“O Círculo dos Saberes”

Entrevista com... Olga Pombo

Professora Olga Pombo, autora do livro "O Círculo dos Saberes"
Cedida por Olga Pombo

"Cada vida é uma enciclopédia, uma biblioteca, um inventário de objetos, um catálogo de estilos, onde tudo pode ser constantemente remexido e reordenado de todas as maneiras possíveis”
Italo Calvino, “Lezioni Americane - Sei Proposte per il Prossimo Millennio”

Se numa frase fosse possível ilustrar a essência e atitude perante a vida da professora Olga Pombo, esta seria a indicada. Movida pela busca incessante da riqueza do saber, Olga Pombo, doutorada em História e Filosofia da Educação pela FCUL, é docente da Secção Autónoma de História e Filosofia das Ciências na Faculdade e coordenadora de uma das unidades de investigação que a assiste, Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa (CFCUL).

A docente da FCUL distingue-se ainda por ser autora de dez livros e editora de outros 17, tendo associado ao seu currículo académico e científico um vastíssimo leque de publicações. E porque para Olga Pombo “o tempo é inexorável”, este mês (29 de outubro), prepara-se para lançar a sua mais recente obra – “Círculo dos Saberes”. Um livro inspirado em Leibniz cujo desenvolvimento se baseia na máxima de que o “círculo é a figura por excelência da unidade do conhecimento”.
Fique a conhecer os pormenores da obra bem como da apresentação oficial que irá marcar o seu lançamento na entrevista com a autora.
 

FCUL - Como surgiu a ideia de criar esta obra intitulada de “O Círculo dos Saberes”?

Olga Pombo (OP) - Este livro surge no cruzamento e no desenvolvimento de duas investigações anteriores. Por um lado, o trabalho que realizei no âmbito de um projeto da Fundação para a Ciência e Tecnologia (1999-2002), intitulado Enciclopédia e Hipertexto. Um dos resultados desse projeto foi a edição de um livro com o mesmo título, no qual publiquei três estudos sobre a história do enciclopedismo desde a Antiguidade Clássica até ao século XX. Esses estudos foram agora retomados e completados com um longo trabalho sobre o enciclopedismo filosófico (de Ramon Lull a Neurath, passando por Bacon, Leibniz, o enciclopedismo positivista e romântico); Por outro lado, uma investigação muito ampla que venho realizando desde a minha tese de doutoramento sobre um tema clássico da filosofia do conhecimento científico: o projeto da unidade da ciência, trabalho esse que desenvolvi no livroUnidade da Ciência. Programas, Figuras e Metáforas”, recentemente reeditado pela editora Gradiva (2011) em associação com o CFCUL.

FCUL - Porquê o título “Círculo dos Saberes”?

OP - Antes de mais porque este livro persegue a hipótese de um efetivo reenvio da enciclopédia à sua etimologia como círculo dos saberes. Mas também porque me parece que a rede hipertextual que nos rodeia, por mais aberta e descentrada que seja, por mais instável e inacabada, por mais complexa e nunca inteiramente atualizável que possa ser, não escapa ao sortilégio do círculo, ao seu infinito rodopio, à sua força geradora, à sua vontade de verdade, harmonia e perfeição. Penso que a imagem da capa é eloquente. Da autoria de Andreas Kaberle: Processing Flickr Group, de 2007, ela foi retirada do livro de Manuel Lima (2008), “Visual Complexity. Mapping Patterns of Information.

Ela mostra com grande clareza de que modo a complexidade acaba por remeter para a figura do círculo. Por outras palavras, estou convencida que a imagem do círculo constitui um arquétipo, uma determinação conceptual prévia a toda a investigação. Ele é uma entidade transcendental reificada que pensa antes mesmo de nós começarmos a pensar.


Fonte: Cedida por Olga Pombo
Legenda: "Este livro persegue a hipótese de um efetivo reenvio da enciclopédia à sua etimologia como círculo dos saberes", explicou a autora Olga Pombo

FCUL - A que público se destina?

