Bolsas Calouste Gulbenkian

Entrevista a Rodrigo Duarte

Novos Talentos em Matemática

No âmbito deste programa Jorge Buescu é o tutor de Rodrigo Duarte

Ciências

Rodrigo Duarte é aluno do 2.º ano de Matemática e no primeiro ano em Ciências a sua média final foi de 19 valores, um mérito que lhe valeu a atribuição de uma bolsa no âmbito do programa Novos Talentos em Matemática, edição 2016/2017, da Fundação Calouste Gulbenkian.

 “É o gosto que tenho pelo que estudo que me leva a querer saber mais e o esforço empenhado torna-se apenas um meio para esse fim”

Saiba mais sobre o percurso do estudante de Ciências na entrevista a seguir apresentada. 

Rodrigo Duarte
Rodrigo Duarte

O que significa para si esta distinção?

Rodrigo Duarte (RD) - É muito recompensador sentir que o meu esforço foi reconhecido. É uma grande oportunidade ter uma plataforma que me incentiva a trabalhar para aprender, mais do que seria de outra forma esperado. As notas que temos têm um papel relevante mas não são o que realmente interessa, são apenas um efeito secundário do conhecimento que obtemos. Este programa dá-nos acesso a artigos, livros e outros materiais propostos pelos nossos tutores que nos dão uma grande ajuda a compreender melhor o gigante mundo que é a Matemática.

Complete a afirmação: ser aluno de Ciências ULisboa é…?

RD - Ser parte de uma comunidade de cientistas que são motivados pela busca da compreensão quanto ao funcionamento do mundo à nossa volta. É aprender o que as pessoas mais inteligentes que já passaram por este mundo - desde Arquimedes, a Newton, a Euler e muitos outros -, nos têm para dizer e usar [esse] conhecimento séculos de descobertas científicas para fazermos nós próprios descobertas que eventualmente irão contribuir para o progresso da sociedade.

Que momentos destaca ao longo do seu processo de aprendizagem na área da Matemática, nesta Faculdade?

RD - Os primeiros momentos quando se aprende uma nova área da Matemática são passados em confusão e escuridão, porque não percebemos porque é que as coisas são assim e qual a sua relevância. Mas eventualmente, se nos empenharmos e se nos imergirmos, chega uma altura em que a escuridão passa a clareza e a confusão passa a entendimento, muitas vezes num momento de iluminação, em que de repente, as coisas começam a fazer sentido. São esses momentos que eu destaco. Ser aluno de Matemática é também estar preparado para que a qualquer altura, numa dada aula, o(a) professor(a) nos surpreenda com um facto inacreditável, mas inescapável, sobre a natureza dos objetos que estudamos. São todos esses momentos que fazem valer a pena ser aluno de Matemática.

A bolsa de mérito é no valor de 250€ por mês, durante dez meses. Recebeu outro tipo de apoio, como a ligação a investigadores, oportunidades de desenvolver trabalho de investigação, ou outros?

RD - Para além do apoio financeiro, [outra] grande vantagem do programa é a atribuição de um tutor [neste caso, Jorge Buescu], com o fim de realizar estudos aprofundados e iniciar projetos de investigação em Matemática.

Que importância considera que este tipo de apoio tem para jovens no ensino superior?

RD - Este tipo de programas parece-me ser de extrema importância. Em primeiro lugar, fornece-nos um incentivo ao estudo, mostrando que a sociedade valoriza o esforço e o conhecimento. Por outro lado, dá-nos a conhecer o mundo da investigação e ajuda-nos a compreender melhor como é a realidade do mundo académico, o que é de valorizar para quem, como eu, está a pensar seguir a carreira académica.

De que forma se atingem tão bons resultados?

RD - Para mim a resposta a esta pergunta é simples: com muito estudo e muito interesse. O interesse é necessário para motivar o estudo, caso contrário este torna-se menos produtivo. É também importante como se estuda. A prática só leva à perfeição se estivermos a praticar bem, de outra forma vamos apenas acentuar os nossos erros e não corrigi-los. Em Matemática é importante resolver bastantes exercícios, mas apenas se estamos a perceber o que estamos a fazer. Muitas vezes é preferível perder bastante tempo num problema específico em vez de simplesmente ver a resolução e apontar para a quantidade, porque quando somos nós a chegar ao resultado certo os conceitos envolvidos acabam por ser interiorizados com muito mais eficácia.

