Biopharma avalia efeitos de fármacos em peixes e bivalves

Tejo com 32 fármacos

Marine Pollution Bulletin publica estudo sobre o tema na edição impressa de outubro

Tejo

No âmbito deste projeto, financiado pela FCT, foram identificados 32 fármacos utilizados em medicina humana e veterinária na água do estuário do Tejo

VFF

O projeto Biopharma inclui uma vertente de avaliação ambiental que passa pela identificação e quantificação de resíduos na água e em organismos estuarinos, como é o caso dos peixes ou bivalves.

Os cientistas pretendem avaliar os efeitos de exposição a diferentes compostos, como é o caso de antidepressivos ou anti-inflamatórios, dando particular ênfase às espécies de peixe com interesse comercial.

Para Vanessa F. Fonseca “este tópico de investigação é muito recente, o que significa que há uma grande lacuna de informação base, e isso é simultaneamente aliciante e a maior dificuldade – acrescentando que - sem conhecimento empírico prévio, o planeamento amostral e experimental é essencialmente um exercício conceptual”.

A bióloga exemplifica: se os compostos mais vendidos forem os que estão presentes em maior quantidade no meio aquático, há processos de degradação ambiental e de tratamento das águas residuais que podem influenciar; se os alvos terapêuticos são conservados ao longo da evolução das espécies, os efeitos são semelhantes, pelo menos entre vertebrados, no entanto, perante a variabilidade biológica e ecológica não é possível restringir a análise apenas aos efeitos expectáveis.
 

Vanessa F. Fonseca, investigadora do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE-ULisboa), doutorada em Biologia Marinha e Aquacultura por Ciências ULisboa, coordena o projeto Biopharma, que deverá terminar em 2019.

O principal objetivo do Biopharma, iniciado em 2016, é avaliar os efeitos da exposição a fármacos em organismos estuarinos. No âmbito deste projeto, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, foram identificados 32 fármacos utilizados em medicina humana e veterinária na água do estuário do Tejo.

A equipa do Biopharma integra professores e investigadores de Ciências ULisboa e do MARE-ULisboa, assim como da Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra e do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária.

A presença de compostos - resíduos de antibióticos, anti-hipertensivos, betabloqueadores, anti-inflamatórios, antidepressivos, reguladores lipídicos e antiepiléticos - resulta do uso e consequente libertação contínua destes produtos nas águas residuais.

De acordo com o comunicado de imprensa emitido pela Faculdade esta quarta-feira, embora a presença de compostos tenha sido revelada ao longo de todo o estuário, as maiores concentrações de fármacos foram observadas em áreas próximas da saída dos efluentes de tratamento de águas residuais, na margem norte da área metropolitana de Lisboa e na zona sul do estuário, próxima do município de Almada e da embocadura do Tejo.

Estas conclusões são apresentadas no estudo “Screening of human and veterinary pharmaceuticals in estuarine waters: A baseline assessment for the Tejo estuary” da autoria de Patrick Reis-Santos, Miguel Pais, Bernardo Duarte, Isabel Caçador, Andreia Freitas, Ana S. Vila Pouca, Jorge Barbosa, Sara Leston, João Rosa, Fernando Ramos, Henrique N. Cabral, Bronwyn M. Gillanders e Vanessa F. Fonseca. O artigo está disponível online na Science Direct e será publicado na edição de outubro da Marine Pollution Bulletin.

O grupo do Bipharma é multidisciplinar: integra biólogos e químicos com experiência variada em áreas como Ecologia Estuarina, a Ecotoxicologia, a Fisiologia Animal, Modelação e Química Ambiental.

O próximo passo da equipa passa por determinar a presença de resíduos farmacêuticos em organismos estuarinos, nomeadamente plantas, crustáceos, bivalves e peixes; e avaliar o potencial de acumulação dos mesmos ao longo da teia trófica.

Tejo
As maiores concentrações de fármacos foram observadas em áreas próximas da saída dos efluentes de tratamento de águas residuais, na margem norte da área metropolitana de Lisboa e na zona sul do estuário, próxima do município de Almada e da embocadura do Tejo
Fonte VFF

“Pretende-se quantificar fármacos em organismos estuarinos e determinar se a dieta é uma via importante de contaminação, o que também é relevante para a saúde humana tendo em conta o consumo humano de algumas destas espécies”, conta Vanessa F. Fonseca.

As recentes diretivas europeias reconhecem o potencial risco ecológico e a necessidade de monitorizar a presença e os efeitos de exposição a fármacos no ambiente aquático, assim como a dificuldade em estabelecer limites de segurança ambiental face à falta de informação, à diversidade de compostos e à importância da utilização destes compostos na medicina humana e veterinária.