OP - Filósofos, historiadores, investigadores de todas as áreas científicas, mas também informáticos, webdesigners, especialistas em teoria dos media, em visualização da informação.

FCUL - O que pode o público encontrar nela?

OP- Uma leitura que atravessa o tempo e que, sem deixar de ser erudita, está muito atenta ao mundo que nos é dado viver.

FCUL - Que importância julga ter para o leitor que a irá receber?

OP - Gostaria que este livro mostrasse à exaustão que o novo se tece com o antigo, que aquilo que não inventámos ainda já está anunciado desde os gregos, que a rede aberta e descentrada que hoje nos cerca e constitui (estou a falar da Internet e da WWW), tem a sua matriz na ideia de enciclopédia, isto é, reenvia a um círculo que honra a nossa inteligência e o nosso sentido da beleza.

FCUL - Há algum momento/passagem que gostaria de destacar na obra? Qual?

OP - Talvez o facto de este livro se inscrever no trabalho sobre Leibniz que venho realizando há quase trinta anos. Leibniz é a grande inspiração e a figura tutelar deste livro. Ele está por toda a parte. Foi Leibniz quem pensou de forma mais profunda e radical o projecto de estruturação sistemática dos conhecimentos humanos. Foi Leibniz quem mais se bateu por uma heurística combinatória e, juntamente com Neurath, foi Leibniz quem melhor compreendeu a articulação entre enciclopédia e unidade da ciência. Gostaria ainda de sublinhar que este livro é também uma homenagem que presto à memória do professor Fernando Gil, ele mesmo um grande estudioso do projeto da enciclopédia.

FCUL - Shahid Rahman, professor da Universidade de Lille III, irá apresentar o livro. A que se deve o convite?

OP - Convidei o professor Shahid Rahman porque ele é um grande especialista sobre o modelo enciclopedista da Unidade da Ciência, diretor de uma prestigiada coleção na editora Springer intitulada “Logic Epistemology and the Unity of Science”. Foi nessa coleção que editei recentemente dois livros, juntamente com outros autores: “Otto Neurath and the Unity of Science, e “Special Sciences and the Unity of Science”.

FCUL - Esta sessão insere-se no “International Symposium of Epistemology, Logic and Language (ISELL2012)” que vai ter lugar, na FCUL, nos próximos dias 29 a 31 de outubro. Porque razão?

OP - Por uma feliz coincidência que me permite aproveitar a estadia em Portugal do professor Rahmann enquanto invited speaker do ISELL2012 e fazer a apresentação do livro no contexto de um colóquio que trabalha os grandes temas da Lógica Universal e da Filosofia da Ciência.

FCUL - Já há previsão para a realização de trabalhos futuros?

OP - Tenho quase pronto um livro em que reúno a minha lição de agregação – “Tarefas da Epistemologia e Filosofia da Ciência para o Século XXI” - e um conjunto de conferências que tenho vindo a fazer e cujo conjunto, subitamente, descubro fazer algum sentido.

Além disso, estou a terminar a coleção “A imagem na Ciência e na Arte” que dirijo na editora Fim de Século. Já estão publicados sete volumes. Dois devem sair ainda este ano e, no ano de 2013, espero que sejam publicados os restantes. Ao todo 12 volumes dos quais oito foram editados por mim.

Depois, tenho há muito tempo dois livros quase prontos que gostaria de acabar com brevidade. Só lhes falta o quase. Um é sobre Rousseau. Comecei a escrevê-lo há mais de 20 anos. O outro é sobre o “Protagoras” de Platão. Inclui um conjunto de estudos e um CD-ROM com uma versão do diálogo em hipertexto, um trabalho que, em determinada altura, contou com a colaboração de diversas turmas de alunos. São dois livros sobre paixões muito antigas. Estão prontos. Só falta despedir-me deles.

Até este momento tenho publicado mais de 100 títulos, mais exactamente, 150, sou autora de dez livros editora de outros 17. Depois disso, veremos. O tempo é inexorável.

