“O Círculo dos Saberes”

Entrevista com... Olga Pombo

Professora Olga Pombo, autora do livro "O Círculo dos Saberes"
Cedida por Olga Pombo

"Cada vida é uma enciclopédia, uma biblioteca, um inventário de objetos, um catálogo de estilos, onde tudo pode ser constantemente remexido e reordenado de todas as maneiras possíveis”
Italo Calvino, “Lezioni Americane - Sei Proposte per il Prossimo Millennio”

Se numa frase fosse possível ilustrar a essência e atitude perante a vida da professora Olga Pombo, esta seria a indicada. Movida pela busca incessante da riqueza do saber, Olga Pombo, doutorada em História e Filosofia da Educação pela FCUL, é docente da Secção Autónoma de História e Filosofia das Ciências na Faculdade e coordenadora de uma das unidades de investigação que a assiste, Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa (CFCUL).

A docente da FCUL distingue-se ainda por ser autora de dez livros e editora de outros 17, tendo associado ao seu currículo académico e científico um vastíssimo leque de publicações. E porque para Olga Pombo “o tempo é inexorável”, este mês (29 de outubro), prepara-se para lançar a sua mais recente obra – “Círculo dos Saberes”. Um livro inspirado em Leibniz cujo desenvolvimento se baseia na máxima de que o “círculo é a figura por excelência da unidade do conhecimento”.
Fique a conhecer os pormenores da obra bem como da apresentação oficial que irá marcar o seu lançamento na entrevista com a autora.
 

FCUL - Como surgiu a ideia de criar esta obra intitulada de “O Círculo dos Saberes”?

Olga Pombo (OP) - Este livro surge no cruzamento e no desenvolvimento de duas investigações anteriores. Por um lado, o trabalho que realizei no âmbito de um projeto da Fundação para a Ciência e Tecnologia (1999-2002), intitulado Enciclopédia e Hipertexto. Um dos resultados desse projeto foi a edição de um livro com o mesmo título, no qual publiquei três estudos sobre a história do enciclopedismo desde a Antiguidade Clássica até ao século XX. Esses estudos foram agora retomados e completados com um longo trabalho sobre o enciclopedismo filosófico (de Ramon Lull a Neurath, passando por Bacon, Leibniz, o enciclopedismo positivista e romântico); Por outro lado, uma investigação muito ampla que venho realizando desde a minha tese de doutoramento sobre um tema clássico da filosofia do conhecimento científico: o projeto da unidade da ciência, trabalho esse que desenvolvi no livroUnidade da Ciência. Programas, Figuras e Metáforas”, recentemente reeditado pela editora Gradiva (2011) em associação com o CFCUL.

FCUL - Porquê o título “Círculo dos Saberes”?

OP - Antes de mais porque este livro persegue a hipótese de um efetivo reenvio da enciclopédia à sua etimologia como círculo dos saberes. Mas também porque me parece que a rede hipertextual que nos rodeia, por mais aberta e descentrada que seja, por mais instável e inacabada, por mais complexa e nunca inteiramente atualizável que possa ser, não escapa ao sortilégio do círculo, ao seu infinito rodopio, à sua força geradora, à sua vontade de verdade, harmonia e perfeição. Penso que a imagem da capa é eloquente. Da autoria de Andreas Kaberle: Processing Flickr Group, de 2007, ela foi retirada do livro de Manuel Lima (2008), “Visual Complexity. Mapping Patterns of Information.

Ela mostra com grande clareza de que modo a complexidade acaba por remeter para a figura do círculo. Por outras palavras, estou convencida que a imagem do círculo constitui um arquétipo, uma determinação conceptual prévia a toda a investigação. Ele é uma entidade transcendental reificada que pensa antes mesmo de nós começarmos a pensar.


Fonte: Cedida por Olga Pombo
Legenda: "Este livro persegue a hipótese de um efetivo reenvio da enciclopédia à sua etimologia como círculo dos saberes", explicou a autora Olga Pombo

FCUL - A que público se destina?

OP - Filósofos, historiadores, investigadores de todas as áreas científicas, mas também informáticos, webdesigners, especialistas em teoria dos media, em visualização da informação.

FCUL - O que pode o público encontrar nela?

OP- Uma leitura que atravessa o tempo e que, sem deixar de ser erudita, está muito atenta ao mundo que nos é dado viver.

FCUL - Que importância julga ter para o leitor que a irá receber?

OP - Gostaria que este livro mostrasse à exaustão que o novo se tece com o antigo, que aquilo que não inventámos ainda já está anunciado desde os gregos, que a rede aberta e descentrada que hoje nos cerca e constitui (estou a falar da Internet e da WWW), tem a sua matriz na ideia de enciclopédia, isto é, reenvia a um círculo que honra a nossa inteligência e o nosso sentido da beleza.