Há alguma história engraçada na Faculdade que queira partilhar connosco?

RD - Um dia estava a sair de uma aula e deparei-me com um amigo de infância, que já não via há anos sem ter sequer ideia de que ele estava na mesma faculdade que eu. Estava ainda a preparar-me para o cumprimentar quando fui confrontado com a pergunta: “-Tens uma calculadora?”. Apesar de ter ficado surpreendido com a pergunta, obviamente tenho sempre uma calculadora comigo e portanto emprestei-lhe. Aparentemente, ele ia ter teste a seguir e não se lembrou de trazer uma. Felizmente, no dia seguinte, pudemos usar a desculpa da devolução da calculadora para pôr a conversa em dia. Se não tivesse sempre preparado para uma necessidade repentina de “poder computacional”, talvez nunca tivéssemos voltado a entrar em contacto.

Há algum professor e/ou colega que o tenha marcado?

RD – Ao longo do meu percurso académico têm sido muitos os professores que me marcaram e certamente todos contribuíram para quem eu sou hoje. Contudo, neste momento destacaria o meu tutor - Jorge Buescu-, que tem mostrado bastante disponibilidade e me tem “inundado” com recursos que serão valiosos no meu processo de aprendizagem.

Os bons resultados atingem-se com esforço e… Que mais acrescentaria?

RD - O esforço e trabalho árduos são essenciais se queremos sucesso em qualquer área, mas para que este seja sustentável é necessário motivação e interesse genuínos. É o gosto que tenho pelo que estudo que me leva a querer saber mais e o esforço empenhado torna-se apenas um meio para esse fim.

Scripta manent. O que se escreve, fica, permanece.
Bolsas Calouste Gulbenkian
info-Ciências digital - Novos Talentos em Matemática

Raquel Salgueira Póvoas, Área de Comunicação e Imagem
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

A 3.ª corrida de carros movidos a energia solar conta com a participação de 30 pilotos e dez carros construídos por alunos dos ensinos secundário e universitário.

“Estou a adorar a minha experiência académica. Ao estar no ramo da Matemática, consegui desenvolver algumas softskills, tais como a organização, a atenção ao detalhe, a capacidade para questionar e o rigor”, declara Diogo Ramalho, campeão nacional universitário de Taekwondo e aluno de Matemática de Ciências.

“Chocolate – do laboratório à fábrica” é uma das 159 palestras apresentadas por professores, cientistas a pedido das escolas secundárias.

No programa Novos Talentos em Matemática, edição 2016/2017, da Fundação Calouste Gulbenkian, foram distinguidos três alunos de Ciências. Desta vez, entrevistamos a aluna do 3.º ano do curso de Matemática de Ciências, Isabel Nobre.

Uma circulação de vento entre o equador e os polos foi detetada em ambos os hemisférios de Vénus pela primeira vez, e poderá contribuir para explicar a superrotação da atmosfera deste planeta, segundo estudo liderado por Pedro Machado, investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaçoe professor do Departamento de Física de Ciências.

No filme “The man who knew infinity” (sobre a colaboração de Ramanujan com Hardy em Cambridge, Reino Unido) aborda-se a resolução de problemas e a discussão do recurso à intuição. O terreno da Matemática é o escolhido, tal como no problema de Kadinson-Singer (sem resolução durante 50 anos), e onde se trata da reconciliação da Física Quântica com a Matemática (Marcus, Spielman e Srivastava, 2015).

Filipe Duarte Santos foi designado presidente do Conselho Nacional do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável (CNADS), segundo comunicado do Conselho de Ministros de 9 de março.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de março é com Rui Batista, especialista em Informática da Área de Sistemas de Informação e Desenvolvimento da Direção de Serviços Informáticos de Ciências.

Proteger a biodiversidade. Engane-se quem pensa que só os biólogos participam nesta árdua tarefa. 

Um estudo publicado na revista “Quaternary Science Reviews”, fruto de cinco anos de trabalho de investigadores portugueses e espanhóis, permitiu reconstruir a evolução da vegetação, paisagem e clima da ilha de São Miguel nos últimos 700 anos, através da análise dos sedimentos da Lagoa Azul.

A American Physical Society (APS) já anunciou a lista de homenageados pelo "Outstanding Referee Program" em 2017 e José Pedro Mimoso, professor do Departamento de Física e investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, é um deles.

