Bolsas Calouste Gulbenkian

Entrevista a Rodrigo Duarte

Novos Talentos em Matemática

No âmbito deste programa Jorge Buescu é o tutor de Rodrigo Duarte

Ciências

Rodrigo Duarte é aluno do 2.º ano de Matemática e no primeiro ano em Ciências a sua média final foi de 19 valores, um mérito que lhe valeu a atribuição de uma bolsa no âmbito do programa Novos Talentos em Matemática, edição 2016/2017, da Fundação Calouste Gulbenkian.

 “É o gosto que tenho pelo que estudo que me leva a querer saber mais e o esforço empenhado torna-se apenas um meio para esse fim”

Saiba mais sobre o percurso do estudante de Ciências na entrevista a seguir apresentada. 

Rodrigo Duarte
Rodrigo Duarte

O que significa para si esta distinção?

Rodrigo Duarte (RD) - É muito recompensador sentir que o meu esforço foi reconhecido. É uma grande oportunidade ter uma plataforma que me incentiva a trabalhar para aprender, mais do que seria de outra forma esperado. As notas que temos têm um papel relevante mas não são o que realmente interessa, são apenas um efeito secundário do conhecimento que obtemos. Este programa dá-nos acesso a artigos, livros e outros materiais propostos pelos nossos tutores que nos dão uma grande ajuda a compreender melhor o gigante mundo que é a Matemática.

Complete a afirmação: ser aluno de Ciências ULisboa é…?

RD - Ser parte de uma comunidade de cientistas que são motivados pela busca da compreensão quanto ao funcionamento do mundo à nossa volta. É aprender o que as pessoas mais inteligentes que já passaram por este mundo - desde Arquimedes, a Newton, a Euler e muitos outros -, nos têm para dizer e usar [esse] conhecimento séculos de descobertas científicas para fazermos nós próprios descobertas que eventualmente irão contribuir para o progresso da sociedade.

Que momentos destaca ao longo do seu processo de aprendizagem na área da Matemática, nesta Faculdade?

RD - Os primeiros momentos quando se aprende uma nova área da Matemática são passados em confusão e escuridão, porque não percebemos porque é que as coisas são assim e qual a sua relevância. Mas eventualmente, se nos empenharmos e se nos imergirmos, chega uma altura em que a escuridão passa a clareza e a confusão passa a entendimento, muitas vezes num momento de iluminação, em que de repente, as coisas começam a fazer sentido. São esses momentos que eu destaco. Ser aluno de Matemática é também estar preparado para que a qualquer altura, numa dada aula, o(a) professor(a) nos surpreenda com um facto inacreditável, mas inescapável, sobre a natureza dos objetos que estudamos. São todos esses momentos que fazem valer a pena ser aluno de Matemática.

A bolsa de mérito é no valor de 250€ por mês, durante dez meses. Recebeu outro tipo de apoio, como a ligação a investigadores, oportunidades de desenvolver trabalho de investigação, ou outros?

RD - Para além do apoio financeiro, [outra] grande vantagem do programa é a atribuição de um tutor [neste caso, Jorge Buescu], com o fim de realizar estudos aprofundados e iniciar projetos de investigação em Matemática.

Que importância considera que este tipo de apoio tem para jovens no ensino superior?

RD - Este tipo de programas parece-me ser de extrema importância. Em primeiro lugar, fornece-nos um incentivo ao estudo, mostrando que a sociedade valoriza o esforço e o conhecimento. Por outro lado, dá-nos a conhecer o mundo da investigação e ajuda-nos a compreender melhor como é a realidade do mundo académico, o que é de valorizar para quem, como eu, está a pensar seguir a carreira académica.

De que forma se atingem tão bons resultados?

RD - Para mim a resposta a esta pergunta é simples: com muito estudo e muito interesse. O interesse é necessário para motivar o estudo, caso contrário este torna-se menos produtivo. É também importante como se estuda. A prática só leva à perfeição se estivermos a praticar bem, de outra forma vamos apenas acentuar os nossos erros e não corrigi-los. Em Matemática é importante resolver bastantes exercícios, mas apenas se estamos a perceber o que estamos a fazer. Muitas vezes é preferível perder bastante tempo num problema específico em vez de simplesmente ver a resolução e apontar para a quantidade, porque quando somos nós a chegar ao resultado certo os conceitos envolvidos acabam por ser interiorizados com muito mais eficácia.

Há alguma história engraçada na Faculdade que queira partilhar connosco?

RD - Um dia estava a sair de uma aula e deparei-me com um amigo de infância, que já não via há anos sem ter sequer ideia de que ele estava na mesma faculdade que eu. Estava ainda a preparar-me para o cumprimentar quando fui confrontado com a pergunta: “-Tens uma calculadora?”. Apesar de ter ficado surpreendido com a pergunta, obviamente tenho sempre uma calculadora comigo e portanto emprestei-lhe. Aparentemente, ele ia ter teste a seguir e não se lembrou de trazer uma. Felizmente, no dia seguinte, pudemos usar a desculpa da devolução da calculadora para pôr a conversa em dia. Se não tivesse sempre preparado para uma necessidade repentina de “poder computacional”, talvez nunca tivéssemos voltado a entrar em contacto.

Há algum professor e/ou colega que o tenha marcado?

RD – Ao longo do meu percurso académico têm sido muitos os professores que me marcaram e certamente todos contribuíram para quem eu sou hoje. Contudo, neste momento destacaria o meu tutor - Jorge Buescu-, que tem mostrado bastante disponibilidade e me tem “inundado” com recursos que serão valiosos no meu processo de aprendizagem.

