Bolsas Calouste Gulbenkian

Entrevista a Rodrigo Duarte

Novos Talentos em Matemática

No âmbito deste programa Jorge Buescu é o tutor de Rodrigo Duarte

Ciências

Rodrigo Duarte é aluno do 2.º ano de Matemática e no primeiro ano em Ciências a sua média final foi de 19 valores, um mérito que lhe valeu a atribuição de uma bolsa no âmbito do programa Novos Talentos em Matemática, edição 2016/2017, da Fundação Calouste Gulbenkian.

 “É o gosto que tenho pelo que estudo que me leva a querer saber mais e o esforço empenhado torna-se apenas um meio para esse fim”

Saiba mais sobre o percurso do estudante de Ciências na entrevista a seguir apresentada. 

Rodrigo Duarte
Rodrigo Duarte

O que significa para si esta distinção?

Rodrigo Duarte (RD) - É muito recompensador sentir que o meu esforço foi reconhecido. É uma grande oportunidade ter uma plataforma que me incentiva a trabalhar para aprender, mais do que seria de outra forma esperado. As notas que temos têm um papel relevante mas não são o que realmente interessa, são apenas um efeito secundário do conhecimento que obtemos. Este programa dá-nos acesso a artigos, livros e outros materiais propostos pelos nossos tutores que nos dão uma grande ajuda a compreender melhor o gigante mundo que é a Matemática.

Complete a afirmação: ser aluno de Ciências ULisboa é…?

RD - Ser parte de uma comunidade de cientistas que são motivados pela busca da compreensão quanto ao funcionamento do mundo à nossa volta. É aprender o que as pessoas mais inteligentes que já passaram por este mundo - desde Arquimedes, a Newton, a Euler e muitos outros -, nos têm para dizer e usar [esse] conhecimento séculos de descobertas científicas para fazermos nós próprios descobertas que eventualmente irão contribuir para o progresso da sociedade.

Que momentos destaca ao longo do seu processo de aprendizagem na área da Matemática, nesta Faculdade?

RD - Os primeiros momentos quando se aprende uma nova área da Matemática são passados em confusão e escuridão, porque não percebemos porque é que as coisas são assim e qual a sua relevância. Mas eventualmente, se nos empenharmos e se nos imergirmos, chega uma altura em que a escuridão passa a clareza e a confusão passa a entendimento, muitas vezes num momento de iluminação, em que de repente, as coisas começam a fazer sentido. São esses momentos que eu destaco. Ser aluno de Matemática é também estar preparado para que a qualquer altura, numa dada aula, o(a) professor(a) nos surpreenda com um facto inacreditável, mas inescapável, sobre a natureza dos objetos que estudamos. São todos esses momentos que fazem valer a pena ser aluno de Matemática.

A bolsa de mérito é no valor de 250€ por mês, durante dez meses. Recebeu outro tipo de apoio, como a ligação a investigadores, oportunidades de desenvolver trabalho de investigação, ou outros?

RD - Para além do apoio financeiro, [outra] grande vantagem do programa é a atribuição de um tutor [neste caso, Jorge Buescu], com o fim de realizar estudos aprofundados e iniciar projetos de investigação em Matemática.

Que importância considera que este tipo de apoio tem para jovens no ensino superior?

RD - Este tipo de programas parece-me ser de extrema importância. Em primeiro lugar, fornece-nos um incentivo ao estudo, mostrando que a sociedade valoriza o esforço e o conhecimento. Por outro lado, dá-nos a conhecer o mundo da investigação e ajuda-nos a compreender melhor como é a realidade do mundo académico, o que é de valorizar para quem, como eu, está a pensar seguir a carreira académica.

De que forma se atingem tão bons resultados?

RD - Para mim a resposta a esta pergunta é simples: com muito estudo e muito interesse. O interesse é necessário para motivar o estudo, caso contrário este torna-se menos produtivo. É também importante como se estuda. A prática só leva à perfeição se estivermos a praticar bem, de outra forma vamos apenas acentuar os nossos erros e não corrigi-los. Em Matemática é importante resolver bastantes exercícios, mas apenas se estamos a perceber o que estamos a fazer. Muitas vezes é preferível perder bastante tempo num problema específico em vez de simplesmente ver a resolução e apontar para a quantidade, porque quando somos nós a chegar ao resultado certo os conceitos envolvidos acabam por ser interiorizados com muito mais eficácia.

