - Sei Proposte per il Prossimo Millennio”

Se numa frase fosse possível ilustrar a essência e atitude perante a vida da professora Olga Pombo, esta seria a indicada. Movida pela busca incessante da riqueza do saber, Olga Pombo, doutorada em História e Filosofia da Educação pela FCUL, é docente da Secção Autónoma de História e Filosofia das Ciências na Faculdade e coordenadora de uma das unidades de investigação que a assiste, Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa (CFCUL).

A docente da FCUL distingue-se ainda por ser autora de dez livros e editora de outros 17, tendo associado ao seu currículo académico e científico um vastíssimo leque de publicações. E porque para Olga Pombo “o tempo é inexorável”, este mês (29 de outubro), prepara-se para lançar a sua mais recente obra – “Círculo dos Saberes”. Um livro inspirado em Leibniz cujo desenvolvimento se baseia na máxima de que o “círculo é a figura por excelência da unidade do conhecimento”.
Fique a conhecer os pormenores da obra bem como da apresentação oficial que irá marcar o seu lançamento na entrevista com a autora.
 

FCUL - Como surgiu a ideia de criar esta obra intitulada de “O Círculo dos Saberes”?

Olga Pombo (OP) - Este livro surge no cruzamento e no desenvolvimento de duas investigações anteriores. Por um lado, o trabalho que realizei no âmbito de um projeto da Fundação para a Ciência e Tecnologia (1999-2002), intitulado Enciclopédia e Hipertexto. Um dos resultados desse projeto foi a edição de um livro com o mesmo título, no qual publiquei três estudos sobre a história do enciclopedismo desde a Antiguidade Clássica até ao século XX. Esses estudos foram agora retomados e completados com um longo trabalho sobre o enciclopedismo filosófico (de Ramon Lull a Neurath, passando por Bacon, Leibniz, o enciclopedismo positivista e romântico); Por outro lado, uma investigação muito ampla que venho realizando desde a minha tese de doutoramento sobre um tema clássico da filosofia do conhecimento científico: o projeto da unidade da ciência, trabalho esse que desenvolvi no livroUnidade da Ciência. Programas, Figuras e Metáforas”, recentemente reeditado pela editora Gradiva (2011) em associação com o CFCUL.

FCUL - Porquê o título “Círculo dos Saberes”?

OP - Antes de mais porque este livro persegue a hipótese de um efetivo reenvio da enciclopédia à sua etimologia como círculo dos saberes. Mas também porque me parece que a rede hipertextual que nos rodeia, por mais aberta e descentrada que seja, por mais instável e inacabada, por mais complexa e nunca inteiramente atualizável que possa ser, não escapa ao sortilégio do círculo, ao seu infinito rodopio, à sua força geradora, à sua vontade de verdade, harmonia e perfeição. Penso que a imagem da capa é eloquente. Da autoria de Andreas Kaberle: Processing Flickr Group, de 2007, ela foi retirada do livro de Manuel Lima (2008), “Visual Complexity. Mapping Patterns of Information.

Ela mostra com grande clareza de que modo a complexidade acaba por remeter para a figura do círculo. Por outras palavras, estou convencida que a imagem do círculo constitui um arquétipo, uma determinação conceptual prévia a toda a investigação. Ele é uma entidade transcendental reificada que pensa antes mesmo de nós começarmos a pensar.


Fonte: Cedida por Olga Pombo
Legenda: "Este livro persegue a hipótese de um efetivo reenvio da enciclopédia à sua etimologia como círculo dos saberes", explicou a autora Olga Pombo

FCUL - A que público se destina?

OP - Filósofos, historiadores, investigadores de todas as áreas científicas, mas também informáticos, webdesigners, especialistas em teoria dos media, em visualização da informação.

FCUL - O que pode o público encontrar nela?

OP- Uma leitura que atravessa o tempo e que, sem deixar de ser erudita, está muito atenta ao mundo que nos é dado viver.

FCUL - Que importância julga ter para o leitor que a irá receber?

OP - Gostaria que este livro mostrasse à exaustão que o novo se tece com o antigo, que aquilo que não inventámos ainda já está anunciado desde os gregos, que a rede aberta e descentrada que hoje nos cerca e constitui (estou a falar da Internet e da WWW), tem a sua matriz na ideia de enciclopédia, isto é, reenvia a um círculo que honra a nossa inteligência e o nosso sentido da beleza.