Por isso mesmo, a coordenadora do Biopharma refere que “é fundamental consolidar informação onde se enquadram os resultados deste projeto e contribuir para uma gestão eficiente, que deverá passar pela definição de prioridades de monitorização dos compostos de maior risco, bem como o envolvimento da sociedade para um consumo moderado de medicamentos e o correto encaminhamento dos mesmos quando já não são necessários”.

“Tem sido uma experiência de colaboração e aprendizagem muito interessante.”
Vanessa F. Fonseca

ACI Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
árvores no campus da Faculdade

Ciências ULisboa vai implementar no ano letivo de 2023/2024 o projeto “Ciências em Harmonia”. Comprometida com o bem-estar da sua comunidade estudantil e a promoção de competências individuais e sociais dos seus estudantes, a Faculdade vai procurar dar resposta a uma preocupação: a do bem-estar no ensino superior, envolvendo toda a comunidade académica na celebração da diversidade e promoção de inclusão. As atividades têm início já em setembro e vão prolongar-se durante todo o ano letivo.

logotipo do CWTS

ranking de Leiden, que avalia a produção científica de instituições de ensino superior a nível mundial, posicionou a ULisboa na liderança da Península Ibérica, colocando-a na 28.ª posição na Europa e no 131.º lugar a nível mundial.

enguia

No dia 26 julho, pelas 16h00, decorrerá na Ciências ULisboa a sessão de encerramento do projeto “Livro Vermelho e Sistema Nacional de Informação dos Peixes Dulciaquícolas e Diádromos de Portugal Continental”. O novo Livro Vermelho revela que os peixes de água doce e migradores diádromos se encontram numa situação preocupante.

3 raparigas a apontarem para um ecrã num laboratório

Acontece este ano mais uma edição do “Ser Cientista”. A 8.ª edição do programa, que decorre entre os próximos dias 24 e 28 de julho, visa proporcionar aos alunos do ensino secundário uma aproximação à realidade da investigação científica, pela integração no dia-a-dia dos cientistas de diferentes áreas de Ciências.

António Costa, Elvira Fortunato e Salomé Pais

Salomé Pais foi galardoada com a Medalha de Mérito Científico 2023, durante o Encontro com a Ciência e a Tecnologia em Portugal, decorrido no início de julho em Aveiro. Para a professora catedrática aposentada do Departamento de Biologia Vegetal da Ciências ULisboa esta distinção “simboliza o reconhecimento de uma vida dedicada à ciência”.

imagem de divulgação da exposição Mirabilia

É hoje inaugurada a exposição Mirabilia “Coisas Admiráveis”, que decorre no âmbito das comemorações dos 10 anos da ULisboa e do Dia da Universidade de Lisboa. A exposição integra objetos “admiráveis” das 18 escolas da ULisboa, entre eles um telescópio utilizado por um equipa da Ciências ULisboa na campanha internacional de observação “Venus Twilight Experiment”.

costa maritima

Carlos Antunes, foi nomeado vogal de reconhecido mérito da Comissão de Domínio Público Marítimo, um órgão consultivo da Autoridade Marítima Nacional que estuda e emite pareceres sobre os assuntos relativos à utilização, manutenção e defesa do domínio público marítimo.

Šima Krtalić

Šima Krtalić, aluna de doutoramento da Ciências ULisboa, afiliada ao projeto Medea-Chart, ganhou recentemente a décima edição do prémio "Imago Mundi" 2023 da referida revista académica, destinado a homenagear o melhor artigo em História da Cartografia.

Várias pessoas num sala

Ciências ULisboa participou na 3.ª edição do roadshow EA-IDEIA - Estrutura de Acompanhamento da Investigação, Desenvolvimento, Experimentação e Inovação da Armada, organizado pela Marinha Portuguesa.

Pedro Machado

Pedro Machado, investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA) e professor da Ciências ULisboa, foi homenageado pelo Grupo de Trabalho para a Nomenclatura de Pequenos Corpos (WGSBN) da União Astronómica Internacional (IAU), com a atribuição do seu nome a um asteroide, que tem quase três quilómetros de diâmetro e demora quatro anos e meio a dar uma volta ao Sol.

ave a voar em cima do mar

Um novo estudo internacional sobre a análise do risco de exposição ao plástico por aves marinhas identifica o Mediterrâneo como a região de maior risco a nível global. O artigo foi publicado na revista científica Nature Communications e conta com 18 cientistas portugueses, entre eles quatro investigadores da Ciências ULisboa.

foto dos tres finalistas

Filipa Rocha, estudante de doutoramento na Ciências ULisboa, alcançou o 2.º lugar do Prémio Jovens Inventores 2023, atribuído pelo Instituto Europeu de Patentes. O prémio corresponde a um valor pecuniário de dez mil euros. A cerimónia de entrega de prémios decorreu esta manhã, em Valência, Espanha.

fotografia de grupo

Foi assinado um protocolo de cooperação entre Ciências ULisboa, a FCiências.ID, o cE3c e a empresa dinamarquesa Copenhagen Infrastructure Partners, que visa a investigação e mitigação dos impactos da exploração eólica offshore ao largo da Figueira da Foz.

Logotipo da ACL

Cristina Branquinho e Isabel Trigo foram eleitas em 2023 respetivamente sócias correspondentes nacionais da Classe de Ciências -  Ciências Biológicas e Ciências da Terra e do Espaço – da Academia das Ciências de Lisboa (ACL).

O projeto EDUCOAST, promovido pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera, desenvolve programas educacionais para diversos níveis de ensino e para profissionais, na área das geociências costeiras e marinhas, tendo como base o trabalho de campo e as práticas experimentais.

Conceção artística do telescópio espacial Euclid no espaço

A missão espacial Euclid da Agência Espacial Europeia (ESA) irá penetrar nos últimos 10 mil milhões de anos de história do Universo para tentar compreender pela primeira vez o que está a acelerar a expansão do Universo. O lançamento do telescópio espacial Euclid está previsto para 1 de julho. O telescópio vai observar durante seis anos mais de um terço do céu. A participação portuguesa na missão Euclid é coordenada pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço.

João Pedro e Vera no laboratório

Ciências ULisboa integrou recentemente o projeto “Autonomia 21”, um projeto da Associação Pais 21 cujo objetivo é integrar jovens com Trissomia 21 no mercado de trabalho. O dinamizador desta ideia na Faculdade foi Federico Herrera, professor do DQB e investigador do BioISI. No âmbito deste projeto, Ciências ULisboa recebeu dois jovens que estão neste momento a estagiar num dos laboratórios da Faculdade.

José Pedro Granadeiro e Rui Rebelo

A expedição Selvagens 50 organizada pelo Instituto das Florestas e Conservação da Natureza da Madeira reuniu cerca de 40 especialistas de diversas instituições, entre os quais se incluem os professores do Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa, José Pedro Granadeiro (aves marinhas) e Rui Rebelo (répteis terrestres).

Conceção artística de um exoplaneta semelhante a Vénus, em órbita da sua estrela

Uma equipa de investigadores escolheu um planeta a 106 anos-luz, com 1,37 vezes o diâmetro da Terra, descoberto em 2022, para apresentar a primeira simulação a três dimensões do clima de um planeta de tipo rochoso com as características que atualmente conhecemos em Vénus.

Grupo de alunos e professores

A 9.ª edição da final nacional das Olimpíadas Portuguesas da Geologia decorreu nos dias 3 e 4 de junho, no Centro Ciência Viva de Estremoz / Pólo de Estremoz da Universidade de Évora, com a participação de 25 estudantes vindos de diversas regiões do País, incluindo uma delegação dos Açores (São Roque do Pico).

Rádão

O professor do DQB Ciências ULisboa e investigador do BioISI Ciências ULisboa é o primeiro autor de um novo artigo publicado no jornal Physical Chemistry – Chemical Physics da Royal Society of Chemistry, onde foram estudados diferentes compostos de rádon e xénon - dois gases nobres – e onde as suas propriedades energéticas e de ligação química foram analisadas.

Fundo do oceano

Ricardo Melo, professor do Departamento de Biologia Vegetal da Ciências ULisboa e investigador do MARE, integra o júri do Prémio Mário Ruivo – Gerações Oceânicas. As candidaturas da 3.ª edição deste prémio decorrem até 31 de julho.

Carlos Nieto de Castro

Carlos Nieto de Castro chegou à Faculdade em 1982 com a missão de criar uma escola de Termodinâmica e Processos de Transporte. Em abril de 2019 jubilou-se. Ainda assim, o seu trabalho enquanto investigador continua: todos os dias úteis chega à Faculdade pelas 8h30/9h00. Conheça o percurso do cientista.

3 alunos numa mesa, na semana da sustentabilidade

Neste Dia Mundial do Ambiente recordamos a Semana da Sustentabilidade, organizada por núcleos de estudantes da Faculdade, com o apoio da Associação de Estudantes e do Laboratório Vivo para a Sustentabilidade.

José Guerreiro, docente do Departamento de Biologia Animal e investigador do MARE, iniciou funções esta quinta-feira, dia 1 de junho, como presidente do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Páginas