Há alguma história engraçada na Faculdade que queira partilhar connosco?

RD - Um dia estava a sair de uma aula e deparei-me com um amigo de infância, que já não via há anos sem ter sequer ideia de que ele estava na mesma faculdade que eu. Estava ainda a preparar-me para o cumprimentar quando fui confrontado com a pergunta: “-Tens uma calculadora?”. Apesar de ter ficado surpreendido com a pergunta, obviamente tenho sempre uma calculadora comigo e portanto emprestei-lhe. Aparentemente, ele ia ter teste a seguir e não se lembrou de trazer uma. Felizmente, no dia seguinte, pudemos usar a desculpa da devolução da calculadora para pôr a conversa em dia. Se não tivesse sempre preparado para uma necessidade repentina de “poder computacional”, talvez nunca tivéssemos voltado a entrar em contacto.

Há algum professor e/ou colega que o tenha marcado?

RD – Ao longo do meu percurso académico têm sido muitos os professores que me marcaram e certamente todos contribuíram para quem eu sou hoje. Contudo, neste momento destacaria o meu tutor - Jorge Buescu-, que tem mostrado bastante disponibilidade e me tem “inundado” com recursos que serão valiosos no meu processo de aprendizagem.

Os bons resultados atingem-se com esforço e… Que mais acrescentaria?

RD - O esforço e trabalho árduos são essenciais se queremos sucesso em qualquer área, mas para que este seja sustentável é necessário motivação e interesse genuínos. É o gosto que tenho pelo que estudo que me leva a querer saber mais e o esforço empenhado torna-se apenas um meio para esse fim.

Scripta manent. O que se escreve, fica, permanece.
Bolsas Calouste Gulbenkian
info-Ciências digital - Novos Talentos em Matemática

Raquel Salgueira Póvoas, Área de Comunicação e Imagem
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

“Tropical specialist vs. climate generalist: Diversification and demographic history of sister species of Carlia skinks from northwestern Australia” é da autoria de Ana C. Afonso Silva, Jason G. Bragg, Sally Potter, Carlos Fernandes, Maria Manuela Coelho e Craig Moritz. Neste artigo os investigadores apresentam a história evolutiva de duas espécies de lagartos endémicos da Austrália - Carlia triacantha e Carlia johnstonei - revelando como se adaptaram a alterações climáticas do passado.

Com o fortalecimento da Aprendizagem (Machine Learning), a escola clássica da Inteligência Artificial ou IA (Good Old Fashion AI, GOFAI), apoiada em sistemas simbólicos, ficou entrincheirada. O livro mais recente do professor Hector Levesque, “Common Sense, the Turing Test, and the Quest for Real AI”, da MIT Press (2017), vem ajudar a não esquecermos o que a IA nos tem ensinado, ano após ano, acerca da mente, e, em particular, que o pensamento é um processo computacional. Como pode, então, a computação iluminar o pensamento?

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de agosto é com Cristina Manessiez, técnica superior da Biblioteca de Ciências.

Investigadores de Ciências e do Instituto Universitário de Lisboa desenvolvem hardware capaz de resolver tarefas robóticas, em contexto real, em menos tempo do que o alcançado até então. Os resultados foram publicados na revista científica Royal Society.

Em 2017 os Prémios Científicos ULisboa/Caixa Geral de Depósitos foram atribuídos a Vladimir Konotop e Ricardo Trigo. O ano passado foi a vez de Henrique Cabral e Eric Font. Ainda não é conhecida a data da cerimónia pública de entrega das referidas distinções.

Na lista de artigos e livros notáveis da ACM Computing Reviews, a Best of Computing, encontram-se publicações de professores e investigadores do Departamento de Informática de Ciências.