FCUL - Há algum momento/passagem que gostaria de destacar na obra? Qual?

OP - Talvez o facto de este livro se inscrever no trabalho sobre Leibniz que venho realizando há quase trinta anos. Leibniz é a grande inspiração e a figura tutelar deste livro. Ele está por toda a parte. Foi Leibniz quem pensou de forma mais profunda e radical o projecto de estruturação sistemática dos conhecimentos humanos. Foi Leibniz quem mais se bateu por uma heurística combinatória e, juntamente com Neurath, foi Leibniz quem melhor compreendeu a articulação entre enciclopédia e unidade da ciência. Gostaria ainda de sublinhar que este livro é também uma homenagem que presto à memória do professor Fernando Gil, ele mesmo um grande estudioso do projeto da enciclopédia.

FCUL - Shahid Rahman, professor da Universidade de Lille III, irá apresentar o livro. A que se deve o convite?

OP - Convidei o professor Shahid Rahman porque ele é um grande especialista sobre o modelo enciclopedista da Unidade da Ciência, diretor de uma prestigiada coleção na editora Springer intitulada “Logic Epistemology and the Unity of Science”. Foi nessa coleção que editei recentemente dois livros, juntamente com outros autores: “Otto Neurath and the Unity of Science, e “Special Sciences and the Unity of Science”.

FCUL - Esta sessão insere-se no “International Symposium of Epistemology, Logic and Language (ISELL2012)” que vai ter lugar, na FCUL, nos próximos dias 29 a 31 de outubro. Porque razão?

OP - Por uma feliz coincidência que me permite aproveitar a estadia em Portugal do professor Rahmann enquanto invited speaker do ISELL2012 e fazer a apresentação do livro no contexto de um colóquio que trabalha os grandes temas da Lógica Universal e da Filosofia da Ciência.

FCUL - Já há previsão para a realização de trabalhos futuros?

OP - Tenho quase pronto um livro em que reúno a minha lição de agregação – “Tarefas da Epistemologia e Filosofia da Ciência para o Século XXI” - e um conjunto de conferências que tenho vindo a fazer e cujo conjunto, subitamente, descubro fazer algum sentido.

Além disso, estou a terminar a coleção “A imagem na Ciência e na Arte” que dirijo na editora Fim de Século. Já estão publicados sete volumes. Dois devem sair ainda este ano e, no ano de 2013, espero que sejam publicados os restantes. Ao todo 12 volumes dos quais oito foram editados por mim.

Depois, tenho há muito tempo dois livros quase prontos que gostaria de acabar com brevidade. Só lhes falta o quase. Um é sobre Rousseau. Comecei a escrevê-lo há mais de 20 anos. O outro é sobre o “Protagoras” de Platão. Inclui um conjunto de estudos e um CD-ROM com uma versão do diálogo em hipertexto, um trabalho que, em determinada altura, contou com a colaboração de diversas turmas de alunos. São dois livros sobre paixões muito antigas. Estão prontos. Só falta despedir-me deles.

Até este momento tenho publicado mais de 100 títulos, mais exactamente, 150, sou autora de dez livros editora de outros 17. Depois disso, veremos. O tempo é inexorável.

Raquel Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt
Constituição da AMONET no notário em 2004

“(…) embora existam mudanças positivas, persiste uma grande diferença entre homens e mulheres cientistas em cargos de topo. Continua a ser muito menor o número de reitoras, diretoras de laboratórios de investigação ou professoras catedráticas. (…)”. Crónicas em Ciências com Maria José Costa, presidente da AMONET.

Vigilantes da natureza do Parque Natural do Vale do Guadiana do ICNF no JBT

O Jardim Botânico Tropical a ULisboa volta a abrir portas ao público.  A 1.ª fase do projeto de requalificação incluiu o melhoramento dos caminhos, lagos e linhas de água e alguns canteiros da zona sul do jardim.

Homenagem a Helena Iglésias Pereira

“Lena, partiste, mas estarás sempre presente no nosso coração.” Artigo da autoria de Maria Antónia Turkman, professora do DEIO Ciências ULisboa.

Helena Maria Iglésias Pereira, professora do Departamento de Estatística e Investigação Operacional (DEIO), faleceu dia 14 de janeiro. A Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa lamenta profundamente o triste acontecimento, apresentando as condolências aos familiares, amigos e colegas de Helena Maria Iglésias Pereira.

