Biopharma avalia efeitos de fármacos em peixes e bivalves

Tejo com 32 fármacos

Marine Pollution Bulletin publica estudo sobre o tema na edição impressa de outubro

Tejo

No âmbito deste projeto, financiado pela FCT, foram identificados 32 fármacos utilizados em medicina humana e veterinária na água do estuário do Tejo

VFF

O projeto Biopharma inclui uma vertente de avaliação ambiental que passa pela identificação e quantificação de resíduos na água e em organismos estuarinos, como é o caso dos peixes ou bivalves.

Os cientistas pretendem avaliar os efeitos de exposição a diferentes compostos, como é o caso de antidepressivos ou anti-inflamatórios, dando particular ênfase às espécies de peixe com interesse comercial.

Para Vanessa F. Fonseca “este tópico de investigação é muito recente, o que significa que há uma grande lacuna de informação base, e isso é simultaneamente aliciante e a maior dificuldade – acrescentando que - sem conhecimento empírico prévio, o planeamento amostral e experimental é essencialmente um exercício conceptual”.

A bióloga exemplifica: se os compostos mais vendidos forem os que estão presentes em maior quantidade no meio aquático, há processos de degradação ambiental e de tratamento das águas residuais que podem influenciar; se os alvos terapêuticos são conservados ao longo da evolução das espécies, os efeitos são semelhantes, pelo menos entre vertebrados, no entanto, perante a variabilidade biológica e ecológica não é possível restringir a análise apenas aos efeitos expectáveis.
 

Vanessa F. Fonseca, investigadora do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE-ULisboa), doutorada em Biologia Marinha e Aquacultura por Ciências ULisboa, coordena o projeto Biopharma, que deverá terminar em 2019.

O principal objetivo do Biopharma, iniciado em 2016, é avaliar os efeitos da exposição a fármacos em organismos estuarinos. No âmbito deste projeto, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, foram identificados 32 fármacos utilizados em medicina humana e veterinária na água do estuário do Tejo.

A equipa do Biopharma integra professores e investigadores de Ciências ULisboa e do MARE-ULisboa, assim como da Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra e do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária.

A presença de compostos - resíduos de antibióticos, anti-hipertensivos, betabloqueadores, anti-inflamatórios, antidepressivos, reguladores lipídicos e antiepiléticos - resulta do uso e consequente libertação contínua destes produtos nas águas residuais.

De acordo com o comunicado de imprensa emitido pela Faculdade esta quarta-feira, embora a presença de compostos tenha sido revelada ao longo de todo o estuário, as maiores concentrações de fármacos foram observadas em áreas próximas da saída dos efluentes de tratamento de águas residuais, na margem norte da área metropolitana de Lisboa e na zona sul do estuário, próxima do município de Almada e da embocadura do Tejo.

Estas conclusões são apresentadas no estudo “Screening of human and veterinary pharmaceuticals in estuarine waters: A baseline assessment for the Tejo estuary” da autoria de Patrick Reis-Santos, Miguel Pais, Bernardo Duarte, Isabel Caçador, Andreia Freitas, Ana S. Vila Pouca, Jorge Barbosa, Sara Leston, João Rosa, Fernando Ramos, Henrique N. Cabral, Bronwyn M. Gillanders e Vanessa F. Fonseca. O artigo está disponível online na Science Direct e será publicado na edição de outubro da Marine Pollution Bulletin.

O grupo do Bipharma é multidisciplinar: integra biólogos e químicos com experiência variada em áreas como Ecologia Estuarina, a Ecotoxicologia, a Fisiologia Animal, Modelação e Química Ambiental.

O próximo passo da equipa passa por determinar a presença de resíduos farmacêuticos em organismos estuarinos, nomeadamente plantas, crustáceos, bivalves e peixes; e avaliar o potencial de acumulação dos mesmos ao longo da teia trófica.