As populações de várias espécies de anfíbios na Serra da Estrela estão a diminuir drasticamente, devido a uma infeção por uma nova estirpe de vírus, também já detetado noutras partes de Espanha e da Europa, segundo comunicado de imprensa emitido recentemente pelo cE3c – Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais.

Durante o Green Day ocorrido esta segunda-feira no campus de Ciências foi apresentado o Ecokart Twin, o primeiro kart elétrico português de dois lugares.

“Pequenas ações fazem a diferença, não tenham medo de sair da zona de conforto”. João Paulo Silva, um dos membros do projeto Movetech Telemetry, “apaixonado pela natureza”, dedicado ao estudo da ecologia das aves dos meios agrícolas, nomeadamente em projetos de seguimento remoto de vida selvagem como o Lince ou a Águia Imperial, deixa este conselho aos jovens que se interessam por esta área da Biologia. Saiba mais sobre este cientista, antigo aluno de Ciências e coordenador da componente científica e de desenvolvimento de software do Movetech Telemetry.

João Paulo Silva, doutorado em Ecologia por Ciências, investigador do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos e do cE3c, é um dos membros da equipa do Movetech Telemetry, no âmbito do qual estão a ser desenvolvidos equipamentos ultraleves e de grande autonomia para monitorização eficaz da vida selvagem.

O mercado do processamento da língua natural (PLN), segmentado em codificação automatizada, análise de textos, reconhecimento de carateres óticos, resposta interativa em voz, reconhecimento de padrões e imagens, e analítica da voz, tenderá a aumentar muito nos próximos dez anos.

O “XV Encontro de Jovens Investigadores em Paleontologia (EJIP)” realiza-se de 19 a 22 de abril de 2017, na cidade de Pombal, um concelho cuja riqueza paleontológica é salientada pela comissão organizadora desta 15.ª edição. Carlos Marques da Silva e Mário Cachão, professores do Departamento de Geologia e investigadores do Instituto Dom Luiz, são oradores convidados do encontro, cujas inscrições decorrem até ao final de março.

“Este programa dá-nos acesso a artigos, livros e outros materiais propostos pelos nossos tutores que nos dão uma grande ajuda a compreender melhor o gigante mundo que é a Matemática”, diz Rodrigo Duarte, estudante de Ciências, galardoado com uma bolsa Novos Talentos em Matemática 2016/2017.

Anny Caroline Muniz, aluna do mestrado em Bioestatística de Ciências, participou no estudo “Perfil Tabágico dos Estudantes dos 2.º e 3.º ciclos das Escolas do ACES Arco Ribeirinho”, dos concelhos de Alcochete, Barreiro, Moita e Montijo, desenvolvendo igualmente um modelo matemático para a previsão do adolescente/tipo com maior probabilidade de começar a fumar precocemente.

Qual o principal fator que provocou o crescimento das regiões exteriores das galáxias elípticas na época mais recente do Universo? Esta pergunta motivou a investigação liderada por Fernando Buitrago, investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço e professor convidado do Departamento de Física de Ciências, dando origem ao mais detalhado estudo publicado online em janeiro na Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

O inquérito desenvolvido pelo cE3c - no âmbito do projeto europeu “Green Surge - Green Infrastructure and Urban Biodiversity for Sustainable Urban Development and the Green Economy” -, pode ser respondido até 15 de abril de 2017.

O Lisbon Green Hackathon 2017 acontece nos dias 11 e 12 de março. As inscrições terminam a 1 de março. No âmbito do evento estão previstas outras atividades, nomeadamente um ciclo de workshops, sessões de networking, debates e apresentações de startups.

O Tec Labs abriu portas ao ecossistema de inovação e empreendedorismo de Lisboa. O dia foi marcado pela apresentação de novidades para 2017, pelo networking entre os convidados e pela partilha de eventuais projetos e parcerias futuras.

O “Dr. Celestino” era não só um petrólogo excecional e um geólogo de campo incansável, como, e acima de tudo, uma pessoa encantadora pela sua delicadeza de trato. Os colegas do Departamento de Geologia e os ex-colegas do IICT sentirão certamente a falta da sua presença assídua e das interessantes e interessadas conversas sobre a Geologia de Cabo Verde.

Em fevereiro o Tec Labs – Centro de Inovação de Ciências abre as portas aos parceiros do ecossistema empreendedor nacional.

Páginas