Pormenor da impressão artística do processo de fusão da galáxia NGC 6240

A mais detalhada imagem do material envolvendo dois buracos negros supermassivos numa galáxia em processo de fusão foi obtida com a colaboração de um antigo aluno da Faculdade e atualmente investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, e que em 2019 colaborou também na produção da primeira imagem de um buraco negro.

A cientista Maria Elvira Callapez escreve sobre a problemática dos plásticos: “Os plásticos não são inimigos, pelo contrário, serão cada vez mais o material para todos os usos. Parece irrealista tentar viver, um dia que seja, sem plásticos ou outros sintéticos, sendo que, por exemplo, o dilema “papel ou plástico” perdurará…”.

Carlos Lopes e Margarida Amaral

Um estudo coordenado pelo BioISI abre novos horizontes para a doença crónica obstrutiva pulmonar. O trabalho realizado em parceria com o Hospital de Santa Maria mostrou como é que uma doença rara como a fibrose quística pode ajudar encontrar estratégias terapêuticas para esta doença comum. A investigação foi galardoada com o Prémio Thomé Villar/Boehringer Ingelheim 2019.

Campus Ciências ULisboa

À Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior compete a avaliação e acreditação de ciclos de estudos. Este ano letivo estão em avaliação 21 ciclos de estudos. Leia o artigo de Rebeca Atouguia, coordenadora da Área de Estudos, Planeamento e Qualidade da Faculdade.

Zygodon forsteri (Dicks. ex With.) Mitt

“Tive uma educação científica de excelência”, conta César Garcia, que concluiu os estudos em Ciências ULisboa, primeiro a licenciatura em Biologia Vegetal Aplicada, depois o doutoramento em Biologia, especialidade em Ecologia, com um trabalho sobre a Biodiversidade de Carvalhais da Rede Natura 2000.

A Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa lamenta a ocorrência que, no passado sábado, vitimou mortalmente um ex-aluno da licenciatura em Tecnologias de Informação. Estamos todos em estado de choque e transmitimos aos familiares e amigos as mais profundas condolências.

Dia Internacional em Ciências 2019

As candidaturas a um período de estudos ou de investigação ao abrigo do Programa Erasmus+ na Faculdade começaram a 1 de dezembro, mas os estudantes puderam informar-se logo no Dia Internacional em Ciências dos tipos de mobilidade em curso, bem como dos requisitos necessários para a respetiva candidatura, que termina no último dia do ano.

Tabela Periódica no C8

Isabel Pinheiro podia ter escolhido uma carreira na área da investigação, mas optou pelo ensino. “Cada descoberta, cada aula, cada aula partilhada com um colega é um momento diferente”, refere a professora de Física e Química da Escola Seomara da Costa Primo, apaixonada pela educação e pela tabela periódica, que em 2019 celebra 150 anos.

"A memória da FFCUL, instituição, que soube merecer uma apreciação inequivocamente positiva dos investigadores que serviu, e de todas as instituições que financiaram as suas atividades, será mantida no seu site, onde se encontram todos os relatórios e contas desde 2009, e onde se pode seguir, com toda a transparência, a vida da FFCUL." Leia o artigo de José Manuel Rebordão, ex-presidente do Conselho Diretivo e da Comissão Liquidatária da FFCUL.

Universidade Agostinho Neto

Após o sucesso dos mestrados em Gestão e Governança Ambiental e Microbiologia Aplicada, dos quais resultaram os primeiros 25 mestres em Angola nestas áreas, iniciou-se este ano, a 2.ª edição do mestrado em Gestão e Governança Ambiental, com novos 25 alunos. José Guerreiro, professor do Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa, esteve em serviço externo em Angola, tendo regressado a Portugal este sábado, dia 14 de dezembro, após fechar com sucesso o 1.º ano curricular de mais uma edição deste programa.

Imagem abstrata Ciências ULisboa

"A compreensão do tempo pode ser feita em função dos ganhos e perdas de informação. Assim, a adaptação é um ganho de informação, a degradação é um tipo de perda e implica um aumento de entropia. Os fenómenos complexos aparecem entre os estados de baixa e os de alta entropia, onde a baixa entropia dá-nos a ordem da complexidade", in no Campus com Helder Coelho.