Raquel Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt
Uma aplicação mais recente da fotogrametria é a robótica com base em câmaras estéreo, usada em veículos autónomos terrestres e espaciais, como é o caso do Perseverance

"Não é de mais dizer, que hoje em dia, a fotogrametria é indispensável na cartografia da Terra e que leva a Engenharia Geoespacial até à superfície de Marte", escreve Paula Redweik, professora do DEGGE Ciências ULisboa, por ocasião das comemorações do centenário do curso de Engenharia Geográfica/Geoespacial.

Mulher a escrever num quadro e homem ao lado

"A comunicação tem múltiplas funções num organismo. Uma boa prática, por exemplo, passa por acautelar a reputação dessa estrutura, e para que tal aconteça quem trabalha numa organização deve conhecer esse organismo, nomeadamente a sua missão, visão e lema; e o conjunto de pessoas que constituem esse grupo de trabalho", escreve Ana Subtil Simões, editora da Newsletter de Ciências.

Cumprimento entre Bernardo Duarte e o Reitor da ULisboa

A 26 de julho comemorou-se o Dia da ULisboa. A sessão decorreu na Aula Magna, e contou com a Cerimónia de Entrega de Prémios Científicos ULisboa/CGD das edições de 20219 e 2020. Num conjunto de 18 prémios e 23 menções honrosas, nesta edição de 2020, foram atribuídos quatro prémios e quatro menções honrosas a docentes e investigadores da Ciências ULisboa.

Trabalho a decorrer no âmbito da campanha oceanográfica EMSO-PT Leg 1

O Instituto Dom Luiz (IDL) da Ciências ULisboa é responsável pelo desenvolvimento e construção de estações sísmicas de fundo oceânico (OBS).

A aluna está a centrifugar amostras de ácidos nucleicos no âmbito do fluxograma experimental da atividade de sequenciação.

Mónica Vieira Cunha, professora do Departamento de Biologia Vegetal da Ciências ULisboa, investigadora do cE3c e coordenadora científica do projeto COVIDETECT, foi uma das oradoras da sessão “COVIDETECT – Deteção e quantificação de SARS-CoV-2 em águas residuais, como alerta precoce para a disseminação do vírus na comunidade”, organizada pela Águas do Norte, em formato online, no passado dia 13 de julho.

Mão a segurar num telemóvel com o google maps em fundo

Mais uma crónica por ocasião das comemorações do centenário do curso de Engenharia Geográfica/Geoespacial, desta vez da autoria de Ana Cristina Navarro Ferreira, professora do DEGGE Ciências ULisboa.

Jorge Relvas

Jorge Relvas, professor do Departamento de Geologia da Ciências ULisboa e investigador do Instituto Dom Luiz, é o primeiro português a ser distinguido com a medalha da Society for Geology Applied to Mineral Deposits.

Faleceu no passado dia 28 de junho de 2021 Maria da Conceição Vieira de Carvalho, professora do DM Ciências ULisboa, investigadora do CMAFcIO e investigadora visitante permanente na Rutgers University, nos USA. Ciências ULisboa lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

Encontro Ciência 2021 - Dezoito cientistas recebem as medalhas de mérito científico

O Ciência 2021 atribuiu 18 medalhas de mérito científico, destaque para os professores cientistas da Faculdade - Fernando Catarino, Isabel Âmbar e Maria José Costa (Zita). Por ocasião deste importante acontecimento surgiram três conversas com os membros da Faculdade: "a cereja em cima do bolo". 

Logotipo Radar

Décima sétima rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade.

engenheiro a operar com digitalização a laser 3D

Mais uma crónica por ocasião das comemorações do centenário do curso de Engenharia Geográfica/Geoespacial, desta vez da autoria de João Calvão Rodrigues, professor do DEGGE Ciências ULisboa.

Pessoa com a mão no ar

"Será que a sociedade portuguesa reconhece a excelência da investigação científica produzida em Portugal? Não basta produzir conhecimento científico de elevada qualidade, para que este seja reconhecido pelo público como tal", escreve Ana Subtil Simões, editora da Newsletter de Ciências.