Tejo
As maiores concentrações de fármacos foram observadas em áreas próximas da saída dos efluentes de tratamento de águas residuais, na margem norte da área metropolitana de Lisboa e na zona sul do estuário, próxima do município de Almada e da embocadura do Tejo
Fonte VFF

“Pretende-se quantificar fármacos em organismos estuarinos e determinar se a dieta é uma via importante de contaminação, o que também é relevante para a saúde humana tendo em conta o consumo humano de algumas destas espécies”, conta Vanessa F. Fonseca.

As recentes diretivas europeias reconhecem o potencial risco ecológico e a necessidade de monitorizar a presença e os efeitos de exposição a fármacos no ambiente aquático, assim como a dificuldade em estabelecer limites de segurança ambiental face à falta de informação, à diversidade de compostos e à importância da utilização destes compostos na medicina humana e veterinária.

Por isso mesmo, a coordenadora do Biopharma refere que “é fundamental consolidar informação onde se enquadram os resultados deste projeto e contribuir para uma gestão eficiente, que deverá passar pela definição de prioridades de monitorização dos compostos de maior risco, bem como o envolvimento da sociedade para um consumo moderado de medicamentos e o correto encaminhamento dos mesmos quando já não são necessários”.

“Tem sido uma experiência de colaboração e aprendizagem muito interessante.”
Vanessa F. Fonseca

ACI Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Reitoria da ULisboa

O CWUR 2024 avaliou de entre 20.966 instituições de ensino superior e atribuiu à ULisboa o 211.º lugar (top 1.1%) e a 80.ª posição no panorama europeu.

Fotografia de participantes na Training School

CLEANFOREST na vanguarda da compreensão dos efeitos dos extremos climáticos e poluição nas florestas Europeias

Participantes no Dia Aberto

O campus ganhou vida, cor e energia proveniente do entusiasmo dos cerca de 2000 alunos de 170 escolas de norte a sul do País.

CIÊNCIAS esteve presente nesta edição, com a participação dos docentes do Departamento de Física: Alexandre Cabral, no painel de abertura “À conversa sobre carreiras espaciais” e

Semana Internacional da Compostagem

Uma das transformações necessárias às entidades que querem progredir pelo caminho da sustentabilidade é fecharem os seus ciclos de materiais, nomeadamente o orgânico.

A VicenTuna - Tuna da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa - completou 30 anos em janeiro de 2024. Para comemorar, realizou no dia 30 de abril de 2024, a Festa da Primavera, um espetáculo de música e divertimento dedicado à comunidade de CIÊNCIAS e ao público em geral.

Celebrações dos 50 anos do 25 de abril de 1974 da Academia das Ciências de Lisboa

A 9 de maio realiza-se a segunda de duas jornadas de debate académico e científico organizadas pela Academia das Ciências de Lisboa, que tem por objetivo ‘analisar e discutir a evolução do panorama científico português de forma prospetiv

Lançamento do projeto Barrocal-Cave marca um novo capítulo na Conservação da Biodiversidade em Portugal

O prestigiado Palácio Gama Lobo foi o cenário escolhido para o lançamento do projeto Barrocal-Cave, financiado pelo Prémio Fundação Belmiro de Azevedo 2023.

No passado dia 10 de abril, tivemos a honra de receber um grupo de estudantes e dois professores da Universidade de Leiden, na Holanda. Com um total de 40 estudantes, todos da área das bio farmacêuticas, a visita prometia ser entusiástica.

Miguel Pinto

No dia 29 de abril, Miguel Pinto visitou a Escola Básica Professora Aida Vieira, no Bairro Padre Cruz em Lisboa, para realizar oficinas de divulgação científica e atividades didáticas.

Fotografia de alguns dos oradores

O que é a sustentabilidade? Como podemos agir a nível local, procurando um impacto global? Estas e muitas outras questões marcaram a segunda edição da Semana da Sustentabilidade CIÊNCIAS, entre 15 e 19 de abril de 2024.

Grande Auditório durante a celebração do 113.º aniversário de CIÊNCIAS

Mais de 500 pessoas assistiram no Grande Auditório à celebração do 113.º aniversário de CIÊNCIAS, na passada terça-feira, 23 de abril, numa cerimónia marcada por distinções, homenagens e um balanço dos últimos meses, com os olhos postos no futuro. 