FCUL - Há algum momento/passagem que gostaria de destacar na obra? Qual?

OP - Talvez o facto de este livro se inscrever no trabalho sobre Leibniz que venho realizando há quase trinta anos. Leibniz é a grande inspiração e a figura tutelar deste livro. Ele está por toda a parte. Foi Leibniz quem pensou de forma mais profunda e radical o projecto de estruturação sistemática dos conhecimentos humanos. Foi Leibniz quem mais se bateu por uma heurística combinatória e, juntamente com Neurath, foi Leibniz quem melhor compreendeu a articulação entre enciclopédia e unidade da ciência. Gostaria ainda de sublinhar que este livro é também uma homenagem que presto à memória do professor Fernando Gil, ele mesmo um grande estudioso do projeto da enciclopédia.

FCUL - Shahid Rahman, professor da Universidade de Lille III, irá apresentar o livro. A que se deve o convite?

OP - Convidei o professor Shahid Rahman porque ele é um grande especialista sobre o modelo enciclopedista da Unidade da Ciência, diretor de uma prestigiada coleção na editora Springer intitulada “Logic Epistemology and the Unity of Science”. Foi nessa coleção que editei recentemente dois livros, juntamente com outros autores: “Otto Neurath and the Unity of Science, e “Special Sciences and the Unity of Science”.

FCUL - Esta sessão insere-se no “International Symposium of Epistemology, Logic and Language (ISELL2012)” que vai ter lugar, na FCUL, nos próximos dias 29 a 31 de outubro. Porque razão?

OP - Por uma feliz coincidência que me permite aproveitar a estadia em Portugal do professor Rahmann enquanto invited speaker do ISELL2012 e fazer a apresentação do livro no contexto de um colóquio que trabalha os grandes temas da Lógica Universal e da Filosofia da Ciência.

FCUL - Já há previsão para a realização de trabalhos futuros?

OP - Tenho quase pronto um livro em que reúno a minha lição de agregação – “Tarefas da Epistemologia e Filosofia da Ciência para o Século XXI” - e um conjunto de conferências que tenho vindo a fazer e cujo conjunto, subitamente, descubro fazer algum sentido.

Além disso, estou a terminar a coleção “A imagem na Ciência e na Arte” que dirijo na editora Fim de Século. Já estão publicados sete volumes. Dois devem sair ainda este ano e, no ano de 2013, espero que sejam publicados os restantes. Ao todo 12 volumes dos quais oito foram editados por mim.

Depois, tenho há muito tempo dois livros quase prontos que gostaria de acabar com brevidade. Só lhes falta o quase. Um é sobre Rousseau. Comecei a escrevê-lo há mais de 20 anos. O outro é sobre o “Protagoras” de Platão. Inclui um conjunto de estudos e um CD-ROM com uma versão do diálogo em hipertexto, um trabalho que, em determinada altura, contou com a colaboração de diversas turmas de alunos. São dois livros sobre paixões muito antigas. Estão prontos. Só falta despedir-me deles.

Até este momento tenho publicado mais de 100 títulos, mais exactamente, 150, sou autora de dez livros editora de outros 17. Depois disso, veremos. O tempo é inexorável.

Raquel Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O primeiroDictum et factumde 2017 é com Ânia Finuras, bolseira de gestão da Área de Comunicação e Imagem de Ciências.

Adaptar para a mudança. Este foi o lema do AdaptForChange, um projeto que teve início em abril de 2015 e que ao longo de quase dois anos contribuiu para um conhecimento profundo do estado das florestas do Alentejo e que culminou com o desenvolvimento do Plano de Adaptação de Mértola às Alterações Climáticas, a implementar nos próximos anos.

Cerca de 2783 árvores, arbustos e herbáceas vão ser plantados no Estádio Universitário, até ao próximo mês de março.

O recente falecimento abre mais uma lacuna na geração dos cientistas e professores que muito contribuíram para o desenvolvimento da Química em Portugal.

Maria Inês Correia Gonçalves Macias Marques,professora aposentada da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, faleceu aos 79 anos, no dia 1 de janeiro de 2017. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

Inseridos no Programa de Atividades Conjuntas, do Programa Operacional Competitividade e Internacionalização , o IBEB e o BioISI de Ciências – em conjunto com outros grupos nacionais -, vão explorar o conhecimento acerca do cérebro.

O grupo de investigadores da Masaryk University, na República Checa; da Mykolas Romeris University, na Lituânia; das universidades Politécnica de Madrid e de Oviedo, em Espanha; do Centro de Estudos Geográficos do Instituto de Geografia e Ordenamento do Território e do Instituto Dom Luiz analisaram a evolução da temperatura nas dez estações da Península Antártica desde o início da década de 1950 até 2015.

Através de trabalho de campo detalhado na ilha de Santa Maria, nos Açores, investigadores descobriram elementos importantes para a compreensão da origem e evolução de ilhas vulcânicas.