Rui Gonçalvez Deus fardado

Rui Gonçalves Deus, oficial da Marinha e especialista em Investigação Operacional, dá-nos a conhecer o seu percurso académico e profissional, e conta-nos de que forma a passagem pela Faculdade o ajudou a alcançar o sucesso profissional.

 Estrutura molecular

Os compostos alílicos de Mo(II) têm sido estudados na Ciências ULisboa há vários anos, tendo sido demonstrada a sua atividade como precursores de catálise na oxidação de olefinas.

Seringa

Num estudo recentemente publicado na revista Nature Communications uma equipa de investigadores liderada por Ganna Rozhnova, professora na University Medical Center Utrecht e colaboradora do Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (BioISI) na Ciências ULisboa, analisou diferentes cenários de relaxamento das medidas de contenção da pandemia enquanto progredia o processo de vacinação para o SARS-CoV-2 em Portugal.

José Cordeiro

A 1.ª edição do concurso à Bolsa Fulbright para Investigação com o apoio da FLAD – Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento para o ano académico de 2021/2022 selecionou quatro candidatos. Entrevista com José Cordeiro, mestrando em Estatística e Investigação Operacional na Ciências ULisboa.

Atividade realizada no âmbito da Higrografia

"A Hidrografia sofreu drásticas mudanças de desenvolvimento e progresso desde o advento do posicionamento por satélite (GPS) e dos sistemas acústicos de varrimento (multifeixe)", escreve Carlos Antunes, professor do DEGGE Ciências ULisboa, por ocasião das comemorações do centenário do curso de Engenharia Geográfica/Geoespacial.

relógios

As professoras Ana Nunes e Ana Simões apresentam em entrevista os objetivos do repositório digital de cursos e apontamentos de antigos professores da Ciências ULisboa, nomeadamente João Andrade e Silva, Noémio Macias Marques, José Vassalo Pereira, António Almeida Costa e José Sebastião e Silva.

Simulação de larga escala do Universo

Andrew Liddle, investigador do Departamento de Física da Ciências ULisboa e do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, integra a colaboração internacional Dark Energy Survey (DES), que catalogou quase um oitavo de todo o céu, ao longo de seis anos, com o intuito de revelar a natureza da energia escura, responsável pela expansão acelerada do Universo.

Sumário gráfico do trabalho

Um grupo de investigadores utilizou gânglios linfáticos, amígdalas e sangue para mostrar como as células que controlam a produção de anticorpos são formadas e atuam. Estes dados permitirão desenhar estratégias que controlem a regulação do sistema, podendo contribuir para a resolução de doenças autoimunes ou alergias.

Logotipo Radar

Décima sexta rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade.

Pessoa lendo um jornal

A agenda temática avalia a importância que os meios de comunicação de massas têm quando distribuem determinados temas, dando atenção a certos assuntos e esquecendo outros.

lagoas de filtração

As águas residuais podem ser usadas para identificar precocemente novos surtos da COVID-19 e investigar a diversidade dos genomas do vírus SARS-CoV-2 que circulam numa comunidade, segundo comunicado de imprensa emitido pela Águas de Portugal. Os resultados do projeto de investigação COVIDETECT foram apresentados a 26 de maio.

Combinação de imagens de técnicas e aplicações da Geodesia

"Um dos marcos interessantes da contribuição da Geodesia para a sociedade foi a definição do metro formulada em 1791 , que teve como base a medição do arco de meridiano entre Dunkerque e Barcelona, efetuada ao longo de sete penosos anos (em plena revolução francesa)", escreve Virgilio de Brito Mendes, professor do DEGGE Ciências ULisboa, por ocasião do centenário do curso.

Fluviário de Mora

A exposição permanente do Fluviário de Mora inclui “Sons dos Peixes” produzida no âmbito do projeto de investigação “Deteção de Peixes Invasores em Ecossistemas Dulciaquícolas através de Acústica Passiva - Sonicinvaders”, liderado pelo polo da Faculdade do MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente.

Páginas