Buracos negros Gaia

Um grupo de cientistas descobriu um grande buraco negro, com uma massa quase 33 vezes superior à massa do Sol, escondido na constelação de Aquila, a menos de 2000 anos-luz da Terra, ao analisar a grande quantidade de dados da missão Gaia da ESA.

Alunos com mãoes no ar num sala de aula

É possível brincar com a Matemática e prova disso foram as várias atividades que se realizaram na Faculdade nos dias 13 e 14 de março de 2024. Março foi um mês dedicado a esta ciência, motor da sociedade. Leia a opinião de quem participou nestas atividades e ainda nas Jornadas de Matemática.

robot e criança

Ecossistema de grandes modelos de linguagem de IA Generativa para a língua portuguesa foi expandido com novas versões dos modelos Albertina e Gervásio.

Participantes da 1.ª edição do JAB

A 1ª edição do JAB, um evento inovador destinado a jovens empreendedores, organizado pela JUST - Júnior Iniciativa de Ciências ocorreu nos dias 22 e 23 de março passado e teve como foco a Educação de Qualidade, quarto Objetivo de Desenvolvimento Sustentável.

Pessoas

Uma comitiva da Shanghai Ocean University (SHOU), cuja origem remonta à Escola de Pesca da Província de Jiangsu, fundada em 1912, visitou Ciências ULisboa no passado dia 25 de março. Wang Hongzhou, presidente do Conselho da universidade chinesa, elogiou o avanço da investigação realizada na Ciências ULisboa, destacando as boas práticas de gestão, interdisciplinaridade e foco na missão. Durante a ocasião, Luís Carriço, diretor da Ciências ULisboa, reconheceu a importância das relações bilaterais com a China.

Alunos dinarmarqueses junto à tabela periódica

Um grupo de 25 estudantes do ensino secundário do Egedal Gymnasium & HF, da Dinamarca, visitou a Ciências ULisboa no passado dia 21 de março.

Sala com pessoas

A “Sessão de demonstração do serviço CONNECT – Caso de uso #1, Estuário do Tejo” ocorreu no passado dia 13 de março.

Várias pessoas no stand da Fcauldade Futurália

Como já vem sendo tradição, a Ciências ULisboa esteve presente na 15.ª edição da Futurália, a maior feira de educação, formação e empregabilidade do país, que se realizou entre 20 e 23 de março, na FIL - Feira Internacional de Lisboa e que juntou muitos visitantes, especialmente candidatos ao ensino superior. A Direção da Ciências ULisboa agradece aos mais de 200 estudantes voluntários e aos cerca de 70 professores, investigadores, entre outros profissionais que se vestiram de azul para esclarecerem as dúvidas dos candidatos ao ensino superior, lançando ainda o convite para visitarem a Faculdade no próximo Dia Aberto, que se realiza no próximo dia 8 de maio e cujas inscrições podem ser feitas aqui. Até lá!

Imagem do Miguel Pires durante a competição ocorrida em videoconferência

Miguel Pires, estudante da licenciatura de Engenharia Geoespacial da Ciências ULisboa, venceu a edição portuguesa do Esri Young Scholars Award e que lhe dá a oportunidade de apresentar o seu projeto Dashboard CicLisboa no maior evento de Sistemas de Informação Geográfica a nível mundial - o Esri User Conference e a Education Summit -, ambos a decorrer no próximo mês de julho, em San Diego, na Califórnia (EUA).

Pessoa numa praia com neve

A missão da Ciências ULisboa é criar, transmitir e difundir conhecimento científico e tecnológico, promovendo uma cultura de aprendizagem permanente, valorizando o pensamento crítico e a autonomia intelectual. Nesta “casa“ todos os dias alunos, professores, investigadores, entre outros profissionais encontram motivos para cuidar do nosso planeta. Bem hajam!

Páginas