Os bons resultados atingem-se com esforço e… Que mais acrescentaria?

RD - O esforço e trabalho árduos são essenciais se queremos sucesso em qualquer área, mas para que este seja sustentável é necessário motivação e interesse genuínos. É o gosto que tenho pelo que estudo que me leva a querer saber mais e o esforço empenhado torna-se apenas um meio para esse fim.

Scripta manent. O que se escreve, fica, permanece.
Bolsas Calouste Gulbenkian
info-Ciências digital - Novos Talentos em Matemática

Raquel Salgueira Póvoas, Área de Comunicação e Imagem
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

“O meu destino já não é um lugar, mas sim uma nova forma de ver.”
Marcel Proust

Ciências participa na KIC EIT Health que visa promover o empreendedorismo para o desenvolvimento de uma vida saudável e de um envelhecimento ativo. Os alunos podem inscrever-se na unidade curricular que lhes permite participar no projeto, sendo que uma parte é feita na Dinamarca.

A experiência ATLAS acontece há 25 anos e a data será celebrada com palestras, bem como com uma homenagem à responsável pela participação portuguesa na experiência, a cientista Amélia Maio.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de outubro é com Francisco Oliveira, assistente técnico do Núcleo de Manutenção do Gabinete de Obras, Manutenção e Espaços da Área de Serviços Técnicos de Ciências.

O Prémio Nobel da Física de 2017 foi atribuído a Rainer Weiss, Barry Barish e Kip Thorne. Francisco Lobo, investigador do Departamento de Física de Ciências e do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, comenta o tema.

Há cinco anos o biólogo marinho Pedro M. Lourenço encontrou microfibras em dejetos de aves. Foi nessa ocasião que surgiu a ideia de avaliar a abundância de microplásticos nos estuários, iniciando assim um estudo sobre a poluição por plásticos.

“Para além da importância no contexto científico, este trabalho também tem uma forte importância no contexto industrial, pois permite otimizar os gastos de energia domésticos e industriais”, explica o investigador do Centro de Química Estrutural de Ciências, Francisco Bioucas.

Mais de 100 cientistas reúnem-se em Lisboa, na Faculdade de Ciências, para abordar a temática dos nanofluidos.

A origem dos raios cósmicos de elevada energia foi desvendada. O LIP, do qual Ciências faz parte, colaborou na obtenção dos resultados.

O minhocário será usado para investigar o processo de vermicompostagem, numa experiência piloto em parceria com o Gabinete de Segurança, Saúde e Sustentabilidade da Área de Serviços Técnicos de Ciências e com o Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c).

Há um mineral peculiar que pode ajudar a desvendar o contributo do vulcanismo de Decão sobre a extinção em massa e a morte dos dinossauros: a akaganéite. Os resultados do estudo foram publicados na Nature Scientific Reports.

Ciências participa com mais de 30 de atividades de divulgação de ciência, espalhadas por Lisboa, Lousal e até na ilha Terceira.

O primeiro Dia Internacional do Microrganismo foi celebrado a 17 de setembro, no Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa, numa iniciativa conjunta da Sociedade Portuguesa de Microbiologia, Ordem dos Biólogos, Ciência Viva e Comissão Nacional da UNESCO.

Desde 1971 que a guerra está aberta, mas o combate tem sido difícil. Por um lado, não temos só uma doença, e o que já conhecemos não tem chegado para estarmos contentes.

Um novo estudo liderado por Ciências encontrou grandes quantidades de fibras artificiais no estuário do Tejo e em zonas costeiras da África Ocidental, segundo comunicado de imprensa emitido pela Faculdade esta segunda-feira.

Falta pouco para a Faculdade voltar a ser homenageada com a atribuição de mais duas insígnias de professores eméritos a dois dos seus docentes aposentados.

Zbigniew Kotowicz, investigador e membro integrado do Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa, faleceu aos 67 anos, no dia 21 de setembro de 2017.

Ciências integra um consórcio europeu que vai receber do programa Horizon 2020 cinco milhões de euros para desenvolver, entre 2018 e 2021, a mais avançada tecnologia de espectrometria de massa.

Agora que terminaste o ensino secundário e estás prestes a iniciar esta nova etapa, vários vão ser os desafios pessoais e académicos que vais enfrentar.

O "MOONS Science Consortium Meeting" termina esta quarta-feira, dia 13 de setembro, após dois dias de reuniões. O encontro "à porta fechada" decorre no campus de Ciências e visa consolidar os casos científicos e discutir as estratégias de observação do espectrógrafo, cuja fase de construção arranca agora.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de setembro é com Sandra Crespo, assistente técnico do Departamento de Informática de Ciências.

Ciências preencheu 99,9% das suas vagas na 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso (CNA) ao ensino superior, a taxa mais elevada desde que há registo.

No dia 14 de setembro, pelas 17h30, a arqueóloga Lídia Fernandes vai falar sobre o chão, no MUHNAC-ULisboa, em mais uma sessão de 60 Minutos de Ciência.

Maria de Deus Carvalho, professora do Departamento de Química e Bioquímica (DQB) e investigadora do Centro de Química e Bioquímica de Ciências, faleceu aos 53 anos, no dia 5 de setembro de 2017.

As Olimpíadas Internacionais de Ciências da Terra ocorreram nos dias 29 e 30 de agosto, em Nice, na Côte d'Azur, em França. Pelo terceiro ano consecutivo, os estudantes do ensino secundário português voltaram a conquistar medalhas.

Páginas