O projeto RESISTIR iniciou-se em abril deste ano e visa criar até abril de 2019 um sistema de informação - inovador, modular, inteligente e adaptável - para apoiar a tomada de decisão clínica no domínio da vigilância epidemiológica, resistência aos antimicrobianos, controlo de infeção e gestão hospitalar.

O ClimAdaPT.Local coordenado pelo grupo CCIAM do cE3c chegou ao fim.

Ciências é oficialmente membro associado do Laboratório de Instrumentação e Física Experimental de Partículas. Para além disso, em 2017 a sede vai ficar mais próxima dos cientistas desta instituição.

No ensino universitário normal o aproveitamento/rendimento escolar é também motivo de preocupação em muitos países europeus, embora existam países onde esserendimento se aproxima dos 100%. Em termos económicos, facilmente se percebe que quanto maior for a taxa de aprovação dos alunos, menor a desistência e a reprovação, mais justificadas estão as verbas públicas (provenientes dos impostos) que o Estado investiu no sector da educação.

“Os valores associados ao desporto são complementares aos que são necessários para o sucesso académico”, diz Matilde Fidalgo, aluna de Ciências e jogadora de futebol da seleção feminina portuguesa.

Antes de se aposentar em 2014 a Ana Monteiro trabalhou na Biblioteca da FCUL durante alguns anos. Ontem, dia 15 de dezembro,faleceu.

Teve lugar a 27 de outubro no Salão Nobre da Reitoria da Universidade de Lisboa (ULisboa) o lançamento oficial do Colégio de Química, o primeiro colégio da ULisboa aprovado na área das Ciências Exatas.

O aumento da temperatura da água leva anfíbios omnívoros a adotar uma dieta mais herbívora. De acordo com ocomunicado de imprensaemitido pelo cE3c – Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Climáticas, “esta é a primeira vez que é estudada em vertebrados a assimilação de dietas mais ou menos ricas em proteínas em função da temperatura”.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O último Dictum et factumde 2016 é com Paulo Silva, técnico superior do Departamento de Física de Ciências.

OQTLeap—Quality Translation by Deep Language Engineering Approacheschega ao fim, mas a investigação em tradução automática continua. Leia a curta entrevista comAntónio Branco, professor do Departamento de Informática de Ciências e coordenador deste projeto, iniciado em novembro de 2013.

“A Onda da Nazaré: um estímulo para a aprendizagem” é financiado pelo Mecanismo Financeiro do Espaço Económico Europeu (EEA Grants) e explica de forma simples e recorrendo a curtas animações os processos associados à existência da maior onda surfada em todo o mundo.

O curso deQuímica Tecnológicacelebra em 2017 os 35 anos da saída dos seus primeiros licenciados pelo que as próximas “Jornadas QT” realçarão esta efeméride.

Nos últimos anos datroika(2011-2015), a importância da Filosofia foi bastante apreciada, em particular a nível internacional. Este período não foi bom para Portugal, sobretudo porque os jovens licenciados foram colocados de lado e sem trabalho, os sem emprego (ou bolsa), os precários (com vencimento à hora de ocupação, os temporários, sem férias, direitos de saúde...), e os que estavam a mais (e, forçados a emigrar) juntaram a sua indignação e protestaram. Nem sempre com resultados bem visíveis e de pressão real sobre o poder.

A União Europeia das Geociências atribui anualmente um prémio que reconhece atividade científica de exceção a nível mundial, realizada por cientistas desta área na fase inicial da carreira. Este galardão foi atribuído pela primeira vez a um investigador a trabalhar em Portugal. João Duarte é investigador do Instituto Dom Luiz e do Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e recebeu este prémio pelo seu trabalho na área da Geologia Marinha e Tectónica, bem como pela sua atividade na área da divulgação científica.

Nos próximos cinco anos, Sara Magalhães vai explorar um sistema biológico composto por duas espécies de ácaro-aranha,Tetranychus urticaeeTetranychus ludeni, que competem por um alimento - a planta do tomate, no âmbito do projeto “COMPCON - Competição sob construção do nicho”, cominício previsto para maio de 2017e desenvolvido em colaboração com investigadores da Universidade de Montpellier, emFrança.

Aplicações médicas e industriais a partir de organismos que produzem bioadesivos...Sim, é possível. No âmbito de uma Ação COST, a Rede Europeia de Especialistas em Bioadesão, trabalha para criar novos produtos.

O tempo tem demonstrado ser possível avançar na criação de mais e melhores condições de equidade para os alunos com Necessidades Educativas Especiais. Mas este é um desafio permanente para as instituições de ensino, como também o é para cada um de nós e a cada momento, num permanente processo de implicação pessoal em prol de algo que tanto prezamos: a igualdade de oportunidades.

Páginas