O Tec Labs - Centro de Inovação da Faculdade participou numa missão de quatro dias, na Alemanha, organizada pelo Health Cluster Portugal (HCP). Leia a crónica publicada no blog do Centro de Inovação da Faculdade e saiba como decorreu a visita.

O Prémio Breakthrough em Física Fundamental 2020, um dos mais prestigiantes em Física, foi atribuído ao projeto Event Horizon Telescope (EHT) e a cada um dos 347 membros, incluindo o português Hugo Messias, antigo aluno da Ciências ULisboa e atualmente investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço. Hugo Messias foi ainda galardoado este ano com o prémio GQ Men of the Year, na categoria ciência.

Andreia Tracana, Giulia Sent e Carolina Sá junto ao Discovery em Ponta Delgada

Carolina Sá, professora do DBV e investigadora do polo da Faculdade do MARE, doutorada em Ciências do Mar, juntamente com Andreia Tracana, Giulia Sent respetivamente mestre e estudante do mestrado em Ciências do Mar, também elas investigadoras do MARE Ciências ULisboa, participaram no cruzeiro AMT29, que atravessou o Atlântico, desde o Reino Unido até Punta Arenas, na América do Sul, a bordo do navio Discovery.

Rui Agostinho com alunos

Rui Agostinho, professor do Departamento de Física e investigador do polo da Faculdade do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, recebe no Dia Nacional da Cultura Científica o Grande Prémio Ciência Viva Associação Mutualista Montepio 2019, pela sua ação notável na promoção da cultura científica como professor, investigador, autor e divulgador na área da Astronomia.

Sala da aula

Ana Eliete dá aulas de Matemática há cerca de 15 anos e sempre quis ser professora. Escolheu a profissão por vocação. É licenciada em Ensino da Matemática, pela Universidade de Évora, e em 2011 concluiu o mestrado em Matemática para Professores, pela Ciências ULisboa.

A fibrose quística é uma doença genética hereditária rara que afeta cerca de 400 pessoas em Portugal

Margarida Amaral, professora do Departamento de Química e Bioquímica da Ciências ULisboa e coordenadora do Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas, foi distinguida com o Jack Riordan & Paul Quinton CF Science Award 2019, que visa homenagear os cientistas cuja missão é encontrar a cura para a fibrose quística.

Representantes da Delta Soluções, Nevaro, Vawlt e equipa do Tec Labs no Web Summit 2019

O Tec Labs voltou a marcar presença no Web Summit, com a Delta Soluções, a Nevaro, a Vawlt Technologies e a UpHill, segundo o blog do Centro de Inovação da Faculdade. Entretanto, já é possível efetuar o pré-registo na edição 2020 do mediático certame dedicado à inovação tecnológica.

Maria Elvira Callapez e Vânia Carvalho, do Museu de Leiria, recebem o prémio das mãos de Thomas Misa, presidente da SHOT e Arwen Mohun, presidente eleita da SHOT

A exposição “Plasticidade – uma História dos Plásticos em Portugal” - em exibição no Museu de Leiria - ganhou o Dibner Award for Excellence in Museum Exhibits. A exposição premiada é uma das metas do projeto “O Triunfo da Baquelite – Contributos para uma História dos Plásticos em Portugal”, coordenado por Maria Elvira Callapez, investigadora do polo da Ciências ULisboa do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia.

 2.ª edição do prémio “Internet +” de inovação e empreendedorismo da China e países de língua portuguesa para estudantes universitários

A Nevaro, uma proto-company da Ciências ULisboa, fundada por Francisca Canais e Rita Maçorano, duas alunas do mestrado integrado em Engenharia Biomédica e Biofísica (MIEBB), e por Hugo Ferreira, professor do Departamento de Física e investigador do Instituto de Biofísica e Engenharia Biomédica da Faculdade, participou na 2.ª edição do prémio “Internet +” de inovação e empreendedorismo da China e países de língua portuguesa para estudantes universitários, ganhando no final do concurso o prémio de bronze.

Galeria Ciências

"Visitar esta exposição é entrar na pesquisa de Katrin von Lehmann sobre o desenho usando o método artístico de experimentação, assim como na aventura interdisciplinar que pretende, a partir da Filosofia, perceber um pouco mais das possíveis relações entre Arte e Ciência." Crónicas em Ciências com Catarina Pombo Nabais, curadora da exposição.

Páginas