Alunos do ensino secundário participaramem projetos de investigação na Faculdade de Ciências da ULisboa. O culminar da atividade deu-se com um Congresso Científico, onde os "novos cientistas" apresentaram os resultados do trabalho realizado.

A palestra "Por que não anda o tempo para trás?”acontece dia 29 de julho, pelas 21h30,no Planetário Calouste Gulbenkian,Centro Ciência Viva deBelém.

Durante duas semanas, estudantes do ensino básico e secundário conheceram o ambiente da Faculdade e os métodos de trabalho dos cursos aqui lecionados.

“Tina dos Tsunamis” ocorreu no passado dia 29 de junho, durante o campo de férias Exploradores, com um grupo de 25 crianças, entre os 7 e os 14 anos do bairro do 2.º Torrão, em Almada.

Para compreendermos as capacidades de cada um de nós é preciso entender como as células nervosas se comportam e como interatuam entre si, isto é, pode sempre existir uma outra hipótese que consiga explicar um pouco mais. E, existem sempre os factos e as interpretações.

A Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa organiza de 24 a 28 de julho de 2017 a 4.ª edição do “Ser Cientista”.

No próximo ano letivo Ciências apresenta três novos cursos: Biologia dos Recursos Vegetais, Cultura Científica e Divulgação das Ciências e Data Science.

Preparado para mineração nos fundos marinhos profundos? E para viver sem telemóvel? Venha visitar a exposição Mar Mineral e compreender a relação.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de julho é com Andreia Santos, técnica superior do Gabinete de Apoio Psicopedagógico (GAPsi) da Área de Mobilidade e Apoio ao Aluno de Ciências.

O primeiro mestrado em Gestão e Governança Ambiental da Universidade Agostinho Neto foi frequentado por 24 alunos. Os primeiros dez estudantes apresentaram as teses em maio, numa cerimónia que contou com a presença de Maria de Fátima Jardim, ministra de Ambiente de Angola. As próximas defesas deverão ocorrer em outubro.

Em 2017, o Prémio Bronstein foi atribuído a Mercedes Martín-Benito, investigadora do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço e da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, em reconhecimento pelo seu importante contributo para a Cosmologia Quântica em Loop.

Em 2017 a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa acolhe o IV Encontro Internacional da Casa das Ciências, que ocorre entre 10 e 12 de julho.

“Foi um tempo para ficar apaixonada pelo estudo, investigação, conhecimento e sua aplicação na nossa vida diária”, conta a antiga aluna de Ciências, professora de Biologia e Geologia na Escola na Escola Secundária de Raul Proença, em Caldas da Rainha, Maria de Matos.

Ciências fez parte do roteiro da viagem de finalistas de uma turma de 9.º da Escola Básica Integrada Francisco Ferreira Drummond.

A unidade curricular Projeto Empresarial contou, em 2017, com a participação de nove alunos de mestrado de Ciências e 38 alunos da licenciatura de Finanças do ISCTE-IUL. Na sessão final de apresentação dos trabalhos desenvolvidos, o projeto Ecovital distinguiu-se.

Se olharmos bem para os seres humanos, capazes de sentir, pensar e sonhar, de criar, interpretar e compreender ideias, teorias e conceitos, perguntamos como a matéria de que são feitos foi então capaz de dar origem a estados mentais, incluindo mesmo a faculdade de consciência? A resposta a esta questão está cada vez mais ao alcance da consiliência (síntese), entre as neurociências, a psicologia, a robótica, e a inteligência artificial (aprendizagem).

Novo estudo com recurso a análises genéticas revela que o sapo-asiático que está a invadir a ilha de Madagáscar terá origem numa população do Camboja e Vietname.

“Ao transformarmos o problema dos resíduos orgânicos, numa oportunidade para melhorarmos o solo do campus de Ciências, ou seja, a matriz que suporta a vida, estamos a melhorar as plantas que aqui crescem com externalidades positivas para o ambiente”, declara David Avelar, guardião da HortaFCUL.

Exposição de design inclui projetos de comunicação de ciência, fruto de uma parceria entre o Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço e a Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